Eu quero encontrar o amor tão mal

Meus pais só querem psicólogos que eles conhecem

2020.11.20 00:48 black_tarja Meus pais só querem psicólogos que eles conhecem

Eu tenho 21 anos, nasci, cresci e moro em um lar cristão, meus pais são psicólogos e um deles é pastor. Eu já passei por alguns traumas durante a vida: bullying na infância por toda a escola, molestado por volta dos 12 anos e relacionamentos (não amorosos) complicados. Coisas normais que se podem encontrar
A muito tempo já não me identifico com a religião cristã. Acredito em Deus, mas não tenho pensamentos e opiniões que coincidem com essa instituição. Não quero tacar fogo nela e falar que é o mal do mundo, apenas não me sinto eu nela.
Passando por alguns eventos do ensino médio, fui percebendo que talvez possuo problemas psicológicos não resolvidos, como ansiedade e depressão, mas nunca procurei ajuda profissional. Eu apenas fazia testes inúmeras vezes em vários anos e os resultados eram semelhantes.
Alguns acontecimentos aqui em casa culminaram em eu contar que talvez sofra desses transtornos para os meus pais, e ficamos de procurar um profissional. Porém um tempo se passou e nada.
Nesse meio tempo, encorajado por amigos dizendo que meus pais entenderiam e que eles me amam independente de tudo, resolvi contar sobre meu posicionamento religioso.
O resultado foi exatamente o que eu esperava, e diferente do que me disseram.
Meu pai ficou dias sem falar comigo direito, apenas com uma cara de choro. Minha mãe foi completamente dura, dizendo um discurso que desse a entender que minhas decisões pessoais não eram tão pessoais, porque eu teria que levar em conta o meio, uma hora chegou pra cima de mim dizendo "então a gente sai da igreja. Todo mundo junto! Seu pai deixa de ser pastor, a gente vai trabalhar em outro lugar, pode ser???". Parece loucura o fato de religião ser algo pessoal né?
Com esse resultado, eu simplesmente voltei a ser do jeito que sempre fui: nunca contei muito sobre mim pra eles, pois sempre senti que sempre que eu digo algo sobre mim tudo só piora. Eu cresci na igreja e me envolvi em alguns serviços dela, então só fingi que eu nunca disse pra meus pais sobre minha vontade de sair da igreja e continuei neles quieto.
Recentemente "procuramos" um psicólogo. Tenho ido nele já tem umas 8 sessões. Porém eles escolheram apenas um dentre os quais eles conheciam e de preferência um que fosse pastor. Esse psicólogo fez seminário junto com meu pai.
Ele não é ruim, mas eu não me sinto nem um pouco confortável para falar sobre mim para ele, sempre há uma máscara cristã-social que preciso me esconder para que mantenha uma normalidade. Recentemente estou passando por um término de relacionamento muito complicado, ela é o amor da minha vida e ela demonstra que eu sou o dela, e esse término tem acontecido ao mesmo tempo que essas sessões. Me lembro que ao falar sobre ela pro psicólogo, uma das primeiras perguntas que ele fez foi "já levou ela pra sua igreja?".
Estou tentando arranjar todas as desculpas possíveis pra poder parar de ir nele, mas eu sei que se eu for procurar de novo, meus pais agirão novamente como filtro. Se eu reclamar sobre o filtro, será algo que eu digo sobre mim, e como disse antes, as coisas sempre ficam piores.
Eu só queria que um dia todo mundo pudesse ser assumidamente diferente e sentar todos na mesma mesa e nada disso interferir no amor que tem um pelo outro, mas demonstraram que isso seria impossível se a religião de todos não for a mesma. Acho melhor carregar essa ansiedade e depressão quieto dentro de mim até terminar a faculdade e ganhar meu próprio dinheiro pra ir atrás do psicólogo sem passar por esse filtro e sair dessa casa.
Desculpa se estou fazendo tempestade em copo d'água, é que as vezes é foda. Obrigado por ter lido esse texto porcamente escrito até aqui
submitted by black_tarja to desabafos [link] [comments]


2020.11.05 05:17 Afternoon_Upbeat Eu fui embora da vida da única mulher que já amei.

To usando uma conta throwaway porque sim, slá.
Esse vai ser longo ;D
Eu conheci essa moça (vou chamar ela de X) aos 12 anos de idade e de cara começamos a nós dar bem, fomos da mesma sala por vários anos consecutivos, acabei que me apaixonei por ela de uma forma bem inocente, eu gostava de ver ela sorrir, rir. Enfim, por volta dos 14 anos eu falei com ela sobre isso, que eu realmente gostava dela e tal....bem no dia depois dela começar a namorar outro maluco, sem problemas, é a porra da vida eu acho? ao longo dos anos ela brigou bastante com ele por minha causa, me sentia mal por isso e tal, mas não me importava muito, afinal, ficar perto dela pra mim era o suficiente.
Ao longo dos anos eu continuei completamente apaixonado por ela, ela me contava tudo da vida dela, fui até o primeiro que ela contou sobre perder a virgindade aos 15 praquele mesmo cara, machucou um pouco...mas fazer oque? nesse ano que ela me contou isso o cara deu um ultimato nela, era basicamente; "Eu ou ele". Ela escolheu ele, entendível, afinal de contas era namoradinho dela. eu tinha 16 ela 15. Antes disso eu andava de mão dada por ai com ela e tal, nunca nem tinha ficado com outra pessoa de tanto que eu era imbecilmente apaixonado por ela, passamos um ano só falando "oi" um pro outro no máximo.
Eles terminaram eu tinha 17 e ela 16, voltamos rapidamente pra rotina antiga, acabei ouvindo amigos meus sobre ficar com outras pessoas pra esquecer, cedi, fiquei com as minas mais parecidas com ela que tinham, todo mundo achava estranho, mas sei lá, meio que só sentia atração assim? O lado bom disso é que passou a vontade louca de ficar com a "X", comecei a ficar com gente aleatória, foda é que veio lado ruim logo depois, cai em depressão, saí do colégio, entrei na faculdade, comecei a me drogar pra esquecer essa mulher e não dava, eu sempre esquecia ela e logo depois voltava com tudo o sentimento, pelo menos, "nunca" na minha vida sofri rejeição, as pessoas falam que sou um cara atraente, nunca vi isso principalmente porque já fui rejeitado por ela.
Aos 19 anos nossa amizade escalou pra caralho, começamos a fazer muitas coisas só nos dois, bebíamos juntos, acampamos juntos, ela dormia abraçada comigo na minha cama(????????) (Nota pro leitor: nunca nem fiquei com ela.) chegou num ponto que eu acordei e ela dormia em cima de mim e eu pensei comigo mesmo; "essa é a vida que eu quero pra mim? Não ter a única que me importo?"
Comecei a namorar pela primeira vez depois dessa realização, isso no mesmo ano, terminei com minha namorada depois de dois anos, foi um relacionamento que me fez entender muito sobre a vida, foi horrível, nunca fui tão maltratado por uma pessoa como por minha ex-namorada , chegou até um ponto que ela falou que só ficava comigo pela minha aparência, de qualquer forma, terminei com ela, não culpo ela, levei esse relacionamento como um aprendizado sobre a vida. O lado bom é que, durante esses dois anos, eu fui completamente proibido pela minha namorada na época de ver a "X", dois anos sem nem ver ela direito. Quando eu terminei, na mesma semana falei com a "X" e fui encontrar ela.
Ela tem depressão severa, enche o vazio dentro dela com drogas e sexo randômico, assim como eu anos atrás, eu encontrei com ela varias vezes, até que ela me pediu perdão por tudo, era exagerada nossa amizade e que sempre que eu ia embora da vida dela, que foram varias vezes, ela esperava eu voltar. Isso me quebrou, mas acabei entendendo que a decisão correta seria ir embora, ela me ama, mas não como eu gostaria, e eu não queria ficar nesse joguinho. Ainda mais porque eu já estava começando a cair por ela de novo
Marquei com ela pra conversar sobre isso, sem ela saber, obviamente (eu sou um animal).
Expliquei tudo, cheguei lá por volta das 19. só fui embora as 2 da manhã, na primeira hora ela negou eu ir embora de novo e que mentiria pra mim sobre o estado mental dela e que ela ia omitir ela ficando com outras pessoas e tal, neguei, não queria isso, queria ela, não uma vida perto dela. Ao longo da conversa ela compreendeu e disse que apoiava eu ir embora, ela me acompanhou até meu carro e me abraçou, ficamos quase duas horas só fazendo carinho um no outro, até que ela me perguntou se seria tudo bem ela me beijar já que era nossa ultima vez juntos, EU NÃO SABIA OQUE DIZER, eu só fiquei olhando pro vento por uns bons 10/20 segundos, ela falou que era besteira, acabei aceitando o beijo, ela me deu só um selinho besta e começou a ir embora....puxei ela e começamos a ficar de verdade, passou algum tempo ela me empurrou e foi embora olhando pra mim e sorrindo.
Ao longo dessa conversa que tivemos ela ficou visivelmente triste e sem duvidas ela notou que eu também fiquei, ela me disse que chorou muito quando fui embora na época que namorei....agora só posso imaginar oque ela sente sobre mim, nunca achei que ia ficar com ela ou algo do tipo, só aconteceu.
Nota: eu tratei minha depressão ao longo dos anos. Assim como sempre tentei estar lá pra ela durante a depressão dela, até mesmo durante meu relacionamento.
Agora eu estou mais triste do que já estive em toda minha vida, comecei a me focar mais em mim, fazendo dieta, malhando, estudando pra faculdade, mas eu não consigo tirar ela da cabeça, tenho 21 anos e faz uma semana que fui embora da vida dela, meu corpo parece se negar esquecer ela, sonho com ela quase toda noite, não consigo falar com nenhuma outra mulher, não consigo nem me masturbar porque acabo chorando ao ver pornografia(???????????).
Compreendo o argumento de "ah tem mais muié por ai", porém, com todo o respeito, vá te fudé rapá, eu sei muito bem disso, o foda é que ela é a minha melhor amiga, foi por anos, me sentia mais aberto com ela do que com qualquer outra pessoa, eu podia falar qualquer coisa com ela e vice-versa, era tudo que sempre quis, toda idealização de amor que já tive na vida veio dela.
Eu só não sei oque fazer sem ela, sem nunca mais nem dar um oi, um abraço...eu conheço ela mais do que qualquer outra pessoa e só não sei oque fazer...
submitted by Afternoon_Upbeat to desabafos [link] [comments]


2020.10.29 10:18 nofimnaime Palavras Somente.

Eu não aguento mais conversar comigo mesmo, e como não tenho mais pessoas para isso, essa é a melhor solução. Minha vida só desanda, e desde 2017 eu não consigo segurar as pontas, tive perdas que até hoje me doem, e escolhas nas quais eu me arrependo toda a noite antes de dormir. Consegui afastar esses pesos algumas vezes durante esse tempo, mas ele volta com mais carga, cargas atuais, e isso sempre vem a calhar na semana do meu aniversário. Mas esse peso não é a dor que quase me fez ser atropelado no meu aniversário ou a entrar em pânico na frente de um mercado. Uns meses atrás conheci uma pessoa, e eu naquele momento só queria sair com alguém, aproveitar uma nova amizade e ter aquele lance casual, era só isso, eu estava no meu canto escuro do quarto, já acostumado com esse peso no meu peito, e não queria mais dor de cabeça. E infelizmente eu conheci ela, eu não dava nada pra aquela desgraçada, as mensagens trocadas porém, me fez sentir algo por ela, aquele tipo de sensação "Ok, quero ser seu amigo", e desse jeito eu descobri que ela também não estava bem, tinha acabado de sair de um relacionamento complicado de 5 anos (3 anos de namoro, mas já sofria por 5 anos), e eu botei aquilo na minha cabeça, só queria ter uma pessoa pra conversar, conviver e aproveitar tudo que dava, e depois de uma longa espera de dois dias de conversa, resolvemos se encontrar, morávamos perto do outro, na qual no meio do caminho tinha um parque, perfeito meio termo para ambos, e quando eu vi ela, tudo que eu tinha montado sobre ela mudou. Aquele mesmo sentimento que você olha e admira aquela pessoa no trem, acha tudo incrível e pensa "e se...", o diferencial mesmo foi já conhecer ela, e a cada detalhe, conversa e risadas daquele dia, eu tive a infelicidade de nutrir um sentimento por ela... Não demorou muito para as coisas rolar entre a gente, tínhamos um entrosamento perfeito, e estávamos lá, indo pra minha casa no nosso primeiro encontro, e o que eu achei disso? Eu realmente tinha me apaixonado pelo brilho do olhar dela, o sorriso dela me trazia pás e a voz dela me acalmava, era tudo que eu queria até o momento, chegando lá ela me explicou que o ex relacionamento dela ainda pesava naquele momento, lógico que eu me desapontei um pouco, mas era apenas uma apaixonisse de momento, dava para reverter, e fiz o que tinha que fazer, falei que não iria servir de ponte para ninguém superar ninguém, acabou que ela dormiu na minha casa... Foi uma das melhores noites da minha vida? CLARO PORRA, E AINDA ELA FOI A PROTAGONISTA DE UMA DAS CENAS MAIS MEMORÁVEIS DA MINHA VIDA. No outro dia, conversamos ainda mais, e na dúvida que eu estava, esperei pelo movimento dela, pra mim tudo é um jogo, cada detalhe e ação conta, e o turno dela foi pedir um Uber pra minha casa, pra passar outra noite comigo, e ela estava incrivelmente linda... maquiada com uma delicadeza... vestido que abraçava a arte corporal dela... e a boca que porta o melhor dos sorrisos...
Foi nesse momento que eu cometi o maior erro de todos, depois de uma noite incrível (outra), eu falei que queria ela pro resto da minha vida, ela ainda estava afetada pela outra, mas o coração dela já sentia alguma coisa por mim, além do relacionamento passado dela, tinha a minha ex...
E então eu entro no meu primeiro inferno.
Sim, é isso mesmo que você está pensando, 4 dias de conversa e eu já estava pedindo ela em namoro, eu não conhecia ela direito, e muito menos ela me conhecia, só que aqueles momentos foram ótimos, e foram por bastante tempos, mesmo com autos e baixos, só que cada vez que ela deitava no meu peito, e a gente conversava fica mais nítido que os dois se amava, e saiu dela, o primeiro "te amo", na qual terei a dor de nunca esquecer, e foi assim que depois de 6 dias de conhecer ela, resolvemos entrar em um relacionamento, depois dela ter completado um mês de sair do dela, e eu de ter tentado incontáveis vezes de retorna com minha ex. Aliás, minha ex... todos nós temos problemas, e o problema dela sempre foi se depender demais de mim, morávamos juntos, e depois de perceber que a gente não daria certo, terminei e voltei pra casa, porém ela era destruída psicologicamente, uma vontade de suicídio constante, e eu tinha medo de isso se torna uma realidade, mesmo terminando com ela, a moça nunca deixou de ter minha importância, antes de sermos namorados, eramos amigos, e isso não acabou, sempre vou me importar com ela, como a grande amiga que ela é. E nossa protagonista não entendia isso, até tentou compreender a gente guardar por um tempo, mas ela queria nos anunciar para o mundo... E no começo eu não entendia o "pra que?" só tentava explica que isso poderia acabar com a vida de uma pessoa, e depois de uma semana nisso, se encontrando todos os dias com ela, resolvi conversar com minha ex. Expliquei pra ela o que estava acontecendo, e que eu tinha encontrado outra pessoa, que não queria perder o contato dela, sendo ela uma das pessoas mais importantes da minha vida, acabou que minha ex entendeu, e ficou ressentida, ela sentia muita coisa, e queria voltar... mas ela seguiu o caminho dela e me deu apoio, ela simplesmente me queria feliz, era só eu correr pro abraço da minha então amada e vocês teriam lido o começo de uma linda história de amor...
E então eu senti pela primeira vez a chama silenciosa do primeiro inferno.
A pessoa cujo eu já chamava de "Vida", não achou isso o bastante, mesmo já declarando nosso namoro, ela queria mais, pediu pra eu cortar contato com minha ex, vulgo melhor amiga, dizia que não daria certo e me pressionou a prometer isso pra ela, e nesse meio termo, eu tive que ver ela tentando reconstruir uma amizade com a ex dela e falhando miseravelmente no mínimo, mas BELEZA, segui deixando a minha ex de lado e fui construir o que eu queria com a pessoa que eu desejava, e nas primeiras semanas, foi maravilhoso, eramos a melhor combinação do mundo, dava pra sentir os outros casais invejando, a gente era mais entrosado que Romário e Bebeto, mais bonito que o sol se pondo em um céu laranjado, muito mais divertido que o todo o elenco dos Barbixas fundido com o Hermes e Renato, se você não entendeu que éramos incríveis, coloca todas as referências ao seu gosto que você vai entender. Só que eu descia mais para o inferno e não sabia.
Os outros níveis do inferno.
Todo mundo briga, não é nenhum erro discordar com alguém, e os lados se alterarem, mas o meu pavio estava curtíssimo... Eu não me aguentava, imagina então os erros das outras pessoas? E eu falava com ela o que me incomodava, e não era coisa básica do tipo "aí não gosto do seu sotaque" tava mais pra "você poderia falar menos putaria no meio da rua entre as pessoas?". E isso foi piorando, e eu não sou nenhum santo, muito pelo contrário, sei que errei de ter falado com ela daquele jeito, e então foi aí que o MEU jogo começou a trocar de estilo, eu percebi que tinha que mudar meu jeito, meu comportamento e minha forma de tratar algumas coisas. Sou explosivo, se tem que brigar, eu brigo, mas cara, eu não queria perder ela, e nessas foi me tocando que poderia ser melhor eu me trancar na fúria e dialogar na calma, e sim, eu me moldei a ela. Não, não errei só nisso, fiz coisas na qual eu não me orgulho e nem sei como aconteceu, porém, eu estava lá, ouvi o dela, e mudei, é um mérito meu, eu quero que você que está lendo tenha sua própria resposta para isso, pois a minha resposta é, não, isso não é um mérito, se você percebe que está errado, você muda, ok! Ok? E eu infelizmente não vou te dar um Plot Twist e falar que estamos vivendo lindamente, pois a gente desceu mais os degraus... No nível de começar a culpar o jeito no qual a gente conversava no whats para poder brigar, ela falava que eu era outra pessoa no whats, que respondia seco e era monossilábico, eu nunca vi isso, para começo de conversar, e ninguém nunca reclamou isso de mim, o que eu achei mais estranho, porém ela falou que outras pessoas que ela mostrava minha conversava concordava com ela, e tentei mudar isso, mandava mas áudio no intuito de ser mais confortável pra ela, e então chegou nosso primeiro mês de namoro...
Eeeeeh laiá, se quiserem numerar os infernos, fiquem à vontade, pois eu não tenho saco.
Eu sempre odiei isso, de mêsversario, maluco, ninguém quer saber que seu bebê feio está fazendo 8 meses, ou então seu relacionamento que ninguém liga está no terceiro mês, sabe quem se importa pro seu relacionamento, você e sua companheira, e... era importante para nós dois... pra mim pelo menos...
Chegou o cujo dia, e eu tinha planejado uma coisa simples, porém de coração. Vinho, uma pizza, janela aberta com iluminação da lua, era um momento especial na qual queria deixar ainda mais especial. Não falei nada, só deixei as coisas acontecer, e eu não sei por qual motivo, mas ela não estava me ajudando para isso (descobri depois o porquê) e meio que ficava "aí vc quer me ver ou não", meio que se não fosse óbvio que SIM, não só pela vontade de ver ela todo o dia, como pela data, e eu falava que queria, porém ela achou que faltou "vontade" nas minhas palavras, e resolveu ir em uma festa no dia que marcava um mês no nosso relacionamento, eu não acreditei, fiquei encabulado, cara, era nossa noite, noite na qual você optou por passar com pessoas que eu nem sabia quem era, e sem mais nem menos, e vamos discutir de novo... Mas dessa vez foi diferente. Fui na casa dela, já tínhamos conversado sobre o que aconteceu pelo telefone, ela falando que eu não fui direto e parecia sem vontade de ver ela, e eu explicando que não, e que ela cagou pra mim e foi pra uma festa como se fosse nada de mais... Acabou que ela me falou que estava muito cansada pra um relacionamento sério, e que achava melhor a gente dar um tempo, até ela se sentir confortável para estar em outro relacionamento... Tudo que eu queria, era não perder ela, concordei como um desesperado, porém falei que não iria aceitar algumas coisas, entramos em um consenso, e agora sim estamos felizes até agora, claro que não...
Depois desse episódio, resolvi me dedicar ainda mais, fazia tudo que dava pra ela, andava pra qualquer canto com ela, ia buscar, levava ela, talvez vocês nem acredita, mas eu mudei a direção do vento só pra ver o vento tirar o lindo cabelo dela da frente do mais belo rosto, e isso não foi o bastante. Ela buscava mais coisas para a gente discutir, com coisas do tipo "não se mexe no celular na companhia de alguém" é até verdade, mas dá pra você abrir uma excessões quando você passa o dia inteiro com a pessoa, mas eu aderi, e continuei me mudando por ela, era meu foco a melhora dela, e ter nossas alianças de volta "sim, eu comprei alianças, e ela tirou quando pediu o tempo". Mas foi aí que as coisas começaram a mudar pra mim, não vou esquecer que a gente passou mais um tempo de boas, mesmo depois dela ter pedido o tempo dela, a gente brigou muito, e nisso eu estava pensando "será que é bom pra nós dois?" só que quando a gente passava a tarde juntos, eu perdia esse pensamento, pois eu amava ela de verdade, cogitei terminar sim com ela, mas a gente conversava e se resolvia, porém foi nessa que eu percebi que só uma pessoa mudava, eu...
E então, chegamos no último inferno.
Essa epopéia estava no fim, e eu nem percebi, mas vamos logo para o último capítulo. Eu já conhecia a família dela, pelo menos a parte que ela sente alguma coisa, e chegou a vez dela conhecer a minha, meu irmão que tava em Brasília veio com a minha prima e era o momento perfeito, minha mãe ia preparar um almoço especial, chamou até minha tia e meu tio, tava tudo perfeito, só não esperava por uma coisa importante, ela não ir... Então vamos lá, bora começar uma semana antes, ela estava mal, se sentindo triste, fui na casa dela e troquei meu melhor amigo (que estava fazendo aniversário) pra ficar com ela, ele simplesmente me implorou para ir, e eu só falei "me ocorreu um imprevisto", era ela o imprevisto, e dei a força que ela precisava, beleza, no outro dia ela saiu com a amiga dela (coisa que me incomodava, já que a amiga dela incentivava ela ficar com outras pessoas, mas dessa vez, eu achei que ela precisava sair da casa dela). Só que ela ainda estava meio pra baixo, e no final de semana, especificamente sábado, resolvemos sair, ela com a galera dela, e eu com meu amigo que eu tinha furado, no domingo era o almoço, beleza, a gente conversou no whats e parou em um momento da noite, eu não me lembro do restante da noite, fiquei muito bêbado (e não, não fiz nenhuma merda de bêbado, só não me recordo de como eu voltei pra casa e que horas), acordei cedo, que é estranho, e antes mesmo de mandar mensagem pra ela, 6h ela me manda um áudio, falando que tava voltando pra casa da amiga dela naquele horário e que não daria pra ir pra minha casa conhecer minha família, eu fui destruído aí, mandei um "tudo bem", esperei até às 7h, fui no mercado comprar as coisas pro almoço, e foi isso, a cada pessoa perguntando, "Hey, cadê a sua Vida", eu simplesmente colocava um sorriso falso no meu rosto e falava "tá passando mal hoje, vai ficar em casa", no meio do almoço ela me ligou, e eu falei que fiquei mal com isso, e que não queria ver ela. E lembra que eu falei que via as coisas como um jogo, foi esse momento que eu pensei em desistir de tudo, o mais forte desse sentimento. Ela veio em casa, e me ouviu dizer que não queria mais aquilo, eu tinha cancelado trabalho pra ir ver a família dela, quando ela ficou na rua pra não ver a minha, mas eu fui fraco, aceitei as desculpas dela... A mesma pessoa que fala que desculpa não é uma palavra, e sim uma ação, e foi nisso que eu me peguei. E no outro dia, ela tinha uma entrevista de emprego online, na qual o entrevistador não foi com a cara dela (e ele foi babaca, ela foi incrível na entrevista), s acabou nela não passando, ficou devastada, e eu ainda meio chateado com ela, larguei de lado esse sentimento, e fui ajudar ela, comprei bebida, a melhor pizza que eu podia pegar (dominos é claro) pra ver ela levando o vinho que peguei pra beber com a amiga dela...
Ok...
Queria muito ver ela, e na sexta foi o dia, IRRAAAAAAAA, vou ver ela, e ela vai passar o dia comigo, vamos ter a melhor noite de todas e nada disso vai acontecer... Tirando a parte de ver ela, eu fui, e passei incrível 3h lá, a amiga dela falou que tava na bad, e pediu pra ela ir lá, e fodac eu. Mas até aí tudo bem, a garota lá precisava de uma companhia, acompanhei ela até um lugar pro Uber ficar tranquilo, e trocamos mensagem até de noite, quando ela resolveu sair... E sumiu... De madrugada (umas 5h) ela falou que a noite dela foi incrível, que conheceu um cara na qual conversou bastante, e que se divertiu muito, e isso foi as últimas coisas que ela me falou no final de semana resto de sábado, domingo e começo de segunda. Então começou a semana, fui entregar currículo já pensando "isso não está acontecendo" "deve ter uma resposta melhor", a única coisa que ela deveria fazer, era me valorizar depois da pisada de bola do almoço, e não contente, ela me pisa na com os dois pés depois, eu precisava entregar aqueles currículos, eles perderiam a data de vencimento, já que no outro dia eu teria 23 anos, e foi o pior dia do meu ano, eu tava visivelmente abalado, cheguei a vomitar no meio da rua, e mandei mensagem pra ela, pra saber se como estava, e ganhei um incrível "oi, c tá bem?". Cara eu já não tava legal, estava no meio da rua mal, e ainda ganho uma dessa, como se fosse um qualquer na vida dela, mandei um áudio pra ela, falei que não tava, que ela tinha sumido final de semana e queria conversar com ela, e sim, já ia com intensão do pior, colocar todas as coisas dela na minha bolsa, e com a pior das hipóteses já terminava ali, só que fui surpreendido... ela responde a porra do áudio com um "ah, não sei oq vc entendeu, nosso lance é casual, eu tive um final de semana cheio, virei duas noites, pipipipopopo" as lágrimas do meu rosto já estava deixando de existir com a falta de senso dela, eu simplicidade liguei e a única coisa que eu consegui falar foi "Eu desisto." Falei que ia encontrar ela e levar as coisas que estavam na minha casa, e pedi pra ela levar as minhas coisas (inclusive as alianças que ficou com ela), quando ela me chega, toda sorridente, fazendo sinalzinho com a mão, e eu não querendo acreditar, não sabendo se ela não entendeu a grandeza dos acontecimentos, ou porquê eu era só um qualquer pra ela, ela sentou na minha frente e disse "aí, eu não vou mais correr atrás de você... E blá blá blá" era uma realidade horrível, eu não estava acreditando que vivia aquilo, eu pedi minhas coisas, dei a dela, e disse tchau, e ela teve a pachorra de me perguntar se eu não ia abraçar ela, será que em algum momento ela percebeu minha expressão facial? Ela olhou pro vermelho dos meus olhos? Ou então notou o tom da minha voz? Eu cheguei em casa, destruído, e desativei tudo que poderia, graças a Deus eu ainda tenho pessoas que se importa comigo, e me ligaram, falei que ia me isolar um pouco e que qualquer coisa poderia me ligar. Foi a pior noite da minha vida, não dormi nada, e não aguentava nada, quando chegou as 7h da manhã, resolvi sair, chorando que soluçava, e fui para o parque, sentei no banco, e fiquei lá, quando a primeira pessoa me liga, me dando os parabéns (sim, era meu aniversário), eu não sabia oq falar e disse que tava ocupado, na segunda eu não consegui enganar, e percebeu minha voz de choro, falei que logo ligava de novo, e na terceira, eu desabei, era minha ex, a única pessoa que eu não esperava, ela sempre sabe quando eu não estou bem, e ela me deu um pouco de energia, me incentivou a ir pra casa, ver minha mãe, e sair com algum amigo, levantei animado, as palavras dela fazia sentido, até lembrar que a única pessoa que eu realmente queria a ligação não fez questão, e aconteceu uma das piores coisas da minha vida, eu simplesmente olhei para um carro na rua, e fui em direção a ele, a sorte que eu tive do cara ter feriado hoje eu vejo que é incrível, a sorte que eu tive de só ter subido em cima do capô dele e ver ele de tão perto atrás do parabrisa só mexendo a boca não entendendo nada que ele falava, sai de cima do carro e sentei na calçada, depois de uma longa conversa entre um grupo de pessoas, um cachorro e comigo mesmo, resolvi ir pra casa, lavei meu rosto e abri a geladeira, minha mãe tinha feito uma torta pra mim e comprado pizza pra fazer de noite, a minha relação com minha mãe é de mais ou menos pra ruim, porém naquele mesmo dia, foi ela que me viu chorar depois de me desejar sorte, sendo que quem eu chamava de "Vida" me deu o pior parabéns possível pelo Instagram.
Até hoje, dois dias depois do meu aniversário, ela não apareceu pra falar qualquer coisa, e eu realmente não quero ver a cara dela, pois eu tô destruído, até agora eu tô recebendo ligação e mensagem de pessoas que realmente se importa comigo, pedindo pra me ver, e eu não conseguindo, porque essa é a pior versão de mim, e eles merecem muito mais que isso, eu tô pensando em tanta coisa ruim agora, e minha mente tá conturbada tentando simular isso como se nunca tivesse acontecido, e eu realmente não consigo acreditar como esses poucos meses, destruíram tanto minha vida.
Você que leu isso até agora, agradeço muito por reservar esses minutos da sua vida pra esse texto, eu começar ele umas 23h da noite, e tô terminando agora 6h17, depois de parar algumas vezes, e me desculpa pelo tamanho. Eu só achei que precisava compartilhar isso com alguém.
Obrigado por ter chegado até aqui.
submitted by nofimnaime to desabafos [link] [comments]


