Azul mágica é como mágica

La Carta de LA PAPISA TAROT ARCANOS MAYORES su significado y enseñanza A...

2020.11.11 23:46 tarot-cer La Carta de LA PAPISA TAROT ARCANOS MAYORES su significado y enseñanza A...

La Carta de LA PAPISA TAROT ARCANOS MAYORES su significado y enseñanza A...

https://preview.redd.it/grfhqiu3woy51.jpg?width=401&format=pjpg&auto=webp&s=50aa2151f61b70b7de12d8e642aa77fed233947d
https://youtu.be/DG9Q417R5Pk
La Sacerdotisa no es tan solo un Arcano de adivinación del Tarot, sino que a la vez es una carta muy mágica, no solo para desarrollar las habilidades psíquicas, factor por el cual es muy conocida, sino también para ayudarte a recordar e interpretar tus sueños.
La carta de la Sacerdotisa es la número 2 de los Arcanos Mayores, es una carta femenina, de pasividad y receptividad. Es la capacidad de escucha, la planificación, el estudio de un proyecto. La sabiduría, la intuición.
En el Tarot de Marsella el Arcano de la Papisa nos muestra una mujer madura, de unos 60 años, la cual esta sentada haciendo alusión o incapie a la pasividad, a la no acción y que dirige su mirada hacia la izquierda, hacia el pasado, para recordar quien es ella en realidad.
Vemos también que tiene una corona o tiara de tres franjas, ya que no solamente ella es soberana de la parte material, que eso ya lo experimento, sino también de la parte mental y de la parte espiritual.
De hecho, en la Sacerdotisa impera la parte espiritual que se refleja en su manto de color azul. Vemos también que esta sentada en su trono, en el templo de Salomón entre dos columnas, algo que se ve mejor en otros mazos como el Tarot de Rider Waite: https://centroesotericorossana.com/tarot/barajas/tarot-rider-waite/
Tras ella observamos un velo, el cual tiene un cortinaje que esta ocultando la espiritualidad de ella, porque de hecho, la carta de la Papisa o la Sacerdotisa, lo que ella obtiene del Universo la carta del Sumo Sacerdote lo verbaliza.
En el Tarot de Marsella la Papisa sostiene un libro entre sus manos, las cuales si nos fijamos veremos como sus dedos apuntan a las líneas 1 y 7, es decir, 17, la carta de la Estrella, que refiere a ese universo espiritual al cual ella tiene acceso.
Si quieres puedes saber más sobre esta carta en este artículo:
https://centroesotericorossana.com/tarot/arcanos-mayores/la-sacerdotisa-tarot/
submitted by tarot-cer to u/tarot-cer [link] [comments]


2020.09.18 14:00 kong-dao Qué es el budismo (Jorge Luis Borges;Alicia Jurado)

Siddharta queda siete días en la soledad. Busca después a los ascetas que habitan en la selva; unos están vestidos de hierbas, otros de hojas. Todos se alimentan de frutos; unos comen una vez al día, otros cada dos días, otros cada tres (Nota propia: Adan y Eva también iban vestidos con hojas luego de comer "el fruto prohibido") Rinden culto al agua, al fuego, al sol o a la luna. Hay quien está parado en un pie y hay quienes duermen en un lecho de espinas.

Acaso no sea inútil señalar que el siglo VI a. de C., en que floreció el Buddha, fue un siglo de filósofos: Confucio, Lao Tse, Pitágoras y Heráclito fueron contemporáneos suyos.

Como Schopenhauer, los hindúes desdeñan la historia; carecen de sentido cronológico

La verdad, por escandalosa que sea, es que a los hindúes les importan más las ideas que las fechas y que los nombres propios.

El alma inmaterial es un espectador, un testigo, no un actor de las cosas. Cuando el cuerpo sutil o alma psíquica intuye esta verdad, cesa la unión del alma con la materia.

Como todas las religiones y filosofías del Indostán, el budismo presupone las doctrinas de los Vedas. La palabra Veda significa «sabiduría» y se aplica a una vasta serie de textos antiquísimos que, antes de ser fijados por la escritura, se transmitieron oralmente de generación en generación (Nota propia: Transmisión oral igual que el Taoismo y Confucionismo para evitar que los conocimientos sean "atrapados" por los que sabían leer y/o escribir)

Recordará el lector que Parménides análogamente negó que hubiera variedad en el mundo. Zenón de Elea, su discípulo, formuló sus paradojas para probar que las nociones corrientes del tiempo y del espacio conducen a resultados absurdos. Para Sankara hay un solo sujeto conocedor; su esencia es eterno presente.

Elige a su madre, la reina Maya (este nombre significa la fuerza mágica que crea el ilusorio universo), mujer de Suddhodana, que es rey en la ciudad de Kapilavastu, al sur del Nepal

Mara, dios del amor, del pecado y de la muerte, ataca entonces a Siddharta.(Nota propia: Mara: dios de la ilusión, es quien tienta a Buda cuando medita bajo "el árbol de la sabiduría" - situación similar cuando Jesús es tentado por el demonio en el monte)

Ya en los Vedas, Dios es el Hechicero que crea el mundo aparencial mediante la fuerza mágica de Maya, la ilusión (...) No existen Maya y Dios; Maya es un atributo de Dios, como el calor y el resplandor son atributos del fuego (...) El cosmos es la ilusión cósmica; el cuerpo, el Yo y la noción de Dios como creador son facetas parciales de esa ilusión.

La salvación debe buscarse en el Vedanta, que enseña la irrealidad de las cosas y la realidad de una sola cosa indeterminada: Dios o el alma. El Vedanta debe ser estudiado con un maestro, cuya lección final será: «Tú eres Brahman».

Como todas las religiones y filosofías del Indostán, el budismo presupone las doctrinas de los Vedas. La palabra Veda significa «sabiduría» y se aplica a una vasta serie de textos antiquísimos que, antes de ser fijados por la escritura, se transmitieron oralmente de generación en generación. El Korán es un libro sagrado, la Biblia es un conjunto de obras que fueron declaradas canónicas por diversos concilios; la índole divina de los Vedas ha sido en cambio reconocida en la India desde una época inmemorial. Himnos, plegarias, incantaciones, fórmulas mágicas, letanías, comentarios místicos y teológicos, meditaciones ascéticas e interpretaciones filosóficas integran los Vedas. Se entiende que son obra de la divinidad que, al cabo de cada una de las infinitas aniquilaciones del universo, los revela a Brahma; este, mediante las palabras de los Vedas, que son eternas, crea un nuevo universo. Así, la palabra piedra es necesaria para que haya piedras en cada nuevo ciclo cósmico.
La más famosa de las escuelas filosóficas, el Vedanta, tiene su raíz en los Vedas; Vedanta quiere decir «Final» o «Culminación de los Vedas». Se trata de un monismo panteísta, afín a las doctrinas occidentales de Parménides, Spinoza y Schopenhauer. Para el Vedanta hay una sola realidad, diversamente llamada Brahman (Dios) o Atman (alma), según la consideremos objetiva o subjetivamente. Esta realidad es impersonal y única; ni en el universo ni en Dios hay multiplicidad. Recordará el lector que Parménides análogamente negó que hubiera variedad en el mundo. Zenón de Elea, su discípulo, formuló sus paradojas para probar que las nociones corrientes del tiempo y del espacio conducen a resultados absurdos. Para Sankara hay un solo sujeto conocedor; su esencia es eterno presente.
Brahman destruye y crea el universo cíclicamente: ambas operaciones son de índole mágica o alucinatoria. Ya en los Vedas, Dios es el Hechicero que crea el mundo aparencial mediante la fuerza mágica de Maya, la ilusión. Dos motivos de muy diversa índole han sido sugeridos para justificar las periódicas emanaciones y aniquilaciones del universo; para unos, el proceso cósmico es natural e involuntario como la respiración; para otros es un juego infinito de la ociosa divinidad. Recordemos la sentencia de Heráclito: «El tiempo es un niño que juega a las damas; un niño ejerce el poder real», y el verso del místico alemán del siglo XVII, Angelus Silesius: «Todo esto es un juego que ejecuta la divinidad».

La doctrina del Vedanta se resume en dos afamadas sentencias: Tat twuam asi (Eso eres tú) y Aham brahmasmi (Soy Brahman). Ambas afirman la identidad de Dios y del alma, de uno y el universo. Esto quiere decir que el eterno principio de todo ser, que proyecta y disipa mundos, está en cada uno de nosotros pleno e indivisible. Si se destruyera el género humano y se salvara un solo individuo, el universo se salvaría con él (Nota personal: Si se salva un ser humano, también se salvaría la ilusión)
Otros maestros del Vedanta agregan que el error fundamental de las almas es identificarse con los cuerpos que habitan y buscar placeres sensuales, que las atan al mundo y son causa de sucesivas reencarnaciones.(Nota propia: Libro Tibetano de los Muertos) La ejecución desinteresada de los deberes que los Vedas imponen conduce a la salvación. Debemos amar al Creador, no a las criaturas.
Después de la muerte, el alma liberada es, a semejanza de Dios, pura conciencia, pero no se confunde con Dios, que es infinito. Esta es la doctrina de Ramanuja; otros afirman que las almas individuales se pierden en la divinidad como la gota del rocío en el mar.
(...)Schopenhauer escribe: «Uno son el torturador y el torturado. El torturador se equivoca, porque cree no participar en el sufrimiento; el torturado se equivoca, porque cree no participar en la culpa».

Los dioses viven muchos siglos, pero no son inmortales. Algunos habitan la cumbre del monte Meru; otros, palacios suspendidos en el aire. A medida que la jerarquía es más alta, los goces son menos físicos; la unión de los dioses inferiores es semejante a la de los hombres; luego, en categorías más elevadas, se realiza mediante el beso, la caricia, la sonrisa o la contemplación. No hay concepción ni nacimiento; los hijos, ya de cinco a diez años de edad, aparecen de pronto sobre las rodillas de la diosa o del dios que es su madre o su padre (según la tradición hebrea, Adán tenía treinta y tres años en el momento en que fue creado). Los dioses de la segunda región ignoran los deleites sensuales: su alimento es la alegría y sus cuerpos están hechos de materia sutil. Oyen y ven, pero carecen de gusto, olfato y tacto. En la tercera región los dioses son incorpóreos y viven en un puro éxtasis contemplativo que puede extenderse a veinte, cuarenta, sesenta u ochenta mil períodos cósmicos.

Para Schopenhauer, hay en el mundo una sola esencia, la Voluntad, que asume todas las formas del universo; la transmigración es un mito que presenta de un modo sucesivo esa realidad eterna y ubicua.

Hemos dicho que cada encarnación determina la subsiguiente; esta determinación constituye lo que las escuelas filosóficas de la India llaman el karma. La palabra es sánscrita y deriva de la raíz kri, que significa «hacer» o «crear». El karma es la obra que incesantemente estamos urdiendo; todos los actos, todas las palabras, todos los pensamientos —quizá todos los sueños— producen, cuando el hombre muere, otro cuerpo (de dios, de hombre, de animal, de ángel, de demonio, de réprobo) y otro destino. Si el hombre muere con anhelo de vida en su corazón, vuelve a encarnar; es como si, al morir, plantara una semilla.

Radhakrishnan ha definido el karma como la ley de la conservación de la energía moral. También podemos considerarlo una interpretación ética de la ley de causalidad
El karma obra de un modo impersonal. No hay una divinidad de tipo jurídico que distribuye castigos y recompensas; cada acto lleva en sí el germen de una recompensa o de un castigo que pueden no ocurrir inmediatamente, pero que son fatales.

La teoría platónica o pitagórica de la transmigración presupone un alma que transmigra, una pura esencia inmortal que se aloja en un cuerpo y después en otro; el budismo, en cambio, niega la existencia de un Yo y recurre al karma para asegurar una continuidad de las diversas vidas.

En el budismo hay seis condiciones para el hombre después de la muerte. Se las llama los Seis Caminos de la Transmigración y se las enumera así: 1) La condición de dios (deva). Estos seres han sido heredados de la mitología indostánica y, según ciertas autoridades, son treinta y tres: once para cada uno de los tres mundos. Deva y Deus proceden de la raíz div, que significa «resplandecer». 2) La condición de hombre. Esta es la más difícil de lograr (...) sólo los hombres pueden alcanzar el nirvana. 3) La condición de asura. Los asuras son enemigos de los devas. Afines a los asuras son los nagas, serpientes de rostro humano (Nota personal: ver diosa taoista Nuwa) que moran en palacios subterráneos, donde conservan los libros esotéricos del budismo. 4) La condición animal. La zoología budista los clasifica en cuatro especies: los que no tienen pies, los que tienen dos pies, los que tienen cuatro pies y los que tienen muchos pies. Los jatakas refieren vidas anteriores del Buddha en cuerpos de animales. 5) La condición de preta. Son réprobos atormentados por el hambre y la sed; su vientre puede ser del tamaño de una montaña y su boca como el ojo de una aguja. Son negros, amarillos o azules, llenos de lepra y sucios. Algunos devoran chispas, otros quieren devorar su propia carne. Suelen animar los cadáveres y merodear por los cementerios (Nota personal: ¿Necromantes?) 6) La condición de ser infernal. Sufren en lugares subterráneos, pero también pueden estar confinados en una roca, un árbol, una casa o una vasija. El Juez de las Sombras habita en el centro de los infiernos y pregunta a los pecadores si no han visto al primer mensajero de los dioses (un niño), al segundo (un anciano), al tercero (un enfermo), al cuarto (un hombre torturado por la justicia), al quinto (un cadáver ya corrompido). El pecador los ha visto, pero no ha comprendido que eran símbolos y advertencias. El Juez lo condena al Infierno de Bronce, que tiene cuatro ángulos y cuatro puertas; es inmenso y está lleno de fuego. Al fin de muchos siglos una de las puertas se entreabre: el pecador logra salir y entra en el Infierno de Estiércol. Al fin de muchos siglos puede huir y entra en el Infierno de Perros. De este, al cabo de siglos, pasará al Infierno de Espinas, del que regresará al Infierno de Bronce.

Predica una Vía Media: el Sagrado Óctuple Sendero, al que conducen las Cuatro Nobles Verdades. Estas verdades son: el sufrimiento, el origen del sufrimiento, la aniquilación del sufrimiento y el camino que lleva a la aniquilación del sufrimiento, o sea, el Óctuple Sendero (...) ¿Qué es el sufrimiento? El Buddha responde: «Es nacer, envejecer, enfermarse, estar con lo que se odia, no estar con lo que se ama, desear y anhelar y no conseguir». ¿Cuál es el origen del sufrimiento? ¿Cuál es el camino que lleva a la aniquilación del sufrimiento? El Buddha responde: «Es el Sagrado Óctuple Sendero: recto conocimiento, recto pensamiento, rectas palabras, rectas obras, recta vida, recto esfuerzo, recta consideración y recta meditación». Estas normas integran una Vía Media (Nota personal: Confucio - El Justo Medio) (...) La doctrina, observa Köppen, no es dogmática ni especulativa; es moral y práctica.

Nirvana es la palabra sánscrita que, etimológicamente, vale por «apagamiento», «extinción»; también cabría traducir «el extinguirse» o «el apagarse».

En cambio, el budismo niega, adelantándose a Hume, la conciencia y la materia, el objeto y el sujeto, el alma y la divinidad. Para las Upanishadas, el proceso cósmico es el sueño de un dios; para el budismo, hay un sueño sin soñador. Detrás del sueño y bajo el sueño no hay nada. El Nirvana es la única salvación (...) Schopenhauer, que tanto ha influido en las interpretaciones occidentales de la doctrina del Buddha, considera que Nirvana es un eufemismo de la palabra nada (...) Alcanzado el Nirvana, antes de la muerte, las acciones del santo ya no proyectan karma alguno; puede prodigar bondades o cometer crímenes, y estos no engendran recompensa ni castigo, ya que está libre de la Rueda y no renacerá.

Para nosotros, la extinción de una llama equivale a su aniquilamiento; para los hindúes, la llama existe antes de que la enciendan y perdura después de apagada. Encender un fuego es hacerlo visible; apagarlo, es hacerlo desaparecer, no destruirlo (...) Lo mismo ocurre con la conciencia, según el Buddha: cuando habita el cuerpo la percibimos; cuando muere el cuerpo desaparece, pero no cesa de existir.

De Aristóteles se dijo que por la mañana confiaba sus pensamientos íntimos a unos pocos alumnos; por la tarde, comunicaba a un grupo más amplio una versión popular. La primera doctrina era la esotérica; la otra, la exotérica. Lo mismo ocurre con Pitágoras y con Platón y, también, con el Buddha.

El ideal del Buddha ha sido reemplazado por el del Bodhisattva, un hombre que se propone llegar a Buddha al cabo de innumerables encarnaciones.

El Hinayana afirma que en el Nirvana desaparecerán la vista, el tacto, el olfato, el gusto y la audición, y compara al elegido con una lámpara apagada. Nagarjuna declara que lo que no existe no puede desaparecer ni continuar. El Nirvana equivale a la concepción de que nada existe; el Samsara ya es el Nirvana y se identifica con el principio absoluto que hay detrás de las apariencias. El hombre que sabe que no es ha alcanzado el Nirvana; el vasto universo astronómico no es menos irreal que ese hombre. Quien se confunde con los otros y con todo lo otro ya ha logrado la meta (Nota personal: taoismo)

En uno de los tratados que se titulan Ápice de la Sabiduría, se lee que todo, para el sabio, es mera vacuidad, mero nombre; también es mera vacuidad y mero nombre el Ápice de la Sabiduría (Nota personal: taoismo)

Hay una carrera intermedia, la del Pratyeka Buddha, el santo solitario que, sin ayuda de maestros, llega a ser Buddha, pero que no puede comunicar su iluminación.

En el Hinayana no hay sacerdotes,hay monjes; el lamaísmo, en cambio, nos muestra una vistosa jerarquía, cuyas dos cabezas —el Dalai-Lama o Glorioso Rey y el Pantchen-Lama o Glorioso Maestro— ejercieron, como los Papas medievales, el poder temporal y espiritual.

(...) el lamaísmo, como la doctrina cristiana, concede una decisiva importancia a la hora de la agonía. Llegada esa hora, o aun después de la muerte, un sacerdote lee al moribundo o al cadáver el libro que se llama Bardo-Thödol o Liberación por el oído, que consta de una serie de instrucciones para el viajero en los reinos de la muerte (...) Una vez enterrado el cadáver, la ceremonia continúa; su duración es de cuarenta y nueve días y se ejecuta ante una efigie que representa al muerto. La efigie finalmente se quema.

El confucianismo es menos una religión que un sistema ético y social; el taoísmo enseña, como el budismo, la irrealidad del universo. Es famosa la parábola de Chuang-Tzu, otro de sus maestros: «Chuang-Tzu soñó que era una mariposa y no sabía, al despertar, si era un hombre que había soñado ser una mariposa o una mariposa que ahora soñaba ser un hombre».

Cuando en el año 526 el patriarca Bodhidharma arribó a la China, el emperador se jactó de los numerosos monasterios que había fundado y de la cantidad creciente de monjes; Bodhidharma le dijo que tales cosas pertenecían al mundo de las apariencias y que no había ganado ningún mérito. Luego, se retiró a meditar. Según una leyenda, pasó nueve años en silencio ante un muro, donde quedó impresa su imagen. Fundó la secta de la meditación (Ch’an), que daría origen en el Japón al budismo Zen.
(...)
Los monjes eran, por lo regular, gente ignorante reclutada entre los campesinos y tampoco recibían una instrucción general en el monasterio.

El budismo tántrico cree que la iluminación sólo puede obtenerse por medio de una doctrina esotérica que el maestro, el guru, enseña oralmente al discípulo, el chela, y que no podemos hallar en las escrituras sagradas. Las prácticas comprenden tres métodos: la repetición de fórmulas, los gestos y danzas rituales y la meditación que nos identifica con determinadas divinidades (...) Para ayudar a la imaginación existe una tradición pictórica: ciertos mándalas representan a las divinidades y otros son símbolos de los Buddhas o del universo.

(...) el primer ejemplo de intuición instantánea que en el Japón se llama satori; equivale a lo que sentimos al percibir de golpe la respuesta a una adivinanza, la gracia de un chiste o la solución de un problema.
(...)
Nuestros hábitos mentales obedecen a los conceptos de sujeto y de objeto, de causa y efecto, de lo probable y de lo improbable y a otros esquemas de orden lógico que nos parecen evidentes; la meditación, que puede exigir muchos años, nos libra de ellos y nos prepara para ese súbito relámpago: el satori.
Desconfiar del lenguaje, de los sentidos, de la realidad del pasado propio o ajeno y aun de la existencia del Buddha, son algunas de las disciplinas que debe imponerse el adepto. (Nota personal: Desconfiar, cuestionar, dudar, filosofar)

Para provocar el satori, el método más común es el empleo del koan, que consiste en una pregunta cuya respuesta no corresponde a las leyes lógicas.

«La felicidad es de aquel que tiene nada, que ha dominado la doctrina y ha alcanzado la sabiduría. Mira cómo sufre el que tiene algo. El hombre está encadenado al hombre».

Aclaremos que infinito no es, para el budismo, un sinónimo de indefinido o de innumerable; significa, como en las matemáticas, una serie sin principio ni fin. Nuestro pasado no es menos vasto ni menos insondable que nuestro futuro.
submitted by kong-dao to Filosofia_Renovada [link] [comments]


2020.09.04 05:42 SpeedHS11 Edgar Allan Poe - O Gato Preto e Outras Histórias

Edgar Allan Poe - O Gato Preto e Outras Histórias (editora PandorgA) 
https://preview.redd.it/216yppdxq1l51.jpg?width=566&format=pjpg&auto=webp&s=e5378e193d4acd6aab19abf302c57accc2e82527
Este livro contém 4 contos:
- o gato preto (1843)
- Ligeia (1838)
- a queda da Casa de Usher (1839)
- pequena conversa com a múmia (1839)

O Gato Preto (1843) 
''NÃO ESPERO NEM PEÇO que acreditem neste relato estranho, porém simples, que estou prester a escrever. Louco seria se eu o esperasse, em um caso onde meus próprios sentidos rejeitam o que eles mesmos testemunham.''
Faço das palavras de Poe as minhas, o conto começa com Poe falando de sua paixão por animais, e que sempre foi mimado pelos pais em relação à isso, o conto carrega toda uma história por trás, a começar pelo nome Plutão, que é o apelido de Hades (deus dos mortos), a cor preta, a superstição de que gatos pretos seriam bruxas disfarçadas e também a ideia de sete vidas dos gatos, todas essas características se encaixam perfeitamente no enredo do conto.
Com o passar do tempo, Poe foi mudando para uma pessoa pior, graças ao alcoolismo, se tornando mais melancólico, irritável, e indiferente às todos ao seu redor, menos ao gato, porém isso não durou muito tempo e o gato agora também passara a sofrer assim como todos os outros com as atitudes de Poe.
Quando Poe voltava para casa após mais uma noite de puro alcoolismo, percebeu que Plutão evitava-o, percebendo isso tratou de agarrar o gato, porém, o gato ficou assustado (com razão) e acabou dando uma pequena mordida em sua mão, isso despertou uma fúria (como o próprio Poe diz, demoníaca) e ele acaba por arrancar o olho do gato com um canivete que estava em seu bolso.
''de fazer o mal pelo único desejo de fazer o mal'' E foi assim que Poe fez o que ele julgava errado mas fez. Em uma manhã fria ele enforcou e matou o gato, no galho de uma árvore enquanto lágrimas escorriam de seus olhos, segundo as próprias palavras de Poe: ''enforquei-o porque sabia que assim fazendo estava cometendo um pecado - um pecado mortal, que comprometeria então minha alma importal e a colocaria - se tal coisa fosse possível - além do alcance da infinita misericórdia do Deus mais misericordioso e mais terrível.'' A noite do mesmo dia terminou com a casa de Poe em chamas, a cortina de seu quarto pegou fogo e por pouco conseguiram sair todos vivos e a casa acabou completamente destruída.
No dia seguinte ao incêndio, quando Poe visita as ruínas do que sobrou de sua casa, todas as paredes com exceção de uma tinham desabado e justo nessa única parede que não havia sido destruída completamente, estavam as palavras ''estranho!'', ''singular!'' e outras expressões similares, que despertaram a curiosidade de Poe, porém, o que mais o intrigava era o fato de que nessa mesma parede havia a figura de um gato de um gato gigantesco e havia uma corda ao redor do pescoço do anomal, Poe criou uma grande explicação para o ocorrido e se deu por satisfeito, embora dessa forma tenha prontamente satisfeito a razão, ele não poderia dizer o mesmo quanto à sua consciência.
Sem mais nem menos, surge um gato preto extremamente parecido com Plutão, no meio da noite em mais um dia de bebidas de Poe, os dois acabam gostando um do outro e assim, o gato segue para a casa de Poe e logo se familiariza com a casa e a esposa. Aos poucos por alguma razão Poe começou a sentir uma aversão ao gato, o fato do animal não ter um olho e a marca no peito do gato que antes era indefinida, mas agora essa marca branca passa a ser a imagem do enforcamento, contribuiram para essa aversão.
Certo dia enquanto ia para o seu porão, o gato mais uma vez o seguia e acompanhava-o, desta vez o gato acompanhava Poe enquanto descia as escadas e quando o fazendo cair, isso despertou uma fúria demoníaca em Poe, que na mesma hora pegou seu machado, quando estava pronto para matar o animal sua mulher interviu, desviando o golpe, sem pensar Poe enfiou o machado na cabeça de sua mulher, ela caiu morta sem sequer gemer.
Poe agora precisava se livrar do corpo, pensou e chegou na conclusão que deveria emparedá-la no porão, o que ele fez foi retirar os tijolos de um ponto da parede que havia uma saliência de uma falsa chaminé e fez no final das contas um ótimo trabalho.
O gato obviamente assustado com a situação fugiu e nunca mais voltou, isso despertou uma sensação de alívio em Poe, ele se sentia um homem livre, a sua consciência em relação sua mulher, pertubava- o pouco. No dia seguinte policiais foram até a casa fazer uma última busca e quando já estavam prestes a ir embora, Poe cita o quanto aquele porão fora bem construído e acaba por bater na parede com a bengala que segurava, na qual estava o cadáver de sua mulher do coração.
O eco da batida nem tinha acabado de soar quando uma voz de dentro respondeu com um uivo, como se tivesse vindo do inferno, com isso Poe quase desmaia até a parede do lado oposto, o cadáver ''com a boca vermelha escancarada e o olho solitário de fogo, estava sentada a criatura hedionda cujos ardis tinham me seduzido ao assassinato, e cuja voz delatora havia me condenado à forca. Eu tinha emparedado o monstro dentro da tumba!''
Ligeia (1838) 
O conto começa com Poe lembrando-se de Ligeia, fazendo grandes elogios e lembrando-se apenas que a encontrou pela primeira vez em alguma grande e decadente cidade às margens do Reno. Poe não se lembra do nome de sua família.
''Não existe beleza rara sem que haja algo de estranho em suas proporções''. Poe segue exaltando Ligeia: Alta, porte majestono, a quietude complacente de seu comportamento... A pele rivalizava com o mais puro marfim, a imponente fronte sobressaindo e a delicada proeminência acima de suas têmporas, as brilhantes e negras madeixas, negras como as asas de um corvo, luxuriantes cachos naturais, suas linhas delicadas do nariz, as covinhas, os olhos bem maiores do que o comum, a magnífica curvatura do lábio superior e o aspecto suave e voluptuoso do inferior. Ele se lembra de seus olhos, incríveis e incomuns, largos e luminosos, e sentiu fortes sentimentos ao lembrar de seus olhos, que só sentiu os mesmos sentimentos raramente quando: viu o crescimento de uma videira, numa mariposa, uma borboleta, um fluxo de água corrente...
Poe lembra dos primeiros anos de casamento, em que ele confiava em Ligeia em nível de confiança semelhante à de uma criança, a ser guiada por ela, em um caótico de investigação metafísica em que se achava ocupado durante os primeiros anos de casamento. Enquanto Poe acompanhava de perto a morte de Ligeia na cama, ela demonstra todo a sua paixão e pede a Poe que leia alguns de seus versos, logo após Poe terminar a leitura, Ligeia ergueu-se e teve espasmos, e então, abaixou os braços retornando ao leito de morte e morreu.
Meses depois do ocorrido, Poe, compra uma abadia em um lugar remoto da Inglaterra se casa com Lady Rowena, no primeiro mês de casamento ela temia o violento mau-humor de Poe seu temperadomento, que tanto evitava e amava. No segundo mês de casamento Lady Rowena fica doente e demora para se recuperar até que um segundo e mais violento acesso a acometeu, colocando-a de volta à cama em sofrimento, ela começa a ficar doente de forma mais grave e reccorente, Poe então decide dar uma taça de vinho para recuperá-la, foi aí então que ele ouviu passos leves sobre o carpete próximo a cama, e então quando Rowena estava prestes a bebero cálice, ele viu caindo dentro da taça, três ou quatro grande gotas de um brilhante líquido, porém ele achou que fosse tudo imaginação e não mencionou o fato à ela, algum tempo depois ela morre e seu corpo é preparado para o túmulo.
Com o tempo, Poe percebe que suas bochechas voltam a ficarem vermelhas, durante alguns dias ele escuta alguns sons do cadáver e havia até mesmo uma leve pulsação de seu coração, ela estava viva, porém, sempre indo e voltando da morte, com grandes sinais à prova, mas Poe não se importava e estava cansado das violentas emoções.
De repente, ela ergue-se da cama, cambaleando de olhos fechados avanã para o meio do quarto, Poe se aproxima e toca, fazendo assim cair os tecidos sinistros que a enrolavam, revelando assim seus cabelos negros, mais negros que as asas de um corvo da meia-noite e os grandes olhos, grandes, negros e selvagens de seu perdido amor, Lady Ligeia.
A queda da Casa de Usher (1839) 
Poe percorri de cavalo um caminho escuro, chegando à casa de Usher (sua caraterística principal era parecer excessivamente antiga) ele sente uma sensação de insuportável melancolia invadir seu espírito, ele chega até a sala grande e imponente em que Usher (um dos únicos amigos de infãncia e adolescência de Poe) estava, Usher então se levanta do sofá e o comprimenta calorosamente. Com sua voz que variava rapidamente de um indecisão trêmula até uma forma pesada e lenta de falar, ele contou sobre o objetivo da visita e do consolo que ele esperava sentir com a presença de Poe e abordou a causa de sua doença, disse que era um mal constitucional e familiar para o qual ele já não tinha esoerança de encontrar uma cura.
Ele sofria de um aguçamento mórbido dos sentidos: só suportava as comidas mais insípidas, só podia uisar vestes de certa textura, o cheiro de todas as flores o oprimia, uma mera luz fraca torturava seus olhos e somente alguns sons não lhe inspiravam horror. Poe percebe pouco a pouco por meio de alusões entrecortadas e ambíguas, ele estava dominado por certas impressões supersticiosas com relação ao imóvel onde vivia e de onde, por muitos anos, nunca havia se aventurado a sair, superstições acerca de uma influência cuja força hipotética foi descrita em termos muito obscuros para ser relatada aqui e a aproximação evidente e iminente da morte de sua querida e amada irmã, lady Madeline.
Lady Madeline tinha uma apatia, uma devastação física lenta e gradual, e frequentes afecções de um caráter parcialmente cataléptico. Até então, lutara com firmeza contra a doença e não se entregara à cama, mas, ao final da noite, ela sucumbiu e Poe nunca mais a veria a mesma dama pelo menos enquanto vivesse.
Usher declarou que tinha a intenção de preservar o corpo da irmã por quinze dias (antes de finalmente sepultá-la), em uma das várias câmara que existiam dentro dos muro principais da casa, a razão era o caráter incomum da morte da falecida e as inevitáveis perguntas inoportunas e impulsivas por parte dos médicos, Poe ajuda pessoalmente nos preparativos do sepultamento temporário, levam ao à uma câmara que estivera fechada por muito tempo e lá é revelado que Usher e sua irmã eram gêmeos.
Uma noite tempestuosa, ma terrivelmente bela invadiu o quarto quase erguendo-os do chão, um vapor agitado subia pela casa e a encobria como uma mortalha, Poe logo retirou Usher de perto da janelo e colocou-o na poltrona, lendo um de seus romances favoritos: ''O Louco Triste'' de Sir Launcelot Canning.
Ao terminar a leitura, em que um escuto havia caído sobre um piso de prata, Poe, como escuta como se relamente um escudo de bronze tivesse caído com todo seu peso sobre um pavimento de prata. Quando Usher é questionado por Poe sobre o barulho, Usher: ''Sim, eu ouço e tenho ouvido. Por muito... muito... muito tempo... por muitos minutos, muitas horas, muitdos dias ouvi... Nós a colocamos viva no túmulo! INSENSATO! ESTOU LHE DIZENDO QUE ELA AGORA ESTÁ DO OUTRO LADO DA PORTA!''
Como em um passe de mágica, a porta para que Usher apotava abriu lentamente, e lá estava a figura alta e amortalhada de lady Madeline Usher. Então, com um lamento baixo, desabou pesadamente sobre o corpo do irmão, e em sua agonia final, arrastou-o para o chão, morto, vítima dos terrores que havia previsto.
Poe então foge horrorizado daquele quarto e daquela mansão, de repente, uma luz forte surgiu no caminho, era a luz da lua cheia, um vermelho escalarte que brilhava através daquela rachadura na mansão e que se estendia até do telhado até o chão. Dali veio um sopro forte do redemoinho, as grandes paredes desabavam enquanto se ouvia uma demorada e tumultuada gritaria, como se o ruído viesse de mil aguaceiros, e o lago profundo e gélico aos seus pés se fecharam, de forma sombria e silenciosa, sobre os destroços da ''Casa de Usher''.
Pequena Conversa Com a Múmia (1839) 
O simpósio (festa após um banquete) da noite anterior tinha sido demais para Poe, com uma dor de cabeça miserável e caindo de sono preferiu fazer uma última refeição antes de dormir (Welsh rabbit). Porém, ainda não completara o terceiro ronco quando a camapinha começa a tocar furiosiamente, era um bilhete do doutor Pononner, que dizia que obteve o consentimento dos direitos do museu da cidade para examinar uma Múmia, em um salto se levantou da cama rumo à casa do doutor.
Chegando na casa do doutor ele encontrara um grupo ansioso e a Múmia, encontrada às margens do Nilo, estendida sobre a mesa de jantar, acâmara onde fora encontrada a Múmia era rica em ilustrações, isso indicava uma vasta riqueza do morto. Encontraram o corpo em ótimo estado de preservação, sem nenhum odor perceptível, cor avermelhada, olhos removidos e substituídos por olhos de vidro, cabelos e dentes em boas condições. Quando perceberam que já passava de duas horas da manhã, decidiram adiar a dissecação até a noite seguinte, porém, alguém surgiu com a ideia de fazer um experimento com a pilha de Volta (aplicar eletricidade).
Prestes a ir embora, Poe se depara com as pálpebras da Múmia coberta pelas pálpebras, depois do choque inicial decidiram prosseguir com um novo experimento, e, durante o mesmo, a Múmia desfere um pontapé no doutor Ponnonner que foi lançado à rua janela abaixo. Depois de iniciarem o teste elétrico a Múmia espirrou, sentou e se dirigiu aos senhores Gliddon e Buckingham com um egípcio perfeito um discurso, neste discurso ele reclamou de ser despido num dia frio e da forma como fora tratado.
Gliddon fez um discurso em que citava principalment os enormes benefícios que a ciência podera obter com o desenrolamento e a evisceração das múmias e aproveitou o momento para se desculpar por qualquer incômodo que pudéssemos ter causado à múmia Allamistakeo, reparando que ela estava se tremendo de frio, o doutor correu e logo voltou com uma casaca preta, um par de calças xadrez azul-celeste, uma camisa xadrezinha cor de rosa, um colete de brocado com abas, um sobretudo branco, uma bengala de passeio, um chapéu sem aba, um par de botas de verniz, um par de luvas de pelica cor de palha, um monóculo, um par de suíças e uma gravata cascata.
Seguiu-se uma série de perguntas e de cálculos pelos quais se tornou evidente que a antiguidade da múmia tinha sido muito mal avaliada, haviam passado cinco mil e cinquenta anos e alguns meses desde que ela tinha sido despachada. Logo depois a múmia explica o princípio fundamental do embalsamento e que gozava de ter o privilégio de ter nas veias sangue do Escaravelho, pois só assim teria o direito em sua época de ser embalsamado vivo. O Escaravelho era o brasão, as ''armas'' de uma família muito nobre e muito distinta, pois era comum se retirar o cérebro e as vísceras do cadáver antes de embalsamá'lo, só o clá dos Escaravelhos não seguia essa regra.
''Veja nossa arquitetura!'' gritava Ponnonner. ''A Fonte Bowling-Green!Ou, se esse espetáculo e imponente demais, contemple por um instante o Capitólio, em Washington, D. C.! E o bom doutorzinho chegou até a detalhar de forma minuciosa as proporções do edifício a que se referia. Explicou que o pórtico era adornado com não menos que vinte e quatro colunas, cada uma com um metro e meio de diâmetro e colocadas a três metros de distância umas das outras.
O conde respondeu que lamentava não se lembrar das dimensões precisas de nenhum dos edifícios principais da cidade de Aznac, cuja fundação se perdia na noite dos séculos, mas cujas ruínas permaneciam ainda de pé, se lembrou de ter visto um palácio secundário que tinha cento e quarenta e quatro colunas, com onze metros de circunferência e sete metros de distância entre cada uma delas, o acessoa esse pórtiro, vindo do Nilo, era feito através de uma avenida de três quilômetros, composta por esfinges, estátuas e obeliscos de seis, dezoito e trinta metros de altura. O palácio em si tinha, só em uma das direções três quilômetros de comprimento e deveria ter, ao todo, uns onze de circuito. As paredes eram ricamente decoradas, por dentro e por fora, com pinturas hieroglíficas. Ele não pretendia afirmar que até cinquenta ou sessenta dos Capitólios do doutor poderiam ter sido construídos dentro dessas paredes, mas que tinmha absoluta certeza de que duas ou três centenas deles se espremeriam ali com alguma dificuldade.
Nisso se seguiu a noite com os cavalheiros fazendo perguntas complexas ao egípcio, que respondia todas surpreendentemente bem, os cavalheiros não sabiam mais que perguntas fazerem, pois, a cada pergunta que faziam, o egípcio respondia todas e simplesmente os calava com sua superioridade egípcia em basicamente todas as áreas mencionadas pelos cavalheiros ali presente.
Porém, quando estavam prestes a serem derrotados intelectualmente, Ponnonner perguntou se as pessoas no Egito realmente pretendiam rivalizar com as pessoas modernas, na importantíssima questão do vestuário. O conde então olhou para os suspensórios de suas calças e, segurando a ponta de seu fraque, segurou-os perto dos olhos por alguns minutos. Deixando-os cair finalmente, sua boca escancarou-se gradualmente de uma orelha à outra, mas não me lembro se respondeu alguma coisa.
O egípcio baixou a cabeça. Nunca houve um triunfo tão completo, nunca antes a derrota foi assumida com tanto despeito, Poe pega seu chapéu e parte para casa. Chegou em casa depois das quatro horas da manhã e foi-se deitar, agora eram dez horas da manhã com Poe escrevendo estas lembranças, ansioso para saber quem será o Presidente em 2045, iria procurar o doutor Ponnonner e pedir para que seja embalsamado por alguns séculos.
submitted by SpeedHS11 to Livros [link] [comments]