2020.10.24 01:25 mentalorgasmo EU APENAS QUERO FODER

Você acha que eu me importo que está com outro? Eu não quero saber de merda nenhuma! Desejo o melhor para você, no maior altruísmo. Pode ir para a merda que não ficarei nem 1% abalado. Vai lá receber oral mal feito, com pressa, afobação, vai! Não posso fazer nada por você. Atitude aqui é o que não falta, graças à minha praticidade. Foi muito tempo de surras e derrotas para eu aprender a não valorizar pessoas de alma vazia como você. O mundo gira, mulher sem atitude roda. Nem para me contar a verdade você prestou. É uma pena você ter mentido e eu não ter caído no seu plano. Poxa! Bem que seria legal para você, né, se eu desse esse mole para sua pequenez? [Risos]
Aproveita que a vida te dá o livre arbítrio e não se arrependa! Estou suave, me deleitando na minha vida voluptuosa, com o coração gelado. Estou na era do gelo, coração frio, sem tempo para preocupações banais como você. Me blindei! Agora sou mais feliz porque eu não quero saber de mulheres como você, que usa a mentira para armar contra o aprazível. Durante as transas vivia dizendo que eu era espetacular, te causava danos positivos interiormente, se molhava fácil, fazia delirar como ninguém, e da noite para o dia muda de opinião como se nunca tivesse dito nada.
O que me deixa “revoltado” é que é difícil encontrar uma boceta tão cheirosa, apetitosa e deliciosa como a sua. No mundo atual, quanto mais fácil é a higienização, o dobro as mulheres se desleixam. Já você, toda deliciosa, me jogou para escanteio porque fui assaz bonzinho. A vida cobra e eu pago o preço sem problema… Eu apenas quero foder.
Sua estupidez extrapassou limites. Vichi! Eu só queria te ajudar a se levantar, proporcionar as melhores sensações, desabafar eroticamente, baixinho nos seus belos ouvidos… Não deu, pois sua ignorância com esse podre ego inflado atrapalhou. Tentei me importar mas não compensa. Numa ice age como essa, permitir que minha estrutura seja abalada nessa altura do campeonato é suicídio. Portanto, a vida continua, e quem ganha com isso sou eu, porque eu só quero foder com as melhores mulheres. Somente! Porque eu não preciso do seu falso amor.
submitted by mentalorgasmo to u/mentalorgasmo [link] [comments]


2020.09.10 15:57 henrylore Najiyu Ep 4 - Bem vindos! A resistência...

Ne: hm?
a-ah! oi, eu-eu não sabia que você tava acordado....
*coloca o violão pro lado
eu te acordei..?
H: não, eu na verdade acordei por acaso, a luz da lua tá muito forte e tals... o que você tá fazendo
Ne: lendas dizem que se chama relaxar
é uma das coisas mais preciosas que os deuses já inventaram para nós, seres vivos hauheheuee
H: hehe... ta tocando violão?
Ne: eu? n-não você deve ter ouvido coisas e tal...
(๑•﹏•)
H: *sobe a escada por completo e vai em direção a ela
o que é isso aí então?
Ne: tá.. eu tava tocando violão...
H: *senta do lado dela
você que fez?
Ne: na verdade não, eu ganhei em uma vila muito fofa, onde tava tendo festival da música... tiveram diversas confraternizações... e me deram esse aqui
H: conte mais
Ne: tinha um garotinho se apresentando, ele era muito legal
e então ele resolveu tentar arrecadar dinheiro com isso, as músicas dele eram muito fofas
e eu não consegui, e dei um dinheirinho pra ele...
daí ele me deu esse violão
H: e ele perdeu o violão então?
Ne: que nada, ele tem uma coleção deles, assim como outras pessoas tem diversos instrumentos lá
...ou tinham
H: tinham?
Ne: a vila foi fechada devido a invasões, se refugiaram aí pra um lugar que eu não sei
H: se refugiaram?
Ne: alguém chamado may e tals
apareceu lá e ajudou eles
H: isso foi fofo da parte dela.... ou dele
né?
Ne: foi sim mas eu queria agradecer aquele garotinho pelo violão... foi muito fofo da parte dele sendo que eu nem sabia tocar isso naquela época
H: mas foi do nada assim?
Ne: eu ia lá todo dia e ele tava lá, e eu sempre dava uma quantia específica pra ele, até que ele me disse que queria retribuir
eu fiquei mal pq ele disse que tava meio sem rumo graças a umas pessoas aí
talvez a gente se encontre de novo, eu não sei
dês de que tudo aconteceu não tem mais sentido ficar vagando por aí
H: o que?
Ne: meh, nao to afim de ficar falando bobagem pra você sentir pena de mim
eu quero que você me veja como a fodona
H: ta mais pra a fofona não?
Ne: *dá um peteleco na cabeça do Henry
H: você lembra do nome do menino?
Ne: hmmmm, não
H: •-•
a bom
Ne: esperava que eu fosse lembrar? hahahahah
você é engraçado
H: eu sou eu ué
Ne: hehehe
*olha pro bolso do Henry e vê um pedaço da foto
ei *puxa foto do bolso
onde conseguiu isso?
H: ah- eu- tava olhando ali e achei e quando- eu achei- eu peguei-
pq eu ouvi o violão e não consegui pensar...
Ne: tudo bem, mas não roube coisas dos outros, não é legal.
H: ...
quem é ela?
Ne: quem é quem
H: ela *puxa foto e aponta pra menina raposa do lado da nevaska
Ne: ...
*fica encarando a foto
a resistência... funciona em grupos e nós duas tínhamos um grupo a gente era líder dele
só que o nosso grupo era declarado um dos mais poderosos de toda a resistência, então as missões mais difíceis eram entregues a nós, então grande parte do grupo morreu depois de um tempo
H: ai...
Ne: mas nós duas éramos tudo, a gente lutava junta a gente era premiada junta
eu amava ela demais
até que....
H: que...?
Ne: a gente descobriu atividades com o selo que tá prendendo as entidades malignas que afrontaram Naji a 14 anos atrás
e então a gente foi abrir
*começa a chorar um pouquinho
e ela foi levada por algo que até hoje eu não sei o que é
H: ...
poxa...
Ne: a sua cor me lembra muito ela
e o seu jeito é o mesmo dela...
eu achei isso curioso
*olha pro Henry com um sorriso e lágrimas nos olhos
H: ...
Ne: é por isso que eu ainda vago talvez pra encontrar ela
mas sozinha...
H: *bota a mão no ombro dela
você não tá sozinha
a gente tá aqui por você né?
;)
Ne: ... :(
:
:)
brigada heri
H: nao é nada heehe
Nevaska, toca uma música aí
Ne: ei *coloca a foto do lado
pode me chamar de neva
*pega o violão
{detalhe: ela tá sem as luvas}
começa a tocar: *beabadobee - coffee
L: *ouve isso
*olha pro lado
hmph o cara foi cortar...
*volta a dormir
**no dia seguinte
Ne: MINUTOS! SAO MINUTOS QUE PERDEMOS MAS QUE NAO PODEMOS PERDER ENTAO VAMOS!
bom dia gente como vcs tão
H: a
bodia
L: Olá.
eu estou bem.
Ne: levantem, eu vou tá esperando lá fora, a gente vai pra um lugar especial
L: iiih, aí. ferrou...
H: Vish
**um tempo depois
**eles caminhando
Ne: então, a gente tem que ir pra um lugar chamado Nira, e lá a gente vai encontrar o qye a gente quer
L: Nira nao é uma vila em Naji?
Ne: sim
H: e lá vai ter?
Ne: uma mini base secreta de você sabe quem, lá a gente pode ter mais informações sobre oq fazer
**chegando lá eles conseguem até ouvir aquela melodia medieval de violinos legais
H: woooow
é uma baita duma vila
Ne: éé meu amigo, as vilas que vieram do reino não são moleza não eles são beeem burgueses, sabe?
H: hmmmm
Ne: *entra num bar
H: boa tarde famiiilia
Ne: *chega no barman e fala
eai, eu vou querer aquela bebida lá, schnitzel, sabe?
L: schnitzel nao é uma comida?
H: shhhh
Barman: ah sim claro, mas eu acho que você vai ter que me ajudar a procurar..
Ne: meninos, venham comigo
Ne, H e L: *entram no lugar lá do Batman
H: caraaaaca quanta bebida
Barman: Nevaska, quanto tempo!
quem são esses?
Ne: são integrantes novos da ordem
pode deixar a gente entrar
BM: sempre né
*puxa uma bebida que na verdade era uma alavanca e abre uma porta
tenham um bom dia
H: valeu
L: boa noite
BM: olha estranho pro Lusk
...
mas tá de dia né?
**eles descem e passam por uma porta aberta que sai de dentro de uma parede e que dá em uma vila meio vale escondida no meio de várias rochas
L: woooooow isso sim é delicioso
H: caraaaaca
Ne: *barulho de canudo
H: ?? Neva onde q vc conseguiu isso aí
Ne: *bebendo suquinho naqueles copos com canudo
ah, eu roubei do barman
tô mó com sede
??¹: EAI NEVASKA!!! QUANTO TEMPO
*da um tapão no ombro dela
QUE BOM QUR VOCE VOLTOU
Ne: aaaaa oiiiiii
H: quem é esse cara lusk
L: eu nao sei
??¹: *quase esmagando a Nevaska de abraço
AAAA
Ne: ah, gente!
*solta do abraço
esse aqui é o Arthur(não é o Art), ele é um dos membros da equipe de vigilância da resistência
a gente é amigo dês de que ele chegou aqui
Ar: Olá. *faz um paz e amor
L: bonito bonito, como vai a sua mãe?
Ar: ah ela vai bem cara, encontrei com ela ontem e tals
*olha pro Henry quieto
E VOCE VOCE É UMA RAPOSA???
H: hmmm... sim?
Ar: CARAAAACA QUE INCRIVEL
NEM SEMPRE TEMOS RAPOSAS AQUI SABIA?
VOCE CHEGAR AQUI É TAK LEGAL
*abraça o Henry
H: *sente o calor do corpo do cara como se ele tivesse ha 6 horas no sol
Ne: *bota mão no braço do arthur

Ar: *solta abraço
hm?
Ne: sabe onde tá o shi?
Ar: lá dentro, xingando todo mundo como de costume
Ne: meeeh que bosta hein
fica bem Arthur, a gente tá indo
*bebe mais um pouquinho do suco
Ar: falow falow, até logo
H: cara simpatico
Ne: ele é, as pessoas daqui normalmente são legais
L: normalmente?
Ne: tem gente aqui que age como se tivesse morrido ontem, e infelizmente é quem a gente tem que encontrar
??²: OOOOO NEVASKA!!!
*da um soquinho na cabeça dela
Ne: Winry?
Wi: muito tempo né?
Ne: eu não venho aqui faz um tempo...
gente, essa é a Winry, ela é da equipe de exploração e ela controla a água
ela é super rápida e super incrível
*bebe mais um pouco do suco
Wi: *dá um tapão nas costas da nevaska
AH QHE ISSO
Ne: *cospe o suco todo
o shi ta dentro do quartel?
Wi: sim.
{percebe-se que elas falam MT sério qnd se trata desse cara ai}
H: ....
**eles sobem numa escadinha que da pra uma árvore e lá eles encontram um escritório cheio de armas e uma cadeira virada
Ne: shibaru?
**vem uma faca voando
Ne: *segura
de novo?
Sh: *vira a cadeira
não vem a três anos, o que você quer agora?
Ne: temos novos membros, pode registrar eles?
Sh: nem se os porcos voarem
Ne: que? como assim não
Sh: você não pode voltar depois de tanto tempo com duas pessoas aleatórias querendo enfiar ela na nossa associação
Ne: como assim, quando eu tava aqui não era assim
Sh: porque você era líder talvez?
Ne: e quando eu saio você muda tudo?
Sh: olha só, respeito e calma são a chave para o universo
então trate de aderir *levanta
{Shibaru tem o cabelo azul escuro usa uma jaqueta preta com uma blusa branca e uma calça jeans e ele é BEM ALTO MESMO deve ter uns 1,80}
Sh: *vai em direção da nevaska
pra sua sorte nos temos missões para vocês e se conseguirem resolver
talvez eu reabra o seu grupinho
Ne: que missão então
Sh: suspeito e tenho quase certeza de que o pessoal do templo da areia tá envolvido com a morte de alguns dragões por la, talvez eles estejam usando algo pra matar eles tendo em vista que um dragão não ia morrer pro elemento areia ou parecido
Ne: °-°
você acha que é um?
Sh: anel...
H: anel?
L: anel?
Ne: ...
Sh: não falou pra eles, Nevaska?
hmmm bem
anéis que carregam ambars com poderes dos antigos guardiões de cada elemento
os guardiões eram aqueles que ensinavam os elementos pros guerreiros qud passaram de geração em geração
Ne: mas aí a ambição subiu a cabeça e mataram os guardiões pra roubarem a sabedoria e o poder
Sh: exato.
recuperar esse poder e talvez restaurar os guardiões seria um dos objetivos da resistência
então, estamos aí pra tudo
Ne: ultimamente esses casos de dragões mortos têm acontecido pra cacete e a gente não sabe o porquê
Sh: poder.
Ne: hm?
Sh: poder.
H: poder?
L: ~FODER?~
Sh: poder é algo que muitas pessoas querem hoje em dia
já que tudo leva a isso
H: como assim
Ne: é oq eu já te disse, o reino manda na gente com poder, e pra revidar a gente precisa de mais poder
então todo mundo aqui procura poder
Sh: menos nos, a gente procura justiça
H: ....
Sh: mas é, se vocês fizerem a missão e recuperarem o anel eu dou o distintivo
Ne: vem com a gente?
Sh: nao, EU tenho coisa mais úteis pra fazer.
eu vou ao palácio do mar
Ne: fazer o que lá
Sh: essa missão em específico vocês não precisam saber.
H: °°
L: ue...
Ne: 😪 complicado
Sh: se me dão licença *abre a porta e sai
H: ... e agora?
Ne: *procurando umas coisas
é, não tá aqui
vamos pro ferreiro
*abre a porta e sai
H e L: ferreiro?
**chegando lá
Ne: *abre a porta que toca um sininho
??³: *olha pra trás {é um cara de cabelo e barba preta, super gigante com uma roupa de couro e uma calça}
OOOOO NEVASKA
Ne: eai ferreiro
??³: Oooo quanto tempo
H: ola... ferreiro né?
Sa: meu nome é Sakiro mas pode me chamar de saki
H: saki... legal
L: SAMUEL?
Sa: nao, saki.
Ne: a gente pode entrar aí e escolher algumas armas?
no caso eles né
a gente vai numa missão agora e-
Sa: OOOOO MAS POR QUE NAO PEDIU ANTES?
entra aí
H: woooooow
L: quanta coisa
Ne: escolham qualquer uma
H: *vê uma espada 3 vezes maior q ele
essa não
*vê uma adaga
essa também não
**enquanto ele tá mexendo cai uma espada na cabeça dele
AI u-ue
*olha pra espada e vê o reflexo do próprio rosto nela e no cabo de ouro
{pensa numa espada de pirata, é isso aí}
H: BELEZA EU VOU PEGAR ESSA AQHI
L: *pensando
Ne: eai, não vai escolher não?
L: EU TO PENSANDO Ô TIA
*vê uma espada que chega perto de ser uma ninjato mas não é (é tipo a espada do kazuma)
eu acho que... não. espada é coisa de político.
tem um arco não?
Ne: tem esse aqui *pega um arco bolado horizontal digno de um legolas
L: OOOO ISSO É MELHOR QUE A LEGISLAÇÃO DA INDONÉSIA
Ne: então tá decidido! aqui, ferreiro, são essas
Sa: *pega as espada do Henry e remenda ela e tal
*troca a corda do arco
prontinho, tá aqui suas armas
H: OOO GG
L: MULEEEQUE
Ne: hehehe agora vamos!
**saem da loja
Ne: antes da gente ir, tem algo que eu tenho que mostrar a vocês...
*vai em frente a uma parede
*tira uma das luvas e lambe o próprio dedo
*põe o dedo na parede e a parede começa a abrir
**se revela um grande estádio dentro de uma caverna
H: OOOOO
L: OOoo
Ne: a gente tem que treinar, vocês são meio toscos ainda
SEJAM BEM VINDOS!!! A Teikō
a arena de treinamento da resistência!
H: !!!
L: woooooow
Ne: vocês nunca lutaram de verdade né
**se posicionam a Nevaska de um lado e o Henry e o lusk de outro
Ne: AGORA EU VOU TREINAR VOCÊS DE VERDADE CARAMBA
*a voz dela ecoa
H: AI SIM
L: finalmente serei treinado..
Ne: PRIMEIRO, HENRY
H: oi
Ne: toma cuidado com a sua cauda, raposas são extremamente sensíveis aí, e isso é a nossa fraqueza
ENTÃO NAO DEIXA ACERTAREM AÍ
L: é, realmente, acertar lá atrás seria desinteressante.
Ne: E LUSK VOCE LUTA MUITO BEM
MAS PROCURA FOCAR NO SEU ELEMENTO
L: BELEZA
H: então o que faremos?
Ne: a gente vai descobrir o seu elemento
H: MEU?
Ne: E EU VOU ACABAR COM A RAÇA DE VOCÊS QUERO NEM SABER
*estende as duas mãos e forma a lança de gelo de novo
*começa a girar ela
*para de girar e bate com ela no chão criando um pouco de gelo em volta de si mesmo
*cria um casulo de gelo em volta de si mesma
PRIMEIRA COISA, VCS VAO TER Q ME ACERTAR AQUI
H: ...
L: ...moleza
*faz uma bola de ar
ESFERA DO REDEMOINHO
*joga bola no casulo de gelo que bate mas não causa efeito
H: puts queridão acho q sua bala de ar comprimido não deu muito certo
L: CALA A BOCA TA LEGAL? EU TENTEI PELO MENOS
H: *corre pra cima do casulo e acerta com a espada
*tenta fincar ela
Ne: *faz espinhos de gelo em volta do casulo e joga o Henry pra longe
H: hmmmm *olha o casulo se quebrando quando ela faz isso
°°
LUSK
o casulo fica fraco quando ataca
L: hmmmm...
H: se liga
*finca espada no chão
*sai correndo pra dar um soco no casulo
Ne: *faz os espinhos de novo
H: *troca de lugar com a espada que acerta e racha o casulo
L: gg mas agora você perdeu sua espada né mané
H: VOCE TEM UM FUCKING ARCO ACERTA AQUILO ALI
L: acertar é comigo mesmo
*mira certinho e lança a flecha mas ele erra
H: CACETE VOCE QUER UM OCULOS
to vendo que não vai dar certo fazer isso
faz outro redemoinho de não sei o que lá aí
L: se chama... ESFERA DO REDEMOINHO
*joga a esfera na rachadura que estoura o casulo e da uma grande ventania
Ne: hmmmm beleza
H: hm?
L: •~•
Ne: nada mal, foi mais rápido do que eu pensava...
mas vocês não tão num talk show então não é bom ficar conversando alto
*estende a mão e prende os pés do lusk com gelo
H: *vai pra cima da nevaska e ataca com a espada
Ne: *defende com a lança e chuta o Henry pra longe
*coloca a mão do lado da boca e cria uma bola de neve
BOLA DE NEVE
*lança no Henry
H: *desvia da bola de neve q bate na parede ali
eu nunca pensei que lutar seria tão maneiro
Ne: *olha diretamente pro Henry
hehe..
agora se prepara pro
L: AAAA SUA MALDITA
*atira uma flecha nela
Ne: *cria uma parede de gelo que para a flecha
L: oh
Ne: *vai pra cima do lusk que já tá solto
sabe qual a desvantagem de ter uma arma de longo alcance?
É QUE VOCE NAO ATACA DE PERTO
*acerta uma lançada na cara dele que joga ele pra longe
L: maldita cabeçuda
*junta as mãos
TORNADO BOLADO
H: é cada nome
L: *joga a Nevaska longe
Ne: Henry, tem uma coisa que eu quero te ensinar
*faz uma bola de neve
H: o que?
Ne: REBATE ISSO AQUI
*joga no Henry
H: O QUE
*leva uma bolada muito forte de neve no estômago e cai no chão
ai
Ne: peguei pesado?
H: *levanta VICE NEM ME FALA COMO QUE REFLETE COMO É QUE EU VOU SABER
L: O SEU COLCHONETE
Ne: aiaiai
HENRY
H: oi
Ne: direciona a sua mana pra espada
*estende a lança e faz o mesmo
*fecha os olhos
assim que você faz isso, a mana é como um espelho que reflete mínimas partículas de luz fazendo você ver a sua própria cara
é mais ou menos isso
mas concentrando com velocidade
você reflete o ataque e ele se torna seu
pensa num espelho
*olha pra lança e o reflexo dela mesma na ponta feita de gelo
H: como um espelho?
Ne: *lança outra bola de neve nele
H: espelho...
*consegue sentir a mana fluindo na lâmina
*e então quando chega o ataque ele sente a velocidade e vai com tudo direcionando o ataque de volta como se fosse ele concentrando a mana na espada
REFLEXO DE LUZ
Ne: *desvia
**bola de neve explode atrás dela
é isso, uma habilidade exclusiva das raposas
H: wooooah
L: E EU?
Ne: ei lusk, foca mais em um só ataque, depois você pensa nos outros
eu gostei muito dessa sua bolinha
H: a bola de gude arejada?
L: É ESFERA DO REDEMOINHO SEU HERBÍVORO
mas então...
*faz a esfera na mão
DEPENDENDO ELA FICA MUITO MAIS FORTE
*concsntra todas as energias nela e faz uma super bola maciça na mão
pesado
*lança ela bem rápido na direção da nevaska
Ne: *DESVIA MUITO POR POUCO
QUALÉ MANÉ TA TENTANDO ME MATAR
L: nao era esse o objetivo
Ne: CLARO QUE NÃO
a enfim, eu acho que tá tudo bem por agora
*bate a lança no chão e quebra ela
VAMOS NESSA PESSOAL
**chegam na porta de um caminho de árvores
{la tem um monte de cavalo preso, e olhando tem vários mapas e plaquinhas mostrando onde tão as vilas}
Ar: *segura ombro da nevaska
nevaska, você acha que vai ficar tudo bem com eles?
Ne: sim, eu confio neles
você não?
Ar: eu nunca disse nada
[obs: quando o Art aparecer a sigla dele ou vai ser AT ou ART mesmo]
Ne: eu tenho que ir
*puxa um cavalo
H: um cavalo só?
L: ele aguenta?
Ne: eu e henry valemos por 0,5 pessoa e o lusk por 0,8
L: como você calculou isso?
Ne: eu não calculei
L: porra.
**sobe Nevaska na frente, Henry no meio, e lusk atrás
(o cavalo nem sequer se mexe, parece a coisa mais fácil do mundo levar esses 3)
Ne: viu?
L: meu deus quantos quilos vocês tem?
Ne: vamos!
*faz um movimento lá e o cavalo começa a andar pra longe
Ar: *olhando
Wi: *encosta no Arthur
Arthur eu encontrei algo estranho...
Ar: o que houve
Wi: no quarto do shibaru... ele deixou umas anotações...
*mostra pro Arthur
Ar: *lê
*vê desenhos de um cristal da água e um guardião
guardioes de agua?
Wi: *vira página pra ele
Ar: ... *lê
Hoje eu ------(folha arrancada)
e me inflitrar na ordem ---------
roubar um certo alguém
Ar: você acha que?
Wi: sim.
Ar: vamos investigar isso
*saem correndo em direção a casa principal
...
No próximo episódio
NAJIYU EP 5
Escrituras de uma antiga pirâmide de espelhos...
🖤
submitted by henrylore to Najiyu [link] [comments]


2020.09.07 07:22 AffectionatePicture2 Eu me odeio!

Eu nem sei como começar esse texto. Bom, eu tenho 16 anos, tenho pais separados, duas irmãs e dois irmãos. Minha irmã mais velha tem depressão, minha mãe e uma mulher amargurada por causa do seu passado e meu pai e um homem que passou por dois casamentos onde ele traio minha mãe e minha madrastas. Chamo minha madrasta de tia porque eu tenho um amor enorme por ela e ela é mãe dos meu dois irmãos mais novos! Bem o foco não é esse, mas eu tenho que contextualizar! Eu sou gay não assumido para o mundo mas meu amigos, primos e minhas mães sabem! Claro né, toda mãe sabe. Eu me assumi para minha mãe no final de 2019. Ela me aceitou como eu sou. Não contei para o meu pai, mesmo já sabendo que ele sabe, mas não quer enxergar! Bem voltando a minha irmã mais velha. Ela começou a desenvolver os sintomas de depressão em 2018, eu N sei muito bem como ou porque, mas eu sei que ela e a melhor amiga dela brigaram e não se falam até hj! E cada mês que ia passando ela ia ficando mais depressiva (na época morávamos com nosso pai.) eu que na época entendia pouco do q estava acontecendo, senti medo, raiva e insegurança. Uma dia ficamos sozinhos em casa, eu estava jogando no quarto e ela estava no outro quarto, eu escuto ela chorar e vou ver, quando eu olho para ela eu vejo seus pulsos cortados e isso me deixou louco, fique com muito medo! Ligue para meu pai. Enfim ao decorrer dos anos ela vinha piorando e não era só isso tinha meu pai problemático e minha mãe sofrendo por minha irmã. Não sou de demonstrar meu sentimento e emoções, mas um dia eu não aguentei. Vi minha irmã todo cortado dos pés aos braços! Nesse dia meu mandei mensagem para meu pai q avia saído, falei que ela estava muito mal e que eu estava com muito medo de morrer! Mas ele falou que eu estava com cena. Fiquei com raiva e medo, então decidi mandar mensagem para todos os contatos pedindo ajuda, como medo da minha irmã morrer. Até que todos mandavam mensagens eu N sabia o que fazer. Foi muito traumatizante aquela noite! Depois disso eu não conseguia ser eu mesmo tinha medo de tudo, medo de perder minha irmã medo da minha mãe adoecer com a situação e medo do meu pai da uma de doido de novo! Eu sou muito amargurado com meu pai por tudo o que ele fez cominha mãe e minha madrastas, mas eu tento relevar hj em dia. Desculpa o assusto te saído do rumo, eu só quero q me entendam. Hj em dia eu tenho muita coisa na minha cabeça. E todo o que eu faço eu acho q não é o suficiente e nem o melhor. Eu choro no meu quarto de noite sem fazer barulho. Eu falo para mim mesmo que os meus problemas são inferiores aos dos outros! Eu me culpo por ser gay meo sabendo q eu N estou fazendo nada de errado, eu sinto que eu sou forçado com as pessoas que conheço, eu sinto que eu faço cena! Eu já escrevi várias cartas de desculpas para as pessoas que eu acho q machuquei mesmo que eu nem tenha machucado essa pessoa,. Eu pesso desculpa por tudo! Eu tenho medo de não saber ser eu mesmo. Eu sinto que eu criei um personagem que muda seu jeito para se encaixar eu me sinto artificial! Eu nunca pensei em morrer e nem quero! Eu só quero me encontrar ser eu mesmo sem ter medo de tudo! Sem medo da perda. Eu só quero entender porque eu só coloco a culpa em mim! Eu não consigo falar com alguém pessoalmente em tão decide escrever aqui. Desculpa a inconveniência🖤😔
submitted by AffectionatePicture2 to desabafos [link] [comments]


2020.08.16 13:35 Nicocchi606 Sou babaca?

Bom, nunca tentei fazer isso, mas realmente não sei mais o que fazer. Essa história vai ser meio longa, mas obrigada de coração para quem puder me ceder esse tempo.
Contexto: Sou filha única e ilegítima, nunca conheci meu pai por isso, ele nunca quis me encontrar, não me reconheceu e nunca mandou nenhum tipo de suporte e minha mãe não pede ao governo. Ele não é br e mora em outro país com a mulher e dois filhos. Minha mãe conheceu ele na Itália e sempre amou esse país. Ela veio me ter no Brasil mas sempre quis voltar para lá. Anos atrás, quando eu tinha 12 ela entrou em contato com um ex namorado italiano por e-mail, e em 2 anos decidiram se casar. Obviamente eu era contra, mas ela me levou para Itália contra a minha vontade mesmo assim, e minha família não fez nada já que era "uma chance de um futuro melhor". (Não discordo, o ensino é melhor mas é muito pesado, sem feriados e sem consideração, o Brasil é bem melhor nisso).
O problema: Desde que desci do aeroporto não fui com a cara do homem, mas aguentei pela minha mãe. Mas semanas depois o casamento não deu certo. O cara era um escroto, e nós dois não nós dávamos NADA bem. Naquele mesmo ano, minha mãe me colocou na escola (eu não sabia a língua, e valem duas coisas, ela me fez duas promessas. Não vou te colocar na escola até você se acostumar com a língua. E se não se acostumar em 2 meses a gente volta). Bom, como dizer....foi o inferno literalmente, eu sempre fui tímida, e não sabia a língua, logo fui excluída pela sala. E uma professora parece que se aproveitava de eu não poder me defender pra me humilhar na frente de todos. Enquanto isso em casa, eu passei a nem mesmo sair do quarto, nem para comer pois não aguentava nem ver o marido da minha mãe. E ela não se impunha com a desculpa de "a casa é dele, temos que respeitar". Nesse ano acabei com depressão e fobia social aliás. E agora não duvido nada que ainda tenha Distúrbio de personalidade Esquiva, suspeitas tenho muitas mas só o psicólogo pra confirmar. Me mudei de escola e passei um ano mais ou menos. Mudei de novo, de escola e de casa, nisso tinham passado 2 anos. Outro inferno, minha mãe não conseguiu manter o apartamento onde estávamos morando só as duas. Não tinham móveis em condições de uso, e passei muito tempo tendo que dormir no chão por isso, sozinha em casa a maior parte do dia. Alí a escola estava igual ao primeiro ano, ignorada por todos. E aquilo tudo piorou minha situação, comecei a ter crises de pânico e ansiedade e não consegui mais ir para a escola 15 dias antes de tudo ser fechado pela pandemia, mas não consegui nem mesmo participar das aulas online pelo medo de viver tudo aquilo de novo. Por pouco não perdi o ano... Agora é o 4 ano morando aqui. Nos mudamos de novo, para a casa do pai do ex marido dela, que é como um pai para a minha mãe. E é horrível aqui. Ele tem 86 anos, logo viveu em tempos de guerra e não entende que as coisas mudaram, nem tenta entender os outros, acha que todos tem que viver do mesmo jeito que ele, é REALMENTE teimoso e cabeça dura. Um exemplo: Eu estou de férias, logo quero dormir um pouco mais tarde, o que já é difícil já que em todos esses anos e ainda agora, divido um quarto com a minha mãe, então nem a minha privacidade eu tenho. Ontem não estava conseguindo dormir, acabei pegando no sono as 04:00, acordei às 10:00 e fui tomar café. Ele já entrou na sala falando de como era um absurdo isso. Que eu tinha que comer mais cedo. Razoável? Talvez se fosse só isso. Ele quer que eu siga esses horários dele: dormir às 21:30, acordar às 06:00, almoço às 12:00 e janta as 18:00. Principalmente o almoço, meio dia eu TENHO que estar na mesa. Uma vez eu tava de cama sem respirar por uma crise alérgica e não desci. Ele começou a berrar, jogou o chapéu no chão e saiu falando que eu estraguei o dia dele, que bem ou não, com fome ou não, meio dia eu tenho que descer e assistir eles comerem. Então comer fora? Nem pensar. E minha mãe não fala nada por que "é a casa dele" eu já tô tão irritada com isso! Quer dizer, nas FÉRIAS, eu não posso pegar um dia pra sei lá, almoçar fora com ela, comer um pizza fora, NADA. Por que se não a princesa em casa surta! Desculpa, eu sei que ele tem a idade e mentalidade dele, mas pelo amor de Deus. As vezes sinto que tenho que pedir permissão pra respirar, me sinto sufocada! Minha mãe fala que está tentando melhorar as coisas esse tempo todo, e sou eu que não me esforço. Na verdade tenho medo de quando a escola começar, eu falto bastante por crises de pânico/ ansiedade, é HORRÍVEL mas sei que esse cara vai fazer uma cena maior ainda de me ver em casa.
No final, falando assim, é um pouco do que eu passei, mas viver assim, todo dia em 4 anos, com uma pressão enorme de "ter que fazer tal coisa por tal pessoa ou eu sou mal educada" ou de ter que ser perfeita i tempo todo para agradar fulano porque é a casa dele vem acabando comigo. Minha família e uma psicóloga que eu fui (que eu tive que infernizar a minha mãe para me levar quando comecei as crises) me disse que quando eu tiver 18 vou poder fazer o que quiser..mas não sei se resisto até lá.
No final eu sou babaca? Por que não me esforço para ajudar a minha a "melhorar as coisas" (honestamente eu nem sei o que fazer pra ajudar, ela praticamente me largou na escola e parece que coloca todos antes de mim) e por ficar mal por toda essa situação? De verdade, eu não sei, talvez eu devesse dar mais suporte para a minha mãe? Tratar ela melhor ou algo? Eu realmente não sei mais o que fazer com tudo isso...ou com essas pessoas com quem moramos/ morávamos, é muito insensível da minha parte querer viver? Porque eu tô na Itália, e nunca fui visitar lugar nenhum, Veneza, Milão, Genova, Pisa, nada. Eu só queria um pouco de liberdade nisso tudo.
Desculpem o tamanho do texto, mas obrigada de verdade a quem leu até aqui. Realmente precisava colocar isso para fora.
submitted by Nicocchi606 to desabafos [link] [comments]


2020.07.22 00:34 browndusky alguém se por favor pode me ajudar corrigir minha gramatica numa tese que fiz?

não sou português mas português foi umas das disciplinas que escolhi em universidade.
Eu falo bem português mas meu português escrito é totalmente lixo.(sei que não é muito professional com todas as palavras vulgares mas ya isto era eu a usar tudo que eu sei)
obg para me ajuderem!


“Colora minha vida com o caos de problemas” esta é uma linha duma canção de Smith que esta menina usou como uma citação no anuário em um filme sentimental de 2011, eu achei fixe esta citação, e por isso escrevi no meu caderno de rascunho e sonhei um dia alguém vindo pra minha vida e colorir-o com caos de problemas.
Eu sempre senti assim, sempre senti que preciso algo mais, a coisa comigo é que nunca me sinto satisfeito com que tenho.
E como muitos outros da minha idade, tentei preencher o vazio com atenção, drogas, animes e especialmente com o amor.
Eu faço parte daquela geração Nepalesa que assiste “3 idiots” e ouve canções românticas do McFlo e pense que não consegue ser feliz sem se apaixonar. Sabes de quem eu estou a falar sobre, aqueles rapazes que têm um exterior áspero mas no fundo eles têm um lado macio basicamente somos tsundere.
Fds nem fiquei triste depois de terminar com minha ex. Eu fiquei tipo olhe mais uma experiência, da próxima vez que eu estiver a namorar não vou cometer os mesmos erros.
Já terminei 3 vezes mas ainda não me sinto triste porque é fixe ter emoções.
A minha esposa podia me trair, levar metade dos meus bens, meu cão e meu filho Ramesh e eu vou ficar sem teto a pensar WHOA emoções são fixes.
Apaixonamento é uma treta que gente inventaram porque ficaram entediados.
“Colora minha vida com o caos de problemas” mas-mas porquê? Es estúpido?
Porque é que vocês querem alguém para foder a sua vida artisticamente?
Deve ser porque gostamos de altos e baixos do amor. Gostamos da montanha russa de emoções que o amor dá e sentimos vivos.
Amor é como bebidas alcoólicas ou bater punheta. Sentimos bem quando fazemos, mas depois de acabar fazer ou consumir nos arrependemos.
Se vocês não me acreditam, há centenas dos estudos detalhando como euforia do amor provoca a mesma sensação no cérebro como cocaine, seus viciados.
Nenhuma outra espécies faz isso coisinha de apaixonar. Os macacos não estão sentados na cama a pensar se é muito pegajoso mandar mensagem para aquela macaco com cú grande. Os macacos não precisam de pensar qual vestido é melhor para o encontro ou se preocupar com o cheiro, eles só fodem. É incrível, eles poderiam a estar comer banana um momento ou matando insetos e boom começam a foder. Eles não se dão mínimo se alguém está a ver ou tirar fotografias. Nós complicamos demais, porque é que é eu preciso de vestir bem e usar perfume e ela tem que dizer ela não costuma fazer isto.
Apaixonar-se não faz qualquer sentido biologicamente é uma nova emoção humana baseado completamente em egoísmo, ciumento e a insegurança.
Vocês malucos decidiram que amor significa pelo lei ficaremos juntos para sempre e se não o fizermos, leva metade do meu dinheiro. MAS PORQUÊ?
Não sou de coração frio porque acredito que amor é real. É algo que compartilhamos com nossa família, nossos amigos, nossos animais de estimação e com o mundo.
O amor torna-se para uma emoção possessiva especificamente humana quando vocês falam de encontrar aquela menina . “QUANDO OLHEI PARA OLHOS DELAS EU SABIA QUE EU IA PASSAR RESTO DA MINHA VIDA COM ELA”
A serio? Eu acho que há algo mal com tua cabeça mano.
Cair de cabeça totalmente cega numa relação é igual á tu projetar tuas inseguranças em outra pessoa. Não estás feliz com tua vida por isso começas a procurar isso em outra pessoa, e isto é insustentável, irreal e perigoso. Talvez não tens amigos, não gostas do teu trabalho, não gostas de ti mesmo ou talvez a tua mãe não te abraçou suficiente quando eras criança. E agora quando encontras uma gaja fixe que ri das tuas piadas, tu agarras nela como uma sanguessuga e tornas-te uma psicopata se ela até olha para alguém.
Isto é porque o amor é tão viciante quanto uma droga, os únicos dois tipos de pessoas que cortaria seus pneus e ameaçaria suicídio é uma viciante de drogas e uma puta louca chamada Verónica(karen).
Mas talvez eu sou sozinho e amargo porque tentei me se apaixonar mas nunca funcionou para mim.
Eu tenho certeza que acontece isto com toda gente.
Achas que gostas uma gaja mas depois de bater a punheta já não é o caso. Percebes que não estavas a pensar com a cabeça certa(é chamado post nut syndrome em ingles).
Agora estou no ponto em que estou aberto à idéia de amor, mas eu não consigo manter conversas com minas da minha idade, elas parecem a viver a vida em Instagram e acho que isto é um chatice. Como vocês não se cansam de usar o instagram depois de uma semana ou um mês? È realmente incrível.
Quando estão a falar de maquiagem, roupas e exes, pá não dou mínimo, a sério não dou mínimo.
Eu percebo que quando falo que não dou mínimo, estou a ser ignorante porque as pessoas se apaixonam alegremente e isso faz eles felizes, pá sou quero o mesmo sentimento, embora que eu saiba que o amor é basicamente cocaine para minha coração.
Eu acho que estou apenas amarga a ver todas essas pessoas juntos alegremente a fazer promessas que provavelmente não vão manter. Parece divertido não parece?
Romance é uma venda fácil. Todos nós gostamos quando o protagonista acaba junto com a menina e ambos ficam felizes para sempre. Gostamos de ver o final feliz. Gostamos de acreditar em "felizes para sempre".
Mas o amor romântico e o amor em geral é muito mais complicado do que fomos levados a acreditar nos filmes de Hollywood.
Não ouvimos que o amor às vezes seja desagradável ou até doloroso, ou que o amor precisa autodisciplina e uma certa quantidade de esforço sustentado ao longo de anos, décadas e uma vida inteira. Essas verdades não são emocionantes. Nem eles vendem bem. A dolorosa verdade do amor é que o verdadeiro trabalho de um relacionamento começa depois que a cortina se fecha e os créditos rolam.
Como a maioria das coisas na mídia, o retrato do amor na cultura pop é limitado ao destaque. Todas as complexidades da vida real em um relacionamento são varridas para dar lugar a títulos emocionantes, a separação injusta e, claro, o final feliz favorito de todos.
Quando somos apaixonados, não podemos imaginar que algo possa dar errado entre nós e nosso parceiro. Não conseguimos ver falhas delas , tudo o que vemos é potencial e possibilidade ilimitados.
Isto não é amor. Isso claramente é uma ilusão. E, como a maioria das ilusões, as coisas não terminam bem.
Eu acho que eu gosto de ideia de amor mas não tenho paciência nem quero comprometer minha liberdade para ela. Eu gosto quando estou o centro da atenção e não gosto quando sou eu que precisa de dar atenção. Sempre que estive num relacionamento a princípio, fico empolgado; mas depois de algum tempo, perco toda a paciência e a interessa.
Eu gosto de ideia de amor e é basicamente que este filme 500 days of summer satirizou.
Eu gosto como este filme criticou o conceito de amor.
A personagem principal decidiu que a menina Summer era sua alma gémea, porque eles ambos gostam da mesma música. Ele cresceu vendo filmes românticos com um fim clássico. E por isso ele pintou uma imagem na cabeça que a Summer era criada para ficar junto com ele mas não é realmente o caso no fim deste filme. O amor verdadeiro precisa de paciência, compromisso e atenção e isto parece búe complicado pá. Em vez disso eu prefiro ver porno e bater a punheta.
submitted by browndusky to portugueses [link] [comments]