2020.09.01 19:59 jesaes100 Te enseño a crear una Pagina web con Cero Pesos

Para empezar, hay que saber que no existe una receta mágica para conseguir atraer más clientes. Por ello, lo más recomendable es la realización de pruebas, test de usuarios y/o test A/B, que junto con el análisis de las estadísticas nos ofrecerán datos fiables que nos ayudarán a optimizarla y mejorar la conversión de nuestra web.

https://preview.redd.it/7t51ht6askk51.jpg?width=550&format=pjpg&auto=webp&s=392217e5f22c692e2d75431fe64b777540c12415
Si no cuentas con una pagina web debido a falta de dinero, acá podrás obtener una pagina web totalmente gratis: http://tedigo-como.blogspot.com/2017/01/te-digo-como-crear-una-web-gratis.html

1. Ofrece seguridad a los visitantes (recuerda, son posibles clientes)

Si un posible cliente quiere solicitar más información o comprar, debes de dar la imagen desde el principio de que sois expertos y cuidadosos con lo que hacéis. Si tu web no transmite esto, tendrás muy difícil vender más o conseguir más contactos. El portal web debe causar buena impresión, nunca deben de ver mensajes de error, diseños poco cuidados, fotos no profesionales, etc. Debes identificar en todo momento donde está el visitante y que puede hacer en la web. Y esto no debe de pasar solo en la home o en la página de producto, sino en todo el portal, y es muy importante no perder esta sensación durante la visita, por ejemplo, a medida que se avanza en el proceso de compra, ya que puede hacer que un cliente interesado abandone a medias el proceso. Usa de elementos que aporten confianza en los pagos como se pueden ser sellos de confianza online o similares, páginas de ayuda o Preguntas frecuentes, las opiniones de clientes, etc. pueden ayudar a convencer a los clientes más reticentes.

2. Transmite sensación de urgencia

Otra recomendación, que resulta muy útil, y que utilizan todos los grandes, es transmitir al cliente una sensación de urgencia. Algunos ejemplos de esta práctica:

3. Atrae con tus textos

El consumidor busca que le emocionen y que le resuelvan sus problemas por ello debes usar “copys” atractivos, que apelen a las emociones y a las ventajas que ofrece un producto. Se acabó el contar solo las características de un producto, para conectar con los posibles clientes debemos hacerles saber cómo ese producto mejorará su vida o trabajo. Un ejemplo de esto, podemos verlo en la página de venta del Kindle, Amazon en vez de solo explicar que tienen un amplio catálogo añaden una frase mucho más emocional: "Todos los libros que te encantan". A esto, le añaden imágenes que inciden sobre las situaciones de uso del Kindle y dos titulares a mayor tamaño que destacan las ventajas que ofrece este producto apelando, como hemos dicho anteriormente, a emociones y ventajas más que a la simple descripción habitual de un producto: "Diseñado para lectores" y "Lee en Kindle en cualquier parte", “Nunca sin tu libro”.

4. Usa bien el color

Fundamental, siempre debes destacar los botones de compra, con los textos y con un uso del color inteligente. Si en la página de un producto no está claramente destacado cómo puede comprarse estaremos perdiendoventas.Losbotones tienen que aprovechar las posibilidades de un buen uso del color que nos ayude a la conversión y utilizar mensajes cortos pero persuasivos. Un ejemplo, podemos encontrarlo en la página de Firefox, donde como veis predominan los azules y un toque de naranja y en cambio se utiliza el verde para destacar el botón de descarga.

5. Elimina los puntos de fuga

¿Te has dado cuenta como hace Amazon tras pulsar en “Tramitar pedido”? Elimina todo el menú de productos y solo tienes la posibilidad de comprar o cerrar la página. Al eliminar el menú, evitas que el usuario se pueda sentir tentado a buscar más o a mirar otros productos sin haber comprado.

6. ¿Estas adaptado a móviles y tablets?

Y por último, pero no por ello menos importante, gran parte de los usuarios usan sus móviles para consultar internet y si tu web no está adaptada puedes perder clientes. ¿No os ha pasado alguna vez? Estás navegando con tu móvil y hay algo que simplemente no puedes hacer porque no han pensado en ti y una de las funcionalidades no funciona. Si no lo está, te recomendamos que urgentemente vayas buscando una empresa de desarrollo web (o hablar con nosotros, que también tenemos un área dedicada a esto ;) para que te migren tus contenidos y te desarrollen una web responsive design que es una filosofía de diseño para portales web que cambia la apariencia del portal según el dispositivo de acceso, cambiando la presentación según sea ordenador, Tablet o móvil y que te ayudará también en el posicionamiento SEO en buscadores. Porque hasta Google recomienda este tipo de diseño. Y esto es todo por ahora, esperamos que estos 6 trucos os sean útiles y os ayuden a conseguir más clientes, ventas o contactos a través de vuestra página web.
submitted by jesaes100 to espanol [link] [comments]


2020.08.17 00:54 natsukifan87 Busco anime que transmitieron en españa

Bien como el título dice busco un anime que se transmitió aquí en España cuando yo tendría de 4 a como mucho 7 u 8 años (entre 2006 a como mucho 2008 o 2009 tal vez hasta 2010 pero lo dudo). Me acuerdo de trozos del anime como una ligera descripción de la trama, de como se veían las protagonistas y el objetivo,lo que procederé a describir todo lo que he podido recordar.
Canales de posible transmisión: Aquí en España creo que los canales de transmisión que transmitían anime en aquellos tiempos eranb clan (que estaba dando sus primeros pasos) la 1 y tal vez Cuatro (me acuerdo que en ese canal transmitían Naruto como a las 5 de la madrugada capaz y transmitirán la serie) pero las que más creo eran clan o la 1.
Protagonistas: Este es lo que menos me acuerdo pero recuerdo una descripción muy básica. Dos gemelas no idénticas. Una tenía el cabello rojo/rosado y la otra azul claro. Sus ojos eran del mismo color que su cabello y eran las herederas de un reino. También al estar escribiendo esto me vino a la mente uno de sus ataques (el ataque final?) en el que se les transforma van sus vestidos cambiando los colores a blanco dorado y el color del cabello (el cual en el caso de una hermana era ese rojo/rosado y la otra ese azul claro) y tenían unas varitas mágicas con una gema del mismo color de su cabello. También parecían ser bastante jóvenes de no más de 10 o 11 años.
Trama: Lo poco que me acuerdo es de lo que trataba la serie y parte de uno de los capítulos. La trama empezaba como en un baile (lo que me acuerdo) el cual era detenido por el villano/villana la cual usando sus poderes oscuros transformaba a todos incluyendo al rey y la reina (que se parecían en aspecto a las protagonistas como para recalcar que son sus hijas) en estatuas (o algo por el estilo) básicamente las protagonistas huyen del reino en busca de una fuerza (creo que eran unas gemas) que le daban poder a las varitas que tenían y al conseguir todo el poder se enfrentaban al villano/villana (creo que llegue a ver el final) y lo derrotan volviendo al reino a la normalidad.
Bien lo poco que puedo recordar de ese capítulo es que las protagonistas están en un parque y quieren devolverle lo que croe es un collar muy valioso a su dueño y se llegan a perder.
Genero: Chica mágica, princesa, fantasia
Se que años después me encontré con la intro de la serie pero como no usaba el Gmail (y que han pasado muchos años) no se cual era el video. Espero que con toda esa información puedan ayudarme a encontrar el anime. Y no ni es pretty cure ni es el de las chicas brujas doremi créedme que se diferenciarlos y que creo que no los llegue a ver hasta más mayor por Internet. Y tampoco es pichi pichi pitch porque recalcó son dos princesas gemelas no idénticas que tienen que salvar su reino.
Por favor ayudadme quiero volver a verlo era muy bonito estéticamente.
submitted by natsukifan87 to AskRedditespanol [link] [comments]


2020.05.23 05:04 altovaliriano Os Fantoches de Gelo e Fogo (Parte 2)

Texto em inglês: https://asoiaf.westeros.org/index.php?/topic/134726-the-puppets-of-ice-and-fire/
Autor: KingMonkey
-----------------------------------------
Dunk teve a sensação mais estranha, como se já tivesse vivido tudo aquilo antes.
(O Cavaleiro Misterioso)
Há mais ecos. Quantos? Eu não sei. Às vezes os ecos parecem bastante claros, em outros momentos são bem mais fracos. Alguns deles podem ser relevantes, outros podem ser simplesmente ressonâncias do grande evento filtrando o momento e deixando sua marca em eventos menores. Alguns desses ecos podem ser produto do reconhecimento de padrões em minha mente, agora que estou tão preparado para procurá-los. Não estou certo sobre todos eles. Entretanto, eu ficaria muito surpreso se nenhum deles fosse intencional. Quase certamente há ecos que ainda não notei. Antes que comece a cavar a procura, vou explorar mais alguns que eu já vi.

O Cavaleiro Andante

Em O Cavaleiro Andante, temos outro baio puro-sangue, montado por Aerion. Ali estão outros três guardas-reais, com suas capas brancas e mais imagens fantasmagóricas: "Na extremidade norte do campo, uma coluna de cavaleiros veio trotando da névoa do rio. Os três membros da Guarda Real vinham primeiro, como fantasmas em suas cintilantes armaduras de esmalte branco, com longos mantos brancos esvoaçando pelas costas.. "
Dunk vê uma estrela cadente e a torna parte de seu brasão, uma reminiscência do brasão da estrela cadente de Arthur Dayne, e nos é dada uma descrição interessante de seu escudo: "A estrela cadente era uma pincelada de tinta brilhante através do céu de carvalho", semelhante a " Uma tempestade de pétalas de rosa soprou através de um céu riscado de sangue”.
Os três (embora não estejam sozinhos) lutam contra sete, e a causa da luta é um cavaleiro que não renuncia a seus votos, custe o que custar. O número três surge novamente no número de mortos no julgamento de 7 contra 7. É um pouco forçado, eu admito, mas talvez possamos entender o fato de que todos os homens que lutam ao lado da Guarda Real são membros da mesma família, portanto, pelo menos em termos de casas com um único representante, pode ser visto como sete. contra três.
No final, o escudeiro Egg de Dunk é revelado como um dragão secreto, e Duncan fala sobre ir para as montanhas vermelhas de Dorne.

A Espada Juramentada

Eu só passei o olho em A Espada Juramentada, mas também vi alguns elementos conhecidos lá. Há uma torre, parcialmente arruinada há muito tempo. Há uma senhora que é extraordinariamente marcial. Há um confronto em que três enfrentam trinta e três, mas há sete cavaleiros entre os trinta e três. Um truque padrão do GRRM, ele não nos mostra esse número diretamente - “Mais cavaleiros vieram na seuqência, meia dúzia deles”, mas já tínhamos um cavaleiro [Sor Lucas]. Dunk sonha em cavar túmulos perto das montanhas vermelhas de Dorne, e embora o número de túmulos seja onze, o número realmente mencionado é oito: “Tem mais covas para cavar, pateta. Oito para eles, uma para mim, uma para o velho Sor Inútil e a última para seu garoto careca”. Há outra cavalo baio puro-sangue, que Lady Rohanne tenta oferecer a Duncan.

O Cavaleiro Misterioso

Como em O Cavaleiro Andante, essa história gira em torno de um sonho. No primeiro, o sonhador é Daeron, no segundo é Daemon II. Ambos são sonhos de dragão. O primeiro vê a morte de um dragão, oo último vê o nascimento de um. Daemon, apelidado de John, o Violinista. Também sonhou com Duncan, em uma capa branca. Um sonho que se realizou, haja vista que Duncan acabaria se tornando o lorde comandante da Guarda Real. "Sonhei com isso. Com esse castelo pálido, você, um dragão irrompendo de um ovo" Pode ser que o sonho fosse, na verdade, sobre Solarestival, mas Daemon acreditava que era sobre Alvasparedes, que ele descreve como parecendo ser "feito de neve" (Um gigante em um castelo de neve?) Ou branco como a casca de um ovo, talvez. Um bom castelo para despertar dragões da pedra.
Dunk entra nas listas de Alvasparedes com um escudo sem seu brasão normal. Sua estrela cadente não está nessa história, mas há outro cavaleiro da estrela cadente: Sor Glendon Flowers, que afirma ser filho de Sor Quentyn "Bola de Fogo" Ball.
Os combates acontecem de manhã e não de tarde, mas ainda há vermelho no céu: " Em algum lugar a leste, um raio irrompeu pelo céu rosa-claro". Alguns parágrafos antes, temos " Relâmpagos reluziam azuis e brancos...". Mais uma vez, algo azul no céu vermelho.
Sor Maynard Plumm (aparentemente um agente de Corvo de Sangue, se não o próprio Corvo de Sangue disfarçado) tenta convencer Dunk a fugir com Egg. Dunk é o futuro Lorde Comandante da Guarda Real, e ele responde à sugestão de fugir com um herdeiro de Targaryen da mesma maneira que Sor Gerold Hightower respondeu na Torre da Alegria: de que ele é obrigado pela honra a não fugir .
Quando Corvo de Sangue chega para terminar a rebelião antes de começar, temos "Um exército aparecera do lado de fora do castelo, saindo das brumas da manhã [...] liderados por três cavaleiros da Guarda Real". Mais imagens oníricas na névoa e três guarda reais novamente. O exército é acompanhado por Danelle Lothstan, outra mulher com tendências marciais, e mais uma vez vemos o morcego de Harrenhal que Whent carregava.
Não há pira, mas os homens de Corvo de Sangue queimam o estandarte Blackfyre de Daemon, que estranhamente "queimou por muito tempo, mandando para o ar uma nuvem de fumaçaretorcida que podia ser vista a quilômetros dali".
Corvo de Sangue fala sobre Alvasparedes, que ele pretende "colocá-la abaixo pedra por pedra", assim como Ned fez com a Torre da Alegria.
Os eventos terminam com o nascimento simbólico de um dragão, ou assim Corvo de Sangue nos diz: " Daemon sonhou que um dragão nasceria em Alvasparedes, e aí está. O tolo só errou a cor".

A Queda de Winterfell

Estou bastante icerto sobre este caso em A Fúria dos Reis, capítulo 66, mas há alguns pontos que me fazem querer inclui-lo entre os possíveis ecos.
Há uma discussão fora dos muros antes da luta, e uma jovem donzela mantida refém do lado de dentro (Beth Cassel). Ficamos com a frase " Os seus dezessete podiam matar três, quatro, cinco vezes esse número de homens ", que tem um eco fraco de sete contra três, e quando Ramsay intervém, ele deixa cair o corpo de três líderes, Rodrick Cassel, Leobald Tallheart e Cley. Cerwin, nos portões. Ramsay é encontrado por três no castelo também, Theon, Lorren Negro e Meistre Luwin. Theon diz: "Não fugirei", como os guardas reais, que não fogem. A cena se passa à noite, quando "o sol estava baixo, a oeste, pintando os campos e as casas com um clarão vermelho" e há um detalhe estranho " Os corvos chegaram na penumbra azul" - uma cor estranha para detalhes soltos, reflexos de " Uma tempestade de pétalas de rosa soprou através de um céu riscado de sangue". A coluna de homens de Ramsey apareceu " saída da fumaça". Mais iconografia de fumaça/sombra. Temos até outro Cassel morrendo. Esses ecos são duros para a Casa Cassel.
A cena termina com a destruição de Winterfell, assim como a tenda foi queimada ou a Torre da Alegria foi demolida. O cavalo de Theon está pegando fogo, " saindo aos coices dos estábulos que ardiam, com a crina em chamas, relinchando, empinando-se… ", o que é semelhante à visão de Dany na pira funerária de " Viu um cavalo, um grande garanhão cinzento retratado na fumaça, com uma auréola de chama azul no lugar da crina".
Isso pode ajudar a explicar um mistério no próximo capítulo de Bran, ACoK capítulo 69. " A fumaça e as cinzas enevoavam seus olhos, e no céu viu uma grande serpente alada cujo rugido era um rio de chamas. Descobriu os dentes, mas a serpente desapareceu". Essa frase intrigou muitos leitores e deu origem a muita especulação. Se a queda de Winterfell ecoou os eventos na tenda, que levaram ao nascimento de dragões, podemos especular que o que Verão viu foi um eco mágico do nascimento de um dragão também. Um pouco antes, em A Fúria dos Reis capítulo 28, Meistre Luwin disse a Bran que " Talvez a magia um dia tenha sido uma força poderosa no mundo, mas já não o é. O pouco que resta não é mais do que o fiapo de fumaça que permanece no ar depois de um grande incêndio se extinguir, e até isso está se desvanecendo".

Os Sete de Bran

Um que também é muito incerto, mas com uma frase interessante. Hodor, Coldhands, Jojen, Meera, Bran, Summer e Leaf lutam contra as criaturas do lado de fora da caverna do Corvo de Três Olhos em Dança dos Dragões, capítulo 13. Esses são os sete, embora eles lutem contra mais de três. Alguns dos inimigos têm mantos. Há sombras e névoa pálida. "Seus olhos brilhavam como claras estrelas azuis" lembram " azul como os olhos da morte". Não temos muita coisa, mas há o seguinte: "Verão rosnava e mordia, enquanto dançava ao redor da mais próxima, uma grande ruína de homem envolta em um turbilhão de chamas.”

A Torre dos Crabb

As jornadas de Brienne of Tarth pelas Terras Fluviais em uma missão para resgatar uma donzela Stark tem paralelos da busca de Eddard Stark para resgatar uma donzela Stark. Em Festim dos Corvos, capítulo 20, Brienne tem um confronto em uma torre há muito caída, Os Murmúrios.
Nos Murmúrios, Brienne luta contra Pyg, Shagwell e Timeon. Esses três podem ser vistos como uma versão distorcida e barata dos três guardas reais na Torre da Alegria. Pyg é um animal menos majestoso que o "velho touro", Sor Gerold Hightower. Timeon é um dornês, como Sor Arthur Dayne, mas é o oposto da natureza cavalheiresca de Dayne. Shagwell é um bobo da corte psicótico sempre fazendo piadas sombrias, enquanto a única coisa que sabemos sobre Sor Oswell Whent é que ele era conhecido por "seu humor negro".
Assim como ocorreu na Torre da Alegria, há uma discussão antes da luta, mas, embora a Guarda Real tenha deixado claro que não iria fugir pelo mar estreito, é exatamente isso que os três malditos saltimbancos estão tentando fazer.
Brienne só tem dois homens consigo quando defronta os três, Podrick e Lesto Dick. No entanto, este é outro sete oculto. Sor Creighton Longbough, Sor Illifer, o Sem-Vintém, Sor Shadrich de Vale Sombrio e Sor Hyle Hunt também eram seus companheiros, mas ela os deixou para trás.
Brienne partiu em sua jornada com um escudo com o brasão dos Lothston, o mesmo morcego de Harrenhal que estava no elmo e brasão de Whent na Torre da Alegria. No entanto, no momento em que ela chega à torre há muito caída, ela provindenciou que seu escudo fosse repintado com o brasão de Duncan, o Alto, que incluia uma estrela cadente como a de Dayne. Ela é indicada a um pintor perto de uma taverna chamada Sete Espadas, batizada em virtude de sete guarda reais.

O ritual do gelo?

Considerando-se o foco em mantos e guardas reais, certamente devemos esperar que haja uma cena com três capas pretas em algum lugar. Talvez com três capas pretas em vez de brancas poderíamos esperar uma inversão: um ritual de gelo em vez de um ritual de fogo.
Existe a possibilidade de termos visto isso logo no início. De volta ao prólogo da A Guerra dos Tronos, vimos três mantos pretos em uma patrulha. Aqui, somos informados de que "nada queima como o frio". Sor Waymar Royce diz "não haverá fogo", as mesmas palavras repetidas momentos depois por Gared. Poderia ser essa a inversão, do ritual de gelo, que estamos procurando?
" O céu sem nuvens tomou um profundo tom de púrpura, a cor de uma velha mancha escura" poderia ser o equivalente gelado da iconografia de sangue/céu que vimos em outras passagens. Temos as oito mortes nos oito Selvagens mortos que os patrulheiros encontram. Temos imagens sombrias: " Sombras pálidas que deslizavam pela floresta. Virou a cabeça, viu de relance uma sombra branca na escuridão." Estranhamente, só consegui contar seis Outros, não sete - a menos que Royce conte para os dois times, depois de morto. “Will viu seus olhos, azuis, mais profundos e mais azuis do que quaisquer olhos humanos, de um azul que queimava como gelo” parece combinar com "azul como os olhos da morte". Sobre a espada de Dayne, Alvorada, nos contam que " A lâmina era pálida como vidro leitoso, viva de luz". Da mesma forma, o líder Outros aqui tem uma "espada pálida", "viva de luar". [...]
“Uma vez e outra, as espadas encontraram-se”, mas depois que o Outro tira sangue, “O golpe do Outro foi quase displicente” e a espada de Royce se despedaça. Quando Royce cai, os Outros se juntam "como que em resposta a um sinal". Poderia ser outro ritual de sacrifício de sangue que fortalece as lâminas dos Outros?
----------------------------------------------------------
Arquimeistre Rigney escreveu um dia que a história é uma roda, pois a natureza do homem é fundamentalmente imutável. O que aconteceu antes irá forçosamente voltar a acontecer, ele disse.
(AFFC, A Filha da lula Gigante) [...]