2020.07.12 21:41 KimiTanoshimu #2

Aonde estava eu? Ah a cultivar bárbaros e a tecer dragões no Clash of Clans, certo. Mas não é para isso que vieram cá, se bem que não nego a diversão de urdir uns esqueletos de vez em quando. Finalmente, verão. Já dizia o Castanheiro: “Para Portugueses, menino, o verão é o tempo das belas fortunas e dos rijos feitos. No verão nasce Nuno Álvares no Bonjardim! No verão se vence em Aljubarrota! No verão chega o Gama à Índia!”. E são estas palavras que me fazem questionar se não sou realmente estrangeiro, (até sou meio achinezado e tudo). Portanto, verão. Lembro-me que passei grande parte desta estação, ( altura de transição do sexto para o sétimo ano), em casa da minha avó materna, com o meu primaço, passando os dias a jogar Minecraft ou B02, bons tempos. Foi também altura da minha primeira interação com o que hoje em dia chamamos de... ahm nós não temos realmente um nome para isto, que eu saiba pelo menos, mas basicamente trocar mensagens “abusivamente” com alguém. Eu deixei uma pista na última edição e vou tentar deixar nesta também. Sim! A próxima crush é a Joana Sousa, ou A tipa das repas, provavelmente conhecem-na melhor por este último método de identificação. É engraçado recordar estes momentos. Eu acho que fiquei a gostar dela porque foi a pessoa que mais me ajudou a integrar na escola e na própria turma. E, claramente, também por outro motivo que todos nós conhecemos do filme, Quinta da Paz: Infinity Crushes, a carência Mariense. fAlAr cOm UmA rApAriGa pOr mEnSaGeM? E eSsA CoNvErSa nÃo eNvOlVeR eU PeDiR qUe Me TrAnSfiRa A Wrecking ball pOr BlUeTOoTh?!?
Peço desculpa.
Ah nem sei por onde começar. Vou tentar ser breve para o post não se chamar Saga Horny Potter 2. Esta paixão tem um origin story definitivamente *cof cof* engraçada. Ela era pretty much a minha ajuda emocional para tentar ultrapassar a Inês Pinto. Eu lembro deste acontecimento, *risos*, é tão mau e totó, mas basicamente estava-lhe a dizer que sentia mesmo falta da Inês Pinto e qualquer coisa acontece e eu digo: - Mas hey sempre gostei de ti. A Inês Pinto era só o warm-up, desde do início que gostei de ti. (Oh pls digam-me que vão fazer bons memes com isto, estou a morrer de cringe). Citando o Pikachu: “That’s a very twisty twist”. Yes. Na realidade, nada de mal aconteceu. Aliás acho que ela é que me começou a dar tease (?). Confusing times. Isto desencadeou um monte de acontecimentos de partir.o.caco.a.rir. Ela queria que eu mandasse fotos para ver se estava mais giro e apelativo fisicamente e decidir se devia namorar comigo ou outro tipo que também gostava dela... hm. Como é óbvio não consegui enviar porque falávamos por mensagem e o meu pacote não o permitia, etc etc. Mas, mas, nem tudo é mau, eu parecia aqueles atores de Bollywood, em poses super dramáticas e desesperadas, (quem me dera recuperar essas fotos). A seguir disso veio a letra de uma música, inspirada na bela melodia de Jeff Buckley, Hallelujah. Era linda, uma obra prima, a minha obra prima, até o meu primo o reconheceu. Até a minha avó encontrar o dito cujo papel e a cantar em frente à minha família toda em tom de Aleluia católico. E, repleto de vergonha, fugi para debaixo de uma mesa de bar que há no piso de cima, (em honra da velha tradição). Não vou mentir, pensei que até o dia de hoje ainda estaria lá. Até podia agora ser um barman famoso e tudo, mas infelizmente saí de lá. Possivelmente, por causa de um fantasma da Inês Pinto, diria eu. E como se já não bastasse, havia certos momentos em que me dava um chlick e tratava-a por amor ou amorzinho ou, por favor matem-me não quero continuar a falar disto. Conclusão, ela provavelmente fartou-se do Fortniteiro (eu) e deu move on para o outro tipo que foi falado anteriormente. Na realidade, acho que foi mesmo isso que aconteceu. O corte nas relações não foi tão brusco como o da Inês Pinto, mas a Joana Sousa põe histórias no messenger e o pior foi que tive de ir ver estas para me lembrar do nome dela, por isso, vou-me só calar.
Hope u enjoyed. Ass: Marroni. Até ao 8º ano, jovens árvores.
submitted by KimiTanoshimu to mariotoldbyyou [link] [comments]


2020.06.23 03:01 drek92 (FEIO) Me preocupo com os outros

Bom, não sei por onde exatamente começar. Quinta-feira, da semana passada, apaguei o meu facebook e o Instagram, estava fazendo mal pra minha saúde mental, tinha mania de ficar fazendo comparações tanto esteticamente quando financeiramente, bom, imagino que todos passam por isso. Toda vez que eu postava uma foto, ficava preocupado com quantas curtidas eu tinha, e no final quando eu via quantas eu recebia, ficava um pouco pra baixo. Eu me acho feio, mas em contrapartida, outras pessoas me acham bonito, falam que sou parecido de fisionomia com o Henry Cavill, principalmente com Adam Lavine ou ator da série YOU, da netflix. No tempo de faculdade, eu tinha saído de um relacionamento e uma amiga veio me consolar, me ajudando a superar e etc, e como todos sabem, final de relacionamento a gente sempre pensa: "Ninguém vai me querer, nunca vou encontrar alguém como a fulana, o sexo era muito bom, vou sentir saudade e blá blá blá..." Bom, eu falava pra ela que me acho feio, e ela dava risada, diz que eu deveria começar a olhar pros lados, pq o que eu digo não é verdade e que apenas estou com a autoestima baixa.
Depois dessa introdução, desde que entramos em quarentena, eu refleti várias coisas sobre a minha vida, e até sobre a vida dos outros, enquanto escrevo esse texto, imagino que milhões ou até bilhões de pessoas estão sofrendo por ai, sofrendo por amor, sofrendo por uma morte de um ente querido por causa do Covid-19, sofrendo por discussões com familiares, sofrendo por estar em depressão ou na solidão, sofrendo por não ter amigos ou uma namorada ou alguém pra compartilhar momentos, enfim, diversos sofrimentos que são inúmeras.
O ponto que eu quero chegar é sobre a beleza, sim a beleza física, estética, a beleza exterior. Ultimamente vejo vídeos de psicologos e psiquiatras, nessa quarentena fiz uma maratona de videos do canal Neurovox, do psiquiatra Pedro Calabrez (não sei se vocês conhecem), ele se baseia em tudo que é cientifico, como por exemplo: Como superar uma relação, (nome do vídeo é "a dor do coração partido") E ETC... enfim, esse post não é sobre relacionamento mas sobre as dores das pessoas sobre a estética.
Em algum vídeo dele vejo pessoas totalmente desanimadas com a própria aparência, provavelmente é em algum vídeo sobre se afastar das redes sociais e comparações com outras pessoas nas redes sociais, e isso me levou a pesquisar afundo em blogs, videos no youtube e etc.
Teve um camarada, daqui do Reddit, que escreveu um post dizendo que odeia pessoas bonitas, e etc, cara, aquilo mexeu comigo por dentro. Sou uma pessoa muito empático, e me imaginei na pele dele, e me imaginei na pele de outras pessoas, pessoas que comentam e que eu consigo sentir, através das letras, o sofrimento da pessoa em saber que é feia, que não têm os atributos que a sociedade procura e que nunca irão se relacionar com as pessoas. Hoje foi o estopim pra eu desabafar sobre isso pq estava assistindo um video de um canal Alphalife e o nome do titulo é: " Se Você É Feio, Pobre e Tímido, Faça Isso..." vi os comentários das pessoas e aquilo me deixo tão, mas tão mal que não sei descrever pra vocês. Um dos comentários que me marcou foi de um camarada que dizia assim: "Eu sou muito feio, e sinto raiva de mim, tenho 1,65, tenho uma cabeça pequena, corpo pequeno "meio" que esguio, entrei pra academia pra ver se melhorava mas ficava totalmente desproporcional, parecia que meu corpo crescia mas minha cabeça ficava muito pequena..." e bom ele disse outras coisas que me fez colocar no lugar dele, pelo comentário dava pra ver o sofrimento desse rapaz. Se tiverem sorte procurem lá o comentário....
Tenho amigos e amigas de outros estados, sou de Porto Alegre, e quando comento com eles, quando digo que sou feio, eles tiram sarro de mim, o que mais falam é: "Fulano, tu é o cara mais sortudo desse país, tu mora no paraíso, aliás, se tu morasse aqui, tu farias sucesso com as mulheres", bom, quando dizem que moro no paraíso, vocês imaginam que Rio Grande do Sul só têm pessoas bonitas (bom realmente têm, mas as mulheres se acham e são estupidas só pq são bonitas, têm grana e etc, e isso vale para os homens também).
Como eu falei anteriormente, eu me acho feio, mas outras pessoas me acham bonito, até lindo me chamam. Daí vocês devem tá se perguntando, mas se as pessoas te acham bonito, pq não aceita? a reposta é, não sei, me acho normal, tenho 1,76, sou formado (enfermeiro), tenho 28 anos, faço academia pra manter o corpo em forma e manter minha saúde mental saudável - meus pais tiveram AVC (AVE cientifico); meu pai teve o hemorrágico ficou com sequela, minha mãe o isquêmico, não ficou com sequela - então, tenho a pretensão de ter AVC, e por isso, faço academia, mas não fico tirando foto do espelho pra postar nas redes (não tenho mais). Pela genética, meu cabelo é ralinho (mas tenho cabelo), tenho as "entradas", quase que iguais do ator Henry Cavill ou do ator que faz a série YOU da netflix, (pra terem uma ideia) elas não são tão acentuadas, e nunca me incomodaram, até pq tive 4 namoradas, isso nunca foi um empecilho. Meu pai é feio (sim ele é, até quando jovem, vi por fotos), em contrapartida, minha mãe era linda, ela têm fotos guardadas até hoje, vocês não têm noção de quão linda ela era, ela mesmo dizia que, poderia ter tido qualquer homem aos pés dela, e de fato, as amigas e irmãs dela me falam isso direto. Pode ser que essa "beleza" herdei dela, minha irmã é linda, principalmente quando era adolescente e mais jovem, os caras babavam por ela.
Dito tudo isso, mesmo me achando feio, tenho sorte de ter herdado essa "beleza" da minha mãe, mesmo meu pai sendo feio. Mas o desabafo é, eu sinto pena das pessoa que realmente não conseguem se relacionar, não conseguem uma namorada ou até mesmo sexo pq a outra pessoa se importa muito com a aparência. Bom, a verdade seja dita, sim, principalmente nos dias atuais as pessoas se importam com aparência, ninguém namoraria com alguém feio, alias eu já namorei, sempre caguei pra opinião alheia, e essa questão de que BELEZA É RELATIVO, DESCULPA, MAS NÃO É RELATIVO NADA.
Além de ser um desabafo, gostaria de saber da opinião de vocês? Vocês têm amigos ou amigas que são feios e que, sofrem por isso? Eu sinceramente não consigo me expressar muito bem, mas, o que posso resumir de tudo que falei é, eu fico com muita pena das pessoas que não conseguem se relacionar amorosamente pq a beleza física impede que isso aconteça. Vejo comentários tanto aqui no Reddit, quanto nos videos do Youtube pessoas infelizes com suas aparências. Quando ando pela rua com alguma amiga ou amigo, sempre tem um que fala: "Olha ali, o fulano é feio, não ficaria ou me relacionaria com ele/ela" Daí de imediato eu me coloco na pele da outra pessoa e tento imaginar o quão dolorido isso deve ser, as pessoas falarem isso.
Por mais que eu seja jovem, "bonito" para outras pessoas, formado, tive 4 relacionamentos, pra mim, as 4 ex namoradas eram bonitas, aproveitei o sexo, o sexo era maravilhoso, mas e as pessoas que são "feias", será que elas tiveram esse privilegio de amar e serem amados? Não sei como expressar, com o falei.
Eu tento ao máximo não me comparar fisicamente e financeiramente com outras pessoas, até pq, tem um vídeo desse psiquiatra que mencionei anteriormente que é "PARE DE SE COMPARAR COM OS OUTROS" e " PARE DE SE INTERESSAR PELA VIDA DE PESSOAS QUE NÃO FAZEM DIFERENÇA NA SUA", e esses videos me ajudaram muito, além de me dar forças pra excluir as redes sociais, me dá força de não me comparar com ninguém, mas eu sou tão empático que além de me colocar no lugar da pessoa eu não consigo em não me comparar com outra pessoa, gostaria profundamente que todos, TODOS, fossem bonitos e assim, ninguém sofreria, e teríamos TODOS uma vida feliz aqui na terra, lembrando que estamos apenas de passagem e que a vida está passando rápido demais, quase que em um piscar de olhos, e olha que tenho 28 anos, e to percebendo isso.
Forte abraço pra quem leu.
submitted by drek92 to desabafos [link] [comments]


2020.06.08 09:51 atomoconectado Amor, uma fantasia

Durante uma sessão televisionada de romance, você presencia cenas que podem mexer profundamente com seus pensamentos. E enquanto você assiste a conexão de dois atores interpretando personagens, na sua mente um outro filme começa a rodar em segundo plano, este, é o filme da sua vida.
Essa é forma mais instigante de seus sentidos e imaginação, a primeira vista. E também pode acontecer durante uma leitura do mesmo gênero, basta ter plena capacidade de concentração e fertilidade mental.
Seja nos livros ou telas de vídeo, se de repente, a projeção dessa história no seu interior trás consigo uma série de decepções, ou uma imaginação de vivencia-la heroicamente mesmo sabendo que na prática haveria muito mais nuances, a pergunta mais óbvia que ressoa de canto a canto é: será que um dia vou viver algo parecido com essa cinematografia assistida? Ou... será que um dia a minha vida amorosa pode ser escrita e publicada?
O que quero dizer é que podem surgir questionamentos desse tipo... E é provável que existam muitas questões que se formulam ao mesmo tempo nessa hora, sem respostas nem tempo para paráfrase-a-las com precisão.
Só que ali está você. Observando ao clichê romântico, e tentando a todo custo acreditar que as coisas podiam ser assim na sua vida, mas não são. Depois parênteses e parênteses se abrem, pra tentar dar conta de uma coisa que naturalmente devia acontecer.
Claro, por uma questão de realidade, (in)felizmente temos também a produção de finais não tão felizes; que por algum motivo nunca são tão bons quanto os absurdamente emocionantes, de tão felizes que terminam. Talvez isso signifique que no fundo nunca é um final, no entanto queremos acreditar que a história para ali, quando os pares se beijam e ficam juntos.
Ao que parece, não acredito que faz exatamente mal refletir sobre tudo isso. Mesmo assim, também acredito que nada pode ser exatamente como se imagina. Talvez melhor ou pior, mas se você não está escrevendo um livro ou dirigindo uma peça, a vida em questão está sujeita as mais variadas formas de encontrar o amor. Ora ele pode ser caricato, ora um tremendo desastre.
E bem, apesar de não saber ainda como definir o que exatamente é amor, eu já sei que nada vai ser tão perfeito ou que as experiências que eu já tive não se tornaram mais fáceis de uma hora pra outra. Além disso, acabo apenas esperando que um novo momento inédito e romântico aconteça. Simplesmente aconteça, como sempre fazem tanto na ficção quanto na vida real.
submitted by atomoconectado to u/atomoconectado [link] [comments]


2020.06.07 22:42 WhoIsNini Fantasmas do passado e Pontas soltas.

Fala guys, essa história ainda acontece e isso já faz 8 anos.
Eu conheci uma garota em 2013. Eu tinha 11 e ela 10. Como ela era meio invisível no grupo social que eu convivia (e ainda convivo), nunca falei com ela de fato, só sabia quem era. Tempo vai, tempo vem..
Final de 2016, a gente começou a se falar e ficamos amigos. Como eu era bem novinho (14 anos) eu não tinha essa malícia de saber se alguém gostava de mim ou não. Mas ela dava muitos sinais que gostava bastante de mim, e ela parecia ser bem interessante pra mim também.
O ano de 2017 foi o ano que a gente mais conversou e se conhecemos melhor, também descobri que ela gostava de mim. Nós eramos bem entrosados, a forma de pensar, de falar, fazer piadas e tal.
2018 ela foi para a minha escola. Eu estava no 2° ano e ela no 1°. A gente se via bastante, marcávamos sempre de se encontrar, em algum intervalo de tempo. Ela falou que gostava de mim e eu falei que gostava dela, tudo ai ok.
Só que ela era bem frágil emocionalmente e tinha muito ciúmes de mim com meus amigos, principalmente com a garota que eu tinha um crush antes dela.
Eu também não era tão bom assim, tinha 15 anos, e como era meu primeiro amorzinho, tinha vezes que cometia uns erros grotescos. Imaturidade e tal.
E esses dois fatores levou um desgaste muito grande da nossa amizade.
2019 as coisas já não era mais as mesmas. Ela tava estranha e fria. Passava por ela na escola e se eu não parasse pra falar com ela, ela passaria direto.
Eu juro pra vocês que não aconteceu nada de específico, tipo uma traição ou algo muito ruim da minha parte, era somente os dois motivos que citei acima.
Ai ok, as coisas estavam estranhas, dei um tempo pra ela, ficamos sem nos falar por 2 semanas. Quando voltamos, ela falou que não gostava mais de mim e que não estava se sentindo bem psicologicamente pra continuar com a amizade, mas falou que eu não queria que eu mudasse com ela porque ainda gostava de mim como pessoa. Mas ela mudou comigo, não me chamava mais, tava fria e insensível.
2019 foi um lixo, eu tava muito mal com tudo que tava acontecendo e ainda tinha que ficar vendo ela pelos corredores da escola, sempre junto com suas amigas..
Como eu ainda gostava bastante dela, como amigo e como companheira, eu tentei reconciliar com ela diversas vezes, entender os motivos para ela estar daquele jeito ou que exatamente eu poderia ter feito. Mas ela nunca falou, e essas minhas tentativas só irritaram ela ainda mais.
A SITUAÇÃO ATUAL
Eu acho que todo sofrimento que eu passei em 2019 fez eu amadurecer bastante e expandir minha perspectiva de vida. Eu não me sinto mais preso a um sentimento à ela, mas eu também não guardo ressentimentos ou mágoas pela menosprezo e foras que ela me deu. Eu a perdoei e me perdoei.
Mas como ela faz parte do meu grupo social eu a vejo constantemente (2 vezes por semana). E isso não tem me feito nada bem. Quando eu a vejo é um mix de sentimentos: tristeza, raiva, saudades, felicidade e um monte de mais coisa.
Não descartaria outra pessoa que me interessasse se realmente aparecesse, mas também não quero procurar alguém só pra esquecer outro alguém. Quero que as coisas fluam no seu devido tempo.
Ainda sonho constantemente com essa pessoa, momentos felizes, coisas que gostaria de dizer e até mesmo ela com outra pessoa. Acordo e passo o dia com o mix de sentimenos que descrevi acima e muito na merda.
Me sobrou uma cartinha de amor e um desenho muito bonito que ela fez. Penso em devolver, já que não vou mais vê-la, quando eu me mudar para outro lugar. Mas isso ainda vai demorar bastante tempo para acontecer. Não apaguei nossas fotos com medo de me arrepender depois, guardei em um lugar bem escondido do pc para não ficar vendo.
Então é isso, essa quarentena serviu para eu ficar mais mal com essa história. Porque antes eu me ocupava com algumas coisas, mas agora..
Enfim, se você leu até o final parabéns você é um guerreiro(a), pode comentar se quiser.
13/7/2019 foi o ultimo dia que falei com ela.
Por favor só evite chavões que meus amigos falam do tipo: Você ainda não superou // Tem que superar // Você vai encontrar alguém // Você tem que conhecer mais pessoas // Tenta voltar a falar com ela e coisas do tipo.
submitted by WhoIsNini to desabafos [link] [comments]


2020.05.29 16:43 mateusonego Não aguento mais me arrepender

Bom dia, povo! Espero que estejam sobrevivendo aí, e bem.