Observações e especulações

Eu disse no começo que isso é mais observação do que teoria. Tenho muitas idéias que derivam desse conjunto de observações, mas nenhuma teoria firme para extrair de tudo isso. Portanto, não apresentarei uma conclusão para este ensaio, mas sim algumas observações e especulações adicionais que, espero, inflamarão as suas. Apresento tudo isso na esperança de que alguns de vocês possam entender mais do que eu tenho entendido até agora. Espero que desencadeie algumas discussões realmente boas.
1- Muitos desses eventos dizem respeito ao nascimento de dragões. Vaufreixo viu Egg revelado como um dragão, enquanto Alvasparedes era sobre um dragão nascido da pedra. Verão viu a imagem de um dragão saindo das chamas de Winterfell. Cersei perguntou sobre as crianças meio dragão que ela teria com Rhaegar. O filho meio dragão de Dany acabou por ser literalmente meio dragão e, quando ela terminou o ritual, seus três ovos eclodiram em dragões mais literais. Acho que isso nos dá uma boa razão para suspeitar que um meio-dragão também nasceu na Torre da Alegria.
2- Há um forte rastro de sangue mágico percorrendo esses ecos. Cersei tem que se desfazer de um pouco de seu sangue, os homens de Jaime são obrigados a matar os de Ned para enviar uma mensagem, Lewin rasteja para a árvore coração para morrer, repetindo acidentalmente a antiga tradição de sacrifício de sangue em um represeiro que Bran testemunha em suas visões. O mais óbvio para o sacrifício de sangue é, claro, o ritual na tenda. Eu me pergunto se isso não realiza a ideia do sacrifício de “dois reis para acordar o dragão”. A princípio, pode parecer que Rhaego morrendo antes de Drogo contradiz “O pai primeiro e depois o filho, para que ambos os reis morram”, mas se o espírito de Rhaego entrou no corpo de Drogo, então, sem dúvida, ambos estão vivendo como rei na hora da morte. Uma alternativa poderia ser que isso é como a questão dos dragões e do gênero, um caso de interpretação incorreta. Ninguém realmente precisa ser coroado rei para ter sangue do rei, então talvez qualquer pai e filho da realeza satisfaça.
Com isso em mente, pode ser que a Torre da Alegria represente uma versão interrompida do mesmo ritual. Rhaegar morreu no Tridente e seu corpo foi queimado. Para completar o ritual então, devemos esperar ver seu filho queimado também. Há uma boa razão para pensar que isso está prestes a acontecer, com Melissandre queimando o corpo de Jon na Muralha. Haverá outra eclosão quando o ritual iniciado na Torre da Alegria for concluído? “Mate o menino...”
3- Há um maegi na tenda de Cersei, bem como havia na de Drogo. Há um meistre na queima de Winterfell e na Fortaleza de Maegor. Também pode haver uma figura semelhante em Alvasparedes. Isso é completamente especulativo, é claro, mas há uma tropa de anões que aparentemente são agentes de Corvo de Sangue que roubam o ovo do dragão. Um desses anões poderia ter sido o Fantasma do Coração Alto? Howland Reed, com seu treinamento de vidente verde, pode ter desempenhado um papel semelhante na Torre da Alegria. Outra possibilidade intrigante é que o Fantasma pode ter sido trazido para a Torre da Alegria das Terras Fluviais com Lyanna. Quando Arya encontra o Fantasma no Coração Alto, o Fantasma já sabe quem ela é, mas reage com consternação ao vê-la de perto. Talvez seja porque a aparência de Arya lembrava a de Lyanna? Isso poderia responder perfeitamente à pergunta de quem estava cuidando de Lyanna e quem eram “eles” que encontraram Ned com Lyanna, quando apenas Howland havia sobrevivido.
4- Solarestival pode ter sido outro desses eventos. Temos muito poucos detalhes, mas sabemos que pelo menos um guarda real estava lá, Duncan, o Alto, que parece estar envolvido nesses ecos de alguma forma. Após a morte de Duncan em Solarestival, o comando da Guarda Real passou para Sor Gerold Hightower, descrito em O Mundo de Gelo e Fogo como o novo jovem comandante. É razoável especular que Dunk não foi a única fatalidade da guarda real ali, ou podemos esperar que uma guarda real mais velho ocupasse o lugar de Dunk. Será que haviam três lá? Havia sete ovos, talvez como os sete que enfrentavam os três. Temos um presente de bruxa da floresta e um castelo queimado até o chão. Da canção de Jenny, temos “
No alto dos salões dos reis que partiram, Jenny dançava com os seus fantasmas...“. O que pode trazer à mente as sombras dançando na tenda. Temos a morte de um rei e o nascimento de um dragão, Rhaegar. Podemos especular que Duncan, o Alto, o pobre Dunk, o Pateta, apesar de ter vivido mais desses ecos do que qualquer um, atrapalhou os dragões de eclodirem ao resgatar Rhaegar.
O que sabemos sobre Solarestival é que a intenção de Jaehaerys era cumprir uma profecia sobre a criação de dragões, e isso por si só se encaixa no simbolismo que temos aqui. Sabemos que Rhaegar tinha motivos para acreditar que ele era o príncipe nascido em meio a sal e fumaça por causa de Solarestival, então ele achou importante. Obviamente, isso é algo altamente especulativo, mas se descobrirmos que havia três guardas reais em Solarestival, reservo-me no direito de dizer “eu avisei”!
5- A idéia de Targaryens bebendo fogovivo para se tornar dragões sempre pareceu plenamente louca. Talvez eles soubessem mais do que nós, e estavam tentando se tornar o homem em chamas, que cavalga no cavalo de fogo?
6- Me pergunto se o garanhão vermelho é um símbolo do cavalo-em-chamas. Dizem-nos que os dothraki acreditam que as estrelas são cavalos de fogo. É interessante considerar que um dragão também é um cavalo de fogo. Pode ser que em algum sistema totêmico, o advento dos cavaleiros de dragão Targaryen significasse que o dragão veio substituir o cavalo de fogo.
7- Há muito simbolismo animal envolvido, frequentemente repetido em vários desses eventos. Gostaria de saber se isso representa algum panteão antigo de divindades animistas: O Urso, o Javali, o Veado, o Lobo, o Morcego, o Touro, o cavalo em chamas / homem em chamas (cavalo e cavaleiro em chamas?
8- O aviso de GRRM sobre o sonho febril na Torre da Alegria, de que não devemos interpretar muito literalmente, é interessante, pois pode refletir o GRRM nos alertando que o que vimos não é a realidade mundana que vimos em outros momentos.
9- A semelhança entre o seqüestro do irmão de Jaime e o seqüestro da irmã de Ned pode ser motivo para pensar que Lyanna foi sequestrada na Estalagem da Encruzilhada. Isso criaria uma simetria interessante de eventos, já que o Vau Rubi, onde Rhaegar morreu, está ali próximo.
10- Existem sobreposições e diferenças, mas podemos começar a considerar uma lista de sinais que parecem ser compartilhados por vários exemplos diferentes:
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2020.05.21 01:27 Jenniigg Mi Neverland

***Presente***
He vuelto a la estancia Gámez, más bien para limpiar asperezas. Solo es por unos días indefinidos, han pasado tantas cosas últimamente que necesito mi entorno familiar, aunque estos también se las traen. No echaba de menos discutir por cualquier hechizo que se escocían entre manos. Que si es moralmente correcto hechizar un objeto, que si no estaba bien visto torturar a los humanos con un maleficio, pero si atacarles con palos, etc. Desde que la Maga superior fue atacada por otra Familia, cullo rango era más bajo y nos tenían en punto de mira, para demostrar su poder, están todos un poco nerviosos.
Caminando por la noche por un oscuro sendero, entre las tinieblas en el bosque, se podían ver las dos Torres puntiagudas de la Estancia Gámez. ¡Se parece a un castillo del diablo y con demonios viviendo dentro!
Antes de entrar me paro delante de las Puertas que están hechas de Piedra maciza. Todos los que lleven sangre de los Gámez es capaz de abrir esas puertas con solo tocarlas.
-hum…Este conjuro es nuevo-. Como se nota que están nerviosos, pero me apetece sorprenderlos, quiero tener una entrada sorprendente.
Las Brujas y magas de nuestra familia pueden controlar los 4 elementos de nuestra tierra. Un gran don que le fue concebida a uno de los primeros sabios de la familia Gámez. Una gran ventaja ya que la tierra y su naturaleza nos escucha. Gracias a eso, he aprendido a escucharla también y puede llegar a ser muy útil. Asique abro la puerta obligando a la piedra a apartarse y así romper el hechizo. Este al romperse libera toda la fuerza interior creando una explosión de luz y ondas que son capaces de tirar objetos pequeños por los aires
-Adivinad quien ha venido? – Dentro veo que están todos en la mesa de mármol azul discutiendo sobre cualquier chiquillada porque alguien se sintió ofendido.
-July! Que bien, has venido. Te echaba mucho de menos y ahora que estas aquí podrás ser mi tutora. - Dice mi prima menor chillando y corriendo hacia mí, derrumbándome contra el suelo mientras me abraza y me restriega su mejilla contra la mía como si fuera un gato. Nelly lleva una diferencia de 8 años conmigo y es mas grande y corpulenta que yo.
-Nelly! Al final me has sorprendido tu a mí. –
-Pero será posible! Por fin se te vuelve a ver la cara, estás preciosa que lo sepas. ¿Como estás cariño? Debes de tener un problema muy gordo si decides volver sin avisarnos. - Decía Jaime con un semblante tranquilo y apaciguado. Jaime es mi tío, padrino y tutor. Todas las técnicas de combate, estrategias de artes mágicas me las ha enseñado él. Llega a analizar muy bien mis movimientos y reconocer mis intenciones.
Después de haberme quitado a mi prima de encima y de sacudir mi vestuario de bruja. Me pongo firme buscando con los ojos a mi padre, no está. – He venido para descubrir el secreto que me lleváis ocultando desde que he recuperado la conciencia… ¿¡Quién es mi madre y donde está!?
submitted by Jenniigg to u/Jenniigg [link] [comments]


2020.05.16 04:43 altovaliriano Os Fantoches de Gelo e Fogo (Parte 1)

Texto em inglês: https://asoiaf.westeros.org/index.php?/topic/134726-the-puppets-of-ice-and-fire/
Author: KingMonkey
-----------------------------------------
– Você não é alta demais – Dunk replicou. – Você tem a altura certa para... – Percebeu o que estava prestes a dizer e corou furiosamente.
– Para? – perguntou Tanselle, inclinando a cabeça de modo inquisidor.
– Fantoches – ele completou sem convicção.
(O Cavaleiro Andante)
O fantoche em questão é o pobre e apaixonado Dunk. Duncan, o Pateta, Dunk, o Alto, cabeça-dura como uma muralha do castelo, um homem simples ao redor do qual grandes eventos giram. Não é por algo que Dunk faz que rebeliões florescem e se espalham, ou que os príncipes morrem ou se tornam reis aonde quer que ele vá. Ele não faz essas coisas acontecerem, embora ele seja o meio pelas quais elas acontecem. Ele dança enquanto o destino puxa suas cordas de marionetes para um lado e para o outro. Ele é o Bobo do Destino.
As histórias de Dunk e Egg funcionam como uma espécie de microcosmo do mundo do fogo e do gelo; vinhetas que informam e dão informações. Eles são um modo de GRRM poder explorar seu mundo paralelamente, espelhando, mas não interferindo no enredo dos livros principais. Se Dunk é um fantoche, todos os ‘jogadores’ das Crônicas também são? É um espetáculo de pantomimeiro, GRRM gosta muito de nos lembrar. Talvez ele esteja nos dizendo mais do que pensamos.
O que segue abaixo não é tanto uma teoria; mais uma observação. Existe um padrão de eventos que podem ser encontrados repetidos em ASOIAF e, o que quer que isso signifique, parece estar conectado aos mistérios principais da saga. Eu suspeito que efetivamente é o mistério principal da saga.
Esses ecos podem ser um dispositivo puramente literário, um uso de paralelismo para reunir idéias compartilhadas. Pode ser algo um pouco maior. Um ritual em que as pessoas se deparam, mais ou menos acidentalmente, mais ou menos conscientemente. Ou pode ser um desses eventos criados pelas ondulações mágicas no rio do tempo, que fazem com que eventos se repitam como ecos antes e depois. Ou talvez seja uma história, desesperada para ser contada, vazando nas narrativas de muitos personagens e moldando as histórias deles a sua imagem e semelhança. Talvez seja uma mistura disto tudo.
Cada vez que vemos esses eventos ecoarem, alguns detalhes são compartilhados e outros são alterados. É como se a história estivesse lutando para ser realizada, mas o ritual nunca é realmente cumprido. Entre as lutas pessoais dos personagens que lemos, há uma luta maior que eles estão lutando sem saber. Um destino que puxa suas cordas de marionetes e os faz dançar ao som da canção de gelo e fogo.
Tudo parecia tão familiar, como um espetáculo de pantomimeiros que ele já vira antes. Só que os pantomimeiros haviam mudado.
(ADWD, Um Fantasma em Winterfell)
Tudo começa com a Torre da Alegria. A linguagem que Martin usa no sonho de Eddard é diferente de quase tudo que há nos livros. É um sonho, com certeza, mas há mais do que isso. A linguagem é ricamente poética de uma maneira que Martin raramente emprega, e o diálogo é altamente antinatural e ritualístico. Tudo na maneira como está escrito grita que é altamente importante para o leitor.
A cena da Torre da Alegria é apresentada a nós como um mistério e parece ter uma conexão com o subjacente tema central de fogo e gelo. As pessoas gastam muito tempo tentando analisar essa cena vital da Torre da Alegria, mas geralmente perdem um ponto importante: os eventos na Torre da Alegria não são únicos.
Ao longo do texto, há vários ecos da Torre da Alegria, cenas que à primeira vista não parecem relacionadas, mas compartilham uma conexão às vezes muito clara. Quando começamos a procurar qualquer padrão, é inevitável encontrá-los em todos os lugares. Encontrar padrões e paralelos é o truque favorito do cérebro. Por esse motivo, peço cautela com o que você está prestes a ler. Mas acho que você concordará que pelo menos a maior parte disso é real, porque se encaixa um pouco bem demais para não ser.
Não sou a primeira pessoa a notar pelo menos alguns desses ecos. Muitas pessoas já examinaram as idéias discutidas aqui antes. Nem tudo é de forma alguma novo, mas se alguém já juntou tudo isso antes, eu nunca vi. É algo que vale a pena fazer, porque ajuda a contextualizar muitas idéias e teorias diferentes,
O primeiro desses ecos acontece logo após o sonho de Ned Stark e é fácil de entender, porque o próprio Ned percebe que é um eco.

Os quatro grandes

1 - A Fortaleza de Maegor
Os aposentos reais ficavam na Fortaleza de Maegor, um maciço e quadrado forte que se aninhava no coração da Fortaleza Vermelha por trás de muralhas com três metros e meio de espessura e um fosso seco coberto de espigões de ferro, um castelo dentro do castelo. Sor Boros Blount guardava a extremidade mais afastada da ponte, com a armadura de aço branco que o fazia parecer um fantasma à luz da lua. Lá dentro, Ned passou por dois outros cavaleiros da Guarda Real: Sor Preston Greenfield estava ao fundo das escadas, e Sor Barristan Selmy esperava à porta do quarto do rei. Três homens de manto branco, pensou, recordando, e sentiu-se atravessado por um estranho frio.
(AGOT, Eddard XIII)
A coisa mais importante sobre esse eco é que o GRRM nos diz que está lá. O frio de Ned ao ver a conexão em si convida o leitor a reconhecer esse eco e procurar mais. Pouco depois de ter seu sonho, Ned entra em uma torre guardada por três guarda-reis, para ver um ente querido moribundo (Robert é "mais próximo que um irmão"). Existem mais conexões do que aquelas quando olhamos mais de perto.
Sete pessoas foram citadas fora os três guardas reais e o "irmão" moribundo: Ned: Cayn, Tomard, Cersei, Pycelle, Varys e Renly. Sete e três, como no sonho. Ned exige saber onde estava a Guarda Real quando os eventos que àquele momento aconteceram ("Onde estava Sor Barristan e a Guarda Real?" vs. "eu me pergunto onde estariam"). O quarto cheira a sangue. Ned faz uma promessa. Estes são todos os elementos compartilhados com a sequência Torre da Alegria. GRRM nos diz o seguinte: “Prometa-me, Ned, disse a voz de Lyanna num eco".
Existem outros elementos compartilhados também? Não sabemos tudo o que aconteceu no Torre da Alegria, então talvez alguns desses eventos desconhecidos também ecoem aqui. Robert fala com Ned sobre seus preparativos para o funeral, como Lyanna fez também. Ele até decide preservar a vida de uma criança Targaryen, parente de Rhaegar. As últimas palavras de Roberts são "Tome conta dos meus filhos por mim". As palavras de Lyanna poderiam muito bem ter sido bastante parecidas.
2 - O sonho de Cersei
Sonhou um sonho antigo, sobre três garotas com manto marrom, uma velha encarquilhada e uma tenda que cheirava a morte.
Sonhava um sonho antigo: três garotas de mantos marrons, uma velha rabugenta e uma barraca que cheirava a morte.
(AFFC, Cersei VIII)
O sonho de Cersei, onde ela se lembra de sua visita a Maggy, a Rã, parece ter pouca conexão com a Torre da Alegria, mas reproduz grande parte da linguagem do sonho de Ned. Temos que olhar um pouco mais de perto para ver os paralelos.
Cersei e suas duas companheiras fazem três. Elas não são guardas-reais, mas estão usando mantos. Em uma estranha inversão da Torre da Alegria, as três são quem tentam entrar, em vez dos que estão vigiando. Ficamos "No sonho, os pavilhões eram sombreados, e os cavaleiros e servos por quem passavam eram feitos de névoa", obviamente remanescente dos de Ned. "No sonho, os pavilhões encontravam-se cobertos de sombras, e os cavaleiros e criados por que passavam eram feitos de neblina".
Não há torre aqui, eles entram em uma tenda. Há alguém deitado na cama naquela barraca, mas é uma maegi, e não uma garota moribunda, embora a barraca cheire a morte. Como na Torre da Alegria, há quatro perguntas e há sangue. Recebemos um eco final com "Mas, no sonho, seu rosto se dissolveu, derretendo-se em fios de névoa cinzenta até que tudo o que restou foram dois olhos vesgos e amarelos, os olhos da morte", em comparação com o sonho da Torre da Alegria, "Uma tempestade de pétalas de rosa soprou através de um céu riscado de sangue, azul como os olhos da morte."
Há tantos detalhes diferentes aqui que é o eco fica distante, mas óbvio. Pode nos dizer algo mais sobre o original. As perguntas de Cersei são sobre os filhos que ela acredita que terá com Rhaegar. Embora ela seja uma das três, Cersei é um tipo de substituto para Lyanna. Lyanna roubou dois reis de Cersei, e isso faz de Cersei uma espécie de Lyanna mal-sucedida. Talvez então esse eco, apesar da linguagem obviamente semelhante, seja um exemplo de uma falha desse ritual, ou ciclo de eventos, ainda em desdobramento.
3 - A batalha no bordel
Outro desses ecos ocorre antes mesmo de chegarmos ao sonho de Ned, tornando-o particularmente difícil de identificar (o crédito vai para Pretty Pig, acredito, por achar esse).
Em A Guerra dos Tronos, cap. 35, Ned Stark visita um bordel. Enquanto estava lá, Ned prometeu a uma garota que seu filho bastardo não ficaria desamparado, ela sorriu um sorriso que "lhe destroçara o coração", e seus pensamentos voltaram-se para Lyanna, depois para Jon e depois para Rhaegar. Este é um paralelo óbvio ao encontro de Ned com Lyanna, mas o paralelo da Torre da Alegria está longe de terminar por aqui. Depois de deixar o bordel, Eddard é abordado por Jaime, e a cena é bastante familiar.
As conexões aqui precisam de um pouco mais de concentração, mas a primeira é bem clara. Jaime veio exigir o retorno de seu irmão, que foi sequestrado enquanto viajava perto de Harrenhal. Ned foi a Torre da Alegria para exigir o retorno de sua irmã, que foi seqüestrado enquanto viajava perto de Harrenhal.
Existem outros links também. Os oponentes de Ned estão encobertos, embora sejam mais escarlates do que brancos. Os homens de Ned estão a cavalo, mas as pessoas contra quem ele luta estão a pé, na vida como era em seu sonho. Há um Lannister (Jaime) que não está a pé, como se quisesse chamar a atenção para o seu cavalo, que é mencionado várias vezes. O cavalo é um "garanhão baio puro-sangue" ou, em outras palavras, um garanhão vermelho, como o "grande garanhão vermelho" de Lorde Dustin, o único cavalo descrito no sonho da Torre da Alegria.
Nós temos “os homens de Ned tinham puxado as espadas, mas eram três contra vinte" aqui, como " Os espectros de Ned puseram-se ao seu lado, com espadas fantasmagóricas nas mãos. Eram sete contra três". Se você tem alguma dúvida em ralação à discrepância nos números, pergunte-se por que o GRRM optou fazer com que Ned visse a luta em termos de vinte contra três, quando, na verdade, havia quatro homens lá. Ned esqueceu de se contar.
Temos "fantasmas em mantos vermelhos", que soam familiares em razão da referências a sombras / névoa / espectros que vemos no sonho da Torre da Alegria e de Cersei. Ned é acompanhado por Jory Cassel aqui, como foi acompanhado pelo pai de Jory na torre. Oito homens morreram na luta, exatamente como na Torre da Alegria.
4 - A Tenda da Alegria, os Dançarinos de gelo e fogo
Como você tem uma Guarda Real se não for um rei? Se você é um khal, em vez disso, você tem companheiros de sangue e Drogo tinha três. Cohollo, Qotho e Haggo encontram seu fim lutando fora de uma barraca; lá dentro, alguém está morrendo de febre. Os paralelos aqui são muitos e os eventos claramente mágicos por natureza.
No capítulo 64 de A Guerra dos Tronos, podemos estar diante do evento original que ecoou para trás e para a frente no tempo, ou da realização que mais chegou perto do ritual que o destino demanda que seja realizado, ou de um negativo sombrio do Torre da Alegria.
Os três Companheiros de Sangue são reflexos sombrios dos três guardas reais na Torre da Alegria. Cohollo, lembremos, é um homem velho. Como o "velho Sor Gerold Hightower", temos o "velho Cohollo". Qotho é temível com o arakh, como Dayne era um temível com a espada: "Qotho dançou para trás, fazendo girar o arakh por cima da cabeça num borrão cintilante, rilhando como um relâmpago, quando o cavaleiro arremeteu numa investida. Sor Jorah fez a melhor parada que foi capaz, mas os golpes sucediam-se tão depressa que parecia a Dany que Qotho tinha quatro arakhs em outras tantas mãos" (AGOT, Daenerys VIII). Dayne "tinha um sorriso triste nos lábios", enquanto "os lábios de Qotho mostraram seus dentes tortos e escuros numa terrível caricatura de sorriso". A luta no Torre da Alegria começa quando Dayne puxa sua espada. A luta na tenda quando Qotho puxa seu arakh. A espada de Dayne está "viva de luz". O Arakh de Qotho era um “borrão cintilante, brilhando como um relâmpago”.
Diante dos três estão sete: Jhogo, Aggo, Jorah, Rakharo, Dany, Quaro e Mirri Maz Duur. Apenas seis mortes ocorreram na barraca: Rhaego, Cohollo, Qotho, Quaro, Haggo e o cavalo de Drogo, mas houve mais duas mortes temporariamente suspensas, Mirri Maz Duur e Drogo, para compor as oito:
[Daenerys]: Diga-me lá outra vez o que salvou.
– A sua vida.
Mirri Maz Duur soltou uma gargalhada cruel.
– Olhe para o seu khal e veja de que serve a vida quando todo o resto desapareceu.
(AGOT, Daenerys IX)
Dany recusa a sugestão de Jorah de fugir para Asshai, como os três guarda reais não fogem. Lorde Dustin tinha um "grande garanhão vermelho" na Torre da Alegria. O "grande garanhão vermelho" de Drogo é sacrificado na barraca.
Na Torre da Alegria, "Ned colocara depois a torre abaixo, e usara suas pedras sangrentas para construir oito montes sepulcrais no topo daquela colina.". A tenda de "sedareia salpicada de sangue" de Drogo desempenha um papel semelhante. Em sua pira funerária, Dany queima os tesouros de Drogo... e o primeiro item mencionado é sua tenda.
No Torre da Alegria havia um "céu riscado de sangue", na tenda o "céu era de um vermelho ferido".
"Dentro da tenda, as sombras rodopiavam" ecoam na iconografia de sombras que vimos na Torre da Alegria, no sonho de Cersei e na Batalha no Bordel.
Um dos detalhes mais intrigantes e intricados da cena da barraca é: " Dentro da tenda, as formas dançavam, escuras contra a sedareia, rodeando o braseiro e o banho sangrento, e algumas não pareciam humanas. Vislumbrou a sombra de um grande lobo, e outra que era como um homem envolvido em chamas".
O próximo capítulo de Dany começa com seu próprio sonho febril. No sonho, Drogo desaparece com as estrelas, Jorah desvanece, Viserys queima, Dany queima, Rhaego queima e Rhaegar queima. O homem envolto em chamas é um Targaryen, o lobo é obviamente um Stark. Não é exagero dizer que na Torre da Alegria, um grande lobo e um homem de fogo dançaram também.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2020.05.06 00:20 dadsann Idea para un Champ

Errol: El errante Místico Errol es un caballero andante que frecuenta las tierras de shurima, es un hombre alto con una musculatura buena, su traje principalmente contiene tonos grisáceos y azules, recordaría a Garen pero algo más flaco y sin tener tantas hombreras. El rasgo más característico son su cabello oscuro y sus ojos que desprenden un destello azul y una bufanda azul que le tapa la cara dejando solo los ojos al descubierto. Posee una espada parecida a la de aatrox, es decir en cuanto a tamaño pero recordaría a una espada con características similares a la que posee el personaje Aragorn de el señor de los anillos.
Errol es un personaje muy versátil debido a su kit de habilidades, se puede jugar como AP o AD y tanto tanque que rushea armadura como resistencia mágica, eso sí un híbrido full daño AP y AD no iría del todo bien con el. Esta preparado para ser un solo laner, aunque en la jungla no se defendería mal.
El kit en especial es una especie de jayce, tiene dos facetas, la Ad, en la cual usa sus puños como armas y la ap donde usa su espada mística para infligir daño, la R serviría como cambio de arma y no tiene enfriamiento, es decir, se cambia de estado con 0 cd. ( El cambio de arma no supone un reseteo de habilidades) La faceta de puños ( AD ) no requiere de costes de maná, pero la faceta con la espada si, y son altos.
Pasiva: Errol se cura un porcentaje de vida reducido si golpea con un tercer ataque a un campeón enemigo( en el caso de monstruo épico 5) eso sería como un stack que se resetea si no se completan las habilidades asestadas. (La pasiva solo hace stack de habilidades encajadas, no funciona con básicos)
Q: (modo puños)( no skilshot) 10 segundos de enfriamiento Errol golpes a su enemigo con ambos brazos inflige daño físico y puede escalar con armadura. Q: (espada mística) (skillshot) 12 segundos de enfriamiento. Errol golpea con su espada en un cono algo reducido, durante el casteo se puede mover( como una q de Darius), escala ap.
W: (potenciación) efecto de estado. (15 segundos de enfriamiento). 70 maná en ambos casos Errol se bebe una pócima que le otorga una potenciación de una habilidad en concreto, tiene 4 segundos para utilizarla para aplicarla a una de sus habilidades o potenciación de pondrá en enfriamiento.( Potenciación solo se puede utilizar una vez, es la misma en ambas facetas, pero dependiendo de la faceta en la que te encuentres solo te permitirá mejorar las habilidades de tu faceta).
Potenciación en Q( puños), la convierte en un skillshot y aumenta su rango el área donde Errol golpe levantará a los enemigos( es poco menos que la q de cho gath). Potenciación Q ( Espada) aumenta el rango del cono, este como ahora cubrirá la mitad del campeón,( como la mitad de una q de Darius).
Potenciación en E (puños), aumenta en un segundo la duración del stunt.
Potenciación en la E (espada), aumenta un poco la curación de la habilidad.
E (puños) (no skillshot) ( no maná) 6 segundos de enfriamiento tras haberla usado. Los ataques básicos de Errol cargan la e para que pueda ser utilizada, a los cinco básicos encajados a cualquier objetivo la E de Errol se puede activar, es un derechazo que hace un stunt de ( 1 segundo) a un solo objetivo y tiene que estar muy cerca( tiene poco rango).
E ( Espada) Robaalmas, no skillshot (10 segundos de enfriamiento) 90 de mana: Robaalmas es una habilidad carácteristica porque stackea con objetivos, el daño base de la habilidad no se altera ni subiéndola, el daño base es de 50 y cada asesinato de un Minion o un campeón o monstruo usando esa habilidad suma más 5 de daño, hasta un total de 550 almas robadas. Esta habilidad cura un 15% del daño que tira. ( Recuerdo es daño tipo ap pero que no escala con el del campeón sino con las almas que roba).
R: Desenvainada Errol cambia de arma, el CD de esta habilidad es de 0 segundos, es decir no tiene CD, esto permite el cambio continuo entre armas.
Espero que os guste, solo público esto para expresar mi creatividad y a ver si algún día un rioter be esto 🤣
submitted by dadsann to leagueoflegendsesp [link] [comments]


2020.05.03 22:28 DanteNathanael Cárcel: a.

Los sueños más grandes a veces empiezan con el sufrimiento más silencioso. Los espacios abiertos y cerrados de la cárcel—sus patrones nunca iguales al tacto, los barrotes siempre fríos aunque por ellos se pudiera ver por horas el calor del atardecer, el hielo aparente que circulaba por aire a través de todo—habían sido la única ancla a algo que pudiera llamar realidad, algo que pudiera sentir como suyo. Aquí dentro se encontraba aislado de su libertad por voluntad propia. Sus huesos eran apenas murmuros de una estructura, su piel siquiera una red pálida que apretaba juntos a sus órganos, su sangre un pretexto diluido de heridas internas corriendo silenciosas sobre rutas de reproche, nunca llegando al gran Delta del Desahogo, del Perdón, del Olvido, del borrón y cuenta nueva.
Era un laberinto. Por más que le gustará que todo fuera una comedia, una gran metáfora para las vicisitudes negativas de su vida, se encontraba en tiempo y forma adherido a esta cárcel, aislado de todo el humor humano que deseaba experimentar: el tacto, el olor, el sabor del Amor corriendo de nuevo por su cuerpo, el conocimiento de que realmente alguien lo amaba. . . . Todo era interno, una realidad detrás de barrotes sensoriales y mentales, umbrales de emociones cerrados, jumpers con cara de matón que solamente dejaban entrar a lo más bajo de la sociedad. “¿Ansiedad Frenesí? Adelante. . . . ¿Usted es? . . . ¿Felicidad Amaranta? Oh, fuera de aquí, chiquilla, este club es solo para emociones fuertes.”
“Soy un hombre enfermo . . . soy un hombre retorcido.” Ah, el Hombre del Subsuelo encontrando su contraparte de carne y hueso, privado de todo el humor con el que fue escrito, reducido a una realidad inconmensurable, algo que no parecía a simple vista cierto, que no debería de existir más que en casos clínicos o historias exageradas que el Viejo Sabio contaría como una parábola para entender los peligros de acercarse demasiado al sufrimiento sin prepararse lo suficiente con curas, pociones mágicas y recuerdos de mejores tiempos. Una mimesis de la melancolía mal hecha, llevada a cabo a medias verdades, insinceridad con uno mismo, miedo a aquello que se desea. Quizás no haya vivido así la mitad de su vida, pero dentro de la Miseria el tiempo nunca parece importar. Los placeres siempre son momentáneos, fugaces impromptus esquizofrénicos y raquíticos, caras de cien faminas de distintas procedencias encimadas una sobre la otra hasta formar texturas y verdades, tan duras y desfiguradas como la corteza de un árbol, mientras que los dolores parecen ser lo único constante, existiendo más allá del tiempo, aterrizando una y otra vez sin parar al caer la noche, una pesadilla ahí, lista para morder, revelando solamente la sinceridad con la que se está mintiendo.
Por las noches de su lejana y poco a poco más apagada infancia las constelaciones en el cielo amainaban la promesa de otros mundos, mientras formaban grandes claustros de figuras reconocibles, historias contadas por millones de años repitiéndose incesantes sobre la obscuridad de fondo, que lo despedaza todo, tan lenta y silenciosamente. . . . Ahora las noches, en sus horas peligrosas, solamente pueden constelar el martillo del juicio sobre su alma descubierta, vagando en los vientres del sueño. Frente a ella se presentan figuras que no se detienen a decir lo que realmente piensan: abandono, traición, engaños que dolerán por generaciones si no se arreglan. En sus sueños se alzan grandes monolitos de una ciudad blanca a la distancia, rodeada por un mar de rocas y luego uno de agua de un azul más obscuro que el cielo, despejado de reflejos insensatos. A veces aterriza en su interior, pero la mayoría de veces solo ve de lejos, en todos sus ángulos, descansando sobre la hundida ciudad del agua, sus luces aún presentes en la noche bajo capas de olvido acuático, de caos estancado. Es la joya en el centro de una corona de regiones montañosas, un valle insulado con su propio clima y sus propias problemáticas, básicamente una gran plancha de millones de años flotando a miles de metros sobre el nivel del mar. Aquí, en esta tierra de ensueño, uno de los más grandes sufrimientos empezó a tomar efecto.
Caminando por las calles se da cuenta que su historia no empezó con su nacimiento, mucho menos con su concepción, la penetración y subyugación del blanco por la lanza . . . empezó desde que la Vida en sí comenzó a tomar forma en ancestros tan lejanos que ahora mismo yacen cubiertos por kilómetros de años pasando. . . . Caminando por las calles ve a una pareja tomarse de las manos con cierta incertidumbre. Ella lleva todavía lágrimas colgando de sus mejillas, él lleva sangre hirviendo en sus flacos brazos visible a través de sus venas. No es cuestión de qué ha pasado, si no del dolor que puede ver en ambos. Lo siente dentro de él. Y de la nada se da cuenta que el mundo existe, y de que él existe en el mundo. Voltea a ver el rostro de su madre solo para encontrar que la sonrisa que tiene y los ojos con los que se guía están tan separados, tan faltos de harmonía, como la pareja está de poder demostrar amor. Porque no es que no sean capaces de sentir, son incapaces de expresarlo sin tropezar consigo mismos. No es que má no me quiera, es que no sabe cómo expresarlo, retorciéndose en la visible incapacidad de la cual él también sufre, a los 6 años pierde la capacidad de ser un niño, pues ahora, rodeado de todas estas cárceles, filtros que deforman el bien en mal, frutos de acciones milenarias replicando su veneno y mutando en cada nuevo infectado (tóxico, tóxico), es lo único que puede ver. Y de este gran sufrimiento, de darse cuenta que forma parte del gran acto circense, una verdadera tragedia griega más vasta que cualquier épica, nace la necesidad de cambiar todo . . . miles de años de historia, traumas, fracasos y decepciones concentrados ahora en la sangre de un niño que sabe lo que quiere, pero no sabe ni por donde empezar.
submitted by DanteNathanael to DanteNathanael [link] [comments]