TL;DR: Ateu mal-acostumado, ainda projeto o julgamento de Deus em todas as áreas e pessoas, e não suporto mais sentir culpa nem arrependimentos - o único futuro que vejo é me isolando e vivendo sozinho, sem interagir nem construir nada com mais ninguém, o que rouba todo o sentido da vida humana. Não sei mais o que fazer comigo.

Bom não tenho certeza do que eu pretendo com isso, mas eu honestamente não faço mais ideia de que direção tomar, e senti que pôr tudo pra fora pode elucidar alguma coisa. Peço desculpas desde já pela bíblia abaixo (quem ler vai rir da escolha de palavras) mas eu não sei identificar limites e necessidades ¯\_(ツ)_/¯ prefiro dar mais detalhes do que devo.
Enfim, já faz alguns anos que eu tenho depressão. Sempre fui uma pessoa muito ansiosa, a ponto de precisar me consultar a respeito algumas vezes enquanto criança. Me parece que a coisa toda começou principalmente depois que meu pai faleceu (doença cardiovascular - eu tinha 5 anos).
Eu não passava o meu dia com meu núcleo familiar (minha mãe sempre trabalhou, eu sempre fiquei com uma tia até pelo menos os 12), então ficava o dia todo na TV e quando chegava em casa a noite ia direto pro computador. Eu sou negro (sempre sozinho em espaços brancos, só bem mais tarde eu ia entender o que isso significava e começar a perceber as consequências), sempre fui mlk de prédio (cohab - de bem favorecida minha família não tem nada, mas graças a Deus nunca passamos fome), e minha mãe não percebeu o quanto eu me fechava conforme o tempo passava. Passei minha infância inteira brincando literalmente sozinho, fazendo todos os papeis etc rs e nem sei dizer o quão rápido me acostumei a passar o tempo integralmente dentro da minha própria cabeça.
Porque eu não entendi muito bem a morte do meu pai, e por conta de como eram as coisas na minha família (minha tia era paranoica, meu tio era um absoluto escroto em todas as áreas, minhas primas eram frustradas e descontavam um pouco em mim - nada demais, minha família sempre foi bastante amorosa, na verdade, não posso reclamar disso -), e por conta de eu passar uns 25% do meu tempo com minha mãe no máximo, que quando tava comigo tava cobrando sobre a escola etc, papo padrão de mãe ausente (não culpo ela em nada, minha mãe sempre foi esforçada pra cacete e lutou muito pra subir aos poucos na vida, sempre se fez o mais presente possível e demonstrou amor incondicional, sempre deixou claro que me ama não importa a merda que eu faça - mas o fato é, ela sempre me cobrou muito das coisas, não exatamente da forma mais inteligente), minha terapeuta disse que meu cérebro me responsabiliza de alguma forma pela ausência do meu pai (como se eu tivesse cometido algum erro, e por ISSO ele tivesse saído da minha vida), e hoje entendemos que meu cérebro associou toda essa mistureba como: "não posso errar, nunca, preciso ser capaz de cuidar das minhas responsabilidades, se não os outros não vão querer saber de mim, e eu ainda posso prejudicar eles, pôr o esforço deles a perder, então eu nunca posso fazer nada que não seja a melhor e mais perfeita coisa que eu poderia ter feito no momento".
Soma-se a isso o fato de minha família ser aquelas tradicionais evangélicas neo-petencostais, e toda minha insegurança foi armada e munida: eu sempre levei a coisa a sério, me esforcei para viver de acordo com filosofias ou de acordo com as conclusões que eu chegasse, achava que era questão de vida ou morte (ser salvo ou ir pro inferno) que eu ponderasse muito sobre minhas escolhas e fosse compromissado - só assim eu verdadeiramente estaria fazendo a vontade de Deus, só ignorando o mundo e as tendências e me reservando a ficar sempre na contra mão.
Eu nunca me senti bem, feliz ou satisfeito. O estado mais positivo que eu já consegui alcançar foi "conformado", mas mesmo enquanto amparado pela fé, eu não via muito sentido nas coisas, não conseguia enxergar propósito que não fosse Deus, e a forma de lidar com esse propósito - combatendo o mundo, pra convencê-lo a se salvar - me frustrava. Mas a coisa tomou outro patamar quando, depois de uns anos levando a sério a religião, eu me dei conta que não cria em mais nada. Aí, a depressão que se mascarava como descontentamento se assumiu de verdade, e só então eu reparei há quanto tempo eu andava desejando morrer mas não admitia para mim mesmo. Foi só quando eu parei de encarar o suicídio como um pecado, que eu passei a reconhecer com quanta intensidade eu sempre flertei com ele. Isso faz uns 10 anos, e de lá pra cá, a vontade de abandonar tudo só cresceu - e hoje eu sinto que isso é especialmente pq eu passei o papel de "Deus" pras outras pessoas, ou pra sociedade: cada ação minha está sendo pesada por alguém - ou será pesada por cada pessoa que passar pela minha vida - e meus acertos determinarão meu valor enquanto pessoa.
Nunca tive problemas para ter amigos, mas sempre me senti bastante deslocado (negro e cristão, né, nunca me sentia completamente pertencente). Sempre fui inseguro e sem malícia demais pra ter atitude para ter um relacionamento, e como eu era cristão e tem toda a parada de sexo etc, enfim, eu fui demorar para ter meu primeiro relacionamento, que eu abri mão pq não dava conta de quão mal eu me sentia, do quanto eu me cobrava ou me culpava por tudo, do quanto de ciúmes que eu sentia, etc.
A vida passou, eu deixei de ser cristão, comecei a entender melhor a sociedade, comecei a fumar maconha, fumei muita maconha, e no meu 3º relacionamento minha namorada percebeu que tinha coisas dentro de mim com as quais eu não sabia como lidar, e me convenceu a fazer terapia, por mim, e por nós. Eu comecei a fazer. entendi muitas das coisas que mencionei aqui, tivemos anos de muita alegria, fomos morar juntos, eu seguia com a terapia e tomando remédios etc, até que... fomos nos afastando... e eventualmente terminamos. Na época eu não sabia direito identificar o que tinha acontecido. Hoje, eu acho que fumávamos demais, eu em especial, e não estava me esforçando de verdade para estar com os outros e fazer coisas novas, eu só queria saber de fumar, tava afstando ela da família dela, enfim... provavelmente acabei entregando um relacionamento tóxico pra ela, ou até abusivo.
Eu moro sozinho há uns 2 anos e meio agora. Sigo fazendo terapia e tomando remédios (só 10 por dia). Continuo fumando maconha, pq é a única coisa que alivia o dia-a-dia, tentando reduzir bem (hoje fumo 1/3 do que fumava no começo do ano, por ex - mas ainda fumo um pouco todos os dias, e minha psiquiatra sabe). Eu sei que isso já detonou minha noção de tempo, realidade, felicidade, vida, etc... Estou ansioso num nível que, de tanto mexer o meu calcanhar, eu literalmente to com problemas pra descer escadas ou ladeiras, sei lá, meu músculo buga e começa a tremer.
Eu tive um relacionamento no fim do ano passado, mas invadi todos os espaços dela sem a menor paciência, cobrava atenção que não fazia sentido pro que tínhamos, enfim, creio que projetei uma "continuação" do meu último relacionamento, não soube identificar como recomeçar a conhecer e ficar com alguém.
Nos últimos meses minha mente abriu muito pra muita coisa, e eu deixei de me culpar de muita coisa. Entendi algumas das minhas limitações, e que eu poderia escolher a vida que eu queria levar, dia após dia, eu posso escolher como levar meus dias. Eu trabalho, pago minhas contas, tenho um relacionamento ok com minha família, não devo nada a ninguém. Entendi por ex que eu provavelmente não tinha machucado minha última companheira, mas eu sem dúvidas frustrei muito a ela e a mim, e absolutamente gratuito.
Enfim. To há mais de um ano sem conseguir dormir 5h seguidas (serião), e aí pow, quarentena, não tenho o que fazer além de pensar na vida. Antigamente eu via muitos filmes e séries, ouvia música o dia inteiro etc, ultimamente SÓ consigo ver animes (não sei se pq os episódios são curtos, por conta da variedade, se é pq eu sou uma eterna criança, se é pq eu acho mais fácil refletir em cima das problemáticas...). Não aguento mais sonhar com o passado, não aguento mais sentir saudades das pessoas que passaram pela minha vida (especialmente minha noiva), não aguento mais não ter perspectiva nem vontade de futuro. Faz alguns meses já que eu tenho certeza absoluta que só estou vivo ainda pela minha família. Eu não queria, não tenho força nem ânimo pra sonhar com nada que eu queira pra mim, ou com nada que eu acredite que possa alcançar. Eu sinto que nenhum esforço pra ser feliz ou chegar em lugar nenhum nunca vai compensar as tristezas, as dores, e acima de tudo, os arrependimentos. Por mim, posso dizer isso sem medo algum, eu já tinha ido embora há alguns meses. Tenho até umas receitas naturais salvas pro dia que a coragem chegar (mas ela nunca vai chegar, eu nunca faria isso com minha mãe e meu irmão)
O que me mata são os arrependimentos. Eu demorei, mas entendi que tem muita gente pelo mundo, e que as pessoas vem e vão mesmo, isso é inevitável, e não precisa ser negativo. Eu não tenho "medo" de nunca encontrar ninguém, por exemplo. Mas meus sentimentos de culpa são TÃO fortes que eu nunca mais quero arriscar sentir isso por ninguém. Nunca mais quero sentir que decepcionei alguém, e tb não quero me frustrar. Eu sou honesto demais (acho que deu pra perceber), e embora leia MUITO as pessoas, nunca aprendi a lidar com o ritmo do mundo ou com a relação que as pessoas tem com a própria vida - esse ano me dei conta que continuo absurdamente religioso com a vida, to tendo que desconstruir pra entender como não encarar cada segundo como uma responsabilidade de tomar a decisão certa. Mas ainda dói demais pensar que eu machuquei as pessoas, e me dar conta que eu perdi oportunidades e pessoas por ser burro e egocêntrico. Ainda encaro os acontecimentos como decisivos, ou "destino". E decidi esse ano que ia me concentrar em mim, juntar uma grana, melhorar um pouco de vida e tal - mas quarentena, e aí no meio dela eu vi o quanto eu ainda me sinto dependente da validação dos outros (é um pouco de carência tb sim, mas é realmente uma necessidade de validação absurda), e que precisava aprender a superar.
Mas os dias passam, e minha cabeça não muda: to sozinho pq fiz muita merda, pq fui ansioso e egoísta, sou estranho e introvertido demais pra me relacionar com amigos ou parceiras de qualquer grau, e, como sei que preciso ficar vivo, pelo menos até minha mãe morrer, a única estratégia que eu vejo é se eu me fechar pra todo mundo e aprender a me aceitar sozinho. E eu realmente não posso dar brechas pra ninguém participar da minha vida, pq as preocupações me consomem, e eu sinto o arrependimento antes mesmo de fazer qualquer coisa.
Bom, é isso. Se você chegou aqui, parabéns. Recomendo agora um Neil Gaiman, um C. S. Lewis, ou pq não um Marx né. Como eu disse, não sei onde eu quero chegar. Acho que só precisava pôr pra fora. Por favor fiquem mais que à vontade pra comentarem qualquer merda, não to esperando ajuda nem forças, nem compreensão na verdade, mas eu sei que vcs vão me entender (talvez eu esteja procurando perdão, ou redenção?). Se alguém tiver passado por qualqueeeeeer coisa parecida, tamos aí para conversar.
Mas é isso amiguinhos, não se deixem acumular culpas, nós raramente temos, o mundo é difícil e cruel e cada favelado é um universo em crise. Sempre erraremos e sempre teremos de dar um jeito de levantar no dia seguinte. Cabe a cada um escolher como e com quem quer fazer isso. Boa sorte pra nós, pois Brasil. Muito amor, paz e saúde.
submitted by mateusonego to desabafos [link] [comments]


2020.04.27 15:05 jorgemrdf Cristo em Senhor dos Anéis [Parte I]

Cristo em Senhor dos Anéis

1.Esclarecimentos anteriores

Antes de começarmos, faz-se necessário esclarecer que a incrível obra de J.R.R. Tolkien pode sim ser lida sem o escopo cristão. Afinal, os escritos de O Senhor dos Anéis não compõem uma alegoria cristã, fato atestado pelo próprio autor em diversas cartas. Contudo, também é verdade que, através das mesmas cartas, Tolkien expressou que, apesar de não intentar em criar alegorias cristãs, vivera uma vida tradicionalmente cristã e, portanto, muito de seus ideais acabaram por fazer parte de todo o universo da Terra-Média.
Durante toda a obra, quatros personagens saltam aos olhos, em parte por suas respectivas jornadas tão cheias de vida e de morte, de luz e de escuridão, e que escuridão enfrentaram homens, elfos, anões e pequenos hobbits. Tais heróis atravessaram momentos de tamanho sofrimento que a própria ideia de voltar para aquele mundo belo e pacífico parecia sem sentido e impossível:
“É como nas grandes histórias, Sr. Frodo, as que realmente importaram. Cheias de escuridão e perigo, e às vezes você não quer saber o fim. Porque como o final poderia ser feliz? Como o mundo poderia voltar ao modo como era quando tantas coisas ruins haviam acontecido? Mas no final, é apenas uma coisa passageira, essa sombra. Mesmo a escuridão deve passar. Um novo dia virá. E quando o sol brilhar, ele resplandecerá mais claro. Essas foram as histórias que ficaram com você. Elas significaram algo, mesmo que você fosse muito pequeno para entender o porquê. Mas eu acho, Sr. Frodo, que eu entendo. Eu sei agora. As pessoas nessas histórias tiveram muitas chances de voltar atrás, só que não o fizeram. Eles continuaram, porque estavam segurando em algo. […] O bem que há neste mundo, Sr. Frodo, pelo qual vale a pena lutar.”
Porém, mesmo quando as chamas malignas de um mundo antigo se puseram em seu caminho, esses quatro heróis continuaram sua jornada. Uma jornada que, para cada um dos quatro heróis, traduzia um fragmento de Cristo. Foi ao longo dessa jornada que pudemos conhecer a coragem e o martírio dos hobbits Frodo e Sam, a bondade e o resplendor do rei dos homens, Aragorn, e a sabedoria e caridade do mago Gandalf.
Obs.: Abordarei os personagens com base nas obras literária e filmográfica de O Senhor dos Anéis por serem as mais conhecidas, deixando de fora os conhecimentos da obra “O Silmarillion”.
Obs².: Por achar que o texto ficará muito longo, dividirei em três ou quatro partes.

2.Gandalf: o profeta

Já no início do volume “A Sociedade do Anel”, somos introduzidos a um homem já envelhecido, possuidor de uma longa barba, um chapéu pontudo, vestes humildes e um cajado de madeira.
Gandalf era mais baixo que os outros dois, mas seus longos cabelos brancos, a vasta barba prateada e os ombros largos conferiam-lhe a aparência de algum rei sábio de antigas lendas. Em seu rosto envelhecido, adornado por grossas sobrancelhas brancas, os olhos escuros pareciam ser feitos de carvão, prontos a se acender em chamas a qualquer momento.( The Fellowship of the Ring, “Many Meetings”)
Contudo, o que mais nos encanta na figura de Gandalf não é sua aparência humilde e imponente, mas sua personalidade gentil, ainda que severa, e profunda, porém, acessível a todos aqueles que o procuram por orientação. Como Jesus, Gandalf, não importa aonde vá, busca ajudar os outros, restaurar a fé no bem vindouro, inflamar as chamas da esperança de dias melhores e guiar-nos na batalha contra o mal que nos impede de alcançar a paz e a felicidade. Sem nunca descansar, o mago cinzento percorre toda a Terra-Média e, entre elfos, homens, anões e, até mesmo, pequenos hobbits, ele espalha as sementes de um mundo melhor.

2.1.O Sacrifício na ponte de Khazad-dûm

Em dado momento, Gandalf e seus companheiros se deparam com duas opções: continuar seu caminho por Caradhras, desafiando, portanto, o poder de Saruman que usava de suas magias para impedir o avanço da Sociedade, ou tomar o caminho que passa pelas Minas de Moria, um antigo lar dos anões onde as chamas do passado ainda queimavam. A decisão restou nas mãos de Frodo. E ele decidiu por atravessar a Montanha pelo caminho de Moria.
A lenta jornada através da montanha chega a um terrível clímax quando a Sociedade é perseguida por uma criatura demoníaca do mundo antigo, o Balrog. Novamente a Sociedade se encontrava numa situação difícil. E , naquela hora mais escura e desesperadora, cercados pelas chamas, pela escuridão e pelas flechas pontiagudas de milhares de goblins e orcs, o sábio mago percebeu que não havia qualquer chance de que a Sociedade sobrevivesse àquilo inteira. Gandalf entende, então, que sua jornada deveria encontrar seu fim ali para que a jornada de muitos outros pudesse continuar.
Como Jesus uma vez disse:
“Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus amigos.”
(João 15:13)
Então, enquanto o resto da Sociedade do Anel atravessava a ponte de Khazad-dûm e o Balrog conhecido como Perdição de Durin se aproximava daquelas boas almas cheias de vida, Gandalf parte para a retaguarda da coluna que atravessava a ponte e desafia a besta demoníaca sozinho.
Sozinho, o sábio e bondoso mago interrompe o avanço do monstro e sacrifica-se para garantir a segurança de seus amigos. Porém, a história de tal homem não terminaria ali.

2.2.A Ressurreição de Gandalf

Após cair da ponte, Gandalf batalhou durante dias com o Balrog de Moria. Até que, depois de muita luta, indo desde o interior da Terra, onde as montanhas criam suas raízes, até o cume das montanhas, Gandalf saiu vitorioso. Contudo, tal batalha lhe custaria a vida. Porém, quando as lágrimas ainda caíam e o mundo parecia perder a esperança, pelas forças dos Valar, Gandalf ressuscita.
Gandalf, ressuscitado como o mago branco, atinge sucesso em sua missão de unir os povos uma vez mais para lutarem contra as forças do mal. Ele nos mostra como o amor por criaturas falhas, como as que habitavam a Terra-Média, o fez triunfar sobre a morte.
Na figura de Gandalf, Tolkien nos ensina o poder do sacrifício de Cristo na cruz. Um homem que, por amor a humanidade, tornou-se o cordeiro que redime todo o pecado do mundo. Um homem que, por amor ao homens, venceu a própria morte e ascendeu aos céus, onde continua a zelar por cada um de nós. Um homem que, assim como Gandalf, resistiu as tentações do mal para continuar sua missão pacificadora.
“…Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto. E quarenta dias foi tentado pelo diabo, e, naqueles dias, não comeu coisa alguma, e, terminados eles, teve fome.”(Lucas 4:1–13)

— Mas tenho tão pouco dessas coisas! Você é sábio e poderoso. Você não ficaria com o Anel? — Não! — gritou Gandalf, levantando-se de repente. — Com esse poder eu teria um poder grande e terrível demais. E comigo o Anel ganharia uma força ainda maior e mais fatal. — Seus olhos brilharam e seu rosto se acendeu como se estivesse iluminado por dentro. — Não me tente! Pois eu não quero ficar como o próprio Senhor do Escuro. Mas o caminho do Anel até meu coração é através da piedade, piedade pela fraqueza e pelo desejo de ter forças para fazer o bem. Não me tente! Não ouso tomá-lo, nem mesmo para mantê-lo a salvo, sem uso. O desejo de controlá-lo seria grande demais para minhas forças. E vou precisar delas. Grandes perigos me esperam(O Senhor dos Anéis, A Sociedade do Anel: Cap. II: A Sombra do Passado)
submitted by jorgemrdf to Livros [link] [comments]


2020.04.27 14:20 jorgemrdf Cristo em Senhor dos Anéis[Parte I]

Cristo em Senhor dos Anéis

1.Esclarecimentos anteriores

Antes de começarmos, faz-se necessário esclarecer que a incrível obra de J.R.R. Tolkien pode sim ser lida sem o escopo cristão. Afinal, os escritos de O Senhor dos Anéis não compõem uma alegoria cristã, fato atestado pelo próprio autor em diversas cartas. Contudo, também é verdade que, através das mesmas cartas, Tolkien expressou que, apesar de não intentar em criar alegorias cristãs, vivera uma vida tradicionalmente cristã e, portanto, muito de seus ideais acabaram por fazer parte de todo o universo da Terra-Média.
Durante toda a obra, quatros personagens saltam aos olhos, em parte por suas respectivas jornadas tão cheias de vida e de morte, de luz e de escuridão, e que escuridão enfrentaram homens, elfos, anões e pequenos hobbits. Tais heróis atravessaram momentos de tamanho sofrimento que a própria ideia de voltar para aquele mundo belo e pacífico parecia sem sentido e impossível:
“É como nas grandes histórias, Sr. Frodo, as que realmente importaram. Cheias de escuridão e perigo, e às vezes você não quer saber o fim. Porque como o final poderia ser feliz? Como o mundo poderia voltar ao modo como era quando tantas coisas ruins haviam acontecido? Mas no final, é apenas uma coisa passageira, essa sombra. Mesmo a escuridão deve passar. Um novo dia virá. E quando o sol brilhar, ele resplandecerá mais claro. Essas foram as histórias que ficaram com você. Elas significaram algo, mesmo que você fosse muito pequeno para entender o porquê. Mas eu acho, Sr. Frodo, que eu entendo. Eu sei agora. As pessoas nessas histórias tiveram muitas chances de voltar atrás, só que não o fizeram. Eles continuaram, porque estavam segurando em algo. […] O bem que há neste mundo, Sr. Frodo, pelo qual vale a pena lutar.”
Porém, mesmo quando as chamas malignas de um mundo antigo se puseram em seus caminhos, esses quatro heróis continuaram sua jornada. Uma jornada que, para cada um dos quatro heróis, traduzia um fragmento de Cristo. Foi ao longo dessa jornada que pudemos conhecer a coragem e o martírio dos hobbits Frodo e Sam, a bondade e o resplendor do rei dos homens, Aragorn, e a sabedoria e caridade do mago Gandalf.
Obs.: Abordarei os personagens com base nas obras literária e filmográfica de O Senhor dos Anéis por serem as mais conhecidas, deixando de fora os conhecimentos da obra “O Silmarillion”.
Obs².: Por achar que o texto ficará muito longo, dividirei em três ou quatro partes.