2020.04.02 13:19 ThiagoNazarko A Aurora Rubra - Forja de Heróis (Prólogo)

PRÓLOGO
Nur, Picos Brancos,15/6º/1301 − Era dos deuses
A histeria rastejava pelas ruas da capital abocanhando os corações dos cidadãos tomando-os de pavor e aflição. Nuvens negras no céu anunciavam uma tempestade e escondiam a lua intensificando o breu noturno. Ao longe, notava-se a silhueta enegrecida da cidade, onde sombras delineavam o formato triangular das casas, tavernas e hospedarias.
Um grupo de cinco pessoas vinha correndo em direção oposta aos rugidos da criatura que permanecia invisível na noite, quando o último deles tropeçou nos próprios pés, o desequilíbrio fez com que instintivamente uma de suas mãos buscasse apoio e encontrou. O homem, desesperado, agarrou um suporte de madeira que sustentava um braseiro utilizado na iluminação noturna das ruas, porém, isso não foi suficiente para impedir sua queda. O peso do homem somado a impulsão da corrida fez com que a haste de madeira se quebrasse e quase ao mesmo tempo em que o corpo do fugitivo tocava o chão as chamas do braseiro caiam sobre suas costas. A respiração ofegante devido ao esforço físico da corrida deu lugar a gritos de dor enquanto o infeliz se debatia na neve tentando sem sucesso apagar o fogo que o consumia. Ele gritava por socorro, mas as pessoas que passavam por perto o ignoravam. Não que nutrissem qualquer desafeto pelo pobre, apenas não sacrificariam a chance de sobreviver tentando ajudar outro. O miserável ainda gritava por ajuda quando sua voz calou e a vida findou em chamas.
Por toda a cidade ouviam-se gritos de desespero.
− Tirem os civis daí! Levem-nos para o portão oeste! – Ordenava um soldado a um pequeno grupo de guardas.
− Socorro! Eu torci o pé! Não consigo correr! Alguém por favor me ajude! – Implorava um homem rastejando na direção de um beco na esperança de esconder-se caso ninguém viesse em seu auxílio.
Ao norte da cidade, uma mulher embriagada saia de uma taverna, o álcool limitava sua visão e fez com que com ela não percebesse o obstáculo em seu caminho. Tropeçou, rolou duas ou três vezes pelo chão derramando o líquido da garrafa sobre si, procurou o objeto responsável por sua queda, viu um homem deitado e disse:
− Porra! Isso aí... isss... aqui não é lugar de dormir não!
O rosto do homem estava completamente pálido e enrugado, os lábios pareciam ressecados e sem vida, mas estes detalhes não foram percebidos pela mulher. Ela tentou levantar algumas vezes, mas não conseguiu, resolveu fazer como seu mais novo amigo e deitou no chão esperando que a tontura etílica se esvaísse. Deitada e ainda ouvindo os sons abafados que só um bêbado conhece, levou seus olhos a direção do castelo, o efeito relaxante da bebida cessou quase que imediatamente. Sentiu sua visão melhorando, os sons voltando a fazer sentido na mesma velocidade que seu coração acelerava. Forçou a visão para tentar acreditar no que estava vendo, a silhueta ainda tomava forma quando a criatura, de cima dos escombros do salão comunal, bradou um rugido poderoso e ensurdecedor, era real. O choque de pânico que percorreu o corpo da mulher simplesmente desligou seus sentidos e ela desmaiou.
No portão oeste um pai e uma mãe desesperados procuravam por pessoas que estivessem vindo do castelo, eles gritavam:
− Por favor, alguém veio do castelo? Alguém viu minha filha? Ela tem o cabelo loiro, 15 anos, trabalha na cozinha dos servos. Por favor! Alguém? – as vozes de ambos se confundiam e desapareciam dentre as demais.
A força do vento começou a aumentar espalhando por toda a capital um cheiro insuportável de sangue.
Na praça central, um grupo de vinte soldados era liderado por um capitão, vestiam armaduras completas e levavam as cores do reino em seus mantos de tom azul escuro. Todos carregavam lanças nas costas, espadas nos cintos e arcos nas mãos, rumavam a pé em direção ao castelo. Construída na encosta do maior dos Picos Brancos, a morada do rei era um grande salão comunal, quase sempre de portas abertas, repleto de mesas para servir banquetes e receber visitantes, possuía alas auxiliares onde se encontravam os demais cômodos. As paredes eram feitas de rochas e o telhado em forma de ponta de flecha era feito de madeira negra. Ao leste ficavam a forja o quartel e ao oeste o magistrado. Todo o complexo tinha a frente circundada por uma muralha de pedra e as costas guarnecidas pela montanha.
Durante todo o percurso, os homens e mulheres que compunham a confraria se deparam com vários corpos, todos secos, pálidos, lábios ressecados, olhos fundos, a pele enrugada, pareciam estar mortos a meses, talvez anos.
Um dos soldados enquanto fitava um dos corpos arriscou:
− Senhor, não deveríamos esperar algum dos lagartixa? Essa merda parece magia.
O capitão interrompeu sua marcha e logo os demais fizeram o mesmo. Um silêncio constrangedor tomou todo o pelotão, e então o capitão respondeu:
− Eu não preciso de nenhuma daquelas cobras em meus combates, soldado. – O capitão retomou a marcha enquanto sentia o gosto amargo de uma lembrança.
Ao se aproximarem do castelo o cheiro de sangue se tornou nauseante, dois homens e uma mulher do destacamento abriram as viseiras de seus elmos para vomitar em algum canto. Todos armaram as setas em seus arcos e esperavam pelo comando do capitão. Um relâmpago clareou o céu e logo em seguida uma fina garoa começou a cair, graças a luz os homens puderam visualizar pela primeira vez com nitidez seu adversário. Arqueado sobre as estruturas do castelo, com uma das patas apoiada sobre a muralha e a outra nos escombros da forja, que ruiu perante as garras do algoz, a criatura de escamas rubro-negras possuía gigantescas e aquosas asas carmesim e seu corpo parecia coberto por uma espécie de armadura. A luz do relâmpago findou e após estarem novamente nas trevas um soldado disse:
− Será que... isso é um dragão?
O guerreiro mal havia terminado a frase quando o capitão deu a ordem!
− Preparar! – com toda a força os soldados puxaram as setas em riste.
− Apontar! – como se fossem dançarinos ensaiados todos executaram o movimento ao mesmo tempo fitando o dragão.
− Fogo!
As flechas foram lançadas, mas não encontraram seu alvo. A força do vento as empurrou ao longe como se fossem plumas. Diante deste fracasso o capitão ordenou:
− Lanças! Vamos nos aproximar!
Esgueiraram-se por entre as casas indo em direção a besta, precisavam estar muito mais perto que antes para poderem arremessar as lanças e então brandir suas espadas.
Ao chegarem no local planejado, aproximadamente 15 metros da entrada do castelo, o capitão avistou do outro lado da rua três pessoas vestindo mantos e capuzes azuis.
Magos...
O vento começou a dispersar as nuvens no céu levando com elas a garoa que caia, a luz da lua começou a tocar os telhados das casas, as ruas e o corpo rubro-carmesim do dragão.
Do alto das estruturas do castelo o dragão olhava a tudo calmamente, sentia fome, mas analisava cada ação das minúsculas criaturas.
Pouco antes do capitão ordenar a saraivada de lanças sobre o dragão, sete de seus soldados soltaram as armas e correram na direção oposta. Distraído com a situação, não percebeu que os três encapuzados ganharam as ruas e iniciaram um feitiço.
O lendário monstro que olhava desatento para algum detalhe qualquer das construções, sentiu a vibração mágica se formando e encarou os três conjuradores. Seus olhos eram como perfeitas esferas de rubi polido. Aproveitando este momento o capitão ordenou ataque. Os três conjuradores já emanavam um brilho arcano poderoso, uma magia usando a energia de três magos era algo complexo e grandioso. Segundos antes das lanças cumprirem sua missão, o dragão livrou a muralha do peso de sua pata direita e desceu sua arma natural sobre os três conjuradores que foram esmagados, tornando-se uma pasta de sangue, carne e ossos. Alvejado pelas lanças, o dragão intuiu a direção de seus agressores entre as casas, fitou-os e abriu sua bocarra. Certos de que morreriam, os soldados esperavam a rajada de fogo mencionada nas lendas que os engolfaria, mas ela não veio.
Ao contrário das histórias que alguns dos soldados conheciam, o gigantesco réptil não soprou fogo, nem outro tipo de energia, antes tivesse feito isso. Lentamente começou a inspirar, os soldados que neste momento sacavam suas espadas sentiram uma leve fraqueza. Um tipo de força incomum os impedia de se mover, queriam correr, mas a agonia de ver aquela boca colossal direcionada como arma os consumia. Algo brotava de seus olhos, no primeiro momento acharam que eram lágrimas, um deles limpou o rosto e pensou estar chorando sangue. Logo todos sentiram em suas bocas o gosto ferroso, característico do fluido vital. Um a um, caíram de joelhos contra o chão perante o devastador e inexplicável poder que presenciavam. A inspiração se intensificou e logo linhas escarlates partindo de todos os orifícios deixavam os corpos dos soldados indo em direção a boca do dragão. Em poucos segundos, todos ali estavam, pálidos, com lábios ressecados, com os olhos fundos, com a pele enrugada e pareciam estar mortos há meses, talvez anos.
submitted by ThiagoNazarko to Livros [link] [comments]


2020.01.28 19:52 MaiconST8000 Idéia de novo campeão para o League of Legends. "A mamãe Yordle"- "Yordle mother"

MOm (nome provisório) "A mamãe yordle" - "Yordle mother"
A campeã será uma suporte que cuidará de seus aliados como uma verdadeira mãe e trará uma mecânica nova no jogo. Ela terá sua própria loja onde poderá criar suas consumiveis para seus aliados durante a partida.Aparentemente ela seria uma yordle igual o teemo, teria um lenço na cabeça seria bem gorda e maior que os demais yordles(mais ou menos igual o ornn) teria um avental,e também levaria em suas mãos uma panela e uma mochila nas costas para fazer seus preparos.
Sua voz seria de uma velha gorda. Teria uma personalidade amável com seus parceiros e agressiva com os inimigos.
Passiva:Receitas da Mamãe
Mom terá seu proprio inventário onde podera acessa-lo clicando acima dos itens.Todos os aliados terão um slot de itens a mais para o uso de sua consumivel.
A presença de Mom faz com que os matos criem ervas mágicas,podendo colhe-las apertando W nos matos,podendo vir aleatóriamente, cada mato terá um tempo de recarga de 60/50/40 segundos nos leveis 1/6/11, os matos que ficarem entre 3000 range de Mom terá o tempo de 120/80/40 para cada mato. (Igual o E do Talon, so que nos matos.)
Há cinco tipos de ervas mágicas (INGREDIENTES):
erva vermelha : aumenta o dano adaptativo em 6% + 5/10/15 leveis 1/6/11. (total 18%) erva azul : aumenta a velocidade de movimento em 5% e de ataque em 12%. (total 15% & 36%) erva amarela: aumenta a armadura e resistencia mágica em 8% + 5/10/15 leveis 1/6/11.( total 24%) erva verde : aumenta a vida máxima em 10% + 50/75/100 leveis 1/6/11 (total 30%) erva Rara (Dourada): da todos os atributos. é bem mais dificil de encontrar.
todas os INGREDIENTES podem ser juntadas no inventário podendo juntar até 3 ervas para formar uma consumivel.
Exemplo: junta uma erva vermelha,azul e amarela a consumivel vai garantir:
6% dano adaptativo 5% de velocidade de movimento 12% vel de ataque 8% de armadura e MR
outro exemplo: duas vermelhas e uma verde:
12% + 5 + 5 (level 6) +10+10) dano adaptativo 10% da vida máxima
O inventário terá espaço para 10 INGREDIENTES e podendo juntar 3 para formar 1. O espaço aumenta para 10/12/15 slots para INGREDIENTES. Mom pode ter no máximo 3 consumiveis prontas para uso.
Q:PANELADA!!!
Mom ataca com sua panela em linha reta atordoando os inimigos em 1.25 seg e causando dano físico de 60/100/150/190/220 + (0.5 dano físico). Tempo de recarga: 12/11/10/9/8 segundos
W: Hora do Chá
passiva: A consumivel pode durar 10 segundos aumentando para 10/11/12/13/15 segundos e o consumidor recebe mais 10/15/20/25/30% de tenacidade durante o efeito.
Mom pode usar a primeira consumivel da fileira em um aliado ou si mesma(Não Acumula no mesmo alvo) caso pressione no aliado ele irá carregar no inventário extra podendo usar a qualquer momento.Não pode usar no mesmo aliado ou perdera o primeiro efeito. E também não poderá carregar outra consumivel.
tempo de recarga: 1 seg
E: Instinto Materno
Mom chama seus aliados para perto de si, e cria duas áreas uma de 1000 de range e outra 500 ao redor. 1000 de range: garante um escudo de 35/50/75/100/125 + 10% da vida máxima de Mom 500 de range: recebe o escudo,e Mom recebe redução de dano de 30/40/50/60/70% por 3 segundos também Mom recebe 25% de dano que seus aliados recebem nessa área.
tempo de recarga :17/15/13/11/9 receber dano de campeões ou monstros épicos reduz o tempo de recarga em 0.5 seg após conjurar
R: Fúria da mamãe Yordle
Mom carrega um golpe e bate com tudo em uma área de cone (tamanho da ult da miss fortune) causa kock-up de 1.5 e um dano de 100/175/250 + (0.7 dano físico)
tempo de recarga: 120/100/80
Riot me contrata :-)
Riot me contrata, gostaria muito de trabalhar criando esses conceitos, ainda mais com o meu jogo favorito atualmente!
Riot hires me, I would love to work creating these concepts, even more with my favorite game today!
submitted by MaiconST8000 to leagueoflegends [link] [comments]


2019.12.26 04:06 douglasgonc A máquina de fazer amigos - Vinícius Perez

Link original: https://medium.com/@viniciusperez/a-m%C3%A1quina-de-fazer-amigos-3e9c77784771
Só peço que vocês leiam até o fim. Tem uma mensagem incrível nesse texto.
Era um dia normal. Não apenas normal: era um dia bom. O sol brilhava radiante no céu e o verde não poderia estar mais verde. As crianças brincavam pacificamente. Mas, e é por isso que eu venho contar essa história, aquela tarde fez uma curva inesperada. — Eu quero jogar bola! — falou, vejam vocês, um menino apelidado de Bola. Ele não era gordo nem nada. Seu apelido vinha de seu amor por futebol, sempre com um bola debaixo do braço.
— Ah, não! Eu quero brincar de pega-pega! — contestou Ritinha.
— Eu quero desvendar um crime na cidade! — afirmou Luneta, limpando a lente de seus óculos fundo de garrafa com a camiseta.
“Eu quero comer sorvete”, “eu quero aprender truques de mágica”, “eu quero andar de bicicleta”, “eu quero jogar Damas”, “eu quero desenhar”: as sugestões de brincadeira eram gritadas à plenos pulmões pelas dez ou quinze crianças que ocupavam o parquinho. Cansado daquela indecisão que não mostrava nenhum indício de um consenso, Bola gritou:
— Eu odeio vocês! Eu odeio todos vocês! E correu para casa.
Naquela noite, Bola não conseguiu dormir. Revirando pra lá e pra cá na cama, ele perguntava: — Por quê? Por que as pessoas são assim? Por que ninguém quis jogar bola? Por que meus amigos não podiam simplesmente gostar da mesma coisa que eu?
Bola sentia raiva de todos amigos e, usando essa raiva, chutava a parede do lado da cama com a mesma força que chutava sua bola de futebol. Que raiva! Se pelo menos existisse uma saída… uma solução?
Naquela noite, com os olhinhos já fechando devagarinho, Bola teve uma ideia: ele iria dar um jeito de criar amigos perfeitos que gostassem das mesmas coisas que ele. Ele iria construir A Máquina de Fazer Amigos.
Logo cedo, Bola pulou da cama e pegou a caixa de ferramentas do pai. Trancado do quarto, saindo apenas para almoçar e jantar, Bola trabalhou por horas e horas e horas e horas. Quando já era de manhã de novo que A Máquina ficou pronta. Bola não perdeu tempo e digitou no tecladinho como deveriam ser os amigos:
O sabor de sorvete favorito de todo mundo seria morango.
Todo mundo ia amar futebol.
A cor favorita de todo mundo ia ser azul. Todo mundo ia gostar de filme de policial. Cachorro-quente seria o lanche favorito de todo mundo.
E assim continuou.
Tudo igualzinho Bola gostava.
A Máquina fez clack e depois fiz crick e depois tóin e depois nhec-nhec-nhec e depois um som que parecia o vô do Bola colocando a dentadura de manhã. Uma luz piscou verde depois piscou rosa depois azul depois uma cor que Bola nunca tinha visto antes (ele batizou na hora de Uau!). E foi Uau! mesmo. O quarto todo piscava e tremia e apitava. Até que:
Puff. Puff? Puff.
Tudo apagou.
— E agora? — falou Bola, não pra máquina ou pra mim ou pra você, mas pra ele mesmo.
Da Máquina primeiro saiu um amigo, com um sorvete de morango na mão. Depois outro amigo, com uma bola debaixo do braço. Depois outro. E outro. E outro.
Funcionou! Bola tinha finalmente os amigos que sempre desejou.
Que alegria! Que felicidade! Bola não podia conter seu sorriso. Melhor, impossível. Seus amigos eram perfeitos.
De manhã, futebol. De meio dia, cachorro-quente. De tarde, sorvete de morango e mais futebol. De tardezinha, mais futebol! De noite, filme de policial. Sem a Ritinha pra sugerir vôlei. O Luneta pra querer pastel de carne. O abestado do Volnei pra querer sorvete de creme. O Sazon pra querer jogar Dama. Isso que é vida! De manhã, futebol. De meio dia, cachorro-quente. De tarde, sorvete de morango e mais futebol. De tardezinha, mais futebol! De noite, filme de policial.
Foi um dia excelente, uma semana ótima, um mês incrível! Mas aí algo aconteceu. O quê? Vou dizer. Lá pelo segundo mês, Bola não aguentava mais só assistir filme de policial. Ele sentia saudade de ver uma comédia. Só tiro, tiro, viatura, tiro. Ai que saco! Até um romance ele topava assistir. Seus joelhos já doíam de tanto jogar futebol. A panturrilha ardia. Os pés latejavam. Ele queria sentar, jogar Damas, desenhar, qualquer coisa menos futebol.
O gosto de morango já fazia sua barriga doer e sua boca ficar seca. Cachorro-quente já tinha perdido a graça, tinha gosto de nada.
Mas não. Os amigos novos só queriam aquilo. Futebol. Cachorro-quente. Sorvete de morango. Filme de policial. Envergonhado, Bola percebeu que sentia saudade de seus antigos amigos.
Naquela noite, Bola dormia pesado um sono triste de quem estava arrependido. No meio da noite, quando todo mundo já dormiu e a coisas mágicas podem acontecer, uma fada entrou no quarto de Bola e acordou-o com uma leve cutucadinha da varinha na ponta do nariz. Bola levantou assustado, achou que era uma mariposa e, com um safanão, jogou a fada, tadinha, contra o armário. Ela zonza voltou já se explicando:
Calma! Calma! Não precisa dar patada Não sou nenhum inseto, eu sou uma fada Eu vim aqui lhe ensinar uma breve lição Sobre valorizar aquilo que temos em mão! A coisa mais importante do mundo é a amizade Não importa sua cor, seu nome ou sua idade É fácil se irritar com o amigo que pensa de outro jeito
Mas tente usar aquilo que você tem dentro do peito! É fácil se apegar a quando você ouve um não, mas lembre-se bem que isso é a exceção Eles também tem preferências e sabe o que? Abrem mão delas para brincar com você! E daí que a Ritinha prefere amarelo? Lembre quando ela te ensinou a usar martelo E daí que o Volnei prefere andar de bicicleta? Juntos vocês dois aprendem coisa a beça! Ali, olhando aquela fadinha cantar voando no meio do seu quarto, Bola de fato aprendeu uma importante lição:
O que torna os amigos interessantes não são as semelhanças, são as diferenças.
No dia seguinte, Bola preparou uma grande festa e chamou todos seus antigos amigos. Ele colocou um filme de romance na TV pra Ritinha. Separou um tabuleiro de Damas para o Sazon. Comprou sorvete de creme para o Volnei. O Bola até fritou pastel de carne para o Luneta, uma pastelada e tanto! Ele explicou o que aconteceu, contou o que aprendeu e pediu desculpas. A turma toda entendeu e aceitou. Tudo certinho, a festa seguia agradabilíssima. Até que Luneta, sempre curioso, perguntou:
— Peraí! Como o Bola conseguiu a tecnologia pra construir A Máquina de Fazer Amigos, uma ferramenta que gera seres vivos instantaneamente, permitindo que o operador controle as motivações e ambições dessas pessoas? Ele é uma criança de oito anos!
As crianças todas correram para o quarto do Bola para ver A Máquina e, mesmo com o Bola tentando barrar a porta, conseguiram ultrapassar, encontrando um círculo vermelho com um pentagrama bem no meio desenhado no chão do quarto de Bola.
— Você fez bruxaria? — chorou Ritinha. — Um pacto com o Oculto? — gritou Sazon. — Você invocou o Mal? — sussurrava assustado o Volnei.
Bola tentou cobrir o pentagrama com um tapete mas era tarde demais e a criançada já tinha dado um mata-leão nele, curvando seu corpinho e colocando-o ajoelhado no chão. Em sua nuca era possível ver uma tatuagem mais ou menos assim:
https://ibb.co/wSfSy0v
Luneta, de novo curioso, perguntou:
— Peraí mais uma vez! Cadê os amigos novos do Bola? Eram umas quinze, vinte crianças brincando nessa casa dia e noite. Elas não podem ter simplesmente desaparecido.
Então Luneta olhou para baixo, estudando a carne dentro do pastel em sua mão. Meu Deus do Céu. As crianças correram até a cozinha e encontraram a geladeira recheada de perninhas e mãozinhas e dedinhos e linguinhas. Ritinha chorava compulsivamente. Sazon vomitava também compulsivamente, como um hidrante aberto na calçada. Volnei amarrou Bola com uma corda no pé da mesa enquanto as crianças pensavam no que fazer. Chamar a polícia? Um exorcista? Decapitar Bola? Queimar a casa inteira abaixo, tentando livrar a área dos espíritos do Inferno?
Mas então eles — todos ao mesmo tempo — lembraram de uma lição muito importante que tinham aprendido mais cedo naquele dia:
O que torna os amigos interessantes não são as semelhanças, são as diferenças.
Quem eram eles para julgar? Volnei desamarrou Bola e todos terminaram o dia brincando e se divertindo juntos. Amizade é saber respeitar a individualidade de cada um. Naquele dia o sol se pôs ao som das gargalhadas de crianças que tinham certeza de ter a coisa mais importante do mundo: um amigo.
submitted by douglasgonc to brasil [link] [comments]


2019.12.21 03:23 jvcscasio Ariadne, a cidade da rainha dragão

Essa é mais uma cidade do meu mundo homebrew de Parabellum. Espero que vocês consigam tirar ideias interessantes daqui.

Ariadne

Visão

Uma formação rochosa em forma de taça se eleva sobre um pequeno planalto rodeado de várias colinas cobertas de casas negras. Essas casas feitas de lama e ossos de wyvern são obscurecidas pela longa sombra projetada pela principal formação rochosa. Uma pequena escada liga as colinas a um pequeno platô e uma rampa leva ao topo da formação. A sombra faz com que a cidade abaixo fique em constante escuridão, então as pessoas usam o feitiço Chama Contínua dentro de lanternas azuis e rosas para iluminar as ruas, e a maior parte da cidade é atingida por "chuva", que na realidade é a água da parte superior caindo na cidade.

História

A rainha do dragão, Hwang-geum Tongchija, nasceu no topo dessa estranha formação rochosa no início de Parabellum. Ela é um dos primeiros seres a existir. Para acabar com sua solidão, ela criou cinco dragões metálicos para manter sua companhia e, quando viram a necessidade de acumular riqueza, decidiram criar criaturas para trabalhar para eles, Hwang-geum criou os kobolds, enquanto os outros dragões metálicos criaram os dragões.
Corrupção
O envenenamento por chumbo da rainha dragão está criando um campo mágico que chega longe da cidade e está mudando a natureza dracônica. Dragonborns que sentem culpa pelos erros que cometeram e dragonbrons com alinhamentos malignos estão começando a se tornar corruptos e a perder suas escalas metálicas por cromáticas. Há 25% de chance de que, ao entrar na cidade, um dragão cromático apareça. Role um d6 para decidir a cor do dragão: 1 - Preto, 2 - Azul, 3 - Verde, 4 - Vermelho, 5 - Branco, 6 - Sombra. Escolha uma "idade" para o dragão recém-nascido de acordo com o nível do seu grupo.
Sociedade
Ariadne é uma cidade de três níveis e governada por dragões metálicos, pois os dragões cromáticos ainda estão por vir à vida. A rainha do dragão, Hwang-geum Tongchija, governa junto com um conselho, cujos membros juntos têm o mesmo poder que ela. Os dragões vivem em um platô acima da cidade dracônica, alheios à maioria das transgressões entre sua criação, os draconatos.
Os dragonborns vivem no nível mais baixo da cidade, construindo casas sobre as colinas abaixo do platô, onde as casas mais altas são de propriedade dos cidadãos mais ricos e poderosos. Eles têm que pagar tributos aos dragões na forma de tesouros que compram, roubam ou conquistam. Alguns draconatos se tornaram proficientes em fazer jóias para esses fins. Os draconatos nunca encontram seus senhores, em vez disso, o tesouro é coletado e entregue a um grupo especial de draconianos que vivem nos castelos que bloqueiam a entrada do platô. A maioria dos dragonborns fala apenas dracônico, e aqueles que falam em comum costumam ter um ensino superior. A maioria das tábuas mágicas são escritas em comum e estão fora do alcance da maioria das pessoas comuns.
Terrasys
Terrasys (Terraforming systen) é um satélite que orbita Parabellum, pairando acima de Ariadne por volta das 16h. Os kobolds reaproveitaram a tecnologia para escanear a superfície em busca de criminosos procurados.
O sistema foi originalmente criado por seres humanos como um meio de encontrar fontes de carbono e transformá-las em gás com um feixe poderoso. No entanto, os kobolds inventivos encontraram esse sistema em Ariadne e assumiram o controle do raio, mirando em seus inimigos. Quem tem controle sobre o terminal no terceiro nível pode fazer um teste de inteligência CD 22 para comandar o satélite para atacar um ponto específico do mundo (desde que o satélite esteja sobre aquele local). O feixe causa 55 (10d10) de dano de fogo e 21 (6d6) de força.
Kobolds
Os kobolds no terceiro nível descobriram dados antigos sobre Tiamat e se tornaram cultistas da rainha do dragão diabólica. O plano deles é envenenar a rainha Hwang-geum, para que ela enlouqueça e depois prossiga com um ritual de sacrifício para transformá-la no avatar de Tiamat. O ritual inclui envenenamento por chumbo de um dragão de ouro até que ele enlouqueça e, em seguida, faça-o devorar cinco dragões metálicos, depois cantar uma invocação para Tiamat enquanto o dragão de ouro banha-se em sangue de dragão.
Sanjeog
Sanjeog é um grupo de criminosos que roubam tesouros dos viajantes e os usam para pagar os impostos e viver melhor do que em comparação com seus compatriotas que trabalham duro. Seu esconderijo é uma série de túneis sob a maior colina, com a única entrada secreta dentro de sua padaria, chamada Miànbao, de propriedade do mestre padeiro Miànbao Ji. O líder deles é Lupi An-ui, um veterano half-dragon azul que viaja com uma varinha de bolas de fogo pronta para disparar. Ele tem um acordo com o kobold chamado Fangpi, de quem compra itens mágicos em troca de parte do saque.
Yi Jí Zhànshì
Os Zhànshì são um grupo revolucionário que planeja derrubar os kobolds, seu plano atual é tentar contrabandear alguém para dentro do conselho no terceiro andar com histórias de como as pessoas estão vivendo mal, na esperança de que o conselho aprenda sobre suas vidas duras e decida mudar. O líder deles, Gemìng Hónsè, é um veterano nascido do dragão de ouro e acredita corretamente que os kobolds estão filtrando as informações que o conselho recebe para impedir que alterem a estrutura social que mantém os kobolds no poder. No entanto, ele está preocupado que algumas de suas escamas douradas estejam caindo e sendo substituídas por escamas vermelhas, a razão desconhecida por trás disso é que Gemìng está sendo corrompido pela culpa de matar uma criança durante um ataque rebelde a uma caravana kobold.

Primeiro nível - Diyiji

O primeiro nível, chamado Diyiji, é composto por várias colinas de diferentes tamanhos e centenas de casas, feitas com ossos de grandes animais e lama negra seca e colocadas sobre essas colinas de maneira desorganizada. A sobra da comida que os dragões comem é jogada nos níveis mais baixos, deixando a cidade com o aspecto de um aterro sanitário.
Os jogadores podem conhecer algumas personalidades notáveis ​​deste nível, como:
Gemìng Hóngsè, o líder dos revolucionários Zhànshì, passando seu tempo livre na biblioteca lendo tabuletas de guerra.
Miànbao Ji, o padeiro mestre da cidade, responsável por alimentar as centenas de habitantes da cidade, com pão muito abaixo do preço normal (graças ao patrocínio do grupo criminoso Sanjeog).
Nosugja Namja, um plebeu sem teto commoner com 1 hp que enlouqueceu depois de beber água venenosa de uma fonte na floresta de cerberus, ele sempre pede dinheiro e, se receber alguma coisa, joga o dinheiro na pessoa dizendo que não vai aceitar desrespeito dos outros.
Agmaui Yeoja é um guarda da cidade que passa seu tempo livre no DRAG no pub da cidade. Ele é um espião secreto dos revolucionários Zhànshì.
Ming, um commoner dragonborn de cobre que deseja fugir da cidade e viver uma vida de crime, mas não pôde se juntar ao Sanjeog por sua falta de discrição e incapacidade de mentir.
Locais no primeiro nível:
A A.G. é uma enorme fábrica onde 96% das dragas trabalham, recebendo 1% das jóias produzidas por elas como pagamento (apenas o suficiente para cobrir os impostos exigidos pelos kobolds). Uma gigante senzala com mesas compridas, onde milhares de pedras preciosas e barras de ouro são derretidas com sopro de dragão, batidas e moldadas em jóias pelos trabalhadores mal pagos. Jaebeol é o dono do lugar, dragonborn branco, mas ele não é encontrado em nenhum lugar, pois na maioria das vezes ele está viajando pelo mundo com o dinheiro que ganha.
O albergue Hoseutel é o único local disponível para os viajantes dormirem e está cheio dos clientes estranhos. Cada quarto custa 1 peça de ouro por dia, por pessoa e tem o mínimo necessário para ser considerado um albergue. Os alimentos podem ser pedidos separadamente e sempre são servidos frios e encharcados. Entre as pessoas que ficam aqui estão um druida anão chamado Qazam de Apollinaris que vende todas as poções incomuns no DMG, um mago githyanki chamado Inigida procurando o book of vile darkness que ele acredita ter caído neste mundo, e um halfling plebeu chamado Viśrānti viajando ao redor do mundo.
A padaria Miànbao é o esconderijo secreto do grupo criminoso Sanjeog, que rouba dinheiro dos viajantes draconatos e estrangeiros para obter itens mágicos, entre outras coisas, dos kobolds no terceiro nível. Acessar o esconderijo exige que um nascido do dragão diga a senha para Miànbao Ji, que é "pão sem ovo". Os personagens que passam algum tempo na padaria terão vislumbres de alguns membros entrando nos fundos da loja dizendo coisas como "Eu vim pelo pão sem ovo" e "Posso comprar um pão sem ovo, chefe?"
O pub Nun-ui Yong é um pub degradado feito com o que parece ser ossos de dragão e madeira escura. Os buracos no teto fazem com que a água da chuva caia sobre os clientes enquanto eles bebem cerveja e sakê doce. Sendo o único pub de verdade na cidade, a maioria das pessoas não se importa com a qualidade da comida ou com as condições do local, desde que obtenham o que pediram.
A delegacia é onde menores criminosos são mantidos antes de serem julgados. Gyeongchal é o chefe corrupto da polícia, um draconato branco prateado, com um belt of dwarvenkind que ele recentemente recebeu de Sanjeog e gloves of snaring missiles que lhe permitem reduzir ataques de armas à distância em 1d10 + seu modificador de destreza. Se os personagens são pegos por algum crime, como roubo ou assassinato, eles passam 1d4 + 2 horas esperando por um julgamento, onde Gyeongchal decide que eles são culpados e colocam seus nomes para extermínio por Terrasys, pois ele realmente não se importa o suficiente para manter criminosos trancados aumentando seu trabalho. É mais fácil envia-los para serem alvejados pela luz mágica nos céus.
As escadas do segundo nível são longas e grandes, feitas de ossos e lama que levam as pessoas ao segundo nível, um platô de 100 pés. acima da colina mais alta.
Silheomsil é um laboratório escondido na base do platô, veja mais abaixo.
Taiteuhan Maejang é o mercado da cidade, centenas de dragonborn passam o dia lotando as quatro ruas que compõem o que é apelidado de mercado de terra. Dezenas de vendedores ambulantes colocam seus itens sobre mesas de madeira e osso, gritando um com o outro e chamando os clientes a experimentarem frutas ou carne. As pessoas vendem e usam drogas abertamente nessas ruas e não é incomum ver alguém desmaiado sendo assaltado. Os membros da Sanjeog ganham dinheiro nesse mercado vendendo itens mágicos incomuns e raros que não desejam mais.
Missões no primeiro nível:
Picada de mosquito
Os agentes de Sanjeog descobriram que um item mágico chamado “Mordida de Mosquito” (adaga que cura 1d4 com 3 cargas diárias) está na posse de um viajante gith noble que está passando pela cidade procurando comprar drogas. O githzerai, que leva o nome de Nullak Azarzig, é atacado quando os PCs passam pelo mercado. Ele lhes dá 400gp se eles o protegerem e salvarem sua adaga. Se eles não fizerem nada, no dia seguinte a adaga estará disponível para compra no mercado. O grupo de atacantes consiste em três bandits draconatos de cobre e um bandit captain dragonborn.
Criança perdida
Eomeoni é uma plebéia draconata de cobre, cujo filho fugiu para o segundo nível. Ela está disposta a dividir com três dias em rações (toda a comida que ela possui) em troca de seu filho. A criança, Adeul, pode ser encontrada no segundo nível dentro de 1d4 horas e está disposta a voltar com os personagens, se eles forem amigáveis.
O oblex
Sasil é um draconato de ouro noble que vive em uma das colinas mais altas da cidade. Ela está preocupada com sua criada draconata de cobre, que está agindo de forma estranha. Ela pergunta se alguém pode falar com a empregada e investigar. A empregada, chamada Gajeongbu, está angustiada depois de descobrir o marido de seu chefe, um draconato de prata chamado Geojis foi substituído por um Oblex adulto, embora a empregada não saiba o que é um oblex, ela sabe que o draconato cheira e fala de maneira estranha. Ao ser descoberto, o oblex mata e assume o lugar de Sasil, tenta demitir os heróis além de consumir a criada.
Porta estranha
Um draconato desabrigado, cujo nome há muito esquecido, diz que viu uma porta na base da pedra do terceiro nível. Se os personagens investigarem com ele, encontrarão a porta do laboratório Silheomsil.
Ajude os Stormcloaks
Banlangun é um draconato de prata do grupo Zhànshì que está tentando levar uma caixa de alimentos altamente calóricos de Apollinaris para Ariadne, para alimentar os pobres em sua região de controle, mas a caravana foi atacada por um wyvern a caminho e perdeu a comida. Ele paga aos personagens que ajudam com qualquer arma +1.
Ajude a padaria
A padaria Miànbao está contratando pessoas suspeitas para espancar dois jovens bandidos que não pagaram pelo "pão". Os jovens drogados são dois draconatos de cobre chamados Malih e Wana e podem ser encontrados usando drogas em uma casa abandonada.

Segundo nível - Dierji

O segundo nível, chamado Dierji, é o local reservado para os dragões menores que ainda são considerados superiores aos draconatos. É uma milha de largura e duas milhas de comprimento. Para atingir esse nível, você precisa subir as escadas do segundo nível ou voar 100 pés da colina mais alta da cidade. Das escadas, os personagens encontram uma estrada dourada que leva aos portões do terceiro nível, enquanto nesta estrada, os personagens não são atacados por nenhuma criatura do segundo andar.
Aqui drakes, wyverns e pseudodragon vivem em uma floresta de árvores esparsas e chão rochoso, com a maioria dos alimentos sendo os restos dos banquetes dos dragões no nível mais alto.
O grande monte coberto de plantas e musgo visto no meio deste andar é uma tartaruga-dragão criada tristemente por Partum Lapis longe da água. Incapaz de deixar o platô, a tartaruga-dragão descansa, aguardando algumas mudanças e permite que ela voe para longe ou se teleporte para o oceano, o nome da tartaruga-dragão é Olaedoen San. Para cada hora que se move por esse nível, role para a tabela de encontros aleatórios:
d100 Encontro : ---: : ------------ 1 - 25 Nada. 26 - 40 1d4 + 2 guarda azul drakes. 41 - 55 1d4 - 1 wyverns (min. 1). 56 - 70 1d6 pseudodragões. 71 - 99 1d4 preto guarda drakes liderar por 1 guarda vermelho drake. 100 Olaedoen San
Para alcançar o terceiro nível, os personagens devem andar pela estrada dourada, uma caminhada de uma hora feita pelos kobolds para esgotar quem tentar alcançá-los. Deixar a trilha reduz a viagem para 20 minutos, mas as câmeras na floresta registram os rostos dos personagens e enviam para a Terrasys. Observar a câmera antes de ser gravada exige um teste de Sabedoria (percepção) CD 18.

Terceiro nível - Shenji

O terceiro nível, chamado Shenji, é o lar dos verdadeiros dragões metálicos. Elas vivem em êxtase ignorante, recebendo tesouros e comida dos kobolds, que lentamente envenenam a rainha em um monstro maligno ganancioso, para seu ritual. Esse envenenamento faz com que ela às vezes aja como seu equivalente maligno.
O plano kobold
Trinta kobolds moram no terceiro andar, comandados por Lashi, um artífice kobold de pele vermelha com um arco curto +1. O plano deles é fazer com que a rainha do dragão Hwang-geum devore seus subordinados durante um eclipse duplo (quando as duas luas cruzam o sol ao mesmo tempo). Fangpi, um warlock kobold de pele vermelha, com uma capa de banco de montanhas, é o responsável para o ritual e o veneno alimentar, ele nunca sai da sala do trono. Chuwanwei é um inventor kobold de pele azul com um anel de proteção e uma inteligência de 23, que é o único capaz de comandar a Terrasys, usando um computador antigo que ela consertou usando livros encontrados no laboratório.
Os jogadores podem encontrar alguns dragões neste nível:
Huang Tóng é uma dragão de bronze adulta faladora e curiosa, ela rapidamente aprende novos idiomas e gosta de perguntar sobre a cultura local. Ela tem muito medo de ir contra a rainha e voará para longe em caso de briga.
Qīng Tóng é uma dragão de bronze adulta, animada e contente, que gosta de assumir a raça da pessoa com quem está falando. Ela pode ser convencida a vir para o lado dos jogadores, se eles parecerem curiosos e aventureiros.
Long Tóng é uma dragão de cobre adulta sempre cercada por fairy dragons que ela chama de filhos, eles adoram brincar com outros dragões e kobolds. Ela tentará parar qualquer briga que aconteça, até a morte.
Yín Dàshī é uma dragão prateada adulta preguiçosa, que passa a maior parte do tempo dormindo e contemplando sua reflexão sobre as jóias que possui. Ela é leal à rainha do dragão e a defenderá a todo custo.
Jīn Tàiyáng é uma dragão de ouro adulta estudiosa, mas cautelosa, ela finge comer a comida que os kobolds lhe trazem, mas à noite ela caça pássaros para se alimentar. Ela é magra e fraca, mas já suspeita das tramas dos kobolds. Se ela conseguir uma desculpa para deixar o palácio e investigar, ela irá. Ela é a única pessoa que ajudaria os personagens com qualquer coisa que eles precisassem sem precisar convencer o necessário.
Hwang-geum é a rainha do dragão de Ariadne, ela foi envenenada pelos kobolds e seu corpo mostra sinais de corrupção. Em vez de ficar completamente coberta de ouro, Hwang-geum tem uma energia escura fluindo sob suas escamas, o que é visível para quem olha atentamente para seu corpo ou à vista de todos quando olha para seus olhos. Suas escamas de ouro também estão se tornando cromáticas, com cores diferentes crescendo em lugares diferentes. Ela se comporta como um dragão de ouro na maioria das vezes, no entanto, quanto mais tempo uma conversa é, mais impaciente ela se torna e mais violenta.
Hwang-geum é uma dragão de ouro adulto com o seguinte ataque de sopro no lugar do sopro de fogo: ___ > Respiração por plasma (custa 3 ações). Hwang-geum respira uma explosão de plasma quente em um cone de 90 pés. Cada criatura nessa área deve fazer um teste de resistência de Destreza CD 21, recebendo 72 (16d8) de dano de fogo em um teste que falhou, ou metade do dano em um teste de sucesso. Todo objeto de metal em contato com a respiração começa a brilhar em brasa. Qualquer criatura em contato físico com esses objetos recebe 9 (2d8) de dano de fogo. Se uma criatura estiver segurando ou usando os objetos e sofrer o dano, a criatura deve ter sucesso em um teste de resistência à Constituição ou soltar o objeto, se puder. Se não soltar o objeto, ela tem desvantagem nas jogadas de ataque e nos testes de habilidade até o início do seu próximo turno. Se os kobolds conseguem corromper Hwang-geum, ela se torna uma Tiamat Falha.
Locais no terceiro nível:
Os túneis de entrada são uma série de intricados corredores esculpidos e guardados por kobolds para impedir que alguém veja os dragões sem permissão. A movimentação pelos túneis garante encontrar pelo menos uma patrulha de 2d6 kobolds e 1d4 kobold inventores.
A sala do trono é conectada ao laboratório pelo elevador e conectada à parte externa através dos túneis de entrada. Três dragões estão sempre aqui, conversando frivolamente sobre filosofia e vida, às vezes discutindo fervorosamente a ética, o bem e o mal. No entanto, uma vez por mês, Hwang-geum chega ao trono, e todos sentam-se em silêncio enquanto a rainha faz discursos incoerentes sobre traição e conspiração, após o qual ela volta ao seu covil para comer e ter delirantes discursos por si mesma, planejando e descobrindo coisas que não são reais.
Fonte mágica Esta fonte mágica brilha uma luz amarela brilhante sobre os jardins, pois cria 1d4 gramas de ouro a cada hora.
O covil do conselho é um jardim gigantesco onde o conselho mora, cada dragão tem um lugar favorito, Huang dorme sobre uma enorme árvore nas margens do jardim, Qing construiu casas de diferentes raças para viver, e cada dia ela dorme parecendo um diferente Por um lado, Longa vida entre as flores e dorme em um monte perto da floresta, Yín dorme o dia todo no seu tesouro perto de Hwang-geum e Jīn quase nunca dorme, em vez de voar para o primeiro nível e ouvir a conversa nas ruas.
O Great Wyrm Lair é uma antena parabólica que se comunica com a Terrasys, que também serve como o covil de Hwang-geum. O prato tem 1.000 pés de amplitude está cheio de tesouros dos impostos que os draconatos pagam, todo mês seu tesouro aumenta enormemente, mas sua ganância nunca acaba. Um personagem pode acessar o controle direto dos Terrasys na base da antena parabólica com três verificações bem-sucedidas de inteligência DC 20 usadas para compreender e assuma o controle do satélite, cada verificação executa uma ação.
Tesouro: 42.000 peças de ouro, 3.300 peças de platina, uma cota de malha +1, uma espada vorpal, um caixão de criança em ouro puro (7500gp), espada longa dourada com bainha de platina (7500gp), 5000gp em escamas douradas, um trono de cristal feito por elfos de Granicus (5000gp), um mármore brilhante feito de éter puro (4000gp), a cabeça com joias do primeiro gigante nascido neste mundo (4000gp), uma corrente de ouro (2000gp), uma harpa de Granicus (2000gp), um escudo de bronze com um diamante no centro (500gp).

Lab Silheomsil

Entrada
Para entrar pela primeira porta, os caracteres devem passar por uma verificação de Inteligência DC20 (investigação) que permite que eles encontrem um botão oculto ainda funcionando. A porta no final da entrada só abrirá quando todos estiverem do lado de fora. O salão bombeia a sala cheia de ar e abre a segunda porta do vestiário.
O vestiário está cheio de roupas rasgadas e podres, a maioria ainda dentro dos guarda-roupas de metal. Os personagens podem avançar para o segundo andar por escadas, pois o cofre do elevador está vazio nesse andar. Um espectro de uma cientista morta chamada Moriana Bohn percorre este andar, atacando à primeira vista.
Armazenamento
O armazenamento contém dezenas de caixas de madeira cheias de pedras e sujeira que costumavam ser estudadas pelos cientistas deste laboratório.
Um personagem que investiga a sala encontra documentos detalhando estudos sobre a terraformação de um planeta chamado Marte, sobre a quantidade de oxigênio e hidrogênio no solo e as plantas para um poderoso sistema de aquecimento a ser colocado em um satélite. Os personagens podem avançar para o terceiro andar através de escadas, pois o cofre do elevador está vazio nesse andar.
Laboratório
Um único computador está quebrado no chão e as escadas para o quarto nível estão enterradas sob toneladas de pedras. Sobre os papéis de mesa de metal, cheios de cálculos para o satélite, estão sob o corpo de um cientista, que segura uma faixa de intelecto. Interagir com o corpo desperta o fantasma do cientista, que acredita que os personagens estão tentando roubar sua pesquisa. Na vida, seu nome era Edd Murray e ele é tão implacável na morte quanto na vida, quando lançava estagiários no deserto do planeta marciano com apenas um tanque de oxigênio se eles não obtivessem os resultados que ele esperava. Os personagens podem entrar no elevador neste andar e rastejar através de um buraco no teto para alcançar o quarto andar.
Sala de jantar
Comida podre por trezentos anos repousa sobre a mesa central, enquanto um fogão a gás enche a sala com gás explosivo. Qualquer feitiço ou faísca de fogo criado dentro desta sala explode a sala inteira, fazendo com que todos dentro sofram 2d6 de dano de fogo e a sala fique sem ar por três minutos. Duas sombras atacam bons caracteres alinhados assim que chegam à mesa. Os personagens podem avançar para o quinto andar através de escadas, pois o cofre do elevador está vazio nesse andar.
Quartos de dormir
Os corpos de três cientistas estão no chão, ainda em suas camas. Dois deles eram casados, e o marido agora é um Allip depois de um sonho ter vislumbres do futuro, o fim dos seres humanos e o nascimento da magia. Ele tenta colocar na mente do personagem visões de humanos tocando um meteorito e depois se tornando ladrões. Os personagens podem avançar para o sexto andar por escadas, pois o cofre do elevador está vazio nesse andar.
2 quartos
Cinco cientistas voltaram à vida como zumbis irracionais e vagam pelo chão tentando comer qualquer coisa que possam ver. Os personagens podem avançar para o sétimo andar através de escadas, pois o cofre do elevador está vazio nesse andar.
Centro de Controle
Um laptop em funcionamento neste andar é administrado por Ling Yao, um artífice kobold. Um grande datacenter registra tudo, de posições a rostos de criminosos procurados. Ling insere criminosos aqui para permitir que os Terrasys os eliminem.
Ele é acompanhado por sua torre, dez guardas kobold e um veterano kobold. O datacenter tem um AC de 20 e 200 pontos de vida. Uma vez destruído, o Terrasys é incapaz de atingir qualquer pessoa específica. Os personagens podem usar e modificar dados no computador com três testes de inteligência bem-sucedidos do DC 20. Os personagens podem alcançar o nível da sala do conselho através do poço do elevador.
submitted by jvcscasio to rpg_brasil [link] [comments]


2019.11.30 03:57 altovaliriano Euron Greyjoy, um legado do Corvo de Três Olhos

Quando conhecemos Euron, sua figura é repleta de autoconfiança e ganância. Euron oferece o mundo a seus seguidores, não se limitando à tradicional pilhagem do Oeste e Norte.
No salão dos Hewett, em Escudorroble, quando seus planos de viajar para Essos são contestados, Euron se torna um pouco mais introspectivo e enigmático, e começa a falar de uma experiência do passado, particularmente familiar ao leitor:
– Quando era rapaz, sonhei que podia voar – anunciou. – Quando acordei, não podia... ou pelo menos foi o que o meistre disse. Mas, e se ele mentiu?
[...]
– Talvez possamos voar. Todos nós. Como saber, a menos que saltemos de uma torre alta qualquer?
(AFFC, O Pirata)
Esta frase inaugural de Euron no diálogo carrega uma interessante semelhança com a experiência de Bran logo no começo da saga. Enquanto estava em coma, o garoto sonhava vividamente que estava em queda livre, ouvindo o Corvo de Três Olhos lhe pedindo para que voasse e vivesse.
Não chore. Voe.
– Não posso voar – disse Bran. – Não posso, não posso…
Como sabe? Alguma vez já tentou?
[...]
– O que você está me fazendo? – perguntou ao corvo, choroso.
Estou lhe ensinando a voar.
– Não posso voar!
Está voando agora mesmo.
(AGOT, Bran III)
Assim como Euron, Bran procura um meistre (Luwin) para contar dos sonhos que estava tendo, mas o meistre se mostra cético quanto a sua natureza mística.
– Quero aprender magia – disse lhe Bran. – O corvo prometeu que eu voaria.
Meistre Luwin suspirou.
– Posso ensinar história, artes de curar, as ervas. Posso ensinar a língua dos corvos, e como construir um castelo, e o modo como um marinheiro orienta o navio pelas estrelas. Posso ensinar a medir os dias e a marcar a passagem das estações, e na Cidadela, em Vilavelha, podem lhe ensinar outras mil coisas. Mas, Bran, ninguém pode lhe ensinar magia.
(AGOT, Bran VI)
Em razão da semelhança entre as experiências, muitos leitores passaram a se questionar se Martin não estaria deliberadamente criando paralelos, para indicar ao leitores que Corvo de Sangue também havia contatado Euron no passado.
A partir desta hipótese, os fãs passaram a coletar elementos no texto que podem ser encarados como paralelos entre as histórias de Bran e Euron.
Por exemplo, durante o supramencionado sonho em A Guerra dos Tronos, o corvo de três olhos parece querer abrir um terceiro olho em Bran, tanto para despertar o garoto de seu coma quanto para metaforicamente despertar seus poderes místicos:
Levantou voo, batendo as asas contra o rosto de Bran, reduzindo-lhe a velocidade, cegando-o. O garoto hesitou no ar quando as asas da ave bateram em seu rosto. O bico do corvo apunhalou-o ferozmente, e Bran sentiu uma súbita dor cegante no meio da testa, entre os olhos.
(AGOT, Bran III)
De modo similar, este é um efeito que Euron parece querer replicar ao consumir obsessivamente as Sombras da Tarde, também em uma tentativa de despertar algo dentro de si:
– Beba comigo, irmão. Prove isto – ofereceu uma das taças a Victarion.
O capitão pegou a taça que Euron não oferecera, cheirou desconfiadamente seu conteúdo. Visto de perto, o líquido parecia mais azul do que negro. Era espesso e de aspecto oleoso, e cheirava a carne podre. Experimentou um pequeno gole e o cuspiu imediatamente.
– Que porcaria. Quer me envenenar?
– Quero abrir seus olhos [...].
(AFFC, O Pirata)
De fato, a semelhança entre os discursos é chamativa. Euron certamente pode ser identificado como o primeiro grande vilão humano westerosi envolvido com algum tipo de arte mágica. Anteriormente, a magia era exclusiva apenas dos grandes vilões em Essos (Mirri Mas Durr e Pyat Pree).
Contudo, não basta que constatamos esses paralelos para que a possibilidade de uma conexão entre Euron e Corvo de Sangue seja formada. Precisamos também saber por que Brynden Rivers entraria em contato com Euron. E há uma passagem em A Guerra dos Tronos parece indicar que Corvo de Sangue não teria feito contato apenas com Bran nos últimos anos:
Bran olhou para baixo. Agora, nada havia abaixo dele além de neve, frio e morte, um vazio gelado onde agulhas denteadas de gelo azul esbranquiçado esperavam para abraçá-lo. Voavam em sua direção como lanças. Viu os ossos de mil outros sonhadores empalados em suas pontas. Sentia um medo desesperador.
– Pode um homem continuar a ser valente se tiver medo? – ouviu sua voz dizer, uma voz pequena e distante.
E a voz de seu pai lhe respondeu.
– Essa é a única maneira de um homem ser valente.
E agora, Bran, insistiu o corvo. Escolha. Voe ou morra.
(AGOT, Bran III)
Os ossos dos sonhadores parecem ser um indicativo de Brynden Rivers submetara outras pessoas a esta mesma experiência, mas elas, ao contrário de Bran, falharam. Porém, no sonho de Euron, ele voou, o que significa que ele teria passado no teste. Deste modo, era de se esperar que ele tivesse recebido notícias de Brynden novamente depois desta experiência.
De fato, quando Bran despertou ele estava longe de ser um Vidente Verde. Ele precisou das lições de Jojen e de Corvo de Sangue, bem como foi necessário tomar a pasta de Represeiro. Entretanto, é provável que nada disso tenha ocorrido a Euron. No passado de Euron não existe qualquer relato que sugira uma aptidão mágica, tampouco Euron relata qualquer continuação a sua experimentação mística durante a infância.
De todo modo, e certo que a experiência lhe causou impacto. Essa poderia, inclusive, ser a razão que o fez ser chamado de Olho de Corvo, assim como que ele adotasse um brasão pessoal em que figuram corvos e um olho vermelho. Com efeito, o brasão tem tamanha semelhança temática com a vida de Brynden Rivers que fica difícil alegar-se ser ser apenas uma coincidência.
No entanto, Corvo de Sangue e Euron não parecem estar trabalhando com os mesmo objetivos. Enquanto Brynden procura salvar o reino dos homens, Euron quer conquistar o reino dos homens à custa de milhares de vidas. Talvez justamente por ter percebido que tipo de pessoa Euron era que Corvo de sangue não tenha insistido
De qualque maneira, a falta de contato posterior entre Euron e Corvo de Sangue deixou o primeiro com um poder, mas nenhum treinamento. Portanto, é muito provável que Euron tenha passado a maior parte de sua vida na ignorância sobre seus poderes. E até onde sabemos, Euron não tinha sonhos de dominação mundial antes de seu exílio. Alguma coisa mudou dentro dele para que passasse a acreditar que era realmente seria capaz de dobrar corações e mentes.
Provavelmente isso tem relação com o obsessivo consumo de Sombras da Tarde. O vinho dos Magos de Qarth é especificamente conhecido por despertar poderes mágicos. Dessa forma, quando vemos Euron bebendo Sombras da Tarde, na verdade estamos presenciando um vidente verde sem treinamento tomando algo feito para destravar poderes mágicos.
Mas temos motivos para acreditar que a pasta de Represeiro e as Sombras da Tarde conferem poderes semelhantes de modo semelhante. Pyat Pree explica que um simples copo dará uma sentidos sobrenaturais a quem o bebe:
– Vai deixar meus lábios azuis?
– Um copo servirá apenas para destapar seus ouvidos e dissolver a membrana que cobre seus olhos, para que possa ver e ouvir as verdades que lhe serão mostradas.
(ACOK, Daenerys IV)
Quando Bran bebe a pasta de represeiro, Corvo de Sangue diz que é o seu sangue dele o fez um vidente, mas a pasta ajudará a acordar seus dons e casá-lo às árvores.
– Isso vai me tornar um vidente verde?
– Seu sangue o fará um vidente verde – disse Lorde Bry nden. – Isso apenas despertaráseu dom e o casará com as árvores.
(ADWD, Bran III)
Mais enfaticamente, o gosto de ambos os compostos são estranhamente similares:
O gosto do primeiro gole era muito ruim, de tinta e carne estragada, mas quando o engoliu pareceu ganhar vida dentro de si. Conseguia sentir gavinhas espalhando-se por seu peito, como dedos de fogo enrolando-se no coração, e na língua ficou um sabor que era como mel, anis e creme, como leite materno e o sêmen de Drogo, como carne crua, sangue quente e ouro derretido. Era todos os sabores que já tinha experimentado e nenhum deles… e então o copo ficou vazio.
(ACOK, Daenerys IV)
Tinha um gosto um pouco amargo, embora não tão amargo quanto pasta de bolotas. A primeira colherada foi a mais difícil de descer. Ele quase a vomitou. A segunda teve um gosto melhor. A terceira estava quase doce. O restante, ele comeu ansiosamente. Por que havia pensado que era amargo? Tinha gosto de mel, de neve recém-caída, de pimenta e canela, e do último beijo que sua mãe nunca lhe dera. A tigela vazia escorregou de seus dedos e retiniu no chão da caverna.
(ADWD, Bran III)
Contudo, ainda que o gosto e os poderes se assemelhem, as árvores de onde são extraídos os compostos parecem tematicamente opostas. Não só as cores dos represeiros e das árvores de casca negra parecem inversas; a própria localização geográfica denota oposição. Os represeiros são comuns no Norte e além da Muralha; as Árvores de Casca Negra são comuns em Quarth, no Sul.
Além disso, as substâncias impõem resultados diferentes sobre o corpo de quem os consome. Os Videntes se unem com as árvores, retornando à natureza, enquanto que os Imortais se tornam almas azuis corrompidas. Euron, entretanto, não mudou:
Parece não ter mudado, pensou Victarion. Parece igual ao que foi no dia em que riu na minha cara e partiu.
(AFFC, O Capitão de Ferro)
Portanto, isso parece indicar que Euron não tenha sido, em momento algum, um discípulo dos Imortais ou de Corvo. Na verdade, o Euron que conhecemos está mais para uma mistura perigosa entre a magia verde, qarthena e valiriana (esta última através dos artefatos supostamente adquiridos nas ruínas da Antiga Valíria).
Segundo este ponto de vista, Euron não seria aprendiz ou protegido, mas alguém com quem Corvo de Sangue teve contato e aos poucos está se tornando um risco. Mas um risco pelo qual Corvo de Sangue tem uma parcela de culpa.
Alguns até apostam que Euron seria um troca-pele poderoso, capaz de escorregar para dentro da Mulher Morena e espionar Victarion e ouvir seus planos e pensamentos. Mas isso me parece poderoso em excesso.
Contudo, o desenvolvimento de uma aptidão mágica seria uma boa justificativa para o comportamento de Euron. De fato, seria uma ótima explicação para como ele foi capaz de chegar a Pyke exatamente no dia seguinte à morte de Balon e sentar na Cadeira de Pedra do Mar antes de qualquer outro dos pretendentes.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.11.04 16:31 nat23rod Bibliografia Ateísta

📷
Bibliografia Ateísta
Atenção essa lista contém livros que defendem o ateísmo ! São livros de contra-apologética.
"É muito importante não confundir cicuta com salsa, mas acreditar ou não acreditar em Deus não é nada importante."-Denis Diderot
Ateísmo
-God The Failed Hypothesis- Victor J. Stenger
-The Miracle of Theism Arguments for and Against the Existence of God- J L Mackie
-The Non Existence of God-Nicholas-Everitt
-Arguing About Gods-Graham Oppy
-Iron Chariots Wiki - Matt Dillahunty et al
-Arguing for Atheism-Robin Le Poidevin
- Atheism: A Philosophical Justification Michael Martin
-Logic and Theism - Jordan Sobel
-The Cambridge Companion to Atheism - Michael Martin
- Irreligion -John Allen Paulos
Ceticismo
-The Skeptic's Dictionary- Robert Todd Carroll
-The Skeptic Encyclopedia of Pseudoscience - Michael Shermer
-O Mundo Assombrado pelos Demonios-Carl Sagan
-Pura Picaretagem - Daniel Bezerra
-An Encyclopedia of Claims, Frauds, and Hoaxes of the Occult and Supernatural - James Randi
Religião
"A religião é considerada pelas pessoas comuns como verdadeira, pelos sábios como falsa e pelos governantes como útil." Anônimo
The gospel of the Flying Spaghetti Monster
Philosophy of Religion: An Introduction. William L. Rowe
Sharia para os Não-Muculmanos- Bill Warner
Mitologias - Organizador: Roy Willis
Crítica à Religião
O Problema Com Deus - Bart D Ehrman
O Livro Negro do Cristianismo- Jacopo Fo ,Sergio Tomat e Laura Malucelli
A morte da fé - Sam Harris
The Case Against Christianity - Michael Martin
Deus não é grande – Christopher Hitchens
Por que não sou Cristão-Bertrand Russel
O Anticristo - Friedrich Nietzsche
Quebrando o Encanto - a Religião Como Fenômeno Natural - Daniel Dennett
The Bonobo and the Atheist - Frans de Waal
Why I Am Not A Muslim - Ibn Warraq
Losing faith in faith - Dan Barker
Why I Became an Atheist-John W. Loftus
Argumentação
-A Arte de Argumentar- Antônio Suárez Abreu
-Tratado de argumentação a nova retórica-Chaim Perelman
-Argumentação Jurídica-Vitor Gabriel
- Como vencer um debate - dialetica eristica -Schopenhauer
- Do pensar por si-Schopenhauer
-Oratória-Reinaldo Polito
-Introdução a retorica-Olivier Reboul
-How to Argue & Win Every Time- Gerry Spence
Lógica e matemática
"Lógica, minha querida Zoe, é meramente o que permite alguém estar errado com autoridade." —O Doutor, Doctor Who (A Roda no Espaço)
-A Arte de Pensar Claramente - Rolf Dobelli
-Raciocínio Lógico e Matemática para Concursos CESPE/UNB
-Raciocínio Lógico Passo A Passo -Cabral,Luiz Claudio; Nunes, Mauro César
-Pinóquio no País dos Paradoxos
-Pense Como um Freak_ Como Pensa - Steven D. Levitt
-Guia das falácias de Stephen Downes
-Tratado Lógico Filosófico-Wittgeinstein
-Lógica jurídica-Chaim Perelman
-Modal Logic for Open Minds - Johan van Benthem
-Philosophical Perspectives on Infinity-Graham Oppy
Português
-Manual de língua portuguesa do Tribunal Regional Federal da 1ª Região
Psicologia
"As pessoas te cobram, querem que você acredite em alguma coisa. Eu acredito em mim, tenho fé em mim. Eu sou meu próprio Deus. Sou escrava da minha própria criação" Alinne Moraes
-Hipnose - Marketing Das Religiões - Fabio Puentes
-Cérebro e Crença - Michael Shermer
-Por que as Pessoas Acreditam em Coisas Estranhas - Michael Shermer
-A Realidade é Plástica- Anthony Jacquin
-Introdução à programação neurolinguística-Joseph 0'Connor e John Seymour
-As Armas da Persuasão-Robert Cialdini
-Manual de Persuasão do FBI-Marvin Karlins, Jack Schafer
-Emotions revealed-Paul Ekman
-A mágica de pensar grande-David Schwartz
-Tricks of the mind - Derren Brown
A Idade Decisiva -Meg jay
Biologia
-O Maior Espetáculo da Terra As Evidências da Evolução-Richard Dawkins
-POR QUE A EVOLUÇÃO É UMA VERDADE -Jerry A. Coyne
-O relojoeiro cego-Dawkins
Física/Astronomia/Cosmologia
-Física Moderna para iniciados, interessados e aficionados
-O Universo Numa Casca de Noz-Stephen Hawking
-O Grand Design-Stephen Hawking e Leonard Mlodinow
-Uma Breve História do Tempo -Stephen Hawking
-O universo elegante - Brian Greene
-A Realidade Oculta - Brian Greene
-O Tecido do Cosmo - Brian Greene
-Hiperespaco - Michio Kaku
-Mundos Paralelos - Michio Kaku
-In A Universe from Nothing- Lawrence Krauss
- O cerne da matéria- Rogério Rosenfeld
-Astronomia Para Leigos Stephen P. Maran
-Guia Ilustrado Zahar de Astronomia
Documentários
-O Universo-History Channel
-Cosmos: Uma Odisseia do Espaço-Tempo
-Como Funciona o Universo-Discovery Channel
-O Universo Elegante-PBS
-Evolução-History Channel
-Luta Jurássica-History Channel
-Derren Brown: Fear and Faith
-Jogos mentais national geographic
-A Vida Em Um Milhão De Anos National Geographic
-Preparados para o Fim- National Geographic
Links
Iron Chariots Wiki - Google Drive
Atheism, Agnosticism, Naturalism, Skepticism and Secularism
The Skeptic's Dictionary
Biblioteca Flying Spaghetti Monster
MEGA (Biblioteca FSM)
Religions Wiki
RationalWiki
Common Sense Atheism
Syllogistic
Isabelle
The LEO-II project web page: Overview
Satallax
Untitled Document (probability)
Exploring the Creation/Evolution Controversy
Rebeldia Metafísica
Lei Islâmica em Ação
A Counter Apologist Blog
Debunking Christianity
BibViz Project - Bible Contradictions, Misogyny, Violence, Inaccuracies interactively visualized
SAB Contradictions
Fighting Against Immorality in Religion
Quentin Smith
Graham Oppy
Works by Graham Oppy - PhilPapers
Real Atheology
The Atheist Experience TV Show
Lista de vieses cognitivos – Wikipédia, a enciclopédia livre
Falácia – Wikipédia, a enciclopédia livre
Propaganda techniques - Wikipedia
Stellarium Astronomy Software
Celestia: Home
Astrofísica para Todos
WolframAlpha: Making the world’s knowledge computable
"Provavelmente não há Monstro de Espaguete Voador. Agora, pare de se preocupar e aproveite a sua vida"
"Eu sou atéia, e é isso. Acredito que não há nada que possamos saber, exceto que devemos ser gentis uns com os outros e fazer o que pudermos por outras pessoas." Katharine Hepburn
*Hipóteses científicas sobre a causa do Big Bang:
-Modelo de condições sem limite de Hartle-Hawking
-Modelos cosmológicos de brana
-Modelos teóricos de cordas
-Modelos Ecpirótico
-Modelos cíclicos
-Inflação caótica
-e outros.
"A física pode concluir que o tempo não "existiu" antes do Big Bang, mas "começou" com o Big Bang e, portanto, pode não haver "começo", "antes" ou "causa potencial" e, em vez disso, o pré-Big. O universo bang sempre existiu." -Big Bang - Wikipedia
Alegações sobrenaturais sobre a causa do Big Bang:
-Monstro de Espaguete Voador
-Unicórnio Cor-de-Rosa Invisível
-Ponei azul
-e outros.
“O medo é a mãe de todos os deuses ... A natureza faz todas as coisas espontaneamente, sozinha, sem a intromissão dos deuses.” Lucrécio ( 60a.c)
Self-projection as god
Tags:Livros ateísmo
submitted by nat23rod to u/nat23rod [link] [comments]