2.Gandalf: o profeta

Já no início do volume “A Sociedade do Anel”, somos introduzidos a um homem já envelhecido, possuidor de uma longa barba, um chapéu pontudo, vestes humildes e um cajado de madeira.
Gandalf era mais baixo que os outros dois, mas seus longos cabelos brancos, a vasta barba prateada e os ombros largos conferiam-lhe a aparência de algum rei sábio de antigas lendas. Em seu rosto envelhecido, adornado por grossas sobrancelhas brancas, os olhos escuros pareciam ser feitos de carvão, prontos a se acender em chamas a qualquer momento.( The Fellowship of the Ring, “Many Meetings”)
Contudo, o que mais nos encanta na figura de Gandalf não é sua aparência humilde e imponente, mas sua personalidade gentil, ainda que severa, e profunda, porém, acessível a todos aqueles que o procuram por orientação. Como Jesus, Gandalf, não importa aonde vá, busca ajudar os outros, restaurar a fé no bem vindouro, inflamar as chamas da esperança de dias melhores e guiar-nos na batalha contra o mal que nos impede de alcançar a paz e a felicidade. Sem nunca descansar, o mago cinzento percorre toda a Terra-Média e, entre elfos, homens, anões e, até mesmo, pequenos hobbits, ele espalha as sementes de um mundo melhor.

2.1.O Sacrifício na ponte de Khazad-dûm

Em dado momento, Gandalf e seus companheiros se deparam com duas opções: continuar seu caminho por Caradhras, desafiando, portanto, o poder de Saruman que usava de suas magias para impedir o avanço da Sociedade, ou tomar o caminho que passa pelas Minas de Moria, um antigo lar dos anões onde as chamas do passado ainda queimavam. A decisão restou nas mãos de Frodo. E ele decidiu por atravessar a Montanha pelo caminho de Moria.
A lenta jornada através da montanha chega a um terrível clímax quando a Sociedade é perseguida por uma criatura demoníaca do mundo antigo, o Balrog. Novamente a Sociedade se encontrava numa situação difícil. E , naquela hora mais escura e desesperadora, cercados pelas chamas, pela escuridão e pelas flechas pontiagudas de milhares de goblins e orcs, o sábio mago percebeu que não havia qualquer chance de que a Sociedade sobrevivesse àquilo inteira. Gandalf entende, então, que sua jornada deveria encontrar seu fim ali para que a jornada de muitos outros pudesse continuar.
Como Jesus uma vez disse:
“Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus amigos.”
(João 15:13)
Então, enquanto o resto da Sociedade do Anel atravessava a ponte de Khazad-dûm e o Balrog conhecido como Perdição de Durin se aproximava daquelas boas almas cheias de vida, Gandalf parte para a retaguarda da coluna que atravessava a ponte e desafia a besta demoníaca sozinho.
Sozinho, o sábio e bondoso mago interrompe o avanço do monstro e sacrifica-se para garantir a segurança de seus amigos. Porém, a história de tal homem não terminaria ali.

2.2.A Ressurreição de Gandalf

Após cair da ponte, Gandalf batalhou durante dias com o Balrog de Moria. Até que, depois de muita luta, indo desde o interior da Terra, onde as montanhas criam suas raízes, até o cume das montanhas, Gandalf saiu vitorioso. Contudo, tal batalha lhe custaria a vida. Porém, quando as lágrimas ainda caíam e o mundo parecia perder a esperança, pelas forças dos Valar, Gandalf ressuscita.
Gandalf, ressuscitado como o mago branco, atinge sucesso em sua missão de unir os povos uma vez mais para lutarem contra as forças do mal. Ele nos mostra como o amor por criaturas falhas, como as que habitavam a Terra-Média, o fez triunfar sobre a morte.
Na figura de Gandalf, Tolkien nos ensina o poder do sacrifício de Cristo na cruz. Um homem que, por amor a humanidade, tornou-se o cordeiro que redime todo o pecado do mundo. Um homem que, por amor ao homens, venceu a própria morte e ascendeu aos céus, onde continua a zelar por cada um de nós. Um homem que, assim como Gandalf, resistiu as tentações do mal para continuar sua missão pacificadora.
“…Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto. E quarenta dias foi tentado pelo diabo, e, naqueles dias, não comeu coisa alguma, e, terminados eles, teve fome.”(Lucas 4:1–13)

— Mas tenho tão pouco dessas coisas! Você é sábio e poderoso. Você não ficaria com o Anel? — Não! — gritou Gandalf, levantando-se de repente. — Com esse poder eu teria um poder grande e terrível demais. E comigo o Anel ganharia uma força ainda maior e mais fatal. — Seus olhos brilharam e seu rosto se acendeu como se estivesse iluminado por dentro. — Não me tente! Pois eu não quero ficar como o próprio Senhor do Escuro. Mas o caminho do Anel até meu coração é através da piedade, piedade pela fraqueza e pelo desejo de ter forças para fazer o bem. Não me tente! Não ouso tomá-lo, nem mesmo para mantê-lo a salvo, sem uso. O desejo de controlá-lo seria grande demais para minhas forças. E vou precisar delas. Grandes perigos me esperam(O Senhor dos Anéis, A Sociedade do Anel: Cap. II: A Sombra do Passado)
submitted by jorgemrdf to brasilivre [link] [comments]


2020.04.01 02:43 JPiniie ALDNOAH.ZERO É BOM SIM!

ESSA É UMA RESPOSTA AO BLOG DA SHANA: http://hishoku-sora.blogspot.com/2016/08/resenha-sobre-aldnoahzero.html ELA FEZ UMA RESENHA SOBRE O ANIME CHEIO DE CRÍTICAS NEGATIVAS, AQUI ESTÁ MEU COMENTÁRIO, NÃO QUERO OFENDER, ATENÇÃO AO SPOILER:
Oi moça. Estou aqui para refutar sua resenha, porque, meu deus, Aldnoah.Zero é o meu anime preferido. Eu entendo completamente a senhiria não gostar, eu acho que, esse anime, ou você ama ou não, sabe? Eu também nunca gostei de macha, mas não sabia que era quando comecei a assistir, sobre a base do enredo, toda a parada de marcianos contra terráqueos, eu acho que um tema ótimo, que dá para explorar bem, fazer muitas críticas e observações. Então eu fiquei bem animada. Dá para conectar perfeitamente com a realidade, porque, afinal, conflitos políticos é algo tão real e revela o lado mais egoísta do ser humano. Vejo que concordamos sobre animação e trilha sonora (perfeito, não? Eu baixei a música tema e escutei por horas enquanto desenhava).
O que me deixou bem reflexiva na história foi em relação a uma crítica, a exploração exagerada dos recursos naturais do planeta. Os humanos estão errados mas nós somos levados a torcer por ele, sim o protagonista é um terráqueo e seus amigos ficam do lado dele, se for para para perceber aqueles adolescentes estavam lutando ao lado dos terráqueos pelo simples fato de serem terráqueos, de serem induzidos a isso assim como seus pais o induzem a uma religião, por exemplo, é o nosso egoísmo e egocentrismo colocado a prova. O nível de ignorância é alto, eles não consideram oos motivos dos versianos muito menos tentam resolver de forma que ajude aos dois povos, isso também acontece com os marcianos de modo que a disputa política parte para objetivos pessoais e a necessidade de ganhar, afinal, ninguém gosta de perder, assumir os defeitos. (Ahh... eu não sei explicar direito, por favor, entenda)
SOBRE OS PERSONAGENS:
Inaho, o protagonista, não gosto muito dele, assim como todos os protagonistas. Os protagonistas são sempre o centro do desenvolvimento e acabam sendo padronizados, chatos e eu quero ir contra eles, mostrar que sou melhor que eles, mas minha raiva por Inaho foi pior do que isso, porque além de ser protagonista ele era perfeito, literalmente (?). Como eu posso confrontar Inaho? Como posso refutar suas ações? Como posso não apoia-lo? Ele é tão incrível e isso dá raiva. (A mesma raiva que me deu quando minha amiga começou a tirar notas melhores que eu na escola, eu perdi o posto de Nerd, a única coisa que eu tinha de interessante. Pá! Vamos para outra questão:) O passado de Inaho eu não queria que você explorado, ele seria mais centralizado ainda (as coisas realmente giram em torno dele. Ele muda um meio, isso é característica de grandes heróis, grandes protagonistas). Minha suposição sobre sua motivação, sobre seu jeito de tentar ser perfeito, é o fato de, ele não consegue ser mais "interessante" (talvez não seja a palavra correta). Inaho não tem nada que realmente marque sua vida a não ser suas habilidades, os amigos não parecem animar ele, como uma pessoa depressiva que não percebe as outras coisas legais ao redor dela, ele é frio e acha o mundo sem graça. Sua escapatória são esses robôs (é assim que eu chamo? kkk) Ele é boom naquilo, ele se destaca naquilo, sua vida é aquilo. Por mais que os adultos o usem, isso porque eles visam o bem maior (não importa que Inaho se esgote, se machuque. Precismos sobreviver e mais do que isso: vencer), ele sente que adquele modo ele se torna grande e sua vida ganha sentido. Ele tem total controle sobre as mudanças, ele tem como se fosse um objetivo marcado, ele sabe que é bom naquilo, portanto ele vai fazer aquilo. A única que o impede é sua irmã, sua irmão, a família, aquela que visa o bem particular de seus amados e não o geral. Ela é como se fosse: fodase a Terra, meu irmão é mais importante. Somos, pelo menos a maioria, assim com a família.
Ahhh! Inaho é tão fantastico, eu quero ver alguém parando ele. E aí entra nosso segundo personagem meu predileto tbm), Slaine Troyard:
O final do Slaine foi muito amrgo mesmo, eu talvez (TALVEZ) tenha derrubado algumas lágrimas, eu sabia que aconteceria, se fosse um final feliz não seria tão bom. O que me deixou irritada foi você falando de falha na excução do enredo, poie eu irei refutar. Let's Go!
Eu tentei gostar de outro personagem, e por um momento foi realmente assim, mas a forma como o Slaine cresce, de uma maneira tão complexa no anime me encurralou. Foi impossível não ama-lo, eu creio que eu tenha me indentificado com toda a jornada. O objetivo principal dele foi mesmo proteger a princesa. Sua lealdade (e talvez amor) é tão forte, ele tem esse objetivo. Eu realmente pensei que ele iria se encontrar com os terráqueos, eles iam compartilhar objetivos em comum, e a raiva pelos marcianos corruptos filhos de uma carrapata,e iam lutar juntinhos e felizes até o final.
Como Slaine não conseguiria proteger a princesa sendo o Slaine, o humano, ele teve que batalhar, ele teve que subir ao poder para conseguir o que queria. Mas, a partir do momento emque ele mata seu chefe (esqueci o nome do cara) é como se as peças dendo de sua cabeça estivessem corrompidos. Slaine, tão bonzinho, matou alguém. Se ele fosse realmente bonzinho duvido que seriaa ssim, de certa forma, mesmo que inconscientemente, Slaine guarda mágoas por todo abuso que sofreu. Ele vai aos poucos descobrindo mais coisa e fazendo mais aliados. Até chegar um ponto (a segunda temporada) em que ele percebe que ser bom é uma ova, o mundo, ou os mundos, é uma merda. Ele chega ao topo, totalmente confuso, a princesa agora já luta contra ele, como disse ele precisa escolher um lado. Lutar com os marcianos, mas porque esse lado? O orgulho de Slaine já não pode mais ser ferido. Tudo o que ele tinha como objetivo era a princesa e Inaho, principalmente, tirou isso dele. Ele chegou ao topo, mostrou a todos os versianos que mesmo humano ele tinha valor e poder ali. Finalmente estava sendo respeitado. Slaine está tão confuso, ele chegou tao longe para no final não saber o que fazer, perdido o orgulho é a última coisa que o resta. Slaine Troyard é um Cavalo de Troia (o nome dele só pode ser por causa disso), no início tão bom, inocentes, mas as injustiças, as dores da vida revelam Slaine como um orgulhoso, egoísta. Quando ele perde tudo ao menos ele tem que permanecer como vencedor na guerra, sem humildade. Não existe humildade nesse anime. Ou será que existe. A princesa loira parece tão santa, vamos lá:
Você realmente falou muito bem da princesa. Então não vou dizer muito além da minha opinião pessoal (até porque nesse ponto já estou com muita preguiça de escrever). Na verdade, acho que desejo trazer junto a Rayet. A Rayet, pera mim, parece um milhão de vezes mais legal que Alussia. A princesa é como uma mulher forte que gera invjea nas outras (eu e Rayet somos mulheres), ela é decidida e sabe como cuidar de si e do que lhe importa. De algum modo, mesmo sendo bem correta, a considero, certos momentos, muito ignorante. Tem uma imagem dela levando o Slaine a espinhos, bem o que eu penso. Alussia é uma mulher invejável e grande, mas por conta disso os menores ficam invisíveis. Asseylum se preocupa com aquilo que lhe diz respeito, a paz que ela quer levar as nações, as pessoas que ela quer proteger. Mas ela não tem a capacidade de enxergar o pessoal, é como se ela visse omo uma salvadora, ela é mesmo a imperatriz, a que pode mudar tudo, ela se coloca em uma papel tão grande que não consegue enxergar o papel INDIVIDUAL dos outros. Ela tava cagando pro Slaine até ele ameaçar o seu objetivo. Rayet, nunca foi bem enxergada por Alussia, com isso, eu quero dizer que, Alussia não enxergava os profundos sentimentos de Rayet, e quando esta tentou assassinar ela (foi radical, tava vendo na tv a cena e mds!) ela a perdoa, entende seu lado e diz que tá tudo bem. Mas isso não faz Rayet se sentir melhor, claro que não. Faz Rayet se sentir mais como um lixo, ela é mesmo um lixo e tem conciência disso. Uma traidora e perto de Asseylum ela é mediocre, horrível, egoísta (acaba superando depois, não tem mais o que fazer). Rayet para mim se tornou uma das personagens mais humana.
Alussia nasceu em um berço de ouro, ela tem poder, vontade e personalidade que tornam possível ela mudar tudo, Rayet é uma vítima da situação que mal valorizada é, ela se rebela e é julgada, Slaine não tem poder para mudar a corrupção, salvar a princesa, ele alcança tal poder mas as circunstâncias o colocam em um beco sem saída, ele toma a decisão que a grande maioria tomaria e acaba de alguma forma levando quase toda a culpa, destruído pelo orgulho, obrigado a se render, sua rebelião foi falha. Inaho só existe (mentira kkkk) mas seriamente, mesmo girando em torno do Inaho o anime nos deixa levar pelos outros personagens como se ele não passasse de um mediador (me lembra os protagonista de persona persona ) Ele simplesmente tem o dom da sabedoria e as circunstâncias estão sempre a favor dele, naõ precisa se esforçar ou sofre além da conta, no fianl ele tá bem, ele fez tudo certo e consegue manter seu orgulho, sua vida e seu bom posto (entenda assim: Inaho= Goku; Slaine= Vegeta). Não estou digredindo a princesa/Inaho nem nada, mas a vida parecer tão injusta para algumas pessoas é algo completamente realista. Muitas pessoas são vítimas de acontecimentos e se fodem. Não tem como mudar isso, e ninguém vai te escutar e saber sobre sua história tristinha sobre o o passado, as pessoa não ligam para você, ligam para elas, sem humildade. (me lembra Momento dos 18, drama que me deixa super agoniada com as injustiças, mas é ótimo. Assista!)
Meu anime favorito, eu preciso defende-lo. Obrigada por ler até aqui! Eu posso falar de outros personagens, é só pedir, e também esclarecer algo que não ficou claro. ^-^
(a lua foi destruída porque houve uma guerra na base marciana)
submitted by JPiniie to animebrasil [link] [comments]


2020.03.25 20:41 Upa-upa-puxadote Arrufos em Alto-mar

A sereia atonou até à cinta, de rompante. Com os punhos amuados, maltratou a frol das ondas, chapinhando com veemência. Uma vaga mais forte encapelou-se, mas a sereia, graciosa e lesta, esgueirou-se ao arrastão. Desenvolta, sacudiu os cabelos cerúleos, que chibataram o ar, com um rasto de respingos salgados. Então gorjeou para o navio, para que o Corta-línguas traduzisse.
«Então?» instou o fidalgo, debruçado sobre a amurada, rabeando os olhos entre a sereia e o Corta-línguas «Qual é a resposta dela?»
Engoliu em seco. Já tinha os cantos da boca inchados e vermelhos, com boqueiras. Suspirou e, num tugido, acanhado e cabisbaixo, explicou:
«Ela recusa, senhor. Diz que não quer…»
«Mas explicaste-lhe que a amo? Disseste-lhe que não suporto a ideia de viver sem ela? Que a quero desposar, a ela e a mais ninguém?» teimou o fidalgo, tomando o Corta-línguas pelos colarinhos à força e obrigando-o a arrostá-lo de perto.
«Sim, meu amo», afiançou fitando-o, amedrontado.
«E ela quê?»
«Não quer…» encolheu os ombros, esmorecendo-lhe a voz.
«Diz-lhe outra vez, caramba!» exaltou-se o jovem nobre, arrojando-o contra a amurada da embarcação.
O Corta-línguas expirou fundo. Procurou recompor-se, como pôde. Deitou dois dedos aos cantos dos lábios, esbeiçou, e soltou um trinado. Esmerou-se por encontrar as palavras certas, os tons mais adequados para veicular os votos de amor do nobre.
A sereia, porém, atalhou-lhe a cantiga. Chapou as águas com a cauda.
«♫ Escusas de traduzir… Já sei o que é. Está a dizer que me ama, outra vez, não é? Põe-se sempre com olhinhos de carneirinho mal-morto, quando diz que me ama…♫» bufou a sereia, cruzando os braços e deitando-se de lado sobre as águas que, entretanto, haviam serenado. Apartou os cabelos da frente dos olhos e relanceou para Duque, sondando-o. «♫ Ele aceitou, ao menos?» Inquiriu a mulher-peixe.
«♬ Hã… não… nem por isso ♬»
«♫Olha, temos pena ♫», resmungou. Sem meias-medidas, deu um salto de golfinho à rectaguarda, e embrenhou-se nas profundezas, com um chapão aparatoso, cortando abruptamente com a conversa.
«Então, ela que respondeu?» tornou o Duque.
«Que é uma pena»
« "uma pena”? Como assim “uma pena”?»
«Diria que vos estava a rejeitar, meu senhor»
«Como dizes?» atroou o fidalgo, o sobrolho içado de indignação «A mim? Rejeitar-me, a mim?» recachou, deitando uma mão ao peito com afectada teatralidade. Depois, como se a ideia se lhe afigurasse um absurdo ridículo, bufou uma gargalhada abafada. «Qual quê! Foste tu!» rematou, empurrando o Corta-línguas contra a amurada. «Seu burgesso», tornando a tomar o intérprete pelos colarinhos «Foste tu que a insultaste, de certeza. Foi alguma cadelice que lhe disseste. Foi a ti que ela rejeitou!». Agarrou o Corta-línguas pelo cachaço e, numa guinada, voltou-o e debruçou-o sobre a amurada, pronto a larga-lo borda fora.
«Fica sabendo, há anos que a namoro. Anos.» frisou «E nunca me rejeitou. Nunca me dirigiu, se não sorrisos e meneios».
«Perdão, senhor. Mil perdões… tenha piedade» o Corta-línguas desdobrava-se em desculpas. A fola das ondas cada vez mais próxima, abafava-lhe a voz.
«Meu amo» interrompeu o Capitão da embarcação
«Sim?!» respostou, sem se dignar a encará-lo «Estou ocupado» acrescentou, entredentes, esboçando um sorriso de fera.
«Os homens da chusma têm fateixas e redes. Com a Sua vénia, facilmente a apanhamos» informou, secamente
O Duque largou o Corta-línguas. E pôs-se a congeminar.
O Corta-línguas apeou-se. Afastou-se da amurada e, ainda ofegante do susto, advertiu o fidalgo impetuoso, munido de uma coragem que desconhecia possuir
«Se o fizerdes, meu amo, ela nunca vos perdoará. Nenhuma mulher, nem as que são meio-peixe, se quer ver cativa. Guardar-vos-á rancor.» os olhos do fidalgo relancearam para o Corta-línguas, as pupilas trémulas. «As sereias cativas acabam por morrer subitamente, senhor. É sabido. Desfalecem, vítimas de banzo do mar e melancolia do cárcere. Não o façais. Crede-me.» asseverou o Corta-línguas.
«Amo-a» repetiu o fidalgo «Quero-a por esposa. Mas quero-a com pernas, não com rabo de peixe. E é possível» expendeu, deitando a mão ao interior do jaqueta de onde sacou uma garrafa de vidro da boémia «com este elixir- garantiram-mo, com certeza absoluta- ela há-de perder o rabo de peixe e ganhar pernas. Sofridamente, é certo.», reconheceu «Mas tão-só por três dias, nada de mais… depois já a poderei apresentar a meus pais» tentou obtemperar, ainda.
«Chama por ela, Corta-línguas» rogou o nobre, já de olhos marejados «Por favor…».
«Por duas vezes lhe expliquei os seus planos, meu amo. Mas ela não acede.» encolheu os ombros «Aliás, ela pretende que Vossa Mercê se junte a ela, nas profundezas marinhas. Diz que conhece uma bruxa do mar, capaz de vos transformar as pernas numa bela cauda de peixe. Sem quaisquer dores ou padecimentos…» relatou.
«Essa é que era boa! Eu? De rabo de peixe? Era o que faltava… olha que esta…» desdenhou o jovem. «Anda lá, chama por ela outra vez, Corta-línguas… à terceira é que é de vez…» ordenou, enxotando-o com adamanes, para ao pé da amurada.
Resignado, o Corta-línguas pegou no búzio e quando se preparava para tornar a cornetar, reparou que a sereia continuava por perto, observando o navio, debaixo de água. Assim que o viu de búzio nas mãos, subiu à superfície. Ansiosa, trissou:
«♬ E então? Já ganhou juízo, o meu príncipe? ♬»
«♫Tem dó, filha do Mar. Ao meu senhor não basta ter uma cauda de peixe. Ele não consegue respirar debaixo de água. Tu bem que podes respirar dentro e fora dela, mas ele não! ♫» pleiteou o tradutor.
«♫ Já sabia… Eu já sabia» barafustou a sereia «Vem sempre com desculpas… Sempre… não é capaz de fazer um sacrificiozinho que seja. Não!» rematou, amuada.
Mas antes que o intérprete pudesse dizer fosse o que fosse, a mulher-peixe voltou-se para o encarar «♫ Quando se ama uma pessoa faz-se sacrifícios por ela. Quantas vezes não me esfolei sentada, em escolhos e rochedos, para nos encontrarmos? Quantas vezes não ressequei ao sol? Constipei-me noites sem-fim, à custa dele… E ele não é capaz de se livrar daqueles penduricalhos horrorosos, por mim?» cruza os braços, abespinhada. «♫ Diz… diz-lhe que não posso ser sempre eu a ceder. Ele também tem de fazer sacrifícios, se quer levar esta relação avante ♫» pediu a sereia
«♫Menina das ondas… tem dó… ele não é capaz de respirar debaixo de água» tornou
«♫ Chega! Estou farta de desculpas parvas. Eu… eu também gosto dele… eu quero ter os alevins dele, mas como é que vou fazer isso se ele não pode ir à desova? Vou pôr as minhas ovas onde? Na boina dele?»
«Corta-línguas, então? Ela aceita?» intrometeu-se o Duque, impaciente.
«Está a recalcitrar, senhor. Ela está… está mesmo enfadada consigo»
«Às coas!» gritou o Duque, voltando-se para os marujos «Não ficai aí especados, às coas! Já disse.» ordenou, apontando para as redes. «Ai ela está com coisas? Vou enfiá-la num tanque por um mês, a ver se ela não muda já de ideias…»
Os marujos ficaram quedos. Sem saber o que fazer. «Capitão, que se passa com a chusma? Engajaste uma pandilha de moucos?»
«Meu senhor, a chusma recusa-se a apanhar a sereia. São gente simples, sabe… cheia de superstições e abusões de marinheiro…. Macaquinhos no sótão, sem pés nem cabeça, é certo… Mas, estão convencidos de que se apanharem a sereia vão enfurecer os mares…»
«Enfurecer os mares?»
«Sim, excelência, o grosso da chusma são pescadores e eles temem que o povo do mar se revolte contra eles se se souber que eles andam a raptar sereias…»
«Cambada…» vociferou o príncipe «Fica sabendo, quando atracarmos vou mandar-vos açoitar. A todos. Ides encher-vos de tantos vergões que até as camisas na pele vos hão-de doer» ameaçou
«Por favor…» o Corta-línguas pediu silêncio «Ela está a dizer qualquer coisa»
«♫ Já me chega» resmoneou a sereia «Vou-me embora. Dragomano, diz ao meu príncipe que se decida de uma vez.» inquieta.
De seguida, acrescentou ainda «E diz-lhe que eu sou uma sereia séria. Não vou andar com ele por aí, feito estrela-do-mar de quatro braços. Se só ele quer andar por aí na marmelada nos areais, há outras sereias sirigaitas, que de certeza que não se hão-de importar.»
«♫ filha do Mar… por favor...»
«♫ Ei! Ainda não acabei. Sou uma sereia adulta, casadoira, preparada para desovar. Se ele, deveras, me ama, então que arranje uma cauda de peixe e guelras, como um tritão normal. Caso contrário, já não quero saber dele para nada. Conta-lhe.» intimou
O Corta-línguas reproduziu o ultimato da sereia o melhor que pôde.
«Ah, insolente!» Barafustou o Duque «Olha, diz-lhe que vá bacalhoar, então» e virou costas
«♫ Ele que respondeu?»
«♫ Não quer a cauda» encolheu os ombros o tradutor
«♫ Ai é?... polvos o fodam» e submergiu, com um chapo violento
submitted by Upa-upa-puxadote to escrita [link] [comments]


2020.03.13 08:58 KawaiNee Fui babaca por desapontar minha mãe por querer apenas me proteger?