2019.09.06 07:28 sacurama PayeerCoin ICO

PayeerCoin ICO

https://preview.redd.it/bcns4hj5swk31.png?width=1440&format=png&auto=webp&s=9b87955353bd1dab63029321ccf9c53afc022e25
Trading (Próximamente)
Q-1: ¿Cómo comercio?
Respuesta: Para comenzar a operar en Payeercoin Exchange, primero necesita fondos en su cuenta.
P-2: ¿Cómo cancelo mi pedido?
Respuesta: 'Compra instantánea' y 'Pedidos de venta' no pueden cancelarse una vez que haya hecho clic en los botones 'Comprar XXX' o 'Vender XXX'. 'Abierto
Los pedidos pueden cancelarse si no ha recibido ninguna operación en ellos. Si ha recibido intercambios parciales, puede cancelar
el restante...
Q-3: ¿Alguien puede comerciar con Payeercoin?
Respuesta: ¡Absolutamente! Payeercoin da la bienvenida a todos desde cualquier parte del mundo. Todos los usuarios deben tener un correo electrónico válido válido
dirección.
P-4: ¿Qué es una orden de compra o venta?
Respuesta: Los usuarios realizan pedidos de compra y venta para intercambiar entre dos monedas en nuestro 'Intercambio', que es un mercado de pares de intercambio.
Así es como se realizan todas las transacciones entre monedas en Payeercoin.
Q-5: ¿Cómo compro Criptomoneda?
Respuesta: Payeercoin Exchange le permite comprar muchas criptomonedas a través de nuestros varios mercados base activos (BTC, USDT,
PYC, LTC y ETH). Para comenzar, necesitará tener alguna criptomoneda en su cuenta para poder operar. Si usted tiene
criptomoneda en otro lugar, ...
P-6: ¿Por qué no se ha completado mi operación?
Respuesta: Si hay una orden de criptomoneda 'Open Trade' en su cuenta, su Trade no se completará hasta que otra
el usuario elige operar al precio de la moneda que ha establecido. TENGA EN CUENTA: Payeercoin no compra ni vende su criptomoneda
monedas, simplemente proporcionamos ...
PREGUNTAS MÁS FRECUENTES (FAQ)
Q_1: ¿Qué es PYC?
Respuesta: PYC ha creado una criptomoneda llamada "PYC", un tipo de activo digital que se utiliza para almacenar valor. El registrado
Los miembros del proyecto son conocidos grupos empresariales, entidades comerciales y comercio electrónico de todo el mundo. los
La comunidad Payeercoin (PYC), compuesta por muchos miembros, dará prioridad a la construcción de un "comerciante global
sistema de crédito ". Se espera que en los próximos tres o cuatro años, el comercio mundial generará un billón de dólares de
crecimiento anual incremental y promover la transferencia del comercio internacional tradicional restante al comercio digitalizado y
crear oportunidades comerciales anuales adicionales de billones de dólares. Todos nuestros miembros trabajarán juntos para construir un
ecosistema de comercio internacional equitativo y mutuamente beneficioso, y para compartir los enormes dividendos.
• tecnología blockchain
• Descentralizado
• Red de igual a igual
• anónimo
La tecnología Blockchain aporta nuevas soluciones a este dilema al transformar el intercambio tradicional de información de Internet.
en el valor compartido proporcionado por la confianza descentralizada. Por primera vez, tecnología distribuida de blockchain
proporciona registros de transacciones inmutables sin necesidad de garantías de intermediarios externos. Por primera vez,
El comercio internacional que involucra a múltiples participantes puede confiar en la misma fuente de datos y la lógica de negocios construida en el
fuente de datos.
Bitcoin, la primera generación de tecnología blockchain, proporciona la primera solución de pago transfronterizo de digital financiero
moneda sin intermediarios para servir al mundo. La tecnología blockchain de segunda generación Ethereum presentó el concepto de contrato inteligente donde el código
desempeña el papel de ley, lo que garantiza que los participantes no puedan anular y subvertir el contrato anterior y
lógica de negocios. El arbitraje legalmente regulado después del arbitraje de escena actualmente utilizado podría convertirse en un código previamente acordado.
La lógica empresarial como el financiamiento de la cadena de suministro, la carta de crédito, etc., puede ser parcial o incluso totalmente compatible con contratos inteligentes
que nadie puede romper
Además, los tokens basados ​​en tecnologías distribuidas pueden micro-medir el comportamiento comercial y la contribución de cada uno
interesado, transformando así a todos los participantes en una comunidad autónoma proporcionando incentivos o imponiendo
castigos Cada titular de Token preservará el valor del Token a través de sus propios esfuerzos mientras protege su propio
intereses. Al combinar los intereses de cada participante con los intereses de toda la comunidad, Token mejora el comportamiento
de todos los participantes Los creadores de normas comunitarias pueden inspirar y cambiar el comportamiento del comercio internacional existente
participantes formulando reglas para alterar todas las relaciones de producción.
P_2: ¿Cómo puedo participar en la venta de tokens PYC?
Respuesta: Regístrese en nuestro sitio web payeercoin.com y configure una cuenta de tablero. Una vez que inicie sesión, encontrará más
instrucciones sobre las etapas y el proceso de venta de tokens. Puede comprar tokens PYC solo a través de payeercoin.com. Nunca
a través de cualquier otro sitio web.
Q_3: ¿Por qué necesito registrarme?
Respuesta: Al registrarse, obtiene acceso a varias opciones y oportunidades en la plataforma. Puedes rastrear tu favorito
campañas, comentar, compartir, calificar y apoyarlos. Nunca te perderás la mejor oferta y descuento con nuestro
boletines!
Q_4: ¿Es segura la información de mi cuenta?
Respuesta: Sí, toda su información es 100% segura en nuestro sitio web, también el procesamiento de pagos está altamente encriptado
brindando mayor protección a nuestra base de datos de información. Si tiene alguna inquietud con respecto a nuestro sistema de protección,
visite nuestra Política de privacidad para obtener más información sobre la seguridad de la información en https://www.payeercoin.com/privacy.php
Q_5: ¿En qué monedas aceptamos para comprar PYC?
Respuesta: Para comprar monedas PYC, aceptamos las siguientes monedas:
Bitcoin (BTC)
Ethereum (ETH)
Perfect Money USD (PM)
Q_6: ¿Cómo obtener PYC?
Respuesta: Bono de registro, oferta inicial, minería, verificación de KYC, comisiones de referencia y muchas más oportunidades también.
Q_7: ¿Hay un período de bloqueo de PYC?
Respuesta: No hay período de bloqueo para la colocación pública.
Q_8: ¿Es solo el sitio de monedas PYC?
Respuesta: No, no es solo un sitio de monedas, sino también un sitio de comercio de criptomonedas (como binance.com o livecoin.net).
Nota: Para operar, establecemos nuestra propia tasa, que es mucho más alta que la tasa de cambio: 1 PYC = $ 4.00- $ 5.00.
Q_9: ¿Cuál es el suministro total de tokens PYC?
Respuesta: El suministro total es de solo 50,000,000 tokens de PYC para uso apropiado solamente. Esta moneda cambiará el sistema de comercio en
El mercado de las criptomonedas.
Q_10: ¿Cómo puedo mantener mis tokens seguros?
Respuesta: Nunca comparta sus contraseñas en línea. Utiliza un administrador de contraseñas.
Q_11: ¿Cuáles son las instalaciones de PYC?
Respuesta: El equipo de payeercoin.com tiene veinticinco años de experiencia en el comercio transfronterizo, y todos los miembros del equipo son
de más de 50 países, y hay cientos de socios en el mundo, incluidos.
1) Centros comerciales: ha cubierto el 20% de los 5000 centros comerciales en todo el mundo, cubriendo más de 10 millones de pequeños
y empresas medianas.
2) Centros de exposiciones: más de 20 centros de exposiciones fuera de línea O2O ubicados en América, Europa, Oriente Medio y
El sudeste de Asia.
3) Plataformas de comercio electrónico B2C y B2B: Incluyendo prendas de vestir, productos electrónicos, domésticos y agrícolas.
4) Pago: proveedores de servicios de pago y socios de servicios de banca digital de Nueva Zelanda, Japón, India y
Singapur.
5) Servicios de financiación del comercio: proveedores de servicios de financiación del comercio del Reino Unido, Australia, Nueva Zelanda, Japón, India,
Singapur y otros países.
6) Servicios de seguros: compañías o agentes de seguros que ofrecen todo tipo de seguros, incluidos bienes certificados, bienes
seguro de daños y demoras, logística, seguro de carga, seguro de crédito a la exportación.
Q_12: ¿Hay alguna billetera PYC?
Respuesta: Sí, después de completar ICO, con su teléfono inteligente, solo necesita descargar las aplicaciones móviles de PYC, y luego puede comenzar
transfiriendo dinero y haciendo cualquier pago con sus clientes, sus socios, sus proveedores ... Mediante el uso de aplicaciones PYC.
No es necesario llenar toneladas de formularios molestos que son opresivamente complejos y requieren mucho tiempo y pueden resultar en
un retraso en hacer negocios.
BILLETERO PYC:
Aquí hay algunos tipos de billetera que ofrecemos a nuestros usuarios:
• Billetera de escritorio: Windows, Linux, Mac
• Monedero web: Payeercoin.com
• Monedero móvil: aplicación de Android, aplicación de iOS
La aplicación de billetera móvil está diseñada con el más alto nivel de seguridad y es realmente una aplicación fácil de usar en la que confiaría
Y cumplir con su satisfacción.
Q_13: ¿Hay alguna negociación PYC y cuándo comenzará la negociación?
Respuesta: Sí, puede comerciar y obtener ganancias en el intercambio PYC. Justo después de la ICO, abriremos el intercambio PYC, así que usted
puede comerciar y comprar PYC. También puede comerciar a través de nuestros pisos asociados, los pisos asociados se introducirán después de la ICO.
El comercio comenzará desde PYC a otras monedas alternativas / criptomonedas (como BTC, ETH, XRP, LTC, USDT, etc.) y otras
altcoins / cryptocurrency a PYC. En primer lugar, comenzamos alrededor de 300-350 altcoins para el comercio.
Q_14: ¿Qué son ICO y pre-ICO?
Respuesta: ICO u Initial Coin Offering es un mecanismo para recaudar fondos, bajo los términos de los cuales se venden tokens digitales por
Varias criptomonedas líquidas. Por lo general, se distribuyen tres tipos diferentes de tokens: moneda virtual, utilidad y
equidad. Las monedas virtuales generalmente son monedas con su propia cadena de bloques, que se utilizan como una opción de pago con varias características.
Los tokens de utilidad se usan solo en sus respectivos proyectos, proporcionan bonificaciones o se usan para pagar los servicios. Fichas de equidad, o
valores, ofrecer dividendos u otros medios de ganancias, una participación en una empresa o un derecho de voto. Apoyo de patrocinadores
campañas ahora para obtener algún beneficio más adelante. Pre-ICO: una etapa anterior a la ICO (etapa principal), recaudación de fondos para
proyecto. Pre-ICO se lleva a cabo para probar y verificar la demanda del proyecto, obtener apoyo de la comunidad y expandirse
El presupuesto para la comercialización ante el principal ICO. No todos los proyectos llevan a cabo una pre-ICO. .
Q_15: ¿Qué es KYC y para qué sirve?
Respuesta: KYC ("conoce a tu cliente / cliente / contraparte") y AML ("anti-lavado de dinero") son dos elementos clave de
Procesos modernos de cumplimiento legal. Estas revelaciones tienen varios propósitos: impuestos por los reguladores, ayudan a evitar
financiación cuestionable de regímenes de dictadura, soborno y operaciones de tráfico de drogas, y cualquier fundador sería
feliz de dejar a un lado este tipo de inversores; aplicados por proyectos, ayudan a apuntar a la base de clientes adecuada, aumentar
financiación solo de aquellos tipos de inversores con los que el proyecto es elegible para trabajar, no se enfrentan a reembolsos posteriores a la ICO, tienen
prontas estadísticas geográficas e incluso demográficas; Para los inversores, KYC se convierte en una parte rutinaria de las criptomonedas
operaciones, si estamos hablando de intercambios donde los límites de depósito y retiro se establecen en función de la precisión de
sus datos personales, o la planificación de la declaración de impuestos y el uso posterior de las ganancias comerciales; en una nota separada, vale la pena saber
que los iniciadores de proyectos no se esconden detrás de personalidades falsas y, por lo tanto, existe un menor riesgo de que desaparezcan en el
azul (aunque esto no funciona de manera mágica en los modelos de negocio de los proyectos y las implementaciones de mapas de ruta). PYC tiene como objetivo
Implementar un sistema integral compatible con las necesidades y requisitos de cada parte involucrada en el proyecto
iniciación, recaudación de fondos, distribución de tokens, asignación de recompensas y bonificaciones. En otras palabras, una vez que pasa el
KYC de la plataforma, puede operar con su personalidad / ID digital sin ser interrogado nuevamente.
Q_16: ¿PYC ejecuta algún concurso?
Respuesta: Ofrecemos concursos para nuestros orgullosos usuarios. Obtendrán 100 USD para el concurso de referidos, la compra del concurso PYC, el comercio
concurso individualmente. Actualmente, el concurso de referencias y el concurso de compra de PYC se están ejecutando.
Q_17: ¿Tiene un programa de afiliación?
Respuesta: Sí, tenemos varios tipos de programas de afiliación. El programa básico está diseñado para atraer clientes en línea. Ahi esta
También una oferta especial para socios que desean abrir una oficina de representación o un centro de llamadas y adquirir clientes tanto en línea
y fuera de línea. Si alguien quiere convertirse en representante, contáctenos sin dudarlo.
Haga clic aquí https://www.payeercoin.com/contact.php para contactarnos, pagamos hasta el 15% de las comisiones. La cantidad de
Estos pagos dependen de sus líneas descendentes.
Q_18: He recibido una bonificación. ¿Puedo usarlo para comerciar?
Respuesta: Sí, la mayoría de las bonificaciones en nuestra empresa son referencias y bonificaciones comerciales, lo que significa que pueden convertirse en parte
de un requisito de margen si no se han especificado términos alternativos.
Q_19: ¿Qué es el reembolso de PYC?
Respuesta: Según el contrato inteligente de PYC, el 3% de todos los fondos aceptados por el agente de cifrado de sus clientes son
distribuido proporcionalmente entre los titulares de tokens mensualmente. Este programa se lanzará el 01-08-
  1. En detalles próximamente ........
Q_20: ¿Por qué crees que PYC aumentará de precio?
Respuesta: PYC cuenta con el respaldo de un verdadero negocio de corredores de cifrado; Los clientes pueden pagar los servicios de la compañía con estos tokens; PYC
tiene un potencial de inversión como parte del programa de devolución de efectivo.

Para obtener más información, haga clic en el siguiente enlace:

Author: sacurama
My Bitcointalk Profile: https://bitcointalk.org/index.php?action=profile;u=2210207
submitted by sacurama to u/sacurama [link] [comments]


2019.07.01 16:34 nat23rod Bibliografia Ateísta

Bibliografia Ateísta
Atenção essa lista contém livros que defendem o ateísmo ! São livros de contra-apologética.

"É muito importante não confundir cicuta com salsa, mas acreditar ou não acreditar em Deus não é nada importante."-Denis Diderot

Ateísmo
-God The Failed Hypothesis- Victor J. Stenger
-The Miracle of Theism Arguments for and Against the Existence of God- J L Mackie
-The Non Existence of God-Nicholas-Everitt
-Arguing About Gods-Graham Oppy
-Iron Chariots Wiki - Matt Dillahunty et al
-Arguing for Atheism-Robin Le Poidevin
- Atheism: A Philosophical Justification Michael Martin
-Logic and Theism - Jordan Sobel
-The Cambridge Companion to Atheism - Michael Martin
- Irreligion -John Allen Paulos

Ceticismo
-The Skeptic's Dictionary- Robert Todd Carroll
-The Skeptic Encyclopedia of Pseudoscience - Michael Shermer
-O Mundo Assombrado pelos Demonios-Carl Sagan
-Pura Picaretagem - Daniel Bezerra
-An Encyclopedia of Claims, Frauds, and Hoaxes of the Occult and Supernatural - James Randi

Religião
"A religião é considerada pelas pessoas comuns como verdadeira, pelos sábios como falsa e pelos governantes como útil." Anônimo
The gospel of the Flying Spaghetti Monster
Philosophy of Religion: An Introduction. William L. Rowe
Sharia para os Não-Muculmanos- Bill Warner
Mitologias - Organizador: Roy Willis

Crítica à Religião
O Problema Com Deus - Bart D Ehrman
O Livro Negro do Cristianismo- Jacopo Fo ,Sergio Tomat e Laura Malucelli
A morte da fé - Sam Harris
The Case Against Christianity - Michael Martin
Deus não é grande – Christopher Hitchens
Por que não sou Cristão-Bertrand Russel
O Anticristo - Friedrich Nietzsche
Quebrando o Encanto - a Religião Como Fenômeno Natural - Daniel Dennett
The Bonobo and the Atheist - Frans de Waal
Why I Am Not A Muslim - Ibn Warraq
Losing faith in faith - Dan Barker
Why I Became an Atheist-John W. Loftus

Argumentação
-A Arte de Argumentar- Antônio Suárez Abreu
-Tratado de argumentação a nova retórica-Chaim Perelman
-Argumentação Jurídica-Vitor Gabriel
- Como vencer um debate - dialetica eristica -Schopenhauer
- Do pensar por si-Schopenhauer
-Oratória-Reinaldo Polito
-Introdução a retorica-Olivier Reboul
-How to Argue & Win Every Time- Gerry Spence

Lógica e matemática
"Lógica, minha querida Zoe, é meramente o que permite alguém estar errado com autoridade." —O Doutor, Doctor Who (A Roda no Espaço)
-A Arte de Pensar Claramente - Rolf Dobelli
-Raciocínio Lógico e Matemática para Concursos CESPE/UNB
-Raciocínio Lógico Passo A Passo -Cabral,Luiz Claudio; Nunes, Mauro César
-Pinóquio no País dos Paradoxos
-Pense Como um Freak_ Como Pensa - Steven D. Levitt
-Guia das falácias de Stephen Downes
-Tratado Lógico Filosófico-Wittgeinstein
-Lógica jurídica-Chaim Perelman
-Modal Logic for Open Minds - Johan van Benthem
-Philosophical Perspectives on Infinity-Graham Oppy

Português
-Manual de língua portuguesa do Tribunal Regional Federal da 1ª Região

Psicologia
"As pessoas te cobram, querem que você acredite em alguma coisa. Eu acredito em mim, tenho fé em mim. Eu sou meu próprio Deus. Sou escrava da minha própria criação" Alinne Moraes
-Hipnose - Marketing Das Religiões - Fabio Puentes
-Cérebro e Crença - Michael Shermer
-Por que as Pessoas Acreditam em Coisas Estranhas - Michael Shermer
-A Realidade é Plástica- Anthony Jacquin
-Introdução à programação neurolinguística-Joseph 0'Connor e John Seymour
-As Armas da Persuasão-Robert Cialdini
-Manual de Persuasão do FBI-Marvin Karlins, Jack Schafer
-Emotions revealed-Paul Ekman
-A mágica de pensar grande-David Schwartz
-Tricks of the mind - Derren Brown
A Idade Decisiva -Meg jay

Biologia
-O Maior Espetáculo da Terra As Evidências da Evolução-Richard Dawkins
-POR QUE A EVOLUÇÃO É UMA VERDADE -Jerry A. Coyne
-O relojoeiro cego-Dawkins

Física/Astronomia/Cosmologia
-Física Moderna para iniciados, interessados e aficionados
-O Universo Numa Casca de Noz-Stephen Hawking
-O Grand Design-Stephen Hawking e Leonard Mlodinow
-Uma Breve História do Tempo -Stephen Hawking
-O universo elegante - Brian Greene
-A Realidade Oculta - Brian Greene
-O Tecido do Cosmo - Brian Greene
-Hiperespaco - Michio Kaku
-Mundos Paralelos - Michio Kaku
-In A Universe from Nothing- Lawrence Krauss
- O cerne da matéria- Rogério Rosenfeld
-Astronomia Para Leigos Stephen P. Maran
-Guia Ilustrado Zahar de Astronomia

Documentários
-O Universo-History Channel
-Cosmos: Uma Odisseia do Espaço-Tempo
-Como Funciona o Universo-Discovery Channel
-O Universo Elegante-PBS
-Evolução-History Channel
-Luta Jurássica-History Channel
-Derren Brown: Fear and Faith
-Jogos mentais national geographic
-A Vida Em Um Milhão De Anos National Geographic
-Preparados para o Fim- National Geographic

Links
Iron Chariots Wiki - Google Drive
Atheism, Agnosticism, Naturalism, Skepticism and Secularism
The Skeptic's Dictionary
Biblioteca Flying Spaghetti Monster
MEGA (Biblioteca FSM)
Religions Wiki
RationalWiki
Common Sense Atheism
Syllogistic
Isabelle
The LEO-II project web page: Overview
Satallax
Untitled Document (probability)
Exploring the Creation/Evolution Controversy
Rebeldia Metafísica
Lei Islâmica em Ação
A Counter Apologist Blog
Debunking Christianity
BibViz Project - Bible Contradictions, Misogyny, Violence, Inaccuracies interactively visualized
SAB Contradictions
Fighting Against Immorality in Religion
Quentin Smith
Graham Oppy
Works by Graham Oppy - PhilPapers
Real Atheology
The Atheist Experience TV Show
Lista de vieses cognitivos – Wikipédia, a enciclopédia livre
Falácia – Wikipédia, a enciclopédia livre
Propaganda techniques - Wikipedia
Stellarium Astronomy Software
Celestia: Home
Astrofísica para Todos
WolframAlpha: Making the world’s knowledge computable

"Provavelmente não há Monstro de Espaguete Voador. Agora, pare de se preocupar e aproveite a sua vida"

"Eu sou atéia, e é isso. Acredito que não há nada que possamos saber, exceto que devemos ser gentis uns com os outros e fazer o que pudermos por outras pessoas." Katharine Hepburn

*Hipóteses científicas sobre a causa do Big Bang:
-Modelo de condições sem limite de Hartle-Hawking
-Modelos cosmológicos de brana
-Modelos teóricos de cordas
-Modelos Ecpirótico
-Modelos cíclicos
-Inflação caótica
-e outros.
"A física pode concluir que o tempo não "existiu" antes do Big Bang, mas "começou" com o Big Bang e, portanto, pode não haver "começo", "antes" ou "causa potencial" e, em vez disso, o pré-Big. O universo bang sempre existiu." -Big Bang - Wikipedia
Alegações sobrenaturais sobre a causa do Big Bang:
-Monstro de Espaguete Voador
-Unicórnio Cor-de-Rosa Invisível
-Ponei azul
-e outros.

“O medo é a mãe de todos os deuses ... A natureza faz todas as coisas espontaneamente, sozinha, sem a intromissão dos deuses.” Lucrécio ( 60a.c)

Self-projection as god

Tags:Livros ateísmo
submitted by nat23rod to ateismo_br [link] [comments]


2019.05.30 22:09 KoopaTrope Sonhos lúcidos

- É sua tarefa, Luís, não minha.

- Eu sei, só estou pedindo ajuda. Você não pode me explicar?

O escritório inteiro olhava para os dois, mas a colega com quem ele falava nem tirava os olhos da tela para respondê-lo.

- Não. É responsabilidade sua.

Ele ficou ali, de pé, constrangido. A mulher acrescentou:

- Pôr calças também seria uma boa ideia.

Luís percebeu que estava pelado abaixo da cintura. Cobriu suas partes com as mãos e, envergonhado, voltou ao seu lugar. Sentou-se e fingiu que estava tudo normal. Perguntou-se se Mara havia visto aquela humilhação toda.

Tentou trabalhar, mas raciocinar estava difícil, então abriu o Outlook e digitou:


“Para: Suporte Técnico Assunto: Café Mensagem: 

Olá, Poderiam, por favor, me trazer uma xícara de café? Aguardo sua resposta. Atenciosamente, Luís Monteiro” 


Assim que enviou o e-mail, Mara veio ao seu cubículo conversar. Ela estava de saia rosa e uma boa parte da coxa de fora. Luís afundou-se na cadeira tentando esconder sua nudez debaixo da mesa.

- Precisa de ajuda? - A voz, assim como o rosto, era da sua ex, mas aquela era a Mara mesmo assim.

- Preciso.

Ele tentou se lembrar aonde estava guardado, na rede, o arquivo que precisava preencher. Abria diversas pastas mas não o achava. Mara mudava o peso de uma perna para a outra, impaciente.

Ele clicou duas vezes em um arquivo e um emulador de Super Nintendo se abriu, com as palavras “STAR WARS” em amarelo num fundo preto. A versão 16-bit do tema do filme tocando alto.

- Não sei o que é isso - ele mentiu enquanto tentava abaixar o volume da caixa de som, sem sucesso. - Nunca instalei isso. Não é meu.

Diversos colegas se aproximaram para olhar sua tela.

- Aqui está o café! - gritou o cara do suporte técnico, tentando ser ouvido por cima da música.

Luís tentava fechar a janela do emulador, mas não conseguia. O logo amarelo se distanciava da tela e um texto o seguia lentamente pelo espaço. A música continuava jorrando. O cursor estava em cima do “X”, mas quando ele clicava nada acontecia. No desespero, acertou com o cotovelo a xícara que havia surgido em cima da mesa. Mara gritou quando o café pelando caiu na sua perna.

- Desculpa! - Luís disse se levantando.

Os olhares dos colegas o lembraram que ele estava pelado. Mara chorava. Ela tirou a mão da coxa revelando uma ferida em carne viva.

- Desculpa! - Ele implorou.

A menina olhou para a nudez de Luís. Sua expressão passou de dor para surpresa, e logo para a de desespero.

- Na sua barriga também! - Ela disse, apontando para o jovem.

Ele olhou para baixo.

Sua barriga estava tostada. Bolhas cresciam e estouravam, fazendo sangue e pus escorrerem pelas suas pernas.


Tudo aquilo desapareceu, exceto pela música, e Luís viu-se em seu quarto, deitado na cama. O lap top estava quente em sua barriga ainda com Super Star Wars ligado. Fechou a janela do jogo assim que entendeu o que estava acontecendo. Ah, silêncio!

Havia chegado tarde do trabalho, descongelado e comido uma lasanha e deitado no escuro para jogar um pouco e relaxar. Nem percebeu quando caiu no sono. Devia ter esbarrado em alguma coisa e o lap top saiu do modo inativo, o acordando.

“Que merda de sonho”, pensou. Ter pesadelos já era ruim, mas sonhar que estava trabalhando era horrível. Chegara do serviço e pegara no sono por oito horas, só para trabalhar lá também. E agora já tinha que voltar pro escritório. Era como se fizesse três turnos emendados. O pior é que esses sonhos estavam cada vez mais frequentes.

Pensou sobre o pesadelo que teve. Aliviava-se ao lembrar dos detalhes e se assegurar de que nenhum deles tinha acontecido de verdade. Riu da ideia de pedir um café por e-mail para o suporte técnico. “Acho que vou fazer isso hoje”, brincou para si mesmo, começando a ficar grogue de sono novamente. Abriu os olhos com urgência e checou as horas no celular. Faltavam quinze minutos pra ter que se levantar.

Quinze minutos era o pior. Muito pouco para voltar a dormir mas muito tempo para desperdiçar se levantando. Já que estava com o computador na cama, abriu uma janela do Reddit e começou a navegar.

No meio de memes e gifs de cachorros, viu uma postagem que, se houvesse visto em outro dia, teria ignorado, mas hoje lhe chamara a atenção. Era um texto sobre sonhos lúcidos. Ele já havia ouvido falar naquilo, sabia que tinha a ver com controlar seus sonhos. “Num pesadelo como o de hoje isso seria muito útil”, pensou.


Ao meio-dia, enquanto almoçava, Luís leu o artigo salvo no celular.

O conceito era o que imaginava: controlar a si mesmo e tudo ao seu redor nos sonhos. A maneira como se alcançava isso era percebendo que estava sonhando sem acordar. Assim a realidade era sua para ser modelada. “Eu poderia fazer o que quisesse”, pensou. “Poderia ser um jedi, ter uma Ferrari, comer a Megan Fox…”.

Leu atentamente a segunda parte do texto, que ensinava como atingir a lucidez nos sonhos.

A primeira dica era ter um diário de sonhos, que deveria ficar na cabeceira da cama, tanto para que fosse possível anotá-lo antes de esquecê-lo, quanto para que de noite a pessoa caísse no sono perto do caderno. Isso faria com que ela inconscientemente se preparasse para sonhar, aumentando suas chances de perceber que sonhava.