Preciso de opiniões para encontrar um rumo, talvez esse post seja capaz de mudar meu comportamento pra melhor pois não estou aguentando mais essa dúvida.
Minha vida mudou após a chegada de José (nome fictício) na minha família. Ele a princípio é ou ainda é (gera dúvidas) amigo da minha mãe. Ele veio a morar conosco na casa do fundo com o motivo de ter sido enganado pela esposa e traído pela mesma, sofrendo um baita golpe e perdido tudo (isso era verdade) todos nós queríamos ajudar (minha família é prestativa e não nos importamos de ter a presença dele conosco)
Flashback momentâneo: Eu conheci o José um pouco antes dele morar com a gente, ele era um cara legal e aparentava ser o único amigo leal da minha mãe, ambos trabalhavam juntos e minha mãe confiava nele cegamente. Vê-lo me deixou um pouco insegura naquele dia de mudança, parecia que algo muito... Muito... MUITO RUIM iria acontecer, sendo o meu pior erro ignorar esse mal presságio.
Se passaram meses até finalmente eu me acostumar com a presença de José, ele era quase da família e não nos importávamos de ter a companhia dele aqui conosco todos os dias na ausência do meu Pai, ele nos ajudava com inúmeras coisas e me ajudou na época de depressão (problemas escolares) e me ajudou a superar isso e partir para outra escola (do qual eu amo de paixão) tudo estava tranquilo e razoável até as coisas mudarem bruscamente. Ele era alcoólatra e isso nunca foi um segredo, todos nós sabíamos disto mas até então aparentava ser apenas um alcoólatra sociável, no entanto eu estava duramente enganada...
Conforme foi passando o tempo José foi ganhando espaço e poder na minha casa, assim que meu pai saia para trabalhar parecia que ele tomava o poder Celeremente. Ele não só conseguia espaço e poder na casa, mas como também nas nossas vidas. Mostrando quem ele realmente era.
Eu e minha irmã perdemos a liberdade por inteiro. Não podíamos jogar, assistir animes ou qualquer outro tipo de desenho, não podíamos fazer nada que gostávamos pois já era motivo para brigas, a desculpa dele era que tínhamos hábitos ruins e que as coisas que gostávamos e fazíamos eram coisas de "retardado" e que não conseguiríamos nada na vida gostando dessas coisas. Ele era muito manipulador e até mesmo mentia para minha mãe para ela se virar contra nós e fazê-la obrigar ambas a cumprir com o que ele mandava. A desculpa dele é que meu pai era irresponsável por nos ensinar a gostar deste tipo de entretenimento e que devíamos estudar mais (quem me dera se fosse apenas estudar) limpar casa, fazer almoço e jantar, alem de fazer tudo que ele mandar e deixar ele fazer tudo que ele quer, na hora que quer e quando quiser, sendo a preferência dele a prioridade.
Nesta época o tempo da escravidão havia voltado pelo visto, não tínhamos espaço e nem liberdade para nos divertir, tínhamos que ser robôs e estudar loucamente.
Sou uma pessoa relutante e odeio quando me obrigam a fazer coisas que não quero ou que não acho certo, essa minha atitude apenas piorou minha situação. Ele provocava minha irmã até ela chorar e desistir de se divertir (olha que ele é um homem adulto e ela apenas uma criança.) Era costumeiro ele me ofender publicamente e dentro de casa (xigamentos que obviamente não vou citar) ele era extremamente machista, uma pessoa tóxica de mente muito fechada, era cruel e incompreensível, além de ser desumilde. Nos torturava psicologicamente na ausência de todos, e quando tentávamos contar para nossa mãe ela nunca acreditava em nós, e se acreditava, sua ideia mudava rapidamente com algumas mentiras dele.
Como se não bastasse toda essa situação, ele usufluia do dinheiro do meu pai e da minha mãe (sendo que meu Pai nem sabia desta nossa condição) ele era egoísta e só pensava nele mesmo, podíamos estar morrendo de fome, ele sempre preferiu comprar uma lata de cerveja do que uma mistura para o jantar. Esse meu ódio foi crescendo a cada dia que passava, eu perdi a noção do que é dormir ou de como era o silêncio, me tornei uma pessoa hostil e sempre ficava na defensiva para com todos, estava com medo o tempo todo e apenas queria ficar longe de casa, não queria voltar para lá e muito menos ver minha mãe ou ele, eu apenas voltava pela minha irmã, pois assim eu poderia defender ela, mas na verdade nem eu estava conseguindo me proteger direito, não sabia se eu iria suportar mais um dia daqueles, tudo parecia um pesadelo que não tinha fim, eu me sentia traída pois minha mãe havia mudado pra pior, não era mais a mesma mulher que eu admirava, eu me sentia sozinha e infeliz. Tudo foi apenas piorando e me tornei uma pessoa doente, fria, além de desconfiada e fechada. Não confiava em ninguém e nunca queria me socializar com ninguém.
Esse demônio tentou de tudo fazer minha vida um inferno e conseguiu, por causa dele quase perdi pessoas (incluindo meu namorando, que na época era meu melhor amigo e me ajudou MUITO nessa época), me fez ficar contra minha mãe e me deixou numa saia justa, pois eu era constantemente ameaçada por ele e por minha mãe a não contar para o meu pai o que acontecia em casa, estava farta dessa injustiça e estava começando a considerar a fazer uma loucura. Estava confusa e não sabia o que fazer, apenas queria paz e sair daquela situação.
Um ano de sofrimento e o pior aconteceu, minha irmã sofreu um acidente de carro ocasionado pelo José, ela quase morreu e só não morreu por muita sorte. Nunca vou me esquecer da imagem de ver minha irmã em prantos, sangrando e agonizando de dor (isso foi no centro da cidade, na esquina da minha escola. Quando fiquei sabendo pela boca de outros corri na hora pro local) quando cheguei em casa chorei de agonia (choro de berros) estava com medo, medo de perder minha irmã por culpa desse idiota... Tive que passar pelo difícil momento de contar ao meu pai sobre o acidente e estragar o dia de trabalho dele. Quando ele chegou ficamos esperando pela chegada da minha irmã, assim que ela chegou meu Pai a abraçou em choros (nunca tinha visto meu Pai chorar, foi a primeira vez e foi um choque) ele estava em pânico e não parava de chorar, a pobre da minha irmã estava lotada de curativos e pontos na cabeça, além de marcas e dores pelo corpo, me admira ela ter sobrevivendo daquilo. A única coisa que José e minha mãe falaram foram: "Foi só um arranhão." Como justificativa.
QUE RAIO DS MÃE É ESSA? Minha mãe não chorou, não demonstrou NENHUM sentimento. Isso estava ficando longe demais e eu tudo isso foi por culpa minha. Fiquei com raiva e meu pai também, foi uma briga intensa e nestes dias a família ficou muito dividida.
Não quero contar tudo, mas nestes dias houve muitas brigas e humilhações, sendo até caso de polícia e ameaça de morte, muitas coisas aconteceram após o acidente que apenas pioraram. Houve agressão da minha parte e do meu pai, uma briga generalizada...
Hoje em dia José está numa clínica de recuperação e minha mãe o visita em segredo. Ela continua falando bem dele e o defendendo com unhas e dentes. Ela mostra não se importar com os sentimentos da família e está sendo egoísta, do qual Aparentemente, possui atração pelo José (que está mais do que óbvio, menos para meu pai que ainda não percebeu)
Minha mãe se tornou uma pessoa muito hostil e agressiva, vive falando dele até hoje em qualquer momento em qualquer lugar. Nunca vi mulher gostar tanto de um homem tão rebaixado que vivia maltratando tudo e a todos, principalmente suas filhas. É Deus na terra e José no céu.
Isso é mais do que nunca o estopim das nossas brigas e atualmente não temos uma ligação agradável, não confio nela e sinto que fui traída e não reconhecida por isso. Meu pai pode ter os defeitos horríveis dele, mas ele defendeu sua cria quando foi necessário. Minha mãe por amor e fantasias permitiu que ele fizesse tão mal e deixasse uma ferida enorme em nós. Sou dura com minha mãe e não fico mais calada perante suas grosserias, ela não tem o direito de me exigir nada, já que ela está sendo muito hipócrita e desumana, ela continua não respeitando meu tempo e obriga minha irmã e eu a perdoar o José (a força, dá pra acreditar? Não ficaria surpresa se ela me colocasse uma arma na cabeça) ela tenta nos convencer do contrário o tempo todo, lógico que não caímos nessa (além do fato de sempre falar dele, pra qualquer pessoa, em qualquer lugar e qualquer hora. Não tendo mais assunto) eu e minha mãe perdemos a amizade, admito ter falta da minha antiga mãe, uma mulher que mesmo brava e impulsiva me amava e guardava meus segredos, além de sempre estar comigo pro o que der e vier.... Estou chorando enquanto escrevo este texto pois sinto que eu a perdi pra sempre.
Esse foi o resumo da minha situação (ainda tem MUITA coisa, só pra ter noção do quanto de B.O que eu e minha irmã enfrentou. Isso que eu escrevi aqui não é nem 5% do que passamos. Só não coloquei tudo para não ficar tão cansativo. )
Comentários: Estou confusa pois algumas pessoas opinaram sobre.
Alguns dizem que eu estava errada pois querendo ou não, ela é minha mãe, independente do que ela faça tenho que respeita-la, e que meu comportamento foi errado e infantil.
Outros dizem que eu estava apenas me defendendo de pessoas tóxicas. Que não merecia passar por isso em troca de alguns mimos para minha mãe. Dizendo igualmente que minha mãe NÃO teve atitudes de uma mãe, e que ela esta péssima em cumprir com seu papel maternal.
Minha opinião: Sobre tudo que eu passei não acho que seja egoísmo uma pessoa se preocupar em proteger a própria saúde emocional e psicológica. Na minha opinião, sendo família ou não, ninguém merece sofrer com pessoas tóxicas. Só por que é família não significa que estes possuem o direito de nos fazerem mal, de que se deve abaixar a cabeça e aceitar de bom grado o que é nos dito. Sei que cometi erros mas sou uma pessoa traumatizada e estava com medo e confusa, estava entre a cruz e a espada e continuo neste mesmo estado. Minhas reações são de uma pessoa desesperada por paz e tranquilidade. Eu só quero minha mãe de volta.
Conclusão:
Estou sendo babaca por ser tão dura com minha mãe e de possuir agora essa personalidade tão gélida?
Tomem liberdade para julgar...
Ou
Ou
Ou
INFO (Faltou informações.)
Desculpem tomar o seu tempo com o meu desabafo... Me sinto muito sozinha e não tenho com quem desabafar. Preciso de opiniões exteriores para tomar uma atitude positiva em relação a isso...
submitted by KawaiNee to desabafos [link] [comments]


2020.03.10 06:33 Nictixs para as meninas com foto de anime

ei, vc é assim na vida real? seus traços lindos traços, sua pele macia e cartoonizada, seu amor incondicional pelo japão, alma japonesa emana de seus traços animealescos, se você for assim na vida real como é na foto, uau, prazer, senhor devora meninas 2321, seu lindo rosto me lembra as coisas que assisto, aqueles que o protagonista não aparece o rosto, eu gostei de mais desses seus traços, talvez podiamos nos encontrar na vida real e bater um papo, em um shopping, um bar, sei lá, só dar uma saída, adoraria falar com um ser tão lindo como você aparenta na foto, não me leve a mal, posso ser precipitado, mas não, só quero você antes que os outros a peguem, pois um tesouro incondicial desses só pode residir no meu jovem coração.
submitted by Nictixs to u/Nictixs [link] [comments]


2020.02.29 03:57 altovaliriano A Grande Conspiração Nortenha - Parte 1

Texto original: https://zincpiccalilli.tumblr.com/post/52681254060
Autores: Vários usuários do Forum of Ice and Fire, mas compilado por Yaede.
Índices de partes traduzidas: Parte 1, Parte 2, Parte 3, Parte 4, Parte 5, Parte 6
--------------------------------------------------------------------------

[...] Agradecimentos aos usuários, especialmente tze , do fóruns do Westeros.org, que montaram essa teoria. Os tópicos originais podem ser lidos aqui e aqui .

O norte se lembra

Entre os momentos mais memoráveis e impressionantes da ADWD, estão os nortenhos que expressando eternos amor e lealdade aos Starks, apesar de a casa parecer estar à beira da extinção - herdeiros mortos, desaparecidos ou em cativeiro; sua sede ancestral em ruínas e ocupada por inimigos.
Lyanna Mormont, de dez anos, rejeita categoricamente Stannis Baratheon como seu rei.
– A Ilha dos Ursos não reconhece nenhum rei que não o Rei do Norte, cujo nome é STARK. [...]
(Jon I, ADWD)
Wylla Manderly, uma garota com menos de quinze anos, acha insuportáveis as mentiras traiçoeiras dos Frey e as denuncia ao ouvidos de toda a corte de seu avô.
– Mil anos antes da Conquista, foi feita uma promessa, e votos foram jurados na Toca do Lobo, diante dos velhos deuses e dos novos. Quando estávamos feridos e sem amigos, expulsos de nossas casas e com nossas vidas em perigo, os lobos nos acolheram, nos alimentaram e nos protegeram contra nossos inimigos. Esta cidade foi construída sobre as terras que eles nos deram. Em troca, juramos que seríamos sempre homens deles. Homens dos Stark!
(Davos III, ADWD)
Os homens do clã das montanhas do norte enfrentam a morte em razão do inverno e da espada, às centenas fazendo uma marcha árdua até Winterfell, apenas para tentar salvar a filha de Ned Stark.
- [...] O inverno está quase sobre nós, rapaz. E o inverno é a morte. Eu prefiro que meus homens morram lutando pela garotinha de Ned do que sozinhos e famintos na neve, chorando lágrimas que vão congelar em suas bochechas. Ninguém canta canções sobre homens que morrem assim. Quanto a mim, estou velho. Este será meu último inverno. Deixe que me banhe em sangue Bolton antes de morrer. Quero senti-lo espirrar em meu rosto quando enterrar meu machado em um crânio Bolton. Quero lamber o sangue dele de meus lábios e morrer com o gosto na boca..
(ADWD, O prêmio do rei)
E, é claro, Wyman Manderly, que foi corajoso a ponto de assar seus inimigos em tortas de Frey e servi-las aos usurpadores Boltons em um banquete de casamento.
- [...] Inimigos e falsos amigos estão ao meu redor, Lorde Davos. Infestaram minha cidade como baratas, e à noite posso senti-los rastejando sobre mim. – Os dedos do homem gordo se dobraram fechando o punho, e todos os seus queixos tremiam. – Meu filho Wendel foi para as Gêmeas como convidado. Comeu o pão e o sal de Lorde Walder e pendurou sua espada na parede para banquetear com amigos. E eles o assassinaram. Assassinaram, eu digo, e que os Frey se engasguem com suas fábulas. Bebi com Jared, brinquei com Symond, prometi para Rhaegar a mão da minha amada neta... mas nunca pense que isso significa que me esqueci. O Norte se lembra, Lorde Davos. O Norte se lembra, e a farsa está quase no fim.
(ADWD, Davos IV)
É tudo terrivelmente inspirador. E ao perceber o jogo de Manderly, ao ver quão profundo é o ódio pelos Boltons e Freys, alguns começaram a se perguntar se não há mais. Assim nasceu a Grande Conspiração Nortenha. No final da Dança dos Dragões, quase todas as casas do norte estão secretamente conspirando juntas para recolocar os Starks no poder, jogando Stannis e os Boltons uns contra os outros com o bônus de matar muitos e muitos Freys. Além do mais, especula-se que os conspiradores não querem apenas um Stark em Winterfell, mas um rei no Norte novamente. E os nortenhos já chegaram a um acordo sobre cuja cabeça a coroa de Robb deve enfeitar, embora ainda não tenham informado o bastardo sortudo.
Jon Stark, rei do inverno
Lembremos que há dois livros e quinze anos atrás Robb provavelmente legitimou Jon e nomeou seu meio-irmão rei no norte, caso ele morresse sem filhos.
[Robb:] “Um rei precisa ter um herdeiro. Se morrer em minha próxima batalha, o reino não pode morrer comigo. Pela lei, Sansa é a seguinte na linha de sucessão, portanto, Winterfell e o Norte devem passar para ela. – A boca dele comprimiu-se. – Para ela, e para o senhor seu esposo. Tyrion Lannister. Não posso permitir que isso aconteça. Não permitirei. Esse anão não pode nunca possuir o Norte.
– Não – concordou Catelyn. – Tem de nomear outro herdeiro, até o momento em que Jeyne lhe dê um filho. – Refletiu por um momento.
– O pai do seu pai não tinha irmãos, mas o pai dele tinha uma irmã que se casou com um filho mais novo de Lorde Raymar Royce, do ramo menor da casa. Eles tiveram três filhas, todas as quais casaram com fidalgos do Vale. Um Waynwood e um Corbray com certeza. A mais nova... pode ter sido um Templeton, mas...
– Mãe. – Havia certa rispidez no tom de Robb. – Está se esquecendo. Meu pai teve quatro filhos homens.
Catelyn não tinha se esquecido; não quis encarar o fato, mas ali estava.
– Um Snow não é umStark.
– Jon é mais Stark do que um fidalgo qualquer do Vale que nunca sequer pôs os olhos em Winterfell.
– Jon é um irmão da Patrulha da Noite, e jurou não tomar esposa nem possuir terras. Aqueles que vestem o negro servem para a vida.
– O mesmo acontece com os cavaleiros da Guarda Real. Isso não impediu os Lannister de arrancar o manto branco de Sor Barristan Selmy e de Sor Boros Blount quando deixaram de ter utilidade para eles. Se eu enviar à patrulha uma centena de homens para o lugar de Jon, aposto que vão encontrar alguma maneira de libertá-lo de seus votos.
Ele está decidido a fazer isso. Catelyn sabia como o filho podia ser teimoso.
– Um bastardo não pode herdar.
– É verdade, a menos que seja legitimado por decreto real – disse Robb. [...]
– [...] Já pensou em suas irmãs? E os direitos delas? Concordo que não podemos permitir que o Norte passe para o Duende, mas e Arya? Por lei, ela vem depois de Sansa... sua própria irmã, legítima...
– ... e morta. Ninguém viu ou ouviu falar de Arya desde que cortaram a cabeça do pai. Por que você mente para si mesma? Arya partiu, assim como Bran e Rickon, e matarão também Sansa assim que o anão conseguir dela um filho. Jon é o único irmão que me resta. Se eu morrer sem descendência, quero que ele me suceda como Rei no Norte. Tive a esperança de que apoiasse a minha escolha.
– Não posso – disse ela. – Em tudo o mais, Robb. Em tudo. Mas não nessa... nessa loucura. Não me peça isso.
– Não tenho de pedir. Sou o rei. – Robb virou-se e afastou-se, com Vento Cinzento saltando de cima da tumba e pulando atrás dele.
(ASOS, Catelyn V)
Agora, os advogados do diabo argumentaram que Robb talvez mudou de idéia sobre nomear Jon como seu herdeiro após essa conversa com Catelyn, a qual o lembra (não resumidamente) de sua confiança indevida em Theon, outro que ele considerava um irmão. Além disso, os Lannister dificilmente parecem adequados como modelo de como liberar alguém de seus votos honrosamente, e o Norte geralmente tem a Patrulha da Noite em uma estima muito mais alta do que o resto de Westeros.
Por outro lado, imagino que a disposição dos senhores do norte de isentar Jon das antigas leis e tradições seja diretamente proporcional ao quanto eles desprezam cogitar um filho de Sansa com Tyrion, um filho da falsa Arya com Ramsay , ou um senhor aleatório do Vale que herdou Winterfell e a lealdade deles. Acho que o que todos podemos concorda é com a chegada de um fogaréu mais quente que a Peridção de Valíria, [risadas]. Além do que, existe um precedente para um conselho de nobres liberar um meistre de seus votos – o qual é muito semelhante ao juramento da Patrulha no que concerne a celibato, neutralidade política e serviço vitalício - com a bênção de um oficial religioso reconhecido.
[Mormont:] Você sabe que podia ter sido rei?
Jon foi pego de surpresa.
– Ele contou-me que o pai foi rei, mas não… Julguei que talvez fosse um filho mais novo.
– E era. [...]– Aemon estava às voltas com seus livros quando o mais velho dos seus tios, herdeiro da coroa, foi morto num acidente de torneio. Deixou dois filhos, mas seguiram-no para a sepultura não muito tempo depois, durante a Grande Peste da Primavera. O Rei Daeron também foi levado, e por isso a coroa passou para o segundo filho de Daeron, Aerys. [...] Aemon fez seus votos e deixou a Cidadela para servir na corte de algum fidalguinho… até que seu real tio morreu sem deixar descendência. O Trono de Ferro passou para o último dos quatro filhos do Rei Daeron. Esse era Maekar, pai de Aemon. [...]Menos de um ano depois [Aerion morrer bebendo fogovivo], Rei Maekar morreu em batalha contra um lorde fora da lei.
Jon não era completamente ignorante em relação à história do reino; seu meistre tinha se assegurado disso.
– Esse foi o ano do Grande Conselho – ele completou. – Os senhores passaram por cima do filho pequeno do Príncipe Aerion e da filha do Príncipe Daeron e deram a coroa a Aegon [V, o Improvável].
– Sim e não. Primeiro, ofereceram-na, discretamente, a Aemon. E ele, também discretamente, a recusou. Disselhes que os deuses queriam que servisse, não que governasse. Que tinha prestado um juramento e não o quebraria, apesar de o próprio Alto Septão ter se oferecido para absolvê-lo [...]
(ACOK, Jon I)
Os vassalos leais de Robb poderiam concebivelmente fazer o mesmo por Jon, pois afirmam que o Norte é um reino independente. O fato de Jon ter feito seus votos aos deuses antigos é uma complicação ou um obstáculo a menos para se preocupar. Bran e Corvo de Sangue, que têm algum interesse em ver Jon ser coroado rei, sem dúvida ficariam felizes em fornecer um sinal aos nortenhos, se é isso que eles ou Jon exigem.
Tudo isso à parte, o tom de Robb em suas respostas às objeções de Catelyn me parece sugerir que ele já se decidiu. Ele vai nomear Jon seu herdeiro não importa o que a sua mãe ou qualquer outra pessoa tenha a dizer dele. Robb reconhecendo formalmente Jon um verdadeiro filho de Eddard Stark, digno de Winterfell, também tem a vantagem de finalmente resolver um arco de personagem iniciado por Jon em A Tormenta de Espadas quando Stannis se oferece para legitimá-lo.
Tinham treinado juntos [ Jon e Robb] todas as manhãs, desde que tiveram idade suficiente para andar; Snow e Stark, rodopiando e golpeando-se pelos pátios de Winterfell, gritando e rindo, e às vezes chorando quando ninguém estava vendo. Quando lutavam não eram garotinhos, e sim cavaleiros e poderosos heróis. “Eu sou o Príncipe Aemon, o Cavaleiro do Dragão”, gritava Jon, e Robb gritava em resposta: “Bem, eu sou Florian, o Bobo”. Ou então Robb dizia: “Eu sou o Jovem Dragão”, e Jon respondia: “Eu sou Sor Ryam Redwyne”.
Naquela manhã tinha sido ele quem gritou primeiro.
– Eu sou o Senhor de Winterfell – gritou, como gritara cem vezes antes. Mas daquela vez, daquela vez, Robb respondeu:
– Você não pode ser Senhor de Winterfell, é um bastardo. A senhora minha mãe diz que nunca poderá ser Senhor de Winterfell.
Achava que tinha esquecido isso.
(ASOS, Jon XII)
Nem o desejo de Jon por Winterfell nem sua vergonha e culpa por desejar mal (ainda que obliquamente) a seus amados irmãos diminuíram em Dança dos Dragões.
Naquela noite, sonhou […]
Jon estava com uma armadura de gelo negro, mas sua lâmina queimava vermelha em seu punho. Conforme os mortos chegavam ao topo da Muralha, ele os enviava para baixo, para morrer novamente. Matou um ancião e um garoto imberbe, um gigante, um homem magro com dentes afiados, uma garota com grossos cabelos vermelhos. Tarde demais, reconheceu Ygritte. Ela se foi tão rápido quanto aparecera.
O mundo se dissolveu em uma névoa vermelha. Jon esfaqueava, fatiava e cortava. Atingiu Donal Noye e tirou as vísceras de Dick Surdo Follard. Qhorin Meia-Mão caiu de joelhos, tentando, em vão, estancar o fluxo de sangue do pescoço.
– Sou o Senhor de Winterfell – Jon gritou. Robb estava diante dele agora, o cabelo molhado com neve derretida. Garralonga cortou sua cabeça fora.
(ADWD, Jon XII)
No entanto, não muito diferente de Theon, o que Jon realmente procura é uma afirmação de que ele é um Stark, apesar de seu nascimento bastardo, em minha opinião. O último desejo de Robb ser que Jon o suceda como Rei do Norte atenderia a essa necessidade (mesmo que Jon se recuse como fez com Stannis) enquanto cria um enredo de “herdeiro de Winterfell” que deve atrair Davos e Rickon, bem como Sansa e Mindinho, consolidando muitas subtramas.
Apenas dois fatores podem efetivamente anular a pretensão de Jon sobre Winterfell, em minha opinião: 1) Jeyne Westerling estar grávida do filho e herdeiro de Robb. 2) Os que testemunharam o decreto de Robb estão mortos ou impedidos de divulgar as notícias.
Por um tempo, a primeira opção era uma teoria de certa reputação, baseada em uma discrepância nas avaliações de Catelyn e Jaime sobre os quadris de Jeyne. O Peixe Negro teria supostamente contrabandeado Jeyne de Correrrio, ajudado por Eleyna Westerling, que teria fingido ser sua irmã. Desde então, um relato de fãs ligeiramente apócrifo pegou GRRM admitindo que as diferentes descrições são simplesmente um erro. Talvez ainda mais danoso seja a gravidez de Talisa criada para a série de TV e a subsequente morte no Casamento Vermelho. Embora Talisa não seja Jeyne, o papel que seu casamento com Robb desempenha é semelhante, de modo que David Benioff e DB Weiss mostraram que estão cientes das teorias populares dos fãs e não estão acima de provocar os leitores dos livros, como fizeram com a fala de Cersei em “Valar Dohaeris ”(GoT s03e01) sobre os rumores de Tyrion ter perdido o nariz. A morte violenta de Talisa - esfaqueada repetidamente no bebê, por assim dizer - pode ser o modo que D&D acharam de matar especulações futuras sobre Jeyne, sendo assim encarado com frequência.
Eu nunca gostei muito da teoria de Jeyne Westerling, francamente. Qualquer filho de Jeyne poderia ser nada mais que um rei fantoche, incapaz de governar em seu próprio direito por anos, e faria Rickon tão supérfluo que todo mundo provavelmente deveria parar de se preocupar em lembrar que ele também é um Stark. Portanto, não tenho escrúpulos em tratar Jeyne como um instrumento do enredo usado por GRRM para se livrar de Robb e em não incluí-la em discussões adicionais sobre a perspectiva política do Norte.
Quanto a este último ponto, os senhores presentes para testemunhar o decreto de Robb foram os seguintes: Grande Jon Umber, Galbart Glover, Maege Mormont, Edmure Tully e Jason Mallister (Catelyn V, ASOS). Todos ainda vivem, mas o Grande Jon é refém dos Freys e Lannisters para garantir o bom comportamento de seus parentes, e Mallister é um prisioneiro em seu próprio castelo, por cortesia de Walder Negro (Jaime VI, AFFC). Lorde Galbart e Lady Maege? Edmure? Bem, que tipo de coisas interessantes eles têm feito desde o A Tormenta de Espada será o assunto dos próximos posts.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2020.01.13 06:43 kuaniyn O ano já começou mal e eu tô a ponto de explodir

Já avisando que isso vai ser longo mas eu boto TL;DR lá em baixo. No mais, boa noite pra vocês!
Bom, como já diz o título, o ano já começou meio merda pra mim. Porém ele já vem sendo meio merda desde o ano passado e por isso eu nem fiz lista de desejos pra 2020 e blábláblá já pra evitar decepção. Rapaz, eu sabia de nada.
Eu já venho tendo alguns problemas psiquiátricos, em julho recebi um diagnóstico “tardio” de TAG e de depressão, os quais eu venho enfrentando há mais de 13 anos mas perdi o controle esse ano depois de um surto agressivo. Foi aí que eu vi que precisava de ajuda, que não era só uma “fase” e finalmente comecei a tomar remédios, fazer terapia e ir à psiquiatra. Porém, no fim do ano minha psicóloga se demitiu da clínica e agora atende em uma que é muito longe para mim, e ainda não consegui encaixar um horário com uma nova psicóloga da mesma clínica por conta da faculdade (estudo em período integral e meus horários são bem merda). Daí to sem terapia faz mais ou menos um mês e ainda tô me adaptando aos remédios, mas isso é só um background e não o ponto central da história.
Começou uns 3 dias antes do ano novo. Nós sempre vamos passar a virada na casa do meu tio materno (que vou chamar de Alberto) em um condomínio no interior – o problema é, a família do meu pai recentemente comprou uma casa no mesmo condomínio, e como meus pais são o “elo” entre as duas famílias, a disputa tava feita. Puro ego de “ai, minha casa é maior que a sua, mais gente vai vir pra cá” e foda-se. A gente já tava estressado o suficiente, daí pra piorar a gatinha da minha avó materna (que vou chamar aqui de Vó Lina) ficou doente, e a Vó Lina é muito apegada com ela. Então, ela já começou a falar que não iria para o interior, que passaria o ano sozinha com a gata. A gente falou para ela levar a gata na viagem mas ela disse que se ela saísse de casa, ia morrer. (?)
Agora uma parte confusa, porém importante para a história: eu divido meu tempo em duas casas, a dos meus pais e a da Vó Lina. Meus pais moram em um bairro de classe média mais tranquilo, e eu fico lá em dias da semana porque é perto do metrô e do terminal de ônibus. Nos finais de semana e nas férias, fico com a Vó Lina, que mora em um bairro periférico perigoso, já que estou acostumada a fazer companhia para ela. Minha mãe é a filha mais próxima e companheira dela, então eu meio que tomei o posto de neta xodó. Ela me criou, meus pais precisavam trabalhar e a Vó pediu muito pra ficar comigo enquanto eles estavam fora, mas durante uns anos eu morei lá em tempo integral.
Voltando para a história principal, minha mãe não iria deixar a Vó sozinha no ano novo porque bom, o bairro dela fica o inferno na terra nas festas de fim de ano. Além disso, ela já tem 82 anos, e por mais que esteja saudável para a idade dela, o risco dela se machucar sozinha é imenso. Nem ferrando que iríamos deixar ela sozinha durante todos esses dias, então, ela foi a pulso.
Problema é, ela ligou para um dos filhos (vou chamá-lo de Ademir) e falou que não queria ir. Daí quando chegamos lá (fomos os últimos a ir), tava todo mundo de cara fechada pra gente. Ninguém sabia o porque, e daí tio Ademir berrou com a minha mãe que ela tava obrigando a vó a fazer o que ela queria, que era pra deixá-la sozinha em casa e agora ela ia ter que ficar longe da gatinha dela. Minha mãe ficou muito chateada e foi para a casa da família do meu pai. Ela não era bem vinda na casa do tio Alberto, mas na casa da família do meu pai era pior ainda. É que a família dele tem toda uma história particular que não quero entrar em detalhes pra não confundir, mas eles são insuportáveis. Ficou um puta clima chato pra geral.
Beleza, passou ano novo, todo mundo feliz, uhu bora beber. Vó Lina começa a reclamar de dor nas costas. Passa uns dias e piora, meus pais resolvem voltar mais cedo pra capital pra levar a Vó Lina no hospital. Fiquei uns dias a mais no interior com meus primos, daí voltei no domingo passado.
Cheguei em casa e a Vó literalmente não tava levantando de tanta dor que sentia. Ela já tem problema na coluna, mas nunca vi ela assim, daí ela me vira e mostra um monte de bolha nas costas, disse que botou a bolsa de água quente para aliviar a dor e acabou se queimando. Ok, remédios não tão funcionando, volta pro hospital, médico diz que é coisa de velho (sério), passa um remédio que dá reação alérgica nela. Daí a Vó Lina parou de comer na segunda. Acordo na terça de madrugada com ela forçando o vômito. Na terça chorou o dia todo de dor, mas disse que não queria ir para o hospital. Quarta-feira vimos que as bolhas estavam espalhadas pela coxa e virilha dela, e chamamos uma ambulância pra levá-la a outro hospital.
Nesse meio tempo, recebo a notícia de que uma amiga da faculdade faleceu. Era 2 anos mais velha do que eu, ia fazer uma cirurgia para retirar um tumor que ela tinha há um tempo (não era uma cirurgia arriscada nem nada, pelo que entendi, era a quarta de varias que ela ainda tinha pra fazer), mas o médico cometeu um erro e cortou uma artéria importante por engano. Pra ser sincera, minha ficha não caiu por completo, na minha cabeça ela foi fazer uma longa viagem e já já volta. Mas puta merda, sabe? Foi muita coisa para um dia só. O enterro dela foi em outra cidade e não pude ir, mas nossos colegas fizeram uma homenagem para ela.
Eu fiquei sozinha em casa, e minha mãe estava no hospital com a minha vó. E aí que eu tive uma crise de choro, acabei de perder uma pessoa querida e a pessoa que mais amo estava doente. Não dormi, fiquei falando com minha mãe pelo whatsapp e umas 3h de quinta-feira ela me confirma que além dela estar com um nervo da coluna inflamada, o stress baixou a imunidade dela e ela pegou herpes zóster, que atacou justo o nervo inflamado. A dor é excruciante, e as bolhas que ela achou que eram de queimadura na verdade era herpes. E essa forma é altamente contagiosa, então era internação e visita para ela é só de máscara.
Dormi um pouco pela manhã, fui fazer café, já preparar o almoço e fui dar uma geral na casa, sabendo que minha mãe estava cansada demais para lidar com isso e a Vó Lina no hospital. Daí termino tudo e vejo uma mensagem de uma tia dizendo: “Oi, vê se levanta dessa cama e faz alguma coisa, limpa essa casa e acorda para a vida adulta porque sua vó tá internada”. Eu tive a segunda crise de choro.
Como eu falei, eu tenho depressão. Então, quando estou de férias, passo a maior parte do tempo dormindo, trancada no quarto, evitando contato social durante semanas. E não é de propósito, tem dias de crise que não consigo levantar nem para tomar banho, sabe? Mas como a galera ama julgar sem saber os sintomas do transtorno, eu sou a preguiçosa da família. Mas porra, né, eu não sou um monstro que explora a minha vó. Eu ajudo ela nas tarefas, afinal, é minha obrigação, mas né. Ninguém tá vendo o que acontece quando estamos só nós duas.
Fui pro hospital fazer uma visita, ela estava com muita dor. Voltei pra casa determinada a pernoitar com ela na sexta, e foi isso que fiz: fui para lá assim que o horário de visita abriu, já de malinha e cuia, e avisei no grupo da família que ficaria com ela. O que eu não esperava é que ela ia ficar extremamente feliz comigo lá, e quando eu falei que ia dormir com ela, nossa, ela abriu um sorriso que eu nunca mais vou esquecer.
Passamos sexta e sábado bem. Por incrível que pareça, a dor passou. Porém, as feridas ainda estão abertas, e ela só pode ter alta depois que a cicatrização começar e as bolhas secarem. E ela é teimosa demais pra idade dela, tentou levantar da cama sozinha varias vezes achando que eu não tava vendo, esse tipo de coisa. Então, de madrugada coloquei alarmes a cada 15 minutos pra ver se ela não estava precisando de nada. Ela pediu para eu ficar sábado também, então dormi lá pelo segundo dia seguido.
Aí o problema começou hoje. Ficamos sozinhas boa parte do dia, e Vó Lina acabou confessando para mim que minha mãe é a filha preferida dela, e eu sou a neta preferida. Ouvir isso me deixou muito feliz, pois geralmente me sinto um estorvo para ela, mas ela me agradeceu imensamente por estar com ela. Falei que eu não fazia mais do que minha obrigação, afinal, estou enchendo o saco dela há 21 anos. Então, ela me falou que gosta de mim e da minha mãe porque nós mostramos a ela esses dias que ela é importante para nós, e que ela tinha outros sete filhos, treze netos e cinco bisnetos, mas apesar disso alguns deles não tinham nem ligado para perguntar se ela está bem. Ela ficou muito chateada e disse que sente que é descartável, mas fiz questão de falar para ela que ela é a pessoa mais importante da minha vida e eu nunca seria capaz de retribuir tudo o que ela fez por mim.
Por que isso foi um problema? Bem, eu fiquei puta. No ano novo todo mundo tratou a gente mal, daí chega um momento delicado desse e eles não fazem nem questão de ligar? Vivem tacando pedras na minha mãe e em mim por nada, mas a gente dá nosso sangue pela Vó Lina enquanto os outros filhos dela vêm uma vez por semana pra almoçar que nem pensão e nem lavam o próprio prato. Nós pagamos as contas dela, compramos os remédios, fazemos tudo por ela porque porra, ela é o amor da nossa vida e nos criou com muito amor e carinho. Os irmãos da minha mãe, além de ingratos, são folgados e egoistas. Ver ela falar que parece que ela só serve pra cozinhar me cortou o coração.
Hoje à noite eu troquei com uma tia e vim para casa só porque minha mãe insistiu muito, mas a Vó Lina queria que eu ficasse com ela de novo. Assim que eu saí do hospital, eu juro que parece que o mundo está nas minhas costas de tanto cansaço, eu não percebi que estava cansada assim. E escrevo isso justamente porque tô tendo minha terceira crise de choro, junto com um sentimento de angústia, como se ela não fosse ficar bem sem mim lá. Eu estou agoniada. Não consigo dormir e só quero vê-la bem, sei que não vai acontecer nada de madrugada mas meu corpo e mente me fazem pensar o contrário.
Enfim, juntando toda a carga de brigas familiares, falta de terapia, perda de uma amiga e a internação da vó, eu tô um caco por dentro. Minha mãe disse que está orgulhosa de mim, porque estou sendo forte e segurando as pontas da família cuidando da vó sozinha, mas é só a casca. Me sinto como uma panela de pressão, mas não quero explodir.
Eu acho que desabafar aqui me ajudou bastante, não tenho como botar isso pra fora e encontrar esse sub foi minha salvação. Obrigada a quem leu até aqui, e se tiverem alguma sugestão do que posso fazer pra sair do olho do furacão, ou sei lá, conversar sobre experiências similares, tô à disposição. Valeu por lerem até aqui, sei que tá muito longo.
P.S.: a gatinha está bem, mas tem saudades da Vó Lina.
TL;DR: brigas familiares no fim de ano levaram ao adoecimento da minha avó, que agora está internada e eu estou ficando com ela. Mas além disso tenho que lidar com meus transtornos mentais e nessa mesma semana uma amiga minha morreu. A vida é um caos e eu tô a ponto de surtar.
submitted by kuaniyn to desabafos [link] [comments]


2019.12.15 13:02 coracaopartido3 O meu coração dói todos os dias

Todos os dias eu penso nela e o meu coração dói, literalmente. Eu achava que o nosso amor era perfeito, conhecíamos um ao outro nas suas maiores profundezas, tanto psicologicamente quanto fisicamente. Não havia censura, eu dizia tudo aquilo que ia na minha cabeça e não me sentia julgado e ela também.
Ela disse que me amava e que ia terminar com o namorado mas nunca terminou, disse que não teve coragem, o namorado que trabalhava longe voltava a casa de 3 em 3 meses e permanecia durante 1 mês. Ela escapava para se encontrar comigo mas e era como se tivesse lâminas que me cortavam por dentro sempre que imaginava eles os dois na cama. Usei um monte de drogas diferentes para acalmar o sofrimento mas não resultou, de tão doloroso que era. Tentei acabar com ela mas voltei sempre, fui para a cama com outras mulheres mas ninguém era ela.
E eu me perguntava "porquê?". Se ela me amava e dizia que já não gostava dele, porquê é que ela não acabou com ele para sermos felizes juntos. Eu só encontrava uma justificativa: Dinheiro. Ele trabalhava fora e o salário dele era pelo menos 3x mais que o meu. Fiquei meio traumatizado com esse assunto do dinheiro, não parava de pensar nisso. Hoje em dia eu, uma pessoa que nunca ligou muito ao dinheiro, recebe quase tanto quanto o namorado dela num trabalho onde posso sentar o meu cu numa cadeira durante 6h e depois vou para casa e ao contrário dele não tenho que ir para o estrangeiro ficar chuva e sol numa obra mais do que 8h por dia. Aliás, ele só recebe mais dinheiro porque trabalha mais do que 8h.
Há uns meses usei MDMA e em vez de dançar a noite toda fiquei a pensar na vida, cheguei à conclusão de que o motivo pela qual ela não se separou dele não foi o dinheiro, foi porque ela tem um verdadeiro lar com ele e também porque ele a "resgatou" da separação dos pais dela e de todas as discussões, e levou para a casa dele. Agora tenho dois traumas: O dinheiro, e o facto de eu não ter um lar. Eu moro sozinho, afastei da minha família, sou só eu e nada posso fazer para mudar isso porque a minha família é totalmente disfuncional.
Ao fim de 3 anos, no fim da nossa relação, comecei a usar cocaína todos os dias. No início foi muito bom, até no trabalho o meu desempenho melhorou mas depois parece que deu alguma coisa em mim que fiquei com um ódio enorme dela. Ela começou a falar com outros homens do instagram, descobriu que o namorado andava a conversar com outra mulher e provavelmente fez outras coisas e mesmo assim não quis acabar com ele, apesar dela falar mal do namorado todos os dias por outras razões como ter ajudado a obter o empréstimo para uma casa do pai dela que foi à falência e de ter começado a mandar na casa. As nossas discussões ficaram cada vez piores e a cocaína me ajudou a ficar mais aceso, então decidimos acabar de forma amigável e voltar a falar 1 ano após.
Isso foi há 5 meses, ainda hoje penso nela todos os dias, ainda hoje só penso em ter mais e mais dinheiro e vestir coisas de marca para esfregar na cara dela, ainda hoje penso em bater nela sempre que lembro tudo o que ela me fez passar, ainda hoje me sinto um idiota autêntico por ter permitido que ela fizesse isso tudo comigo, ainda hoje quero contar tudo ao namorado e a todas as amigas para que toda a gente saiba quem ela é. Eu já tive algumas pessoas más na minha vida mas nunca tive alguém tão falsa quanto ela, que me tivesse feito sofrer tanto, eu nunca odiei tanto alguém na minha vida. Mas mesmo assim eu ainda sinto a falta dela, e o meu coração dói muito, não me consigo imaginar com mais nenhuma outra mulher.
Puta que pariu, quando é que este sofrimento vai parar? Quando é que eu a vou esquecer?
submitted by coracaopartido3 to desabafos [link] [comments]