Aquilo pareceu bobagem para Luís. Esse papo de inconsciente não era sua praia, mas o próximo ponto parecia mais racional e o fascinava.

Tratava-se de outro tipo de truque para perceber que se estava sonhando. A grande sacada era se viciar nesses truques, de maneira com que a pessoa começasse a testar o seu redor mesmo sem pensar a respeito, até que em algum momento acabaria fazendo aquilo sem querer em um sonho, e então perceberia que estava dormindo.

Dois desses truques fizeram muito sentido para Luís. Um era olhar a palma de sua mão o tempo todo, de cinco em cinco minutos, se possível, todos os dias, até que começasse a fazê-lo sem pensar. Acabaria conhecendo a imagem da sua palma, e quando, por vício, fizesse aquilo em um sonho, reconheceria que aquela não era exatamente a sua mão.

Outro truque que Luís achou que podia funcionar com ele era se viciar em apertar todo interruptor de luz que visse. Teria que, toda vez que entrasse em uma sala sozinho, procurar um interruptor e apertá-lo. Segundo a postagem, assim como a palma da mão, a mudança da luz em uma sala era difícil de ser reproduzida perfeitamente por nosso cérebro.

Se ele era influenciável o suficiente para frequentemente sonhar que estava trabalhando, não via porque não conseguiria condicionar-se a testar uma dessas coisas num sonho.


- Tá tudo bem? - Perguntou Pedro, ao flagrar Luís, de novo, olhando para a palma de sua mão.

- Sim, tudo certo.

Pedro sentava ao seu lado e provavelmente o veria fazendo aquilo diversas vezes ao dia, então Luís abriu o jogo:

- Eu só estou fazendo um teste. É um truque para se ter sonhos lúcidos.

O colega franziu a testa.

- Isso é quando você tem um sonho super realista, tipo A Origem, né?

- Mais ou menos. - Ele respondeu, sem saco para explicar, e com um pouco de vergonha também.

Após os dois ficarem em silêncio por um instante, Luís checou novamente sua palma. Pedro balançou a cabeça negativamente e balbuciou:

- Coisa de louco.

Luís ouviu esse tipo de comentário diversas vezes nos dias seguintes. Mesmo assim, sua força de vontade o fez continuar. De cinco em cinco minutos, as vezes ainda mais frequentemente, ele checava sua palma, não se importando com quem via. Começou a fazê-lo sem pensar, até na frente da Mara.

Sempre que entrava em um cômodo novo e se via sozinho, procurava o interruptor e o apertava, prestando atenção em como a luz se apagava e se acendia. Não importava se estava em casa, no escritório ou qualquer outro lugar. Chegou a apagar a luz sem querer na cozinha do escritório enquanto umas dez pessoas almoçavam. Apenas pediu desculpas e acendeu a lâmpada, aproveitando para reparar bem em como isso mudava o ambiente.

Até a dica do diário de sonhos ele seguiu. No começo sentiu-se um pouco ridículo escrevendo seus sonhos, mas acabou gostando de ter um jornalzinho e poder reler aqueles sonhos bizarros que sumiam de sua cabeça alguns minutos após acordar.

Após dois meses ele havia quase desistido daquilo tudo. Quando apertava um interruptor ou olhava para a palma de sua mão se perguntava por que estava fazendo aquela idiotice, mas então imaginava-se voando num sonho, e sendo um rei por oito horas, todos os dias, e insistia no hábito.


Um dia Luís estava com a Mara na casa dela. A aparência era da casa de sua avó, mas era a da Mara mesmo assim. Sentados no sofá, os dois conversavam, e a menina o tocava quando falava, e ria toda vez que ele fazia um comentário engraçado. “Isso está indo muito bem”, ele pensava, e pela primeira vez perto dela falava com confiança.

- Sabia que seu nome é de uma personagem do Star Wars?

- É mesmo? - Ela arregalou os olhos, muito interessada.

- Sim. Mara Jade. E o seu olho é verde, igual jade…

- Uau! Que coincidência!

- É! Eu pensei nisso assim que me apresentaram você, quando eu entrei na empresa.

- Eu tenho uma coisa do Star Wars aqui.

A moça se levantou e se trancou no closet. Depois de alguns instantes saiu vestindo uma longa tanga vinho que cobria a parte da frente e de trás de sua cintura, aberta nas laterais, um biquini metálico, pulseiras douradas e um colar apertado, do mesmo metal, do qual saia uma corrente. Seu cabelo trançado caia decorado por presilhas amarelas.

- Você gosta? - Ela o provocou.

- Muito - Respondeu, finalmente ficando nervoso.

- Vem.

Mara saiu da sala em direção ao seu quarto e Luís a seguiu. Entre os dois cômodos havia um corredor, e nele, sem pensar, o jovem olhou para a sua mão.

Havia algo de errado. Tentava reconhecer as linhas mas não conseguia. Elas se embaralhavam na sua palma. Apenas quando Luís focava no lugar em que uma linha deveria estar é que ela aparecia corretamente.

“Isso não está certo”, ele pensou.

- Vem, Luís.

Ele podia ver Mara na cama, olhando para ele do quarto. Teve vontade de esquecer a sua mão e ir até ela, mas algo dentro de si dizia que aquilo era muito importante, e que, muito tempo atrás, em um tempo que ele nem se lembrava mais, queria muito que aquilo acontecesse.

“Tinha a ver com perceber se eu estava sonhando”, lembrou. Aquele pensamento o fez procurar por um interruptor de luz.

Do lado da porta do quarto onde Mara estava havia um grande interruptor amarelo. Luís o apertou e nada aconteceu.

“Estranho”, pensou. A lâmpada estava apagada, mas o corredor continuava iluminado. Apertou o botão novamente e viu a luz surgir dentro da lâmpada, um instante mais devagar do que deveria, mas a iluminação ao seu redor continuava a mesma.

Uma realização veio de repente: “estou sonhando”.

Agora ele via a diferença. Era como se tudo existisse de maneira fraca, exceto aquilo em que ele prestava atenção. Olhava para Mara e a única coisa que existia era ela. Olhava para o interruptor e Mara deixava de existir, e após alguns segundos, quando relaxava, coisas ao redor começavam a aparecer em segundo plano, desfocadas.

“O que eu quiser vai existir. Isso é tudo minha imaginação, só preciso aprender a controlá-la”. Olhou para a mulher na cama e concentrou-se, imaginando-a levantando o braço. Ela o levantou. Como se uma chave tivesse sido virada no cérebro de Luís, o sonho parou de acontecer sozinho, e ele se viu no poder.

Ao ganhar o controle, tudo ao seu redor desapareceu. Ele estava no meio do nada.

Lembrou-se do artigo que leu. Haviam diferentes níveis de domínio dos sonhos, e no mais forte apenas o que a pessoa imaginasse existiria, sem nada em segundo plano sendo projetado pelo inconsciente. “Parece que vim direto pro nível mais avançado”, pensou.

Imaginou a Mara numa cama a sua frente e o pensamento se materializou na hora. Ele se aproximou. Agora tudo o que existia era ele, a cama e Mara. Relaxou por um instante e tudo desapareceu. Ele estava no meio do nada de novo. Esforçou-se para fazer Mara e a cama reaparecerem, e conseguiu, mas a mulher não fazia nada, apenas estava lá, da maneira em que ele a imaginava.

Tinha que concentrar-se para que ela continuasse existindo. Suas curvas, seu olhar, seu sorriso, nada daquilo existia mais sozinho, como antes, tudo dependia dele imaginar.

“Isso não é muito diferente de fantasiar acordado”, pensou. Tocou a pele da mulher. Não sentiu nada. Imaginou a textura e a temperatura, e de certa maneira a sentiu. “Isso não é um sonho mais. É só imaginação.” A decepção fez com que ele se desconcentrasse e tudo desapareceu novamente. Dessa vez ele imaginou a Megan Fox na sua frente. Tocou-a e o resultado foi o mesmo: teve que imaginar a sensação. “Isso é ridículo. Eu já me imaginei tocando essas duas um milhão de vezes. No sonho deveria parecer real!”.


O sonho foi interrompido pelos berros de um despertador. Xingando, Luís o desligou. Por instinto ele abriu seu diário de sonhos na página daquele dia, destampou a caneta Bic e olhou para a folha em branco por um segundo. Fechou a caderneta com a caneta no meio e a atirou para o outro canto do quarto. “Que merda”, ele pensou, frustrado. Não anotou mais seus sonhos.

Naquele dia o jovem lutou contra o vício e não olhou nenhuma vez para a palma de sua mão. Quando via um interruptor tinha vontade de xingá-lo. Sentia-se enganado e traído.

Parte de si ainda negava que aquilo realmente acontecera. Enquanto trabalhava, fechou os olhos e imaginou-se tocando a Megan Fox pelada. A sensação era exatamente igual à do sonho. O que ele havia visto e sentido enquanto sonhava não era nem um pingo mais real do que sua imaginação era normalmente, e ele não se considerava alguém com uma imaginação super fértil. Todas aquelas semanas de treino, o ridículo que passara na frente das pessoas ao olhar para sua mão o tempo todo, tudo aquilo para nada. Para um sonho de merda que nem podia ser chamado de sonho.

- Tá dormindo? - Perguntou Pedro, voltando do banheiro.

Luís abriu os olhos e fingiu trabalhar.

- Ou tá sonhando que nem A Origem? - Pedro riu alto com seu comentário, sentou-se e abriu seu lap top com um sorriso no rosto.


Ao chegar do trabalho, Luís comeu um miojo, colocou o pijama e tomou um remédio para dormir, que gostava de ter em casa para uma emergência. Deixou a louça acumular mais um dia. Ainda não eram nem 8 horas, mas ele apagou a luz do quarto e se deitou.

Não sabia exatamente aonde queria chegar, mas precisava sonhar. Ele se perguntou se “acordaria” outra vez dentro do sonho. Se acontecesse, talvez ele pudesse fazer tudo sentir mais real do que na noite passada. Seria bom. Mas ele torcia para que nada disso acontecesse. Ele queria ter um sonho normal, sem lucidez nenhuma. Um sonho que o enganasse até alguns segundos após acordar.

Um facho de luz azulada entrava pela abertura por entre as cortinas e se estampava na parede. Ficava mais forte e esbranquiçado quando um carro passava na rua. Luís assistiu aquilo por uma meia hora.

Ele não percebeu a transição, mas se encontrava em lugar nenhum, no meio do nada. Lá não era escuro, mas também não era claro. Simplesmente não era nada.

Lembrou-se de uma postagem que leu no Reddit, de um cara tentando entender como é possível que cegos simplesmente não enxergam, ao invés de ver tudo escuro. Alguém havia explicado pedindo para que o OP fechasse os olhos. “Tudo o que você vê é preto, certo?”, dizia o comentário. “E o que você vê atrás de si? Tudo escuro também? Não, você simplesmente não enxerga nada atrás de si. Não é preto nem branco, simplesmente não existe”. Assim era o nada ao redor de Luís.

Ele já estivera ali antes. Na noite anterior, assim que começou a sonhar lucidamente e tudo ao seu redor desapareceu, mas dessa vez o jovem soube que estava sonhando no instante em que adormecera e aparecera ali. Nem tivera a chance de ter um sonho não lúcido. “Merda. Será que vai ser assim a noite inteira?”

Resolveu pelo menos tentar se divertir. Lembrou-se do comentário do Pedro sobre Inception e tentou criar uma cidade ao seu redor, como no filme. Imaginou uma rua com calçadas. Não era ultra-realista como ele esperava que seus sonhos lúcidos seriam, era apenas tão real quanto sua imaginação. Ele se perguntou se sempre sonhara assim, tudo meio fora de foco, meio descolorido.

Concentrou-se no chão e, após alguns segundos, conseguiu detalhá-lo bem. O asfalto brilhava e a calçada era feita de paralelepípedos, todos perfeitos e do mesmo tamanho. Grama crescia aqui ou ali, por entre as pedras.

Imaginou um prédio ao seu lado, uma torre de cimento e vidro. Decorou-o com um portão de ferro, alguns degraus levando até a porta de entrada e uma portaria vazia.

Percebeu que, ao imaginar o prédio, havia deixado de lado o chão, que desaparecera. Imaginou-o outra vez, agora se esforçando para manter as duas coisas na cabeça ao mesmo tempo.

Conseguiu fazer ambas as coisas existirem juntas, mas não pôde mantê-las tão detalhadas quanto antes. Se o asfalto brilhava e grama crescia na calçada, o prédio era apenas uma torre cinza sem graça. Se o prédio tinha janelas e uma fachada bonita, o chão tornava-se apenas uma sombra aos seus pés.

“Talvez se eu praticar bastante eu consiga”, pensou, mas não queria treinar aquilo. Não era divertido. Qual era o ponto daquilo tudo? Ele só queria voltar a sonhar normalmente e deixar esses sonhos lúcidos pra trás.

Esqueceu o pedacinho de cidade ao seu redor. Tudo desapareceu e ele voltou ao nada.

Quis relaxar como se tentasse dormir, mas não tinha sono. Claro, já estava dormindo. Sua mente estava relaxada mas em alerta, como quando ele tomava café no escritório mas continuava com preguiça de trabalhar.

Ficou apenas pensando na vida, esperando as horas passarem. Não havia maneira de checá-las. Achava que haviam se passado duas horas, pelo menos. Três talvez. Esperou mais.

Considerou que teria que esperar oito horas até o despertador acordá-lo. Ou mais, porque havia dormido cedo. “Pensei que o tempo nos sonhos passasse mais rápido ou algo assim. Merda de filme”.

Talvez em um sonho de verdade o tempo parecesse passar de maneira diferente, mas ele podia chamar aquilo de sonho? Só estava com sua mente acordada enquanto dormia, nada mais.

Após o que pareciam ter sido realmente oito horas, acordou. Seu corpo estava descansado, mas sua mente não. Era difícil se concentrar em qualquer coisa.

No trabalho ele não rendeu nada e em casa menos ainda. Deixou as tarefas domésticas para o dia seguinte de novo. A louça continuou acumulando e ele sabia que amanhã teria que usar uma camisa amassada, porque não tinha energia para passar.

Faziam dias que ele não falava com seus amigos e família, mas ignorou as ligações de sua mãe, apenas mandou uma mensagem de “está tudo bem, amanhã nos falamos”. Não queria conversar com ninguém naquele estado.

Perto da meia-noite se deitou. Mesmo cansado, a ideia de dormir e ter um sonho daqueles outra vez lhe parecia terrível. Passou a noite inteira jogando Dwarf Fortress e tomando Coca-Cola.


- Meu Deus, você está um caco! - Disse Pedro.

- Não consegui dormir.

Luís olhava para a tela do computador, mas não raciocinava. Os e-mails que chegavam pareciam estar em grego e as conversas ao seu redor não faziam sentido. Não comentou nada nas reuniões em que participou. Se alguém lhe pedisse para resumi-las ele não teria ideia do que foi tratado.

Era como se tivesse ficado mais de 48 horas acordado, já que duas noites atrás, quando havia dormido, não descansara sua mente. No fim do expediente esse número subiu para 56 horas.

As cores estavam diferentes e as palavras não faziam sentido. “Isso já é considerado alucinar? Acho que sim”. Quando olhava para o computador por muito tempo e depois para uma parede branca, via a tela estampada em negativo, desaparecendo aos poucos e aparecendo mais forte cada vez que piscava os olhos.


Naquela noite ele não teve escolha, dormiu. Nem se lembrava de caminhar até a cama e se jogar, mas percebeu quando apareceu naquele nada que eram seus sonhos agora. Lúcido outra vez. Foi quando teve a realização de que talvez nunca mais sonhasse normalmente, e pra sempre estaria “acordado” ao dormir. Talvez ao “virar a chave” no seu cérebro ele tivesse quebrado sua habilidade de sonhar para sempre.

O desespero bateu. Oito horas por dia daquele tédio e solidão para o resto de sua vida seria tortura. Tentou se entreter de alguma maneira.

Criou outro ser humano no sonho e tentou dar-lhe uma personalidade, mas ele só fazia o que Luís imaginasse. Voltou a tentar criar sua cidade. Talvez se fizesse uma bem grande teria como se entreter nela. Dessa vez não tentou detalhá-la demais e preocupou-se apenas em criar o maior número de objetos possíveis, sem fazer os outros desaparecerem. O esforço mental era enorme.

Foi quando percebeu que isso só o esgotaria mais, e seus dias seriam cada vez piores.

Sentou-se no nada e tentou descansar. Teve a ideia de meditar. Não sabia muito bem como fazer aquilo mas sabia que tinha que tentar não pensar em nada. Talvez conseguisse descansar seu cérebro um pouco.

As horas passaram devagar e dolorosamente. Em nenhum momento ele sentiu que ficou menos lúcido, mas quando acordou Luís percebeu que a meditação o ajudou. Continuava exausto, mas sentia-se como se tivesse tirado uma soneca.

Nas noites seguintes ele continuou meditando, tentando usar sua cabeça o mínimo possível. Durante o dia ele lia sobre a prática e religiões orientais, o que ele teria achado ridículo alguns meses atrás. Seus dias voltaram a render, tanto no trabalho quanto em casa, e ele se sentia relativamente descansado. Voltou a comer bem, lavou a louça, ligou para a sua mãe e voltou a sair com seus amigos.

Seus dias eram bons, o problema eram as noites. Oito horas sem fazer nada além de meditar, todos os dias, sozinho, sabendo que a alternativa era sofrer de cansaço durante o dia. Houveram noites em que ele se rebelou. Imaginou-se em cenas de ação, duelando de espadas ou pilotando uma X-Wing. Outra noite passou o Episódio IV inteiro na sua cabeça, como se assistisse ao filme. O resultado dessas noites rebeldes era sempre o mesmo: no dia seguinte era como se não tivesse descansado, e ele prometia para si mesmo que naquela noite não cometeria o mesmo erro.

Após alguns meses ele estava pró em meditar. Já tinha até uma rotina. Criava uma versão simplificada de seu quarto, mas todo “zen”, com um bonsai de pinheiro-negro e um daqueles jardins de areia japoneses, uma janela que sempre dava para um céu azul por onde entrava seu cheiro favorito, o de grama cortada, e silêncio completo. Depois se sentava num puff super confortável, fechava os olhos e tentava não pensar em nada até acordar - o que fazia o quarto desaparecer, mas o importante era aquele relaxamento inicial. Ficou tão bom nisso que não gastava nem cinco minutos para criar o quarto, e conseguia descansar o resto da noite.

Ainda achava todo o papo espiritual das religiões orientais pura baboseira, mas aprender a não pensar em quase nada havia salvado sua vida.


Uma noite ele sentou-se naquele puff, fechou os olhos e prestou atenção em seus pensamentos. “Ainda tenho oito horas disso”, “não vou conseguir me concentrar hoje”, “amanhã tenho muita coisa pra resolver no trabalho”, “toda noite será assim, pro resto da vida?”. Como sempre, no começo seus pensamentos abundavam, mas Luís foi vencendo-os um a um, até que conseguiu manter o foco apenas em uma coisa: um ponto imaginário a cerca de dois metros à sua frente. Toda a sua energia mental estava focada naquilo. Algumas horas se passaram e então, como que num passe de mágica, ele esqueceu de prestar atenção no ponto.

Não percebeu quando passou a não pensar em nada, como havia lido que era possível, mas sempre duvidara. Sua autoconsciência naquele momento era como o nada lá fora: nem escura, nem clara, apenas não existia.

- Oi Luís.

A voz era grossa, mas feminina. Luís abriu os olhos assustado. Estava no meio daquele nada que já conhecia bem. Olhou ao redor, procurando alguém.

“Devo ter imaginado isso” pensou, frustrado de ter que começar a meditação de novo.

Imaginou o quarto. O chão, o puff, o bonsai, a porta, a janela, dessa vez até colocou um aquário em um canto porque estava sentindo-se criativo. Sentou-se no lugar de sempre, sentindo o cheiro de grama cortada.

Alguém bateu na porta.

Luís levantou-se de supetão. “Que porra é essa?”. Ele olhou para a porta assustado, tentando perceber se realmente tinha alguém do outro lado. Imaginou que lá fora o sol brilhava. Debaixo da porta a luz entrava em três fachos, como se houvessem dois pés parados do lado de fora. Certamente ele não estava imaginando aquilo de propósito.

Criou um olho mágico na porta e espiou. Do outro lado havia uma pessoa com longos cabelos pretos.

- Deixa eu entrar, Luís - ela disse.

Ele hesitou por um instante, mas ter um amigo nessas noites não seria nada mal. “Foda-se”, pensou, e abriu a porta.

A criatura entrou quase que violentamente, mas sorrindo. Olhava ao redor com muito interesse. Ela não usava nenhuma peça de roupa, mas seu magro corpo era coberto de pêlos, como os de um cavalo, e os longos cabelos pretos chegavam à cintura.

- Hm, não quer se sentar? - Luís apontou para a cama, sem jeito.

Ela se acomodou e bateu com uma mão peluda ao seu lado, sinalizando para que Luís se sentasse também.

Ele obedeceu.

- Quem é você? - O jovem perguntou.

Ela o olhou com grandes pupilas que cobriam quase todo o espaço branco dos olhos, que estavam abaixo de grossas e bagunçadas sobrancelhas. Quase sem queixo, seu rosto terminava em uma larga boca que ia de orelha a orelha.

- Não sei - ela respondeu, com toda a honestidade do mundo.

- Mas como você veio parar aqui, na minha cabeça, se eu não estou te imaginando?

Ela riu. Seus dentes eram pontudos.

- Eu sempre estive aqui, você que chegou faz pouco tempo.

- Então por que eu não te vi antes?

- Eu não pude fazer muita coisa desde que você assumiu o controle. - Ela já havia perdido o interesse no jovem e voltara a olhar ao seu redor. - Você me bloqueou.

- O que você fazia antes?

A mulher se levantou para olhar de perto o aquário.

- Se lá, o que eu quisesse - disse, batendo no vidro.

- Mas sempre aqui, na minha cabeça?

- Sempre aqui. Onde mais? - Ela pegou um peixe amarelo e o jogou em sua boca. Luís tentou disfarçar o choque - Mas, aparentemente, - ela continuou, mastigando - você prefere apertar um interruptor do que transar com a Mara vestida de Leia, o que eu posso fazer?

Ele ficou sem palavras por um instante, tentando entender o sentido daquilo tudo.

- Você controlava meus sonhos?

- Boa parte sim. A maior parte não.

- A maior parte eu que criava, certo? Meu inconsciente que criava?

- Sei lá - Ela fez uma cara como se nunca tivesse ouvido aquela palavra. - Só sei que você tirou todo mundo da jogada, né?

- E o que aconteceu com ele?

Ela deu de ombros, sinalizando que não sabia.

- E por que foi você que apareceu agora, e não o meu inconsciente?

Ela deixou o aquário de lado e o olhou seriamente.

- Olha, eu não sei responder essas coisas. Essas palavras que você usa… É difícil explicar o que se passa por aqui. - Ela foi até o bonsai, arrancou uma folha em formato de agulha e a cheirou. - Só sei que vi uma brexa e entrei. Fui mais rápida que qualquer outra coisa, acho. Só isso.

A mulher parecia não conseguir focar em algo por muito tempo. Luís apenas a observou, até tomar coragem e perguntar:

- Você pode me fazer sonhar como antigamente?

Ela o olhou surpresa, as grossas sobrancelhas arqueadas.

- Você quer isso?

- Quero.

- Eu… Sim, eu posso. Eu posso! Você só precisa me ajudar.

- Como?

- Senta num canto e fecha os olhos. Vou fazer umas coisas por aqui. Não me atrapalha!

- Tudo bem.

Ele sentou-se no puff e fechou os olhos. Já que teria que esperar, era melhor descansar. Esqueceu o quarto ao seu redor e focou apenas em sua mente.

- Não abre os olhos! - A criatura falou.

Luís a ouvia andando de um lado pro outro, como se estivesse muito ocupada.

- Vou fazer você não perceber que é um sonho. Você gosta de terror?

Ele demorou um instante pra entender a pergunta.

- Prefiro sci-fi e fantasia.

- Mas terror é legal também, né?

- Sim.

O jovem sentia e ouvia coisas aparecendo ao seu redor. Um ar frio chegou até ele, cheirando a umidade. Ouviu passos de outras criaturas. Uma, duas, três. Andavam de quatro, como cachorros.

Ele sabia que não estava imaginando aquilo, estava tendo um sonho de verdade, finalmente. Sentiu uma das criaturas aproximar-se de si.

Luís abriu os olhos. Estava em seu quarto novamente, acordado.

O dia passou devagar. A perspectiva de voltar a sonhar e de ter uma noite inteira de descanso fez com que ele apenas pensasse em dormir. Quando finalmente se deitou, após tomar alguns comprimidos, nem percebeu a transição.


Estava escuro. Ao seu redor coisas que ele não podia ver caminhavam e rastejavam. O chão era frio e lamacento. Ele não sabia onde estava, sabia apenas uma coisa: as criaturas procuravam por ele, e podiam farejar seus pensamentos.

Se escondeu no que parecia ser, pelo tato, uma abertura nas raízes de uma árvore. Sentia pequenas coisas que viviam ali rastejando e subindo em seu corpo. Tentou não pensar em nada enquanto tremia de frio e medo espremido naquele buraco.

Um pensamento fraco acendeu em sua cabeça. Havia algo que ele deveria se lembrar. Algo óbvio que explicaria o que era tudo aquilo, como ele chegara até lá. Por um instante ele deixou aquele pensamento tomar conta de sua cabeça.

Uma das bestas saltou até sua frente, grunhindo. Ele ouviu uma segunda, uma terceira, e muitas outras criaturas se aproximarem. Elas sabiam que ele estava lá.

Antes que pudesse tentar qualquer coisa, dentes afiados espremeram seu braço e o puxaram com uma força descomunal. Luís sentiu diversos focinhos em seu corpo, cada um arrancando um pedaço de carne.

Enquanto sentia seus órgãos sendo arrancados do seu corpo, ele ouvia o rugido dos animais. Misturado com aquele som, ouvia também uma risada grave de mulher.


Luís acordou antes do despertador tocar. Checou no celular: apenas um minuto para o alarme. Desligou-o rapidamente. Adorava quando isso acontecia. Havia dormido tudo o que tinha que dormir e não teve que ouvir nenhum barulho. Riu de felicidade. "O dia começou bem", pensou.

Levantou-se e considerou o que comer. Acabou se decidindo por fazer ovos mexidos com tomate, requeijão e um presunto que ele tinha que usar antes que estragasse. Colocou "Cantina Band" pra tocar enquanto cozinhava, assobiando a melodia apenas de samba-canção.

Estava de bom humor. Por que não estaria? Fazia mais de um mês que ele dormia maravilhosamente bem. Tinha pesadelos todas as noites, mas acordava descansado, ao contrário da época dos sonhos lúcidos. Agora seu cérebro conseguia relaxar durante a noite, ainda mais do que quando meditava dormindo.

O dia se passou sem qualquer acontecimento relevante. Mais uma noite no escuro, desprotegido, ouvindo ruídos terríveis ao seu redor. Outro dia. Outra noite. E outra. E outra. As vezes era atacado durante o sonho. Sentia sua pele sendo rasgada por centenas de dentes e as bestas saltando de todos os lados para provar sua carne. Outras noites apenas se agachava e chorava, tentando entender aonde estava, e o que havia feito para merecer aquilo. Tremia de medo das coisas ao seu redor. Durante os pesadelos tinha a sensação de já ter estado ali outras vezes, de ter sido atacado e comido vivo, mas não entendia porque havia voltado, e se um dia escaparia de vez.

Durante o dia estava feliz. Produzia bastante no trabalho, via seus amigos e sua família. Depois de meses finalmente sentia-se totalmente descansado, mas as vezes, quando estava sozinho em casa ou no banheiro da firma, fechava os olhos e via cenas horríveis. Criaturas com presas gigantes esperando a noite para lhe caçar. Elas estavam lá ainda, escondidas num cantinho da sua mente. Ele se lembrava dos sonhos quando estava acordado, era quando dormia que não se lembrava de onde veio.

Ao deitar tinha receio de dormir. Sabia que os pesadelos estavam fazendo bem para ele, mas o medo era inevitável. Fazia duas semanas que ele tomava remédio para dormir todas as noites, e pegava no sono encolhido, abraçado no travesseiro. “Talvez se eu me esforçar um pouquinho pra sonhar lucidamente, só um pouquinho…”, pensou já grogue, enquanto o quarto desaparecia ao seu redor.

Estava encolhido, escondido dos monstros na escuridão. Tentava não pensar em nada para não os atrair, mas um pensamento rápido invadiu sua cabeça: aquilo poderia ser um pesadelo. Estava tão escuro que não podia ver sua palma da mão. Não havia interruptores por perto. Sabia que se imaginasse algo e aquilo acontecesse provaria que estava em um sonho, mas só de tentar isso já atrairia as bestas. Sentiu uma se aproximar, farejando. Podia ouví-la se movendo no escuro. “Foda-se”. Imaginou o local em que a criatura estava sendo engolido por labaredas.

Acendeu-se uma fogueira imensa e toda a floresta se iluminou de dourado. O monstro uivava. Olhos por todos os lados voltaram-se para Luís enquanto ele se esforçava para manter aquele pensamento e a chama acesa. Colocou fogo em outro. E mais um. Cada labareda criava compridas sombras pela floresta.

Monstros saltaram em sua direção por todos os lados. Ele imaginou-se um mago, criando uma barreira de proteção ao seu redor. Uma esfera invisível lhe protegia dos ataques. Era difícil imaginar tanta coisa ao mesmo tempo e apenas um dos monstros continuou aceso. Estava imóvel. Deitado, queimava como uma pilha de carvão.

- Idiota! - Era a voz da mulher que havia prometido o ajudar.

As criaturas rodeavam a barreira protetora. Luís, com cuidado para não a tirar da cabeça ou a enfraquecer sem querer, conseguiu imaginar outro monstro pegando fogo. Assim que teve certeza que esse havia morrido, colocou fogo em mais um. “Posso passar a noite inteira assim”.

-Idiota! Estou te ajudando!

Luís só percebeu que desviou sua atenção da barreira por um instante quando uma pata gigante bateu em seu corpo, lançado-o ao ar. Chocou-se contra uma árvore a metros de distância e caiu no chão.

Sentia sua roupa rasgada nas costas e o sangue escorrendo por seu corpo. A dor era insuportável. Tentou tirar seu braço esquerdo de baixo de si mas ele não respondia. Rolou para sair de cima do braço e sentiu sua costela, certamente quebrada, cortando sua carne por dentro com cada movimento. “É só um sonho”, pensou levantando-se devagar.

Estava escuro novamente e Luís podia ouvir os monstros correndo em sua direção.

Idiota! - a voz agora vinha de perto do jovem - Você pediu por isso!

Luís correu até ela, imaginando-se segurando a empunhadura de um sabre, e com um estalo metálico um facho de luz saiu do cabo e iluminou o lugar de vermelho. Ele viu a expressão de surpresa no rosto animalesco da mulher quando a partiu em dois.


Acordou. Mas não estava no seu quarto, estava de volta àquele nada dos seus sonhos lúcidos. O nada que não era nem frio nem quente, nem escuro nem claro.

“Estou sonhando ainda. Voltei a sonhar lucidamente”. Ele olhou ao redor, como se procurasse alguém que pudesse ajudá-lo. “Não… não…”.

Acordou de verdade, suado, com o despertador tocando. Levantou-se e se arrumou para o trabalho de forma automática, pensando em como seria sua vida a partir de agora. Matara a única coisa que pôde o ajudar. Voltara a sonhar lucidamente. Saiu de casa em direção ao ponto de ônibus.

Suas pernas estavam bambas. Teria que passar oito horas todos os dias sozinho, sem ter o que fazer, para o resto de sua vida. Não descansaria mais. Enlouqueceria.

Atravessou a rua tão perdido em seus pensamentos que nem viu o que lhe atingiu.


O nada não era nem preto, nem branco. Luís não sabia por que estava sonhando. Ele ouvia vozes que vinham do mundo lá fora. Pessoas que ele não conhecia gritando. Ouviu familiares. Alguns falavam pra ele que tudo ficaria bem. Reconheceu a voz de sua mãe.

Esperou horas fazendo o que costumava fazer quando sonhava lucidamente: meditando, imaginando algo, passando um filme em sua cabeça. Só quando, durante uma conversa da sua mãe com um médico, Luís ouviu a palavra “coma”, que ele entendeu quanto tempo passaria naquela tortura.
submitted by KoopaTrope to EscritoresBrasil [link] [comments]


2019.03.25 14:52 HakuGM [Aporte] Guia de bardo

Originalmente publicado por TX$2
Guia bardo por TX$2 1- INTRODUCCIÓN 2- RAZA 3- ENTRENAMIENTO 4- SKILLS A ASIGNAR 5- EQUIPO 6- A LA HORA DEL AGITE...
1- INTRODUCCION
Cabe destacar que el bardo es una clase muy importante en el Ao, ya que tiene mucha evasión y buena mana La evasión de esta clase es de 1.077, cuando llegues a tener 100 va a ser muy difícil que te toquen tanto bichos como otros players, es mas práctico que un mago ya que no hace falta ser un capo removiendo por la misma evasión que te salva el culo muchas veces. Al ser una clase mágica, tiramos apoca y tenemos muy buena mana para aprovechar En lo que respecta a vida, voy a explicar mas adelante segun razas En defensa con escudo, es la clase que tiene menos posibilidades (0.8 de bloquear) despues del trabajador, y porsupuesto las clases que no bloquean asi que la principal arma defensiva es la evasión En lo referido al combate con armas, el bardo no es precisamente un combero garchador, tiene 0.7 en punteria con armas y 0.75 el daño, es bastante pobre pero puede llegar a ser útil en algun punto. Eso se va a ver después
2- RAZA
A la hora de crear el personaje, lo primero que hay que fijarnos es la RAZA, para esto creo que tenés 3 opciones Humano: modificadores +2 en constitucion +1 agilidad +1 fuerza No recomiendo un bardo humano, si bien gana de 6 a 10 puntos de vida por nivel (nada despreciable) el mana que gana es 36 por nivel, no rinde. Si te vas a crear un bardo humano que tenga la posibilidad de golpear con armas recomiendo que saques minimo 17 en fuerza mas el modificador +1, agilidad SI o SI 18 para tener 19 al igual que inteligencia que queda en 18, y constitucion en 20 Elfo: modificadores +1 constitucion +2 inteligencia +3 agilidad -1 fuerza Esta es una buena combinacion entre el humano y el gnomo, gana 40 puntos de mana que se notan y MUCHO con diferencia al humano, y 6 a 9 de vida por nivel. Yo creo que deberias sacar 18 en fuerza para tener 17 final, en agilidad podrias llegar a tener algun 17 por que con el modificador +3 vas a poder dopar a full con 40. Constitucion e inteligencia 18 sin discusión Gnomo: modificadores +4 inteligencia +3 agilidad -2 fuerza Esta creo que es la mejor opción para el bardo, 44 puntos de mana por nivel es una cosa de locos, en el 45 si no me equivoco tiras doble apoca sin chupar (seria algo epico). La vida que gana es de 5 a 9, la raza que menos gana. No creo que sea conveniente combear, asi que la fuerza no importa, la agilidad se puede permitir algun 16 o 17 para dopar full, y la constitucion e inteligencia 18. Cuando el personaje este creado fijate bien que la vida inicial sea arriba de 20, sino vas a tener muy mal promedio Los promedios segun raza son: Humano 8 ; Elfo 7.5 ; Gnomo 7 Listo, ya esta creado el bardo
3- ENTRENAMIENTO
Para asignar los 10 iniciales, podes mandarle 5 a magia y 5 a navegacion o 6 a magia y 4 a navegacion, lo correcto seria tener la primera opcion mas en cuenta y entrenar magia con ATAQUE DE HAMBRE, pero es indiferente. Nivel 1 a 13 Esto es lo mas facil, sos una mierdita que tira dardo andando por ahi semi en bolas. Entrenando magia, podes levelear tranca en todos lados siendo una especie de parasito, la primera opcion es micro ao la parte de abajo con el dragoncito (pequeño dragón creo que se llamaba), sino tenes varias alternativas como arañas en dorck catas etc, asesinos en el 54 o por ahi, lobos en bander o en el 24.
Nivel 13 a 16 Disponiendo de flecha electrica podes optar por ir arañas, bichos similares al entrenamiento del 1 al 13 pero excluyendo micro Ao en tus opciones.
Nivel 16 a 24 Tenes misil etereo papa! es un avance esto, ahora lo que mas recomiendo es ir ogros a dm pero tambien podes seguir con arañas (el bichito modelo)
Nivel 24 a 25 Ahora que inmovilizas, anda a dd de una que subis muy rapido.
25 a 28 NAVEGAAMOOOOS, se que cualquier pibe no-enfermo que llega al nivel 25 se siente como en el dia de su primer beso de lenguita, no obstante ser 25 es lo mismo que ser 24 con barco jajaja, pero tenes TODO el mundo del Ao para vos, podes ir a donde quieras. Es bastante tedioso entrenar ahora, yo recomiendo seguir en dd, o ir dm, ogros, arañas, rebuscatela-
28 a 32 El nivel 28 va a ser el nivel en que asignes magia (mas adelante), por lo tanto vas a poder usar los echizos indispensables para el entrenamiento de un magico como invocar elemental de agua o invisibilidad. Yo diria que vayan a preto con magos malvados, rinde mucho mas de lo que parece tanto en experiencia como en oro, yo me compre apoca muy rapido entrenando aca.
32 en adelante Ya sos un jugador que pisa fuerte, si llegas a ser gnomo pienso que podes combear apoca desc en azules, podes ir a cualquier lado que se te cante y mejor si estas acompañado, el mejor lugar para entrenar en dv pero teniendo en cuenta que esta habitado por gente con capacidades especiales el 100% del dia, una buena opcion es leviatanes en todos los mapas que estan, o bien podes ir espe DA seguir en preto, cualquier lado y depaso buscas algun que otro agite.
El bardo NO usa md, una buena opcion para entrenar hasta el 28, pero si vos tenes a alguien que te haga una buena party se te va a pasar volando y hasta el 16 en lo posible que te muleen algunos guzanos en desert que hay poca gente.
4-SKILLS A ASIGNAR
Paso a explicar textualmente la asignación de skills para que sea lo más entendible que se pueda. Cuando subas al nivel 2 vas a tener para asignar 10 puntos por ser el primer nivel, a partir de ahí por nivel se gana 5 skills para asignar; nivel 5 tendrías 25 puntos para asignar, nivel 10 50 puntos, y a ese paso siempre y cuando no te mandes un moco, en el nivel 25 vas a tener 125 skills libres, de los cuales vas a utilizar 66 para navegar + los 4 iniciales 70 NAVEGACION. Ahora vas a tener 59 libres, al 28 vas a tener 74 puntos para asignar de los cuales vas a utilizar 30 para MAGIA y 30 para MEDITAR; entonces queda algo asi NIVEL 28 70 naturales en magia y meditar, asignas 30 de los 74 libres, quedando 100 y 100 para entrenar joyita, y 14 libres. A partir de ahora se vuelve algo complicado el tema de subir de nivel y los skills para asignar, pues quedan TÁCTICAS, ESCU, y opcionalmente combate con armas y apuñalar. La guía está para asignar tácticas y defensa con escudo solamente, por lo tanto sería una cosa asi: En nivel 30 con los libres y los naturales tácticas llega a 99, lo que es un pijazo monumental, entonces no queda otra opcion que esperar un ratito (un ratazo) más entrenando y asignar todo junto. Cuando seas 33 vas a tener 39 libres, de los cuales vas a utilizar 34 sumado a los naturales que tenés en estas habilidades (83) y vas a terminar con 100 en todo y 5 libres, a partir de ahí va en vos sumarle a algún otro tipo de habilidad como armas o apu, o liderazgo carpintería cualquier cosa. También es posible asignar tácticas en el 31, pero defensa con escudo va a tener que esperar más, aunque el skill más importante a nivel defensivo estaría completo.
5- EQUIPO
Túnicas: el bardo usa TODAS las túnicas, druida azul roja verde violeta, y además usa la armadura de cuero y seguro se me escapa alguna. Armas: poco y nada, el arma más fuerte es la cimitarra que se hace en herrería, así como la daga +3 y +2, pero una opción alternativa es la corta (para facha más que nada) Escudos: tortu Anillos y laúd: el bardo puede usar hasta el diso, cosa que es muy útil pero cuando tengas equipado este item no vas a poder tener el laúd encima, por lo que vas a tener que elegir, pegar más o tener mejor defensa mágica Es importante salir con unas cuantas potas cuando entrenes o agites, y equipado en forma decente, no se descuiden nunca
6- A LA HORA DEL AGITE El bardo es una clase dominante pienso yo, no es imbatible pero sabe defenderse y muy bien. Es importante usar un laúd élfico, para que nuestros echizos aumenten un daño del 4% (por ejemplo apoca en vez de pegar 200 pegaria 208) y también se pueda tirar resu. Lo malo del alkon es que todos los malco viven invi, no le veo la gracia a tirar echizos al aire, eso es un punto bastante negativo me pasó MUCHAS veces que otros pibes de mucho más nivel que yo me agiten invi (y demá esta decir las mil y una que te hacen pasar, elementean encierran piquetean etc.) Cuando juegues con un bardo contra una clase no-mágica como el guerre o el caza, pienso que si no es por un descuido, no hay posibilidad de matarlo, al igual que un pala o un bandido, por eso es mejor andar con un amigo o salí de ahí. Contra todas las demás clases, podés jugar al aim, o cuando inmovilizás tené en cuenta que el otro que agita va a pasar a azules si se remueve, por ende sería inmo + algún combo al aim y la posibilidad de que viva es mucho menor que al aim de una. Si el muy gay se planta en reds, eso es malo. Si vos combeás, vas a tener una posibilidad más alta de ganarle al mago y al druida, que son clases con mucha defensa mágica y con mucho mana. No hay que descartar el daño del apu, pero solamente rinde cuando sos nivel ALTO, sino es lo mismo que nada
Para despedirme agradezco a los que se tomaron la molestia de leer esto, y me despido (: Saludos

submitted by HakuGM to argentumonlineoficial [link] [comments]


2019.03.22 06:50 lizziehope Em um futuro distante

Estava em uma noite turbulenta, era inacreditável o tempo que passei jogando em meu quarto, dia de folga no trabalho. Queria tomar alguma coisa, uma cerveja ou um vinho. Peguei meu capacete e fui de moto a loja de conveniência mais fácil de se passar. O jogo no tráfego foi normal, como sempre joguei no médio para não correr tanto risco. As linhas do meio são para os rápidos, como a minha moto voa em uma velocidade que cabe apenas na estrada e na altura mais baixa do teto - do jogo - tento sempre manter o limite máximo de minha moto, mas quase não suporto o tédio. Na entrada da loja, até a porta se abrir, tento não logar no tetris ordinário que eles conseguiram comprar com algum, digamos, esforço. - Boa noite, bem vinda a Sisiticom Conveniências, sinta-se a vontade para escolher qualquer um de nossos novos ingredientes - O dono, um robô de idade anulada, almas estranhas e uma voz suave me recebe automaticamente enquanto finjo que não consigo entender a chave de seu cofre principal. - Você pode se prevenir um pouco mais - Solto enquanto pego dois frascos pequenos de yakisoba e uns quatro de vinho tinto. Algo fez com que minha mente mudasse de idéia, escondo dois frascos de suave em meu bolso e sigo para o caixa. - Tudo fica quinhentos e noventa pins - Pins são as moedas mais usadas nos jogos de nosso país. Podemos usar outras, mas nosso mundo tenta dividir as moedas para que não haja confusão. - Quinhentos? - Olho para o robô, ele adormece enquanto viro seus olhos ao quadro que aponta Oitocentos. - Sim - Ele sorri desanimado, pago e saio sentindo um sentimento de vazio. Talvez ele consiga sentir ainda a vergonha de tudo o que ele fez, mas talvez ele não seja um animal para ser tratado apenas como um objeto. Seguindo as instruções, como de costume, termino os jogos e volto para casa. Enquanto relaxo, perco minha cabeça novamente. É difícil se manter acordada e sã enquanto vivencia o caos do mundo. Coloco algumas gotas de Yakisoba no prato e com água faço vinho no copo. Tento não zombar de minha acompanhante secreta que ainda crê em um Jesus que, assim como eu, fez esse mesmo milagre. - Seria muito bom se pudéssemos falar, um dia, pessoalmente - Ouço uma rolha, algo como um verdadeiro vinho. Enquanto encaro o escuro, tentando escutar o indizível, fecho a cara e acendo uma vela. Queria ver algo na fumaça como os antepassados, mas só consigo prestar atenção nas sombras dançantes. Tento esquecer de morder os lábios, consigo sentir um aperto. - Privacidade exclusiva para você e seu momento íntimo de prazer - Uma propaganda, um pouco spam, chega incomodando novamente minha viagem para a freedolandia. - Sem pornografia por hoje... - Tento manter meu corpo frio. - Você poderia aproveitar ao máximo - Sinto-me lisonjeada ao sentir seus dedos em mim, mas confesso que quanto mais dentro você está, mais assustada eu fico. A liberdade era a minha rival - Eu sinto cheiro de sexo em você. - Eu realmente estou excitada, você me pegou, como sempre - Dou uma falsa risada - Podemos então? O quarto privativo se abre. Minha casa, antes um nojo de bagunçada, vira um lindo quarto azul. Com luzes vermelhas e verdes. Engulo em seco, tento ficar calma. Como um pouco e depois olho para meu companheiro de cela. - Está tudo bem? - Sorrio desconfortavelmente. - Não, como... - Ele tenta se explicar e avançar, dou apenas um sorriso covarde. - Você é novo aqui? Cidade pequena? - Engulo rápido para que não perceba minha vergonha em nudez. - Sim - Vejo um ponto de tristeza ancorada em sua fragilidade masculina, não olho para baixo, ele ousaria? - Você pode... - Negar se quiser. Esperamos até que cada um acabe sua refeição. Estamos delirando, cada um em seus próprios pensamentos. Ele se vira para, talvez, perguntar meu nome. O tempo se esgota e eu finalmente estou com roupa novamente. Os dias, as noites. Ativo os jogos novamente. - Oi - Recebo a resposta adiantada de meu próprio oi. - Bernard, quanto tempo eu perdi? - Quantos Pins você perdeu, na verdade. - Que seja. - Alguns milhões, mas não esquente com isso, estamos quase conseguindo achar a maldita chave do tempo. O templo de magia do jogo novo promete finalmente liberar esse item. Os guardas e os npcs estão uma fera. Tudo está saindo de controle por essa merda - Sua voz está sendo sufocada por alguns bits, acho que eles ainda querem espaço, mesmo depois da exposição horrível envolvendo política a muito - O que você quer com esse item, afinal? - Conhecer ela. Nossas vozes terminam ao mesmo tempo. Entro em The Sims, um dos jogos antigos que eu mais gosto de jogar, entro diretamente na família Dezas. Sento-me ao lado de Elizabeth enquanto ela troca mensagens em um grupo sobre fakes. Estranhamente, mesmo adorando jogar e criando mundos extremamente fortes, ela teima em conquistar um príncipe que, se eu a contasse ela não acreditaria, é uma menina. Quando ela acordar vai ser pior, eu acho. Mesmo no futuro, sentindo que está tão mais frio e tortuoso, consigo saber que ela poderá sair dessa tela. Eu vou voltar um dia, porque mesmo perdendo tempo, tanto tempo, jogando esse jogo, eu consegui Pins em todos os outros. - Nesse dia, Elizabeth, não se assuste mais com minha voz - E então, como num passe de mágica, ela consegue alcançar minha voz, mas sabe que não era por ela que eu estava chamando - Um dia eu vou saber seu nome, eu vou deixar você crescer. - Mãe? - Ela pergunta se alguém a chamou. Consigo relaxar enquanto vejo ela voltando calmamente a digitar com seu príncipe, disfarçadamente ela se cobre. Precisa de privacidade para se masturbar. Encantada tento controlar meu desejo de dar a ela uma chance de se livrar dos npcs ruins, eles tentam assustar ela, mas ao mesmo tempo, ela consegue ter esse momento que eu não possuo mais. - Seu amor espera você em outra vida - Sussuro e deslogo. Era horrível, porém gratificante, ajudei de certa forma passado. Sim, ninguém liga muito, porque não há o que se fazer, no futuro temos muitos problemas sem solução alguma e alguns gigantescos por vir. A única e última carta de amor que o passado escreveu, foi a muito tempo. Todo mundo se tornou assexuado, depois que a mídia se tornou totalmente visível é uma lei não se masturbar sem acompanhamento das empresas de privacidade, que apenas trocaram de dados com o pornô. Todos sabem que esse é um velho jogo para pornografia dos ricos, mesmo que exista uma grande investigação e protocolos rigorosos, ninguém acredita mais nesse quarto. As maiores teorias da conspiração vieram depois de descobrirem que um político e uma criança estavam juntos em uma dessas salas e a criança, como de costume - isso apresentaram depois das provas - era mais uma das inocentes. Porém, depois de algumas crises de empresas e marketing, o jornal dos loucos começou a dizer coisas como: "Crianças do futuro querem nascer: Sabotar a política para destruir as maquinas". Algumas mulheres começaram a enlouquecer, gravidez psicológicas e abortos sujos rolaram em toda a cidade. Muitas mulheres ainda sonham na liberdade de ter um filho hoje em dia. Elas destruíram alguns robôs, fizeram músicas, filmes novos. Tentaram demonstrar com toda a força que o amor ainda poderia existir, mas nada derruba a empresa. Os filhos robóticos mudaram de nome para I.A. e havia skins que deixam qualquer garota apaixonada por seu queridinho animal de estimação. Tento disfarçar o nojo ao ver mais uma mulher empurrando esses merdas no balanço. Infelizmente, esses I.A's são como Chuck. Criam vida e saem brincando com os outros. Por não terem alma, roubam dados dos cemitérios antigos e, além de bagunçar a linha do tempo, conseguem logar em nossos jogos. Se não interferisse em meu xadrez matinal, seria uma bênção, menos gemidos de dor. Risadas fofas, brincadeiras extintas. O ruim é olhar isso da janela, mesmo que seja coberta, consigo ver através. Há corpos caindo. Queria segurar o choro, mas eu sei que aquele parque não está ali. Sei que as crianças não são reais. Sei que há corpos caindo. - Suicídio. Respiro. Entrei em algum jogo diferente. Ao ver o sorriso dela, meu coração dispara. - Elizabeth? - Ela acordou?
submitted by lizziehope to u/lizziehope [link] [comments]


2019.01.22 23:29 tantofaz186 Ninja versus monge. A vingança - batalha final

Olá Reddit Brasil. Segue o primeiro conto que eu criei na vida, nunca postei em lugar nenhum e não sei onde postar, mas não aguento mais ficar com esse .txt me encarando na área de trabalho por 6 anos. Críticas são extremamente bem vindas. Espero que gostem:




Ninja versus monge. A vingança - batalha final parte 3

Aqui estou eu. Prestes a contar sobre uma estória verídica. Pode não parecer, mas ela é realmente verdadeira.
Por que EU estou contando esta estória você se pergunta. Por que não outra pessoa...
Porque eu sou o guardião dos sete universos e o observador das 12 dimensões, um ser que está presente em todos os lugares e em nenhum ao mesmo tempo. Talvez existam seres que vivem em dimensões acima da decima-segunda, com mais poderes que eu, mas essa discussão filosófica ficará para um tempo no qual estarei livre para jogar conversa fora.
Esta é a história de Wagno. Um monge protetor de sua dimensão.
Por coincidência essa estória aconteceu na sétima dimensão do sétimo universo. A mesma que deu origem à terceira dimensão, por isso é possível contar esta estória em apenas 3 dimensões e como não quero detalhar muito, é o que farei.
Não é aqui que a estória começa, mas esse é o ponto de partida crucial para o seu entendimento.


Wagno já estava cansado e a barreira de seu universo estava prestes a se romper. Tudo o que ele conseguia ver era a vastidão de seu universo. Sua visão estava composta de escuridão. Alguns pontos onde havia luz de sóis e galáxias distantes se destacavam naquele ambiente que apesar de vasto, era principalmente composto pelo vácuo.
O ninja berrava:
É só isso que o guardião desse universo tem a oferecer? Eu te admirava, mas percebo agora que você não passa de um homenzinho de merda!
O monge não se deixava abalar pelo discurso de seu inimigo. Logo se recuperou e esperou o ninja atacar primeiro.
Nessa batalha o único que desferia golpes era o ninja, mas o monge ainda estava à sua frente, apenas contra atacava e seus contra-ataques eram ferozes, mas isso não poderia continuar por muito tempo.
O ninja atacou e o monge, com seus braços resistentes como o aço, se defendeu. O som se parecia com o cair da água da chuva, o que demonstrava a batalha harmônica que os dois travavam. No mesmo momento que o ninja atacava, o monge se defendia e já partia para o contra-ataque.
Porém a batalha já havia durado séculos e Wagno, o protetor do sétimo universo, já estava cansado. O ninja se aproveitava disso para desferir seus golpes mais violentos e não dar chance ao monge de se levantar.
-Agora você não escapa de mim!- disse o ninja enquanto jogava o que pareciam ser papéis na direção do monge. Esses papéis tinham uma textura áspera como se fossem amassados, mesmo assim grudavam na pele como uma fita adesiva.
-papéis explosivos?- pensou o monge enquanto os papéis grudavam em sua pele- Não!!!- quando viu o sorriso do ninja já era tarde para o monge. Ele tentava tirar aqueles papéis que estavam sugando sua energia vital e com muito esforço, conseguiu.
-Agora já é tarde - disse o ninja rindo maleficamente- meus papéis já roubaram quase toda a sua energia. Você não é mais páreo para mim!!!
O monge reparou que, realmente, sua força lhe falhava, mas o ninja estava muito enganado sobre estar páreo para o monge. Wagno tinha ainda uma técnica para usar. Esse era seu último recurso como protetor de seu universo e era apenas para ser usado em casos extremos e esse caso já estava extremo à alguns anos. O monge sabia o que teria de fazer e estava apreensivo, porem, não mostrava essa apreensão à seu oponente.
O monge se preparou e olhou mais uma vez para aquele universo vasto. Ele prestava atenção nas milhões de galáxias brilhantes na vista de seus olhos. Preparou seu golpe.
Por fim, investiu contra o ninja agarrando em seu peito. Uma onda de energia foi criada e tinha a forma de uma esfera que crescia incontrolavelmente tomando primeiro o ninja, mas ficando tão grande a ponto de cobrir o monge e finalmente estourar. E então aquela vasta vista semi-escura coberta de grandes galáxias e grandes estrelas que clareavam o universo passou a ser apenas escura, composta por galáxias destruídas e sem mais vida. Aquilo que já fora uma vastidão agora se reduziu à nada, a um universo vazio e enquanto aquela explosão consumia, pouco a pouco o universo de Wagno, ele percebeu o que havia feito, acabara de matar sua filha...






Ninja versus Monge. A vingança - batalha final parte 1



... -Não me importa a sua história, o que me importa é se você sabe qual é o preço mocinha.
A besta não se mostrava. Apenas a projeção de sua sombra era visível, ela segurava um pote antigo inscrito com escrituras indecifráveis e pinturas que representavam o cotidiano de vários demônios lendários, mortos atualmente.
-Sim, mas o sangue de meu pai também será derramado.
O demônio riu -Que seja. Agora dê-me, para que fique completo.
A garota pegou a faca e cortou seu pulso verticalmente. O sangue escorria e caia no pote que o demônio segurava até que o mesmo se encheu por completo.
As figuras no pote começaram a mexer até se tocarem formando um feixe. Uma pequena energia mágica de cor vermelho opaco se formava ao toque dos demônios. A magia era fraca pois o demônio com quem a garota falava era apenas um servo de um servo, mas já lhe servia de alguma coisa. A magia percorreu o pote três vezes e brilhou um pouco mais, porem nada significativo.
As criaturas que se tocavam no pote, se viraram e apontaram para a jovem que apenas olhava tudo acontecer com desprezo. A energia então saiu do pote e penetrou diretamente a alma da garota que gemeu levemente de dor no momento.
O demônio riu mais uma vez -Está pronto, pode ir, vá em frente com essa vingancinha porque assim que acabar, você será minha.
A criatura riu uma ultima vez antes de desaparecer por completo. A jovem continuou com seu olhar de desprezo para a projeção da besta que se tornava transparente. Pegou sua máscara e colocou em sua boca cobrindo até uma parte do seu nariz. Seu poder emanava da alma que agora não mais lhe pertencia. O que sobrou de si era uma consciência fatigada e uma sede por vingança fervorosa...

Os dois se encaravam, ambos esperavam seu oponente desferir o primeiro golpe. Ao redor dos dois estava o sistema "Sept" um sistema não habitado que possui esse nome porque seus sete planetas estão na mesma distância da estrela mãe e consequentemente partilham a mesma órbita.
O monge contemplava esse sistema mais uma vez pois sabia que podia ser a última. Não sabia a extensão do poder do ninja, mas qualquer um que pode sobreviver no vácuo e desafiar o guardião de um universo tem uma capacidade respeitável.
O ninja sempre impaciente tomou o primeiro movimento e correu pra cima do monge.
-Essa é a última chance que dou para você parar e ir sem ninguém se machucar.
O ninja parecia não escutar os avisos e, antes que o monge pudesse acompanhar, agarrou seus robes e direcionou seu corpo para o maior planeta do sistema...
A destruição desse sistema era iminente assim como o fim desta batalha. O sétimo universo seria destruído novamente, mas um evento de tamanha magnitude não pode acontecer da mesma maneira. Quer dizer, até pode, mas eu já vi de tudo e ainda mais de uma vez, então porque não mudar as coisas um pouco?
Foi assim que eu fiz minha primeira alteração no tempo. Mandei uma visão para o monge sobre o final desse confronto, e, pela primeira vez na vida eu pude presenciar uma coisa até então inédita na minha existência, um novo final.






Ninja versus Monge. A vingança - batalha final parte 2



...O monge foi isolado para Cent, este que era o maior planeta de Sept. Seu corpo era gasoso e composto principalmente por magnésio que deixava seu contorno avermelhado que contrastava com o azul sólido de seu centro. Seu tamanho era aproximadamente 17 vezes o tamanho da terra, porém não possuía formas de vida. O monge foi levemente sugado pela pressão do planeta que se desfazia com o impacto que levara do corpo de Wagno.
"Mais um planeta destruído". O monge remoía esse pensamento enquanto se recuperava do golpe do ninja. Sabia que o planeta não era habitado, mas se sentia impotente perante a sua missão de proteger seu universo.
"Mais um planeta destruído". O ninja buscava sua vingança, e, apesar de sua crueldade não se limitar ao monge apenas, o ninja se importava com o universo que tinha nascido. Não demonstrava porém sinais de fraqueza em relação ao planeta, não sabia se possuía formas de vida, mas acreditava ser impossível devidas suas cores exóticas, e isso o aliviava.
O monge se recompôs e reuniu forças. O ninja era muito forte, mas Wagno ainda tinha sua técnica secreta, ele sabia, porem, que só deveria ser usada em último caso pois era um sacrifício, transformar toda a sua massa corporal em pura energia. Ninguém pode sobreviver à pura energia sem se esvair também, afinal as condições são constantes.
O monge pensou por poucos segundos se deveria usar a técnica, ele concluiu que ainda era cedo e que ainda tinha chances de ganhar a luta. Um erro natural.
Eu estava esperando minha mensagem chegar ao monge. Mesmo sabendo de tudo, estou confuso, afinal sou atemporal, então minha mensagem deveria chegar no momento que eu quiser, mas ainda assim esse universo brinca comigo e não atende às minhas vontades. Parece que não sei de tudo afinal.
O ninja foi em direção ao monge, pegou um escombro do planeta e atirou na direção de Wagno. O ninja sabia que aquilo não iria machuca-lo, mas precisava de uma distração. O monge isolou a pedra gigante com o antebraço e não viu mais o ninja.
-Onde você se escondeu? -Wagno olhava para todos os lados, mas não via nada.
Repentinamente um soco na sua barriga, bochecha esquerda; um chute no calcanhar, no queixo; neck scissors. Wagno não o via, mas sentia imensa dor nos golpes que recebia, estava sufocando com as pernas de seu oponente em volta de seu pescoço. Perdeu massa: onda de energia. Wagno ainda não via, mas conseguiu acertar o ninja. Perdeu mais massa: escudo de energia. O escudo tinha um grande diâmetro, com ele Wagno conseguia sentir tudo ao seu redor, os escombros de Cent, alguns planetas de Sept e com certeza o ninja. Fechou os olhos, agora eles só serviam para lhe enganar e gastar mais energia.
O ninja não conhecia essa habilidade, mas como os olhos do monge estavam fechados, isso lhe dava uma dica portanto se tornou visível novamente e esperava que o monge não abrisse os olhos, e não abriria. O ninja ficou visível novamente, mas o monge não perceberia, pois seus olhos permaneceriam fechados. A mensagem.
"Eu não consigo ver tudo. Por quê? Tudo está acontecendo".
Foi nesse momento... momento... momento que eu entendi. Momento... esse era o erro. Momento, horas, tempo. O tempo. Isso estava errado, o tempo, ele existia, ele fazia parte de mim. O tempo... o tempo.
Eu olhei para o lado tentando escapar desse pesadelo e eu vi o monge e o ninja por um breve segundo... segundo... Tempo. Me acalmei, reparei que o monge estava de olhos arregalados; mas ele nunca esteve, nunca deveria estar. A mensagem, era isso, mas algo estava errado, os olhos de Wagno expressavam medo e dor.
Eu vi. Ele viu o que eu via, tudo. A mente dele não estava preparada e tinha coisas que ele nem compreendia. Eu fiquei com medo do que ele pudesse fazer com todo aquele conhecimento, mas Wagno era um homem honrado, não iria faltar com seu dever de proteger seu universo, mas também não poderia matar sua própria filha. Fiquei com medo de que tudo se repetisse e o universo fosse destruído, mas ficaria mais horrorizado se o ninja vencesse a luta, porque seria um futuro o qual eu não tinha conhecimento.
No final eu não descobri a última ação de Wagno já que, quando ele ia tomar sua decisão, eu me virei pois algo estava me puxando. Nada existia ali antes, mas o tempo tinha penetrado. Ele agora me engolia para o esquecimento, eu tentei escapar, me mover ou apenas segurar em algo, mas não havia nada ali. o tempo, que agora existia no meu plano, me consumiu por completo para uma dimensão diferente, eu não estava morto, mas a sensação era idêntica.
Não via nada, sem luz, apenas escuridão, era um limbo. Eu podia me mexer, mas não tinha efeito, nada mudava pela minha presença e eu me senti impotente. Era pior que o inferno, eu não podia observar nada e, portanto, não tinha propósito.
Nada mais existia. Nem o monge, nem o ninja, muito menos os sete universos e suas doze dimensões, o que restou disso tudo era eu e o tempo... o tempo... ele ainda existia e me consumia aos poucos vendo meu sofrimento. O tempo tomava seu próprio tempo para me matar e me ensinar a lição de nunca mexer com ele.




Eu fechei meus olhos me sentindo impotente, imaginei que nada tivesse acontecido e que eu estava novamente observando tudo. Eu sei que é tudo uma ilusão e se eu abrir meus olhos tudo vai acabar, mas eu prefiro viver uma ilusão do que viver esse tormento até o fim da minha vida, por isso até hoje mantenho meus olhos fechados e assim os manterei até morrer. Não sei quanto tempo ainda vou durar, só espero que acabe, que meu corpo decomponha, mas está demorando muito. Estou cansado de imaginar.
submitted by tantofaz186 to brasil [link] [comments